6 de janeiro de 2019

Ted Serios e as Incríveis Fotografias do Pensamento!


Na década de 60, Ted Serios ficou famoso por ter o dom de imprimir imagens de seus pensamentos em filmes fotográficos. Eles foi exaustivamente estudado durante anos e para muitos seus fenômenos são reais, já para outros, ele não passava de um bêbado charlatão...

Fala assombrados, hoje trago para vocês um personagem controverso e bastante desconhecido do grande público: Ted Serios. Seu dom peculiar consistia em gravar em filmes fotográficos imagens do seu pensamento. Só que para isso ele tinha de fumar e beber, mas beber muito mesmo. Como ele dizia, ajudava a fazer a mágica acontecer. Vamos conhecer sua história...

A Descoberta do Dom

Theodore "Ted" Judd Serios, nascido em 27 de novembro de 1918 em Kansas City, Missouri, EUA. Foi o primeiro dos filhos de um imigrante grego chamado August Serios, cuja profissão era atendente de bar e de Esther MacNeil. Falecido em 2006, Ted Serios era um carregador de malas que trabalhava em um hotel de Chicago, que em 1960 ficou famoso pelo que veio a ser chamado em inglês de "thoughtographs", que significa desenhos ou fotografias feitas com o pensamento. Fotografias essas registradas em filmes de máquinas Polaroid. Ele alegava que seus prodígios eram gerados por poderes psíquicos.

Serios trabalhava no hotel Hilton e conheceu George Johannes, outro carregador de mala que tinha o mesmo sonho que ele: o de encontrar o tesouro do último dos piratas, Jean Latiffe. Eles também se interessavam pelo hipnotismo e Johannes usava técnicas que conhecia para hipnotizar Serios. Certo dia eles tiveram a ideia de tentar invocar Latiffe, e este apareceu-lhes em uma visão, mas recusou-se a revelar o local onde escondeu seu tesouro (seria Oak Island? brincadeira...).

Johannes e Serios resolveram repetir a experiência, Quando Serios estava entregue ao sono hipnótico, o amigo colocou uma máquina fotográfica a sua frente e ordenou-lhe que localiza-se o tesouro e projetasse a imagem do filme fotográfico enquanto dava frequentes disparos.

A revelação do filme mostrou uma série de paisagens. Depois disso Ted repetiu a experiência várias vezes, e os negativos mostraram prédios, carros, ruas, e até mesmo uma nave espacial soviética.

Ted Serios supostamente imprimindo o filme da câmera com imagens de sua mente.
O Começo da Fama

Vendo que podia ganhar algum dinheiro com o seu dom, ele foi até os escritórios da revista Life (que ainda hoje em dia é famosa pelas reportagens fotográficas que apresenta) e pediu para falar com o editor, dizendo que possui fotografias muito especiais para oferecer à revista.

Evidentemente, perguntaram a ele o que havia de especial nessas fotos, e com toda naturalidade, o homem responde que "são fotografias dos meus pensamentos." Claro que ele foi solenemente ignorado, mas o Ted imediatamente lhes disse "eu sabia que vocês não iam acreditar em mim, mas estou disposto agora mesmo a lhes fazer uma demostração". 

Na redação da revista, chamaram um fotografo profissional e carregaram uma câmera Polaroid (de revelação instantânea) com filme standard, e em seguida, o homem lhes pediu 2 coisas aos seus entrevistadores: uma garrafa de uísque e um pedaço de cartolina preta. 

Com o o uísque já imaginamos o que ia fazer, mas...E com a cartolina?. Ele fez um rolo, ficando como um cano, e colocou sobre o objetivo da câmera, supostamente, para concentrar seus pensamentos mais facilmente. Ted Serios chamava o cano de "O gismo", e era um das coisas que sempre pedia para suas demonstrações, embora não utilizou em várias das sessões fotográficas, para demonstrar que o "gismo" nada tinha a ver com algum tipo de truque. 

Sérios sentava-se aproximadamente a um metro e meio da câmera, tomava um bom trago de uísque, e com um estalar de seus dedos indicava ao fotografo para disparar a câmera. 

