quarta-feira, setembro 2

Robô Curiosity Encontra Uma "Colher Flutuante" em Marte?

Já vimos muita coisa em Marte, tais como "pedras flutuantes", "caranguejos gigantes", "iguanas", "pessoas", "fantasmas" e os mais diversos tipos de objetos possíveis e impensáveis de existirem na superfície do planeta vermelho.  Entretanto, esta nova imagem registrada pelo jipe-robô Curiosity é uma das mais fascinantes já vistas em relação a formação de rochas em Marte. Veja a imagem completa no site da NASA: http://mars.nasa.gov/msl/multimedia/raw/?rawid=1089ML0048420010500151E01_DXXX&s=1089

A suposta "colher flutuante" teria sido descoberta por um usuário do fórum UnmannedSpaceflight.com, após observar com mais atenção uma das fotos tiradas pela Curiosity no último domingo, 30 de agosto. Assim que você se depara com a imagem, logo você a associa a uma colher suspensa no ar, bem acima da superfície e próxima a camadas de rochas. Entretanto, até onde sabemos ou como muitos teóricos da conspiração dizem, até onde é divulgado, Marte não possui qualquer civilização suficientemente avançada, que fosse capaz de fabricar um tipo de utensílio como esse. Assim sendo a única resposta e a mais lógica que podemos sugerir, é a famosa pareidolia.

A pareidolia é um fenômeno psicológico que faz com que nosso cérebro interprete algum tipo de estímulo visual aleatório como um padrão ou um objeto familiar. Um exemplo famoso de pareidolia no espaço sideral é o "Rosto de Marte", onde uma colina na região marciana de Cydonia tinha o formato de um rosto humano. A famosa imagem tinha sido registrada pela Viking 1 em julho 1976.

As imagens mostram como a colina em Marte parece assumir a forma de um rosto em 1976, e nos anos seguintes,
como novas fotos revelam se tratar somente de uma ilusão.
De volta a superfície de Marte, a mesma é repleta de rochas de todas as formas e tamanhos. Não é preciso dizer que as imagens em alta resolução enviadas pela Curiosity acabam se tornando bem famosas e levando a inúmeras teorias da conspiração. Eu até mesmo cheguei a comentar de forma bem mais completa sobre isso quando postei sobre uma "pedra levitando" ou uma possível "sonda extraterrestre" em Marte, algumas semanas atrás (clique aqui para acessar a matéria).

Na Terra, se as condições forem adequadas, rochas, moldadas por centenas de milhares ou mesmo milhões de anos pela erosão eólica, podem parecer artificialmente equilibradas ou então lapidadas de maneira um tanto quanto incomum. Como exemplo temos o Jardim dos Deuses no Colorado, Estados Unidos e a Pedra Equilibrada de Utah, também daquele país. Em Marte, no entanto, a atmosfera é rarefeita, a gravidade é fraca, e outros processos erosivos são escassos, portanto a ação do vento pode criar estruturas ainda mais deslumbrantes do que na Terra.

Os processos eólicos (ação do vento) são predominantes em Marte, gerando desde pequenos redemoinhos de vento, até fortes tempestades de areia em todo o planeta. Toda esta atividade cria dunas e vales sinuosos, assim como pode criar arcos e saliências. No caso também poderia criar o que vemos como sendo uma "colher".

Além disso, já sabemos a partir da análise da Curiosity, em diversas formações rochosas do Monte Sharp, que veios minerais são comuns. Muitas vezes esses veios passam por cima de rochas sedimentares, e foi constatado que esses veios são ricos em sulfato de cálcio. Outros até mesmo apontam evidências que já houve um fluxo de água em um passado remoto na superfície de Marte. Um veio desses também é possível ser notado no lado direito da imagem. Esses veios podem contribuir para reforçar pequenas estruturas como a "colher flutuante" que vemos.

Poderia ser também um mero truque de luz, criando o que parece ser uma sombra por baixo da "colher", mas olhando para a direção da luz solar sobre a superfície, parece como se tivesse sido esculpida em uma rocha sedimentar e alinhada com camadas de rochas, que podem ser vistas traçando linhas em toda a superfície.

