13 de setembro de 2018

10 Incríveis Avistamentos de Monstros ​​em Tempos de Guerra


É costume dizer que a guerra é um inferno, mas o que é o inferno sem pelo menos um demônio? Talvez seja por isso que alguns dos avistamentos de monstros mais plausíveis da história, foram colocados contra o pano de fundo de um mundo enlouquecido pela violência e morte.

10 - O Monstro Marinho e o Submarino U-28

Submarino alemão U-28 à direita.
O U-28 era um submarino alemão da classe U-27, lançado ao mar antes da Primeira Guerra Mundial. Entrou em serviço na Kaiserliche Marine no dia 26 de junho de 1914, com o Kapitänleutnant Georg Freiherr-Günther von Forstner no comando.

No dia 30 de julho de 1915 o U-28 torpedeou no Atlântico Norte o vapor britânico SS Iberian. Enquanto o barco afundava, ocorreu algo muito estranho. Esse é o relato dos fatos que o capitão do submarino fez no diário de bordo:

"No dia 30 de julho de 1915 o U-28 torpedeou o vapor britânico Iberian, que transportava um rico carregamento através do Atlântico Norte. O vapor afundou tão rapidamente que sua proa ficou quase verticalmente no ar. Momentos depois, o casco do Iberian desapareceu.

Os restos se mantiveram sob a água durante uns vinte e cinco segundos, a uma profundidade que era claramente impossível de avaliar, quando de repente se produziu uma violenta explosão que lançou pedaços de escombros da água até uma altura de aproximadamente 80 pés (24,38m) e entre eles, um animal aquático gigantesco.


Imagem ilustrativa do animal aquático gigantesco
que apareceu com a explosão
Nesse momento eu tinha comigo na torre a seis de meus oficiais, entre eles o chefe de máquinas, o navegador e o timoneiro. Simultaneamente, a todos nos chamou a atenção aquele colosso dos mares, que se retorcia e lutava entre os escombros.

Não pudemos identificar à criatura, mas todos estivemos de acordo que se parecia com um crocodilo, que tinha uns 60 pés (18,29m) de comprimento, com quatro extremidades semelhantes a grandes pés palmados, uma cola longa e pontiaguda, e uma cabeça que também terminava em ponta.

Lamentavelmente, não pudemos tomar uma fotografia, já que o animal desapareceu de nossa vista após dez ou quinze segundos."

O relatório do capitão
A semelhança do desenho do monstro publicado em jornais Alemães da época, com um Mosassauro é notável
Se isto parece pouco ao leitor, na história do U-28 há outro fato chamativo, além de seu encontro com um monstro marinho, já que é o único submarino da história que foi afundado por um caminhão. Para sermos sinceros, em ambos casos teríamos que acrescentar um "supostamente" bem grande...

Em 19 de agosto de 1917 o U-28 zarpou de Emden na que seria sua última patrulha em águas do Ártico. O comandante era o Kapitänleutnant Georg Schmidt (Von Fostner tinha deixado o comando do submarino). Às 12 horas do dia 2 de setembro, no norte da Noruega, os alemães avistaram o vapor armado britânico Olive Branch, com uma carga de material bélico com destino ao porto russo de Arkangelsk. O U-28 lançou um torpedo que atingiu o navio inimigo.

O capitão Schmidt ordenou emergir e se aproximar do Olive Branch para terminar de afundá-lo com o canhão. Naquele momento as munições que o navio transportava, detonaram e uma gigantesca explosão deixou tão danificado U-28 que este afundou junto com o vapor britânico. Nenhum de seus 39 tripulantes sobreviveu.

Uma versão mais estendida dessa história, afirma que um caminhão que o Navio Branch transportava como carga em seu convés, saiu voando pela explosão e caiu desde grande altura sobre o U-28, o afundando. É possível que seja verdade que o tal caminhão se chocasse contra o submarino, ainda que se compararmos o tamanho de um e outro não parece que aquilo bastasse para o afundá-lo por si só.

Mas quem sabe, pode ser que por baixo do submarino, estivesse o crocodilo gigante se vingando pelo susto que lhe haviam dado dois anos antes )

09 - O Monstro Morbach

A cidade alemã de Wittlich é o lar de uma lenda estranha. Segundo a história, um desertor do exército de Napoleão se dirigiu para a cidade, onde ele atacou e assassinou um fazendeiro local e sua esposa. No entanto, antes que a esposa do fazendeiro desse seu último suspiro, ela lançou uma maldição sobre o soldado desertor, o transformando em um lobo monstruoso.

