10 de maio de 2020

Projeto Blue Book


O Project BLUE BOOK (Projeto Livro Azul) foi o codinome de um programa da Força Aérea dos Estados Unidos criado na década de 1950, após numerosos avistamentos de OVNIs durante a época da Guerra Fria, para explicar ou desmentir o maior número possível de relatos a fim de mitigar o possível pânico e proteger o público de um genuíno problema de segurança nacional...


Assombrados, o vencedor da enquete dessa semana foi finalmente o Projeto Blue Book. Nesta postagem e no vídeo vamos conhecer toda a história desse Projeto que começou com a missão de investigar os avistamentos de OVNIs e no final mudou totalmente, pregando que tudo tinha explicação...

Projeto Sign e Projeto Grudge

Em 24 de junho de 1947, Kenneth Albert Arnold afirma ter visto nove objetos incomuns voando em conjunto perto do Monte Rainier , Washington. Esse avistamento é considerado o primeiro de objetos voadores modernos não identificado amplamente divulgado nos Estados Unidos. Seguindo a este avistamento começaram a surgir cada vez mais pessoas dizendo ver "discos voadores" nos céus.

Assim, no final daquele ano a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) cria o Project Sign (O Projeto Sinal), a primeira iniciativa da USAF para o estudo dos objetos voadores não identificados. Foi aprovado em 30 de dezembro de 1947 e começou a operar em 22 de janeiro de 1948, tendo durado até 11 de fevereiro de 1949.

As  investigações foram realizadas na Força Aérea na Base da Força Aérea de Wright-Patterson. Aliás, Wright-Patterson também seria o lar de todas as investigações públicas oficiais subsequentes da USAF.

O Projeto Sign era oficialmente inconclusivo em relação à causa dos avistamentos. No entanto, de acordo com o capitão da Força Aérea dos EUA Edward J. Ruppelt (o primeiro diretor do Projeto Blue Book), em documento publicado no final do verão de 1948, concluiu que os discos voadores eram embarcações reais, não eram fabricadas pela União Soviética ou pelos Estados Unidos , e provavelmente eram de origem extraterrestre!

Esse texto foi enviada ao Pentágono, mas posteriormente rejeitada pelo general Hoyt Vandenberg., Chefe da Casa Civil da USAF, citando uma falta de prova física. Vandenberg posteriormente desmontou o Projeto Sign e o substituiu pelo Projeto Grudge. Assim, o Project Grudge (O Projeto Rancor) foi a segunda iniciativa da USAF para o estudo dos objetos voadores não identificados, posterior ao Project Sign (Projeto Sinal). Iniciou suas atividades no final de 1948.

O Projeto Grudge, ao contrário do Projeto Sign, que chegou a sugerir que os "discos voadores" eram extraterrestres, concluiu que todos os OVNIs eram fenômenos naturais ou outras interpretações errôneas, embora também declarasse que 23% dos relatórios não podiam ser explicados.

De acordo com o capitão Edward J. Ruppelt , no final de 1951, vários generais da USAF de alto escalão e muito influentes estavam tão insatisfeitos com o estado das investigações de OVNIs da Força Aérea que desmontaram o Project Grudge e o substituíram por um novo projeto, o Blue Book.

Kenneth Albert Arnold em 1966 segundo uma ilustração do OVNI que viu em 1947, o que gerou uma onda em massa de avistamentos que fez o governo americano investigar o que estava ocorrendo.


O Projeto Blue Book

O Projeto Blue Book ("Livro Azul") foi criado em 27 de outubro de 1951 e seu nome foi escolhido como uma referência aos cadernos azuis utilizados ​​para testes em algumas faculdades e universidades. O nome foi inspirado, disse Edward J. Ruppelt, pela atenção que os oficiais de alta patente davam ao novo projeto; parecia que o estudo dos OVNIs era tão importante quanto um exame final de faculdade.

Durante o tempo que durou Blue Book, finalizado em 1969, foram compilados 12.618 relatórios OVNIs, e ao final foi concluído que a maioria eram interpretações errôneas de fenômenos naturais (nuvens, estrelas, etc) ou aviões convencionais.