Conta-se que na primeira sessão, as primeiras fotografias mostravam meramente o rosto de Serios, como era de se esperar, já que se encontrava diante da lente, e na revista Life começaram a suspeitar que estavam tratando com um maluco, mas à medida que Ted  foi "entornando" mais e mais o seu uísque, e para a grande surpresa de todos os presentes, eis que surgiu a primeira fotografia totalmente velada, seguida de algumas mais novamente com o rosto de Ted, o que permitia descartar qualquer falha na câmera. 

E quando Ted já se encontrava bem "amaciado" pelo uísque...Aconteceu o inesperado: as fotografias começaram a mostrar imagens distorcidas de edifícios, ruas, e até uma do próprio fotografo, apontando com seu câmera para o rosto de Ted.

Em vão, os profissionais que trabalhavam na revista Life tentaram explicar o que estava acontecendo. Não havia forma em que Serios pudesse trucar as fotos diante de seus próprios narizes.

Ted Serios quando estralava o dedo era o sinal para bater a foto. Muitas vezes saia seu rosto.


Muitas das fotos eram do rosto de Ted Serios.
Algumas Fotos de Pensamento de Ted Serios

Por volta de 400 fotografias com algum tipo de imagem foram tiradas. Eis algumas:







Em algumas ocasiões, Serios produziu fotografias supostamente de imagens à distância como estas.

À esquerda, o desenho de um homem de Neanderthal, impresso em filme fotográfico por Ted Serios. A imagem do desenho original (à direita) estava em um envelope lacrado, no qual, Ted "transportou" de modo supostamente psíquico a imagem, cujo original encontra-se na parede de um museu de Chicago.


O Estudo do Dr. Jule Eisenbud

Quando essa sua capacidade ficou conhecida, Serios interessou os membros da Sociedade de Parapsicologia de Ilinois e concordou em ser pesquisado por eles.

As experiencias eram feitas com uma câmera Polaroid e o fenômeno repetiu-se dezenas de vezes, com imagens das mais diversas, desde o Taj Mahal, na Índia, até o Pentagono, nos EUA. Um laboratório americano interessou também em pesquisar Serios, sob a condição de que ele guarda-se segredo sobre o caso. Quando o jornal Chicago Tribune descobriu os teste a quais Serios estava sendo submetido, publicou a história e o laboratório cancelou o contrato.

Serios estava desempregado quando o psiquiatra Jule Eisenbud se interessou pelo caso. Eisenbud se interessava pelo paranormal e queria transformar a parapsicologia em uma ciência respeitada. Quando soube de Ted Serios, viu uma grande chance.

As sessões de Ted com Eisenbud ocorreram durante 3 anos, de maio de 1964 até junho de 1967 e duravam até 8 horas, onde várias imagens eram tiradas. Ted ao longo das sessões fumava e bebia muito, e ele dizia que a bebida o ajudava a conseguir as imagens.

Ted Serios, a ponto de supostamente imprimir uma
fotografia psíquica junto do psiquiatra Jule Eisenbud.
Segundo Eisenbud, "Ted Serios exibe uma patologia de comportamento com muitos distúrbios de caráter. Ele não cumpre as leis e costumes de nossa sociedade. Ele ignora as amenidades sociais e tem sido preso muitas vezes. Sua personalidade psicopata e sociopata se manifesta em muitas outras. Ele não exibe autocontrole e choraminga, chora e bate a cabeça no chão quando as coisas não estão indo na sua direção ".  Serios foi descrito como alcoólatra.

As imagens demoravam para surgir durantes as sessões, e Ted imprimia muitas vezes o que era chamado de Blacks, que eram revelações totalmente negras e Whites, revelações totalmente brancas, como se o filme fosse superexposto.

Eisenbud fez uma série de fotografias dos olhos de Ted, focando suas pupilas. Muitos dos resultados estavam longe de ser identificáveis mas, algumas dessas "thoughtographs" revelaram imagens tremidas de objetos e pessoas que não estavam presentes no momento em que os registros foram realizados.

Posteriormente, outras fotografias, mostraram que uma precisão maior podia ser obtida caso a lente da câmera não focasse os olhos de Ted, e essa precisão aumentava também quando Ted fechava os olhos, às vezes por reflexo, devido ao impacto da luz do flash.

Imagens não perceptíveis à vista comum também foram obtidas por Ted, mesmo quando ele se concentrava em envelopes lacrados antes das sessões. Foi assim que Jule Eisenbud obteve através de Ted, a fotografia de uma fonte d'água em Chicago cuja imagem estava lacrada em um envelope. O resultado demonstrou que Ted captou a imagem oculta e foi capaz de imprimir sua visão, de modo supostamente psíquico, no filme fotográfico.