De qualquer forma tudo leva a crer que seja realmente apenas uma pareidolia, uma de tantas outras que sempre estão surgindo toda semana sobre Marte. Será que um dia encontramos algo em Marte, que as palavras não sejam capazes de explicar?

Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://news.discovery.com/space/curiosity-finds-a-floating-spoon-on-mars-150901.htm
http://www.washingtonpost.com/news/speaking-of-science/wp/2015/09/01/the-curiosity-rover-spotted-a-floating-spoon-on-mars/

terça-feira, setembro 1

Suposta Pegada de "Yeti" É Descoberta Por Garoto de 12 Anos Durante Uma Viagem de Acampamento na Rússia

A suposta pegada de um Yeti, que possui o dobro do tamanho da pegada de um homem adulto, foi descoberta perto do rio Mras-Su, na região de Kemerovo, principal região da Rússia onde muitos dizem avistar a mítica criatura também conhecida popularmente como "Abominável Homem das Neves". Um garoto chamado Denis Alexandrov, 12 anos, viu a marca deixada pela suposta criatura enquanto caminhava em torno de seu acampamento com outras crianças no início de uma bela manhã.

O garoto pediu ao seu pai, chamado Andrei, 49 anos, uma câmera e disse que tinha encontrado uma "pegada incomum". Andrei Alexandrov disse que até então não acreditava nas histórias que contavam sobre o Yeti, mas que ele mudou de ideia após verificar o que seu filho havia encontrado. Ele ainda descreveu a pegada como tendo o comprimento a partir do dedo anelar até o cotovelo de um homem adulto ou cerca de duas vezes o tamanho de sua própria pegada, uma vez que a marca deixada no solo se assemelhava muito a um pé humano.

Denis Alexandrov, 12 anos, foi o primeiro a ver a grande pegada deixada no solo, logo nas primeiras horas da manhã
"Costumo caçar então eu entendo um pouco sobre pegadas. Fomos até o local onde as crianças disseram ter visto a pegada, e a única coisa que eu posso dizer é que agora eu sei que isso existe. A criatura deve ser bem alta", disse Andrei.

"As bordas da pegada eram bem delineadas, o que significa que a criatura havia passado por ali não muito tempo atrás. Havia também um buraco cavado recentemente nas proximidades", continuou.

"A pegada estava em meio a lama, mas não havia sido desfeita devido a intensa chuva que caiu durante a noite. Seja quem for que deixou aquela pegada, estava caminhando não muito tempo antes de acordarmos", prosseguiu.

"Ninguém ouviu quaisquer barulhos durante a noite ou talvez ninguém conseguiu escutar devido a chuva", completou.

Segundo Andrei Alexandrov as bordas da pegada eram bem delineadas, o que significa que a criatura havia passado por ali não muito tempo atrás
O pai, morador da cidade de Novokuznetsk, tirou mais fotos da pegada e marcou a localização da mesma no majestoso Parque Nacional Shorsky, utilizando um aparelho de GPS.

"Estávamos em um grande grupo composto por quatro adultos e três crianças, remando de Ust-Kabyrza até Chuvashka. Nós chegamos no local de nosso acampamento à noite, e tudo havia transcorrido normalmente", disse Andrei.

Foto do acampamento montado por Andrei Alexandrov e mais alguns amigos entre os dias 29 e 30 de julho deste ano
"As crianças foram explorar as redondezas, tirando fotos de tudo. Os adultos foram montar as barracas e prepararam o jantar. Durante a noite um vento forte e quente soprava, e por volta de 1 da manhã começou a chover", completou.

"A chuva que caiu foi suficiente para encharcar o terreno, mas pela manhã a chuva já tinha parado", finalizou.

O jornal Siberian Times destacou que esta é a segunda vez neste de verão na Rússia, que alguém relata alguma coisa relacionada sobre "Yeti". Andrey Lyubchenko desenhou um retrato de um Yeti que ele alegou ter encontrado durante sua caminhada no início da manhã no dia 27 de julho. A pegada "descoberta" por Denis foi apenas três dias depois, em 30 de julho, mas somente agora que os detalhes sobre isso surgiram.

"Aconteceu de forma tão inesperada e tão rápida que eu não tive tempo sequer para ficar com medo. Havia um sentimento claro que aquela criatura era racional, senti que ela queria falar comigo", disse Lyubchenko.