Vários foram considerados fraudes. Ao passo que 701 casos (aproximadamente  6%) foram classificados como inexplicáveis. Os relatórios foram arquivados e estão disponíveis sob a Lei de Liberdade de Informação, mas os nomes das testemunhas e outras informações pessoais foram eliminadas.

O primeiro chefe do projeto Blue Book foi o capitão Edward J. Ruppelt. Seguindo suas ordens, foi criado um padrão para relatar os fenômenos. Aliás, foi cunhou oficialmente o termo "UFO", "Unidentified Flying Object" ("OVNI/Objeto Voador Não Identificado") para substituir os termos como: "flying saucer" ou "flying disk" ("Pires voador" ou "Disco voador"), termos sugestivos e pouco exatos, que haviam sido usado até então.

O astrônomo J. Allen Hynek era o consultor científico do projeto. Trabalhou para o Blue Book até a sua conclusão e criou o conceito que hoje se conhece como "contatos imediatos". Era um grande cético quando começou, mas disse que seu ceticismo foi se suavizando durante a investigação, após a análise de alguns relatórios ovni que pareciam inexplicáveis.

Direita: Capitão Edward J. Ruppelt, primeiro chefe do projeto Blue Book. Esquerda: O astrônomo J. Allen Hynek era o consultor científico do projeto.


Análises Estatísticas e Avistamentos Famosos

No final de dezembro de 1951, Ruppelt se reuniu com os membros do Instituto Comemorativo Battelle, um grupo de especialistas estabelecido em Columbus, Ohio, próximo da base aérea Wright-Patterson. Ruppelt pediu ajuda a esses especialistas para investigar o assunto de um modo mais científico. Assim, o Instituto de Battelle foi quem fez a análise padronizada.

Começando no final do março de 1952, o Instituto começou a analisar os relatórios e a codificação de aproximadamente 30 de suas características em cartões de IBM para a análise informática. O relatório especial nº 14 do Projeto Blue Book era uma análise estatística em massa dos casos analisados até aquele momento, cerca de 3.200 casos, e os resultados só seriam conhecidos em 1954.

E foi com Edward J. Ruppelt no comando do projeto que ocorreram alguns incidentes que ficaram famosos nos Estados Unidos, como as luzes vista sobre a cidade de Lubbock, Texas, em agosto e setembro de 1951, o Incidente UFO de Washington em 1952, quando uma série de objeto voador não identificado ocorreram em finais de semana consecutivos, de 19 a 20 de julho e de 26 a 27 de julho.

Ainda em 1952, ocorreu o avistamento que ficou conhecido como O Monstro de Flatwoods, uma possível vida extraterrestre, relatado por ter sido vista condado de Flatwoods no condado de Braxton nos Estados Unidos em 12 de setembro de 1952.

Com tantos avistamentos assim, temendo ser uma ação do inimigo, a CIA ficou preocupada e decidiu agir...

Manchete de jornal noticiando que OVNIs sobrevoaram a capital dos EUA.



Comissão Robertson

O número extremamente alto de relatórios de OVNIs em 1952 perturbou a Força Aérea e a Agência Central de Inteligência (CIA). Ambos os grupos achavam que uma nação inimiga poderia inundar deliberadamente os EUA com relatórios falsos de OVNIs, causando pânico em massa e permitindo que eles lançassem um ataque furtivo.

Em 24 de setembro de 1952, o Escritório de Inteligência Científica (OSI) da CIA enviou um memorando a Walter B. Smith , diretor da CIA. O memorando afirmava que "a situação dos discos voadores... Tem implicações de segurança nacional... Na preocupação pública com os fenômenos... Reside o potencial para desencadear a histeria e o pânico em massa".

O resultado deste memorando foi a criação em janeiro de 1953 do Painel Robertson, que foi uma
comissão de cientistas que incluía a vários físicos, meteorólogos, engenheiros, e um astrônomo (J. Allen Hynek), liderados pelo doutor Howard P. Robertson, um físico do Instituto Tecnológico da Califórnia. A comissão Robertson se reuniu pela primeira vez em 14 de janeiro de 1953.