Louca de raiva, a criatura espalhou o terror na zona rural até que uma multidão de moradores da cidade deu caça a besta e a matou. A história é bastante conhecida (um time de futebol americano local até se chamava de Morbach Monsters), mas não particularmente excepcional pelos padrões de histórias de lobisomem.

Mais interessantes são as experiências dos militares norte-americanos estacionados na vizinha Hahn Air Base durante a Guerra Fria. Aparentemente, várias tropas americanas viram uma misteriosa criatura parecida um lobo enquanto patrulhavam os limites florestais da base.

De acordo com relatos anônimos coletados pela Universidade de Pittsburgh, policiais do exército que investigavam um alarme de perímetro encontraram um animal parecido com um cachorro, que se levantou em suas patas traseiras e olhou para eles. A criatura então deu "três longos passos saltando" e pulou sobre uma cerca alta (os relatos diferem na altura exata da cerca, mas concordam que era mais alta que um homem). A besta então desapareceu na floresta. Um cão farejador foi trazido, mas ficou alucinado de medo, se recusando a rastrear a criatura.

O antropólogo da Universidade de Mainz, Matthias Burgard, coletou várias outras histórias de militares norte-americanos que disseram ter visto animais estranhos ou movimentos estranhos nas profundezas da mata. Um piloto disse que havia sido "perseguido" por um animal uivante e oculto enquanto passeava com seus cães.

Outra testemunha rejeitou a teoria de que os americanos poderiam ter sido surpreendidos por porcos selvagens locais: "Eu cresci em uma fazenda nos EUA e aquilo não era porco".

Ainda outro soldado ofereceu a Matthias Burgard uma explicação alternativa para pelo menos alguns dos avistamentos: "Foi sempre divertido assustar os novatos com histórias do lobisomem e depois mandar que fizessem uma verificação de segurança do perímetro a pé. Um dos nossos cães K-9 era um grande bouvier* preto com olhos vermelhos. Nós sempre enviávamos o treinador do cachorro para conhecer os novatos.

*Boiadeiro da Flandres

08 - O Cão De Mons

Em 1919, vários jornais de Oklahoman publicaram uma história aterrorizante de um veterano da Primeira Guerra Mundial canadense chamado Capitão F.J. Newhouse.

Segundo Newhouse, os soldados aliados nas trincheiras de Mons haviam sido caçados por uma fera aterrorizante. Tudo começou em 1914, quando o capitão Yeskes, dos Fuzileiros de Londres, levou quatro soldados para a terra de ninguém - o campo de batalha entre as trincheiras - em patrulha.

Quando não voltaram, seus camaradas preocupados pensaram que poderiam ter sido interceptados pelos alemães. Mas dias depois, "seus cadáveres foram encontrados - exatamente como foram arrastados pela terra - com marcas de dentes nas gargantas".

A partir desse ponto, as coisas só pioraram. Uivos terríveis ecoavam pela paisagem e soldados relatavam ter visto movimentos estranhos além do arame farpado. Patrulhas na terra de ninguém seriam encontradas terrivelmente atacadas, como que por algum grande animal.

Então, tão repentinamente quanto apareceu, a criatura desapareceu. O mistério só teria sido resolvido quando um cientista alemão chamado Gottlieb Hochmüller foi morto em um motim em Berlim no final da guerra. Aparentemente, os documentos de Hochmüller teriam revelado uma trama vil de transferir o cérebro de um louco para um gigantesco cão-lobo siberiano, que teria sido libertado no campo de batalha.

Isso faria parte de uma série de experimentos que Hochmüller esperaria que "terminassem a guerra em favor da Alemanha". 

Curiosamente, o Capitão Newhouse parece ter sido um soldado de verdade, mas por outro lado a história não se sustenta. Não existe registro de um cientista chamado Gottlieb Hochmuller ou Hochmüller e definitivamente não havia nenhum capitão Yeskes nos Fuzileiros de Londres.

Yeskes é na verdade um nome bastante raro na Inglaterra, ainda que seja muito mais comum no Canadá e nos EUA, sugerindo que F.J. Newhouse provavelmente criou a história como propaganda de guerra sobre um verdadeiro alemão, o capitão Max von Stephanitz, quem é creditado como o criador do moderno pastor alemão.

Os historiadores dizem que provavelmente haviam cães perambulando pelo campo de batalha, desabrigados devido à guerra e à fome. Matilhas de cães ferozes podem atacar soldados, mas o cão fantasma de Mons era provavelmente o produto da imaginação de F.J. Newhouse.

