17 de janeiro de 2019

Escritores Fantasmas - Livros, Novelas, Poesias e Músicas Escritos Por Espíritos


Quando alguém ouve falar sobre possessões, a primeira coisa que vem à mente é provavelmente uma pessoa se retorcendo, dizendo obscenidades, com uma força sobre-humana e falando em línguas antigas. Obviamente, esse tipo de fenômeno seria o de uma possessão completa, no exato momento em que a entidade já teria conseguido dominar a sua vítima.

No entanto, há casos de pessoas que dizem que os espíritos possuíram temporariamente seus corpos para ajudá-las em seus trabalhos de uma maneira surpreendente. Esses transes teriam sido capazes de levá-los a um outro nível de consciência, de muita mais criatividade, com a finalidade de criar incríveis obras literárias ou inclusive peças de música clássica. Apesar da vasta literatura espírita brasileira ser um grande exemplo de pessoas desinteressadas que afirmam que suas obras são dos espíritos, esta postagem trata de casos internacionais que passaram à história por sua notoriedade e documentação.

A seguir, personagens importantes da história que afirmaram ter criado suas obras graças à possessão de espíritos.

Pearl Curran e Patience Worth

Pearl Curran e Patience Worth.
Um dos casos mais famosos é o de Pearl Curran, uma mulher de St. Louis, Missouri, EUA, que a partir de 1913 criou uma série de novelas que segundo ela, foram ditadas por um espírito chamado Patience Worth.

Ainda que Curran não tinha nenhum interesse no espiritismo, a persuadiram para participar em uma sessão de espiritismo.

Mediante o uso de uma tábua Ouija, Curran soletrou o nome de Patience Worth, que seria uma mulher natural de Dorset, Inglaterra, no século XVII que emigrou à América e que foi assassinada pelos nativos americanos.

A partir desse momento, Curran e Worth se converteram em algumas das mais estranhas colaboradoras literárias de todos os tempos. Curran entrava em trance, enquanto o espírito de Worth ditava-lhe palavra por palavra, cujo resultado foram várias novelas elogiadas pelos críticos da época.

Os que conheciam Curran, afirmavam que ela carecia de educação, de conhecimento histórico e habilidades literárias ao ponto de criar esse tipo de histórias perfeitamente escritas. Mas o que mais surpreendeu aos céticos é que Curran tinha a inusual capacidade de trabalhar em dois livros ao mesmo tempo, alternando entre estilos literários diferentes sem que a narração fosse afetada. Sua obra mais elogiada foi o romance Telka, uma história da Inglaterra medieval e escrito em um antigo dialeto inglês, apesar de que Curran não tinha nenhum conhecimento disso.

James Merrill, Wallace Stevens e W. H. Auden

James Merrill, Wallace Stevens e W. H. Auden.
Outro escritor que utilizou a tábua Ouija em suas obras literárias foi o poeta James Merrill, natural de Nova Iorque, EUA., Ganhador em 1983 do prêmio National Book Critics Circle Award. Merrill admitiu ter usado a Ouija para criar seu poema épico "The Changing Light at Sandover".

Segundo explicou o próprio Merrill, ele utilizou a Ouija na década de 1950 com alguns amigos e segundo ele, conseguiu contactar com os espíritos dos autores Wallace Stevens e W. H. Auden, assim como o pai de Merrill e os pais de um de seus amigos. Foi a partir dessas sessões que criou o aclamado poema.

Grandes críticos literários afirmaram que o grande poema de Merrill questionava o que se sabia a respeito do universo, além de não ter precedentes na poesia moderna.

Rosemary Brown e Franz Liszt

Rosemary Brown e Franz Liszt.
Rosemary Brown superou Curran e Merrill com suas realizações artísticas, compondo música supostamente através de um total de 20 compositores póstumos, muitos deles bastante conhecidos.

Nascida de uma mãe que possuía dons psíquicos, Rosemary afirmou que aos sete anos lhe apareceu um espírito de cabelos brancos e disse que ela se converteria em uma famosa compositora. Não foi até dez anos mais tarde que, ao ver sua foto em um livro, percebeu que o espírito era o de Franz Liszt um compositor, pianista, maestro e professor húngaro do século XIX.

Apesar da profecia, Rosemary nunca chegou a ser uma compositora famosa. Em 1964, Rosemary, uma viúva britânica de meia idade com dois filhos, voltou a entrar em contato com o espírito de Liszt. E ao que parece, trouxe alguns amigos do além.