Ruppelt, Hynek e outros apresentaram as melhores provas que haviam sido obtidas pelo Projeto Blue Book, incluindo uma filmagem. Após 12 horas repassando 6 anos de informações, a comissão Robertson concluiu que a maior parte dos casos OVNI tinham explicação racional, e que todos poderiam ser explicados com uma investigação mais profunda, que consideraram que não valia a pena.

Em seu relatório definitivo, ressaltaram que haviam muito relatórios de pouco valor sobrecarregando os canais de inteligência, no qual acentuava o risco de omitir uma suposta ameaça real aos EUA.

Portanto, recomendaram à Força Aérea para diminuir a importância dada ao tema dos ovnis e empreender uma campanha para desacreditar e diminuir o interesse público, aconselharam usar os meios de comunicação, incluindo à companhia Walt Disney, e a psicólogos, astrônomos e famosos para ridiculizar o fenômeno e propor explicações convencionais.
.
Além disso, os grupos de aficionados ao tema ovni "deveriam ser vigiados devido a sua potencial influência sobre o pensamento das massas. A evidente irresponsabilidade e o possível emprego desses grupos para objetivos subversivos deveriam ser levados em conta".

Definitivamente, a comissão Robertson recomendava que a opinião pública fosse controlada mediante um programa de espionagem e propaganda oficial. Muitos ufólogos acham que essas recomendações são a base da política das Forças Aéreas com relação ao fenômeno ovni, não apenas na época do" relatório Robertson", mas também hoje em dia.

A comissão Robertson, o painel consultivo científico sobre objetos voadores não identificados convocado pela CIA



Projeto Blue Book Dilapidado...

Como consequência imediata das recomendações da Comissão Robertson, em fevereiro de 1953, a Força Aérea emitiu o Regulamento 200-2, ordenando que os oficiais da base aérea discutissem publicamente os incidentes OVNI, somente se fossem julgados como tendo sido resolvidos e classificassem todos os casos não resolvidos. Ou seja, mantendo longe dos olhos do público.

No mesmo mês, os deveres investigativos começaram a ser assumidos pelo recém-formado 4602º Esquadrão de Inteligência Aérea (Air Intelligence Squadron - AISS) do Comando de Defesa Aérea. O AISS recebeu a tarefa de investigar apenas os casos mais importantes de UFOs com implicações de inteligência ou segurança nacional. Esses casos mais importantes foram deliberadamente desviados do Blue Book, deixando o projeto Blue Book lidando apenas com os relatórios mais triviais.

O general Nathan Twining, que impulsionou o Projeto Sign em 1947, era na época o chefe do Comando de Material da Força Aérea. Em agosto de 1954, ele recebeu a missão de depurar responsabilidades e classificar os OVNIs que foram definidos como

"qualquer objeto aerotransportado que por seu funcionamento, características aerodinâmicas, ou traços insólitos, não se ajusta às características de nenhum avião ou míssil conhecido neste momento, ou simplesmente que não possa ser identificado como um objeto comum". 

A investigação OVNI foi declarada secreta por motivos de segurança nacional, e tinha o objetivo de averiguar "aspectos técnicos." O Blue Book por sua vez, poderia falar de casos OVNI com os meios de comunicação, mas somente se fossem fenômenos identificáveis. Caso não explicáveis, a única informação que devia dar aos meios era de que a situação estava sendo analisada. Também ordenaram que Blue Book reduzisse o número de não identificados ao mínimo.

Tudo isso foi feito em segredo. A tarefa de fachada do projeto Blue Book, seguiu sendo a investigação ufológica oficial, mas na verdade havia sido reduzido a uma organização "laranja" que mal fazia investigações complexas. O projeto Blue Book havia se convertido quase que exclusivamente em uma equipe de relações públicas com a missão de desacreditar tudo. Para se ter uma ideia, no final de 1956, o número de casos catalogados como não resolvidos havia baixado para 0.4%, de 20 a 30% alguns anos antes.