"O Yeti tinha cerca de dois metros e meio de altura, com uma camada grossa de pelo marrom escuro tal como um urso, mas aparentemente muito mais macio. Ele estava segurando um bastão de madeira com um pouco de pelo ao redor dele. Porém o ponto principal eram os olhos, eles eram como os olhos humanos, só que de cor clara", completou.

Andrey Lyubchenko desenhou um retrato de um Yeti, que ele alega ter encontrado durante sua caminhada no início da manhã no dia 27 de julho
O avistamento de Andrey Lyubchenko, segundo suas próprias palavras, foi próximo da montanha Chernukha. Ele ainda disse que a criatura tinha pés grandes com cerca de 46cm de comprimento.

O mais conhecido caçador de Yetis da Rússia, Igor Burtsev, chefe do Centro Internacional de Hominologia da Rússia, localizado na região de Kemerovo, já havia estimado que cerca de 30 Yetis viviam nesta parte do país. "Estamos finalmente próximos de encontrar o Yeti", disse Burtsev em 2011.

Outro acadêmico alegou que havia cerca de 200 Yetis vivendo ao sul da Sibéria. Entretanto, muitos avistamentos, "pelos de Yeti" e até mesmo pegadas que são descobertas, já foram contestadas por outros especialistas que dizem que a criatura é apenas uma lenda.

Vale ainda ressaltar que em 2013, o professor Bryan Sykes, do Instituto Wolfson, no Reino Unido, analisou três amostras suspeitas de serem "pelos de Yeti" da região de Kemerovo. As mesmas tinham sido encontradas junto a outros animais. Testes de DNA, no entanto, apontaram que as amostras vinham de um cavalo, um guaxinim ou um urso negro americano, sendo que estes dois últimos não são nativos da Rússia.

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Eles são lançados primeiro lá, depois que vem pra cá :) Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

Novas Diretrizes Oficiais Sobre Casos de Pessoas Desaparecidas Na Inglaterra Incluem Conselhos de Paranormais


O "College of Policing", uma espécie de Academia de Polícia, que regulamenta a formação de oficiais em toda a Inglaterra e País de Gales, disse que detetives que estiverem investigando casos de pessoas desaparecidas devem avaliar e considerar as dicas ou conselhos fornecidos por pessoas que afirmam ter uma "percepção extrassensorial", tais como médiuns, clarividentes e bruxas. Vamos saber mais sobre o assunto?

Nos termos revisados das normas profissionais divulgadas para consulta na semana passada, os oficiais são lembrados que: "pessoas desaparecidas que ganham muita atenção da mídia, quase sempre atraem o interesse de médiuns e outras pessoas, assim como bruxas e clarividentes, afirmando que eles possuem uma percepção extrassensorial".

A proposta da "Prática Profissional Autorizada" em relação a pessoas desaparecidas ainda acrescenta que: "as informações obtidas a partir de médiuns devem ser avaliadas no contexto do caso". Porém os oficiais são alertados que tais informações "não devem se tornar uma distração em relação a toda estratégia montada para investigação e busca, exceto se a informação puder ser verificada".

Ainda é dito que esses contatos geralmente vêm de pessoas bem-intencionadas, mas a motivação do indivíduo sempre deve ser esclarecida, especialmente quando alguma vantagem financeira estiver envolvida. Os métodos empregados pela pessoa devem ser questionados, incluindo as circunstâncias em que eles receberam a informação, assim como quaisquer eventuais êxitos atribuídos a pessoa.

"Quaisquer eventuais êxitos atribuídos a pessoa, quer dizer se essas pessoas têm um histórico comprovado de ajudar a polícia em casos anteriores, portanto isso deve ser levado em consideração", disse o porta-voz do "College of Policing". No entanto, muitos discordam, ainda que de forma velada, dessas novas diretrizes.

De acordo com John Brigges, um ex-detetive superintendente da Polícia de Derbyshire, as pessoas que afirmam ter poderes especiais podem ser apenas investigadores amadores. "Algumas pessoas dizem que têm poderes sobrenaturais quando têm informações. Temos de lidar com isso da mesma forma que iríamos lidar com qualquer outra informação... se eles dizem a obtiveram por meio de um sonho, não é a mesma coisa se tivessem conseguido algo objetivamente. Eles podem ter começado a perguntar nos arredores e iniciado suas próprias investigações", disse John Brigges em entrevista ao site "PoliceOracle.com".