Livro escrito pelo Dr. Jule Eisenbud
Eisenbud deu antecipados "alvos", onde Serios teria que se concentrar. Muitas vezes apareceram pessoas completamente desconhecidas nas fotos. Ted Serios foi colocado então em uma gaiola de Faraday e os cientistas presentes ficaram de fora tomando fotos com câmeras Polaroid, onde Serios precisava se concentrar em si mesmo. As imagens obtidas foram absolutamente conclusivas para determinar se Serios realmente estava influenciado psiquicamente, porque ele não tinha contato com as câmeras. Durante essas experiências na gaiola de Faraday, surgiram imagens como de um desfile militar, que Serios não reconheceu em absoluto.

Um fato interesante é que Ted Serios realizava os experimentos em cômodos claros, e não ambiente escuros como os médiuns.

O Dr. Jule Eisenbud publicou um livro em 1967 de mais de 300 páginas chamado "The World of Ted Serios: "Thoughtographic" Studies of an Extraordinary Mind" onde conta toda a sua pesquisa.


.
Seria uma Fraude?

Lembra que Ted Serios usava o que ele chamava de Gismo, o aparelho que usava para se concentram e fazer com que seus dedos não fechasse a lenda? Era um simples pedaço de cartolina preta enrolada, mas esse dispositivo sempre fez os pesquisadores ficarem com a pulga atrás da orelha. Seria ele o responsável pelas imagens?

Detratores afirmam que Serios pode ter, através de prestidigitação, usado uma lente com uma imagem sobre ela. Ele teria supostamente colocado tal lente contra a câmera, dentro do Gismo, e a luz passaria através da transparência, projetando a imagem no filme da câmera.

Seus críticos também argumentam que as palhaçadas que Serios fazia enquanto bêbado, eram uma distração, o que lhe permitia esconder o dispositivo dos observadores como Eisenbud.

Em um artigo publicado na edição de outubro de 1967 da revista Popular Photography , Charlie Reynolds e David Eisendrath, ambos magos amadores e fotógrafos profissionais, afirmaram ter exposto Serios como uma fraude depois de passar um fim de semana com ele e Eisenbud. Reynolds e Eisendrath disseram que viram Serios colocando algo no Gismo, o tubo que Serios alegou que precisava para ajudá-lo a se concentrar. Eles supuseram que isso era uma imagem de algo que a câmera tiraria uma imagem, mas que Serios alegaria ter vindo de sua mente e não de sua mão. Esse artigo ajudou a fazer Ted Serios cair no esquecimento. Os dois pesquisadores apareceram no episódio Phantoms and Fantastic Photographs da série World of Strange Power de Arthur C. Clark. e mostraram como ele fazia o truque.

O mágico de palco e notado caçador de fraudes, James Randi, também se interessou em desacreditar e desmascarar Serios. Embora ele tenha produzido fotografias semelhantes, Randi afirmou que ele recusou o pedido de Jule Eisenbud para executar o truque com o mesmo grau de álcool no sangue que Serios tinha ao produzir suas fotografias e vestindo uma roupa de borracha.

James Randi diz que Ted Serios foi uma fraude
Randi comenta em seu site que: "Se o Sr. Serios não usar um truque como método, todas as regras da física, particularmente da ótica, tudo desenvolvido pela ciência ao longo dos últimos séculos, deve ser reescrito para acomodar a opinião de Eisenbud. Tais revisões não foram encontradas como necessárias."

No seriado “Today” da NBC-TV com o apresentador Hugh Downs, James Randi enfrentou Serios e Eisenbud de forma eficaz, e duplicou a performance de Ted Serios, ao vivo, para o público da TV. Eisenbud foi incapaz de explicar como ele fiz isso, apenas resmungando - corretamente - que envolvia “fraude”. James descreve como Ted fazia o o truque em seu livro, “Flim- Flam ” (1982) nas páginas 222-228.