Edward Ruppelt (centro de pé) em 29 de julho de 1952 Conferência de imprensa do Pentágono sobre UFO. Também representado, os principais generais Roger Ramey (sentado à esquerda), chefe de operações da USAF, e John A. Samford (sentado à direita), diretor de inteligência da USAF.
Publicação do Relatório Especial nº 14

Lembra que no final de dezembro de 1951, Ruppelt se reuniu com os membros do Instituto Comemorativo Battelle, um grupo de especialistas estabelecido em Columbus, Ohio, e pediu ajuda a esses especialistas para investigar o assunto de um modo mais científico? Pois ele não não estava mais na chefia do Projeto Blue Book quando ele finalmente ficou pronto no ano de 1954.

O Instituto Comemorativo Battelle empregou quatro analistas científicos, que tentaram classificar os casos entre "explicável", "inexplicável", e uma terceira categoria: "com informação insuficiente". 

Os dois primeiros tipos foram classificados em quatro categorias de qualidade, de excelente a pobre.
Por exemplo, os casos considerados excelentes implicavam testemunhas experimentadas, como pilotos comerciais ou pessoal militar treinado, ou ainda, múltiplas testemunhas, corroborando as afirmações com provas, como detecções de radar, fotografias ou outro tipo de material tangível. 

Para que um caso passasse a ser considerado "explicável", era necessário apenas dois analistas em separado, estivessem de acordo com a solução. No entanto, para que um caso fosse considerado realmente "inexplicável", era preciso quatro analistas que estivessem de acordo. Desse modo, o critério para um "inexplicável" era bastante rigoroso.

Além disso, as observações foram classificadas mediante seis características diferentes: cor, número, duração da observação, resplendor, forma e velocidade. Posteriormente, essas características foram ajustadas aos casos explicáveis e inexplicáveis para ver se havia alguma diferença estatística significativa.

Os resultados principais das análises estatísticas foram:

Aproximadamente 69% dos casos eram explicáveis ou identificáveis; Aproximadamente 9% carecia de informação suficiente.

22% eram considerados "inexplicáveis", algo abaixo do valor inicial de 28% dos estudos da Força Aérea, mas ainda uma fração muito significativa.

Na categoria de "explicáveis", 86% dos fenômenos eram devidos a aviões ou balões, ou tinham explicações astronômicas. Apenas 1,5% de todos os casos eram psicológicos ("coisa da cabeça").

Uma categoria "mista" compreendia 8% de todos os casos e incluía possíveis fraudes.

Quanto mais alta fosse a qualidade do caso, mais probabilidades de ser classificado como "desconhecido".

35% dos casos excelentes foram considerados "desconhecidos", enquanto que apenas 18% dos casos mais pobres foram considerados "desconhecidos".

Esse era o resultado da antítese predita pelos céticos que no geral, argumentavam que os "inexplicáveis" eram casos de menor qualidade, ao implicar testemunhas não fiáveis e que poderiam ser solucionados caso dispusessem de melhor informação.

Nas seis características estudadas, os casos "inexplicáveis" se diferenciaram dos "explicáveis" em um nível estatisticamente insignificante: em cinco das seis medidas, as probabilidades de que fosse explicável ou inexplicável se diferenciavam por acaso em 1 % ou menos.

Quando as seis características eram consideradas juntas, a probabilidade de que coincidisse em um ou outro tipo era de menos de 1 entre 1 bilhão.

Apesar disso, a conclusão do relatório definitivo do Instituto Battelle declarou que era "sumamente improvável que qualquer dos relatórios de avistamentos de objetos não identificados represente acontecimentos tecnológicos fora da gama de conhecimento atual".

Mais tarde no entanto, alguns pesquisadores, incluindo ao Doutor Bruce Maccabee, quem repassou profundamente os dados, advertiram que no geral as conclusões dos analistas estavam em desacordo com seus próprios resultados estatísticos.