O professor Nick Fyfe, diretor do Instituto Escocês de Investigação Policial, comentou sobre esse assunto: "Se uma família entrou em contato com místicos quando um ente querido está desaparecido, suponho que é uma indicação de desespero da família", disse. "A polícia vai considerar qualquer informação que possa ser levada a sério", completou.

Na última semana a discussão se a ajuda de pessoas, que afirmam ter poderes
sobrenaturais deve ser considerada ou não, voltou à tona na Inglaterra
O porta-voz de uma instituição chamada "Missing People" ("Pessoas Desaparecidas", em português), também opiniou sobre essa questão: "Nós respeitamos o fato de que algumas famílias de pessoas desaparecidas vão querer tentar todas as possibilidades para encontrar um ente querido. Em uma pesquisa baseada em entrevistas com as famílias das pessoas desaparecidas realizada pela instituição, mostra que nenhum entrevistado relatou alguma descoberta significativa ou alguma espécie de conforto após ter se consultado com paranormais ou médiuns".

Vale ressaltar que a polícia consultou um médium sobre o desaparecimento de Milly Dowler, uma estudante de 13 anos de idade, que desapareceu em Walton-on-Thames em março de 2002. Seu corpo foi descoberto seis meses depois.

Vários médiuns também contribuíram com informações à polícia na caça ao "Estripador de Yorkshire" no final da década de 70 e início da década de 80.

Técnicas semelhantes foram utilizadas por detetives portugueses na busca por Madeleine McCann, que aos 3 anos de idade desapareceu quando estava de férias em Algarve, no ano de 2007, porém neste caso até hoje não a encontraram.

Um outro aspecto das diretrizes do "College of Policing" define a forma como os oficiais talvez precisem obter permissão para investigar a conta do Facebook de uma pessoa desaparecida. Isso porque a investigação sobre contas de redes sociais podem acabar se tornando uma espécie de "vigilância", exceto se os detetives seguirem as "etapas apropriadas".

É dito que as informações coletadas sobre a atividade online da pessoa pode fornecer pistas cruciais sobre suas intenções e possíveis destinos ao desaparecem, mas a polícia nem sempre têm o direito legal de acessar essas informações. Embora nenhuma autorização judicial seja necessária para visualizar as informações que um indivíduo tenha disponibilizado publicamente em uma rede social, acessar regularmente o registro de informações de uma pessoa pode ser considerado "vigilância", e poderia exigir uma autorização para isso através da RIPA (Regulation of Investigatory Powers Act).

A RIPA é uma lei um tanto quanto complexa e polêmica em vigor no Reino Unido, que permite aos governos e os órgãos locais, filmarem pessoas com câmeras escondidas, interceptar dados de tráfego de comunicação, como ligações telefônicas e visitas a sites da internet, bem como convocar "agentes" disfarçados para representar, por exemplo, adolescentes querendo comprar bebida alcoólica. Ela basicamente regulamenta a forma como tudo isso deve acontecer, assim como quem pode ter acesso a estas práticas e as razões pelos quais tais métodos precisam ser utilizados.

As diretrizes ainda dizem que se um perfil em uma rede social for considerado revelante para a investigação, recomenda-se que o contato seja feito com o provedor da rede social, e que a assistência do mesmo seja solicitada sempre que possível.

Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://www.independent.co.uk/news/uk/home-news/detectives-investigating-missing-persons-cases-should-consider-the-advice-of-psychics-10476680.html
http://www.telegraph.co.uk/news/newstopics/howaboutthat/11834761/Paranormal-tip-offs-should-be-evaluated-in-missing-persons-inquiries-say-official-police-guidelines.html

segunda-feira, agosto 31

Estudo Preliminar Diz Que Dez Minutos de Contato Visual Podem Resultar Em Alucinações e Avistamentos de Monstros


Você já conheceu alguém que fica olhando em seus olhos por um longo período de tempo quando você está conversando? Estranho, não é? Bem, pode ficar ainda mais estranho, segundo uma pesquisa publicada pela revista Psychiatry Research. Vamos saber um pouco mais sobre isso?