Em um artigo na New Scientist intitulado "The Chance of a Lifetime" (24 de março de 2007), uma entrevista aparece com o notável matemático e mágico Persi Diaconis . Durante a entrevista, Diaconis mencionou que Martin Gardner pagou para que ele assistisse a Ted Serios, durante a qual Diaconis afirmou que ele pegou Serios colocando um pequeno bolinha de gude com uma foto no pequeno tubo preso na frente da câmera que ele usava. "Foi", disse Diaconis, "um truque". Gardner escreveu que "os parapsicólogos que uma vez levaram Ted Serios e outros como ele seriamente teriam sido poupados de seus embaraços se soubessem alguma coisa sobre magia".

No entanto, esta teoria falha em provar como Serios produzia "fotos de pensamentos" quando ele estava afastado da câmera (às vezes  mais de 7 metros de distância) e não poderia, portanto, ter colocado qualquer tipo de dispositivo em contato com a câmara. E mais, o Gismo só começou a ser utilizado muito tempo depois por ele, quando várias fotos do pensamento já haviam sido feitas.

Esquema de como seria a fraude utilizando o Gismo



Como Terminou?

Ted Serios era um alcoólatra inveterado.
Os artigos publicados dizendo que seria fraude ajudaram a fazer Ted Serios a cair no esquecimento. Já seu dom teria sido perdido em junho de 1967, logo após o termino da parceria com Jule Eisenbud. Acredita-se que isso ocorreu por ser um homem bastante excêntrico, por causa de seu vício em álcool e o seu caráter instável. Ele foi capaz de produzir depois disso alguns blacks e whites, além de alguns borrões, mas nunca mais as imagens.

Em 1985 Ted Serios apareceu no episódio Fairies, Phantoms and Fantastic Photographs da série World of Strange Power de Arthur C. Clark. O programa levou ele e o Dr. Jule Eisenbud para uma cabana, onde ficaram por horas, com Ted bebendo e fumando, para calibrar os poderes, mas os resultados foram negativos.

Ted Serios em 1997, durante entrevista
com Calvin Campbell. Foto de Dan Cremin
Em 1997, ele foi entrevistado por Calvin Campbell e seu amigo Denis no apartamento que morava, numa localização não divulgada. Ele queria ficar longe e escondido, por ter problemas com a polícia, mas aceitou conversar com eles e disse que sentia que seus poderes haviam voltado. Eles levaram uma câmera polaroide e diversos filmes. Serius continuava fanfarão, fumante e alcoólatra, e morava com uma garota décadas mais nova, sua namorada. Na tentativa de fazer o fenômeno novamente, até oração fizeram, mas não teve jeito... nada de fotos, só Ted Serios bêbado novamente e saudosista, contando quando era famoso e não faltavam bebidas e garotas. A entrevista foi publicada na revista Skeptic e você pode ler ela na integra.

Em 10 de março de 1999, o Dr. Jule Eisenbud morreu em sua casa em Denver. Ele sempre acreditou que Ted Serios tinha genuínos poderes sobrenaturais.

Ted Serios morreu em 30 de dezembro de 2006 e até hoje, ninguém pôde explicar de maneira satisfatória, como ele fazia as suas fotografias.

Em 2011 ocorreu uma exposição chamada "Psychic Projections/Photographic Impressions: Paranormal Photographs from the Jule Eisenbud Collection on Ted Serios" na Biblioteca e Galeria de Albin O. Kuhn na Universidade de Maryland, estado de Baltimore, onde 60 fotografias, uma máquina Polaroid usada nos experimentos, e outros objetos foram expostos, além de uma palestra que você conferir abaixo foi realizada para lembrar os feitos desse controverso homem...



Pesquisa/Tradução/Adaptação: rusmea.com & Mateus Fornazari

Fontes (acessadas em 05/01/2019):
- Livro O Mundo do Paranormal: A Parapsicologia Explicada - Ted Serios pg 178
- Livro Mistérios do Desconhecido: Poderes da Mente - Instantâneos Psíquicos pg 68-69
- Episódio Fairies, Phantoms and Fantastic Photographs da série World of Strange Power de Arthur C. Clark.
- Wikipedia.en: Ted Serios
- Fortean Links: Ted Serios - "Thoughtography"
- Wikipedia.pt: Ted Serios
- The Chronicle of Higher Education: Ted Serios and Psychic Projections
- Made By Paper: The Curious Case of Ted Serios
- Skeptic: The Amazing Meeting 4
- Psychic Projections/Photographic Impressions: Paranormal Photographs from the Jule Eisenbud Collection on Ted Serios
- Ted Serios and the Lehrburger Sequence
Comentários