Dizem que os analistas simplesmente teriam tido problemas se tivessem aceitado seus próprios resultados, ou talvez, escreveram as conclusões para satisfazer o novo clima político dentro do Projeto Blue Book após a comissão Robertson.

A Força Aérea finalmente tornou público o Relatório Especial nº 14 em outubro de 1955, e o Relatório Especial Nº 14 continua até hoje continua sendo o maior estudo ufológico jamais empreendido. Clique para ler o relatório.

Relatório especial nº 14


Os Chefes do Projeto Blue Book

- Capitão Edward J. Ruppelt: Comandou de 1951 até fevereiro de 1953 para uma transferência temporária. Ele voltou alguns meses depois e encontrou sua equipe reduzida de mais de dez para dois subordinados. Frustrado, Ruppelt sugeriu que uma unidade de Comando de Defesa Aérea (o 4602º Esquadrão do Serviço de Inteligência Aérea) fosse acusada de investigações sobre OVNIs.

A breve permanência de Edward J. Ruppelt no projeto é considerada como o período de máximo das investigações ufológicas públicas. Naquele tempo, as investigações eram tratadas com seriedade e tinham o apoio das altas esferas. A partir de então, o Projeto Blue Book caiu em decadência, e nunca mais ressurgiu.

Ruppelt deixou a Força Aérea alguns anos mais tarde, e escreveu o livro The Report on Unidentified Flying Objects, que descrevia o estudo dos OVNIs por parte da USAF entre 1947 e 1955.

- Capitão Hardin: Em março de 1954, o capitão Charles Hardin foi nomeado chefe do Livro Azul; no entanto, o 4602º conduziu a maioria das investigações sobre OVNIs, e Hardin não se opôs. Ruppelt escreveu que Hardin "acha que qualquer um que esteja interessado em OVNIs é louco. Eles o aborrecem". 

Em 1955, a Força Aérea decidiu que o objetivo do Blue Book não deveria ser investigar relatórios de OVNIs, mas minimizar o número de relatórios de OVNIs não identificados. No final de 1956, o número de avistamentos não identificados havia caído de 20 a 25% da era de Ruppelt para menos de 1%.

- Capitão Gregory: O capitão George T. Gregory assumiu o cargo de diretor do Blue Book em 1956 e liderou o Blue Book "em uma direção anti-OVNI ainda mais firme do que o apático Hardin". O 4602º foi dissolvido, e o 1066º Esquadrão de Serviços de Inteligência Aérea foi encarregado de investigações de OVNIs.

De fato, houve realmente pouca ou nenhuma investigação dos relatórios de OVNIs; uma AFR 200-2 revisada emitida durante o mandato de Gregory enfatizou que os relatórios inexplicáveis ​​de OVNIs devem ser reduzidos ao mínimo.

- Tenente-coronel Robert J. Friend: foi nomeado chefe do Blue Book em 1958. Friend fez algumas tentativas de reverter a direção que o Blue Book havia tomado desde 1954.

Em 1960, houve audiências no Congresso dos EUA sobre OVNIs. O grupo civil de pesquisa de OVNIs NICAP havia acusado publicamente o Blue Book de encobrir evidências de OVNIs e também adquiriu alguns aliados no Congresso dos EUA. O Blue Book foi investigado pelo Congresso e pela CIA, com críticos afirmando que o Blue Book estava faltando como estudo científico. Em resposta, adicionou pessoal (aumentando o total de pessoal para três militares, além de secretários civis) e aumentou o orçamento do Livro Azul. Isso pareceu aplacar alguns dos críticos do Blue Book, mas foi apenas temporário.

Quando foi transferido do Blue Book em 1963, Friend achou que o Blue Book era efetivamente inútil e deveria ser dissolvido, mesmo que causasse protestos entre o público.

- Major Quintanilla: assumiu o cargo de líder do Blue Book em agosto de 1963. Ele continuou em grande parte os esforços de desmistificação, e foi sob sua direção que o Blue Book recebeu algumas das críticas mais severas. O pesquisador de OVNIs Jerome Clark chega ao ponto de escrever que, a essa altura, o Blue Book havia "perdido toda a credibilidade".