Rosemary começou a compor música supostamente através da orientação espiritual de compositores lendários como Bach, Chopin, Stravinsky, Schubert, Grieg, Debussy, Rachmaninoff, Liszt, inclusive teria concluído a "Décima" e a "Décima primeira" sinfonia de Beethoven.

.
.
Mas Rosemary bateu de frente com uma diversidade de opiniões. Enquanto alguns críticos ficaram impressionados com as composições de Rosemary, outros críticos argumentaram que só eram re-elaborações de obras conhecidas, ainda que admitiram que era necessário um alto conhecimento musical, algo que Rosemary não tinha. De fato, ela tinha dificuldades na hora de ler as partituras.

Jane Roberts e Seth

Jane Roberts e Seth.
Um dos casos mais extraordinários e controversos da escritura mediúnica, é o de Jane Roberts, quem afirmou ter recebido informação de uma personalidade espiritual chamada Seth.

Sua história começou em 1963 quando Jane, uma escritora, e seu esposo Rob, um artista, começaram a experimentar com uma tábua Ouija com o objetivo de desenvolver suas capacidades psíquicas.

Para sua surpresa, uma entidade chamada Seth teria se manifestado e começado a dizer a Jane, letra por letra, informações extraordinárias sobre a vida, a condição humana e o potencial da experiência humana. Finalmente, Jane foi capaz de canalizar a informação de Seth diretamente, sem o uso da Ouija.

"Uma fantástica avalanche de novas ideia radicais irrompeu em minha cabeça com uma força tremenda", disse Jane. "Como se o meu crânio fosse uma espécie de estação receptora, recebi um volume insuportável de informação, meu corpo estava sentado à mesa, com as mãos escrevendo as palavras e as ideias que passavam por minha cabeça."

O resultado, ao longo de muitos anos e com um máximo de 1.500 sessões mediúnicas, Jane escreveu sete livros ditados por Seth, incluindo "Seth Speaks: The Eternal Validity of the Soul"( Seth Fala - A eterna validade do alma" ou "Nature of personal reality" (A natureza da realidade pessoal").

Emily Grant Hutchings e Mark Twain

Emily Grant Hutchings e Mark Twain.
Ainda que em nossa lista não podia faltar Emily Grant Hutchings, a escritora que em 1917 publicou "Jap Herron: A Novel written from the Ouija Board" ("Jap Herron - um romance escrito a partir da Ouija").

Hutchings afirmou que a obra foi escrita através da Ouija e graças ao espírito de Mark Twain, o famoso autor de clássicos como Huckleberry Finn que morreu em 1910.

Os críticos não se mostraram impressionados pelo livro de Hutchings, ridiculizaram suas qualidades literárias de aficionada e o romance foi retirado das lojas, apesar de que atualmente é possível comprá-lo no site Amazon ou conferi-lo online aqui .

Como explicar as incríveis realizações desses músicos e escritores?

Se aceitarmos que essas pessoas realmente se comunicaram com os espíritos de pessoas falecidas, então a resposta seria que foram escolhidos por alguma razão desconhecida para criarem essas obras através de um acesso a outro plano de existência. Outra teoria é que eles de alguma maneira foram capazes de receber o conhecimento através de Percepção Extra Sensorial de artistas ou autores vivos.

Os mais céticos porém, sugerem que todas essas pessoas tinham a capacidade de aproveitar a memória inconsciente que nos permite criar obras específicas. Ou simplesmente que possuíam uma incrível faculdade e um desenvolvimento extraordinário em certas partes de seu cérebro que lhes permitiram criar essas obras de arte com aparente facilidade.

Mas seja qual for a resposta para tanta criatividade, a verdade é que mesmo hoje em dia continua sendo um mistério.

Ainda que não recomendemos, seria teoricamente possível através da Ouija ou de outros métodos de experimentar por si mesmo, já que algumas das pessoas mencionadas nesta postagem conseguiram sucesso graças à comunicação com o além dessa forma.

Tradução/Adaptaçãorusmea.com & Mateus Fornazari

Fontes:
http://www.csicop.org/si/show/ghost_author_the_channeling_of_patience_worth/
http://www.skepdic.com/patienceworth.html
http://www.newyorker.com/magazine/2015/04/13/out-of-this-world-books-dan-chiasson
http://www.sobrenatural.org/materia/detalhar/8304/a_musica_dos_mortos/
http://www.greatwesternpublishing.org/seth-jane-roberts-john-cali-spirit/
Comentários