Um psicólogo e cientista italiano chamado Giovanni B. Caputo, da Universidade de Urbino, na Itália, diz ter encontrado uma maneira simples de induzir um estado de consciência alterada em pessoas saudáveis. Para isso basta fazer com que dois indivíduos olhem nos olhos um do outro enquanto estiverem sentados, durante 10 minutos, em um ambiente com baixa luminosidade. As sensações decorrentes se assemelham a uma leve "dissociação", que é um um termo psicológico bastante vago utilizado quando as pessoas perdem sua conexão normal com a realidade. Isso pode incluir a sensação de que o mundo é irreal, perda de memória e experiências perceptivas estranhas, como ver o mundo em preto e branco.

Giovanni Caputo recrutou 20 jovens adultos (5 homens e 15 mulheres) para formar pares. Cada par sentou-se em cadeiras, uma de frente para a outra, a um metro de distância, em uma grande sala com baixa luminosidade. Especificamente, o nível de iluminação foi de 0,8 lx. Caputo diz que essas condições "permitiam a percepção detalhada dos traços faciais, porém gerava uma percepção da cor atenuada". A tarefa dos participantes era simplesmente olhar nos olhos uns dos outros durante 10 minutos, mantendo ao mesmo tempo uma expressão facial neutra. Um grupo de mais 20 participantes de controle também sentou-se no mesmo ambiente de baixa luminosidade em pares, mas suas cadeiras estavam viradas para parede e tinham que permanecer olhando para a parede. Ambos os grupos foram informados previamente, que o estudo iria envolver uma "experiência de meditação com os olhos abertos".

Após 10 minutos os participantes preencheram três questionários: o primeiro foi um teste de 18 itens de estados dissociativos, já um outro fez perguntas sobre a experiência deles em relação ao rosto da outra pessoa ou seus próprios rostos se estivessem no grupo controle. A notícia não informou qual seria o terceiro questionário.

O estudo realizado por Giovanni Caputo gerou alguns interessantes resultados,
porém deve ser considerado como preliminar
Os participantes do grupo, que tinham que olhar nos olhos uns dos outros, disseram ter tido uma experiência um tanto quanto intimidadora e diferente de tudo que havia sentido antes. Eles também pontuaram mais alto em todos os três questionários do que o grupo controle. No teste de estados dissociativos eles deram avaliações mais altas para itens relacionados à redução da intensidade da cor, sons parecendo mais silenciosos ou mais altos do que o esperado, parecendo que era espaçados e também a sensação de que o tempo parecia se arrastar.

Entretanto, no questionário sobre a experiência deles em relação ao rosto da outra pessoa, cerca de 90% desse grupo disse ter visto alguns traços faciais deformados, 75% disse que tinham visto um monstro, 50% disse que viram os aspectos de seu próprio rosto, no rosto de seu parceiro, e 15% disse que viram o rosto de um parente.

Caputo acredita que os alucinações faciais são uma espécie de efeito rebote, uma vez que os participantes do grupo que tinham que olhar uns para os outros, voltaram a "realidade" depois de uma dissociação induzida pela privação sensorial. Isto seria apenas uma especulação, e ele admite que o estudo deve ser considerado preliminar.

Christian Jarrett, um neurocientista cognitivo, que se tornou escritor científico, e editor do blog da Sociedade Britânica de Psicologia, questionou algumas coisas sobre esse estudo em seu artigo publicado no dia 18 de agosto deste ano. Ele disse que embora fosse verdade que o grupo dos que tiveram que olhar uns para os outros obtiveram pontuações maiores nos testes dissociativos em relação ao grupo de controle, eles não marcaram nenhum dos itens em uma escala superior a 2.45, isso em média, em uma escala que ia de 0 a 5 (onde 0 é "nem um pouco" e 5 é "extremo").

Giovanni Caputo diz que a "contemplação interpessoal" tem um efeito
dissociativo mais poderoso que olhar em um espelho
Christian também ressalta que outra questão vital é que não se sabe quais foram os elementos cruciais, em relação ao movimento que dos olhos que os participantes fizeram, para induzir os efeitos descritos (nem mesmo o porquê eles tiveram estes efeitos). Segundo ele pode-se constatar que a baixa iluminação não foi o único elemento relevante, porque o grupo controle sentou-se na mesma sala escura. No entanto, o grupo de controle era livre para movimentar os olhos pela parede, ao contrário do outro grupo que tinham que manter o olhar nos olhos do seu parceiro.