No centro, o último diretor do Programa Blue Book, Major Hector Quintanilla.


Comitê Condon

Livro com os resultados obtidos
com o Comitê Condon
Em 1966, uma série de avistamentos de OVNIs em Massachusetts e New Hampshire provocou uma audiência no Congresso pelo Comitê de Serviços Armados da Câmara. O Projeto Blue Book foi novamente acusado de não investigar nada. Após as audiências no Congresso dos EUA, o Comitê Condon foi estabelecido em 1966.

O Comitê Condon era o nome informal do Projeto UFO da Universidade do Colorado, um grupo financiado pela Força Aérea dos Estados Unidos de 1966 a 1968 na Universidade do Colorado para estudar objetos voadores não identificados sob a direção do físico Edward Condon. O resultado de seu trabalho, formalmente intitulado Estudo Científico de Objetos Voadores Não Identificados, e conhecido como Relatório Condon, apareceu em 1968.

Após examinar centenas de arquivos OVNI do Projeto Blue Book da Força Aérea e dos grupos civis de OVNIs do Comitê Nacional de Investigações sobre Fenômenos Aéreos (NICAP) e Organização de Pesquisa de Fenômenos Aéreos (APRO), e investigar avistamentos relatados durante a vida do Projeto, o Comitê produziu um relatório final que sugeriu que não havia nada de extraordinário nos OVNIs e, embora tenha deixado uma minoria de casos inexplicável, o relatório também argumentou que pesquisas futuras provavelmente não produziriam resultados significativos.

Fim do Projeto Blue Book

Em resposta às conclusões do Comitê Condon, o secretário da Força Aérea Robert C. Seamans, Jr. anunciou que o Blue Book seria fechado em breve, porque novos financiamentos "não podem ser justificados nem por razões de segurança nacional nem pelo interesse da ciência." O último dia publicamente reconhecido das operações do Blue Book foi em 17 de dezembro de 1969.

O Projeto declarou que as observações de OVNIs foram geradas devido a:

- Histeria em massa.

- Indivíduos que inventam casos fraudulentos para obter publicidade.

- Pessoas com psicopatologias.

- Má interpretação de vários objetos convencionais.

Declaração Oficial da Força Aérea dos Estados Unidos a respeito dos OVNIs

Em janeiro de 1985 foi liberada a declaração abaixo pela Base da Força Aérea de Wright-Patterson:

Entre 1947 e 1969, a Força Aérea norte-americana investigou os ovnis sob o Projeto Blue Book. O projeto, com sede na base aérea de Wright-Patterson, Ohio, finalizou em 17 de dezembro de 1969. Das 12.618 observações catalogadas pelo Projeto Blue Book, 701 permaneceram como "inexplicáveis."

A decisão de interromper as investigações ovni foi baseada em vários fatores, como a avaliação de um relatório redigido pela Universidade do Colorado titulado "O estudo científico dos ovnis" (Relatório Condon - "Scientific Study of Unidentified Flying Objects"), a revisão deste relatório por parte da Academia Nacional de Ciências, os casos ovni previamente estudados e a experiência da Força Aérea, que investigou relatórios ovni entre 1940 e 1969.

Como consequência dessas investigações, estudos e experiências, as conclusões do Projeto Blue Book foram:

1) Nenhum ovni sobre o qual a Força Aérea tenha investigado supôs nenhum tipo de ameaça à segurança nacional.


2) A Força Aérea não encontrou nenhuma prova de que as observações classificadas como "não identificadas" representem objetos ou princípios tecnológicos que vão além dos conhecimentos científicos da época.


3) Não houve nenhuma prova que indique que as observações classificadas como "não identificadas" fossem veículos extraterrestres.


Com a conclusão do Projeto Blue Book, o estabelecimento da regulação da Força Aérea e o controle do programa para investigar e analisar ovnis foi cancelado. A documentação em quanto à antiga investigação do Blue Book foi transferida ao Ramo Moderno Militar, aos Arquivos Nacionais e ao Serviço de Registros, e está disponível para a revisão e a análises públicas.

Desde a finalização do Projeto Blue Book, não ocorreu nada que pudesse apoiar uma retomada das investigações ufológicas por parte das Forças Aéreas. Considerando o cenário atual, em que os orçamentos de defesa diminuem regularmente, é improvável que a Força Aérea dos Estados Unidos se envolvam completamente em um projeto tão custoso a curto prazo.

Existe um significativo número de universidades e organizações científicas que analisaram fenômenos ovni durante reuniões e seminários. O interesse e a revisão oportuna de relatórios ufológicos por parte de grupos privados garante que as provas autênticas não sejam ceixadas de lado pela comunidade científica.


Declaração oficial da Base Wright-Patterson emitida em 1985
Acesse os Arquivos!

Os arquivos do projeto ficaram classificados, e estavam disponíveis apenas em microfilmes do Arquivo Nacional de Washington ou em sites dedicados ao tema, muitas vezes sem acesso livre. Mas em janeiro de 2015, eles foram liberados.

Após 15 anos de solicitações do entusiasta John Greenewald, ele conseguiu reunir mais de 10 mil PDFs com quase 130 mil páginas a respeito de casos relacionados a objetos que poderiam ser extraterrestres.

Cada documento descreve um caso diferente, e traz detalhes inclusive de investigações de casos famosos nos EUA, como o incidente de Exeter, o caso Kenneth Arnold e o caso Mantell.

Os arquivos inicialmente estavam disponíveis em seu site, The Black Vault, mas eu não os encontrei mais nele, mas em outros locais, como no Internet Archive, onde você pode fazer o download dos casos e também pode consultar FOLD3, que classificou de maneira majestosa tudo, e o melhor, está disponível gratuitamente.

Um dos sites onde pode acessar os arquivos do Projeto Blue Book


Sucesso no History Channel

Em janeiro de 2019, estreou a série Projeto Blue Book no canal History, lá nos EUA, chegando aqui no Brasil em agosto do mesmo ano.

A série Projeto Livro Azul, baseada na história real do projeto desta postagem teve sua primeira temporada composta por dez episódios. Atualmente está em sua segunda temporada.

A série bateu recordes de audiência dos Estados Unidos como um dos programas mais vistos da TV a cabo americana, com média de 3,4 milhões de espectadores.


.
Tradução/Adaptação: rusmea.com & Mateus Fornazari

Fontes (Acessadas em 09/05/2020):
https://www.nicap.org/bluebook/51-69.htm
https://www.afmc.af.mil/
https://www.nytimes.com/2019/01/15/arts/television/project-blue-book-history-true-story.html
http://www.roswellfiles.com/FOIA/twining.htm
https://www.archives.gov/research/military/air-force/ufos.html
https://www.fbi.gov/services/information-management/foipa
https://www.theblackvault.com/documentarchive/the-robertson-panel-the-scientific-advisory-panel-on-unidentified-flying-objects-convened-by-the-cia/#
https://books.google.com.br/books?id=eQj1AwAAQBAJ&pg=PA203&dq=%22#v=onepage&q&f=false
https://en.wikipedia.org/wiki/Project_Blue_Book#Project_Blue_Book_Special_Report_No._14
https://archive.is/20120719123429/http://www.af.mil/information/factsheets/factsheet_print.asp?fsID=188&page=1
https://exame.abril.com.br/ciencia/arquivos-da-forca-aerea-dos-eua-sobre-ovnis-vao-para-a-web/
http://www.nicap.org/rufo/contents.htm
https://www.theblackvault.com/
https://archive.org/details/bluebook
https://www.fold3.com/title/461/project-blue-book-ufo-investigations
http://www.nicap.org/reports/sr14_ufois.htm
http://www.nicap.org/docs/pbbsr/BBA-PBSR14.pdf
https://www.archives.gov/research/military/air-force/ufos#bluebk
Comentários