Outras pistas vêm de pesquisas anteriores realizadas por Caputo e outras pessoas. Esses estudos descobriram que simplesmente olhando para um ponto na parede por um período prolongado de tempo, poderia induzir a estados semelhantes aos dissociativos, assim como olhar para o próprio rosto no espelho (conhecido como "ilusão de um rosto estranho no espelho"). Entretanto, olhar nos olhos de outra pessoa pode ser um exercício de indução de dissociação ainda mais eficaz. Comparando as pontuações do questionário do estudo atual com os relatados em sua pesquisa anterior, Caputo diz, que o que ele chama de "contemplação interpessoal", tem um efeito dissociativo mais poderoso do que olhar em um espelho.

Para Caputo, ainda que de forma preliminar, este fenômeno pode explicar projeções psicodinâmicas do inconsciente de um indivíduo no rosto de outra pessoa. Em outras palavras, conforme a pessoa volta a realidade, as coisas que estão escondidas no fundo de nosso inconsciente podem ser projetadas no rosto de outra pessoa.

Um Breve Comentário Sobre Esse Assunto


Ao ler essa matéria e também os comentários das pessoas em alguns sites sobre este estudo preliminar, vi que muitos diziam que Caputo não tinha descoberto nada além do que vem sendo praticado ao longo dos séculos, como no caso do tratak, um método de meditação que envolve concentração em um único ponto, como um pequeno objeto, ponto preto ou chama de uma vela. É utilizado em algumas vertentes da yoga como uma forma de desenvolver a concentração, fortalecimento dos olhos e estimulação do chakra Ajna (também conhecido por frontal, sexto chakra ou "terceiro olho"). Esse método de meditação é supostamente realizado para desenvolver poderes psíquicos.

Isso me lembra muito as histórias de olhar para a chama de uma vela no escuro durante um certo tempo, e em seguida olhar no espelho para "observar o outro mundo", assim como as bruxas da antiguidade olhavam seus próprios reflexos em um lago. E todo misticismo acaba levando a simples brincadeiras como ver uma imagem colorida após olhar fixamente para um ponto preto em meio uma folha branca.

Seria interessante que pesquisas desse tipo pudessem de fato serem mais completas, mais fundamentadas, e inclusive com propostas mais claras e amplas, para que pudessem estudar mais o funcionamento do cérebro quando há privação dos sentidos. Isso ajudaria até mesmo no âmbito da evolução da espécie humana e seus diferentes comportamentos, que colaboraram para a sobrevivência do homem nos mais diversos ambientes em nosso planeta. Não irei entrar no mérito da yoga e seus ensinamentos, tão pouco seria sensato contradizer por mero conhecimento de textos repletos de simbolismos, que um estudo não é válido. Porém há certas coincidências em tudo isso e elas são inegáveis. Apesar de todo simbolismo e crença envolvida, a bússola sempre aponta para dentro de nós mesmos, nossa capacidade intelectual e que nos eventualmente nos une, embora um lago não mostre mais quem realmente nos tornamos.

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://www.cnet.com/news/ten-minutes-of-eye-contact-leads-to-hallucinations-monster-sightings/
http://digest.bps.org.uk/2015/08/weird-things-start-to-happen-when-you.html
http://www.psy-journal.com/article/S0165-1781(15)00321-2/fulltext
https://www.researchgate.net/researcher/44888550_Giovanni_B_Caputo

domingo, agosto 30

Área 51: A Base Secreta Mais Protegida do Mundo

A Área 51 é um dos locais mais seguros do mundo. Por quê? O que de tão secreto ela esconde? O que está sendo feito escondido dos nossos olhos? Será que existe naves ou mesmos alienígenas lá? 

No final tem um vídeo meu falando do assunto...

Fala Assombrados! Esse é o especial em comemoração aos 400 mil inscritos no canal. Ficou muito interessante essa postagem e o vídeo que fiz. Espero que gostem!