A Batalha de Mons também é bem conhecida pela lenda dos Anjos de Mons, na qual seres angélicos, mais comumente na forma de arqueiros medievais, aparentavam proteger soldados britânicos.

A lenda começou com um conto do escritor de terror Arthur Machen, que apareceu no London Evening News em 1914. A história foi escrita no estilo de um jornal e não foi adequadamente rotulada como ficção, levando muitas pessoas a acreditarem que o conto era real. A história logo adquiriu vida própria, a ponto das pessoas se recusarem a acreditar que Machen havia inventado. Como Machen escreveu mais tarde, "a bola de neve do rumor que foi colocada em ação continua desde então, crescendo cada vez mais, até que agora está inchada a um tamanho monstruoso".

07 - Batatut - O Pequeno Pé Grande

O zoólogo britânico John McKinnon alcançou fama nos anos 90, quando ajudou a descobrir três novos mamíferos na remota Reserva Natural Vu Quang, no Vietnã. Mas em seu livro de 1974, Em Busca do Macaco Vermelho, McKinnon sugeriu que poderia haver uma criatura ainda mais extraordinária escondida nas florestas tropicais do sudeste da Ásia.

De acordo com McKinnon, ele estava viajando pelo estado malaio de Sabah quando:

"Eu parei, espantado com o que vi. Me ajoelhei para examinar a pegada perturbadora na terra, uma impressão tão parecida com a de um homem, mas definitivamente não de um homem, que minha pele formigou e senti um forte desejo de ir para casa. Os dedos pareciam bastante humanos, assim como o calcanhar bem feito, mas a sola era ao mesmo tempo curta demais e larga demais para ser a de um homem e o dedão do pé era do lado oposto ao que parecia ser o arco do pé.

O barqueiro malaio de McKinnon disse a ele que as pegadas pertenciam ao "povo da floresta" ou "Batatut", mas McKinnon aparentemente preferiu não investigar mais: "Eu estava inquieto quando encontrei eles, e não queria seguir eles e descobrir o que havia no final da trilha. Eu sabia que nenhum animal que conhecemos poderia fazer aquelas pegadas. Sem deliberadamente evitar a área, percebo que nunca voltei àquele lugar nos meses seguintes de meus estudos. "

A experiência de McKinnon ajudou a trazer mais atenção à lenda do Batatut, o "Little Bigfoot" ("pequeno pé grande") que supostamente se esconde nas selvas da Indochina e Bornéu. O que pode ajudar a explicar um avistamento incomum relatado no livro Strange But True Stories da Guerra do Vietnã, de Kregg PJ Jorgenson.

De acordo com Jorgenson, seis soldados norte-americanos não identificados estavam nas profundezas da selva vietnamita quando avistaram uma estranha criatura parecida com um macaco, com cerca de 150 centímetros de altura e coberta de cabelos ruivos, andando em pé através de uma clareira. Os soldados especularam que poderia ser um orangotango, mas depois perceberam que não havia orangotangos no Vietnã. Infelizmente, a criatura rapidamente desapareceu e a 101ª (Centésima primeira) Divisão Aerotransportada perdeu de conseguir um novo e surpreendente mascote.

06 - "Brosnya" - O Dragão de Brosno

Localizado a cerca de 400 quilômetros ao sul de Moscou, o Lago Brosno é um corpo d'água de tamanho moderado (mas surpreendentemente profundo) com uma grande reputação. Segundo a lenda, uma horrível horda de cavaleiros tártaros estava a caminho de saquear a cidade de Novgorod quando decidiram parar para descansar no lago. Todo mundo estava passando um bom momento até que um enorme monstro reptiliano de repente, pulou para fora da água e começou a atacar homens e cavalos. Tomando o ataque do dragão como um mau sinal, os tártaros decidiram deixar Novgorod em paz e simplesmente ir para casa.

É claro que essa lenda pertence ao reino do mito, mas histórias sobre um monstro no Lago Brosno são abundantes, essencialmente fazendo do "Brosnya" o equivalente russo do monstro de Lago Ness. Em 2002, um grupo russo de ufólogos organizou uma expedição para fazer leituras de sonar do lago, relatando uma "enorme massa gelatinosa" logo acima do leito do lago. Como estamos falando da Rússia... É claro que eles imediatamente lançaram um dispositivo explosivo contra aquilo, fazendo com que começasse a subir rapidamente para a superfície. Felizmente, quando a equipe olhou para a água "não havia nada parecido com um monstro", poupando eles do terrível destino dos tártaros.

Alguns céticos soviéticos sugeriram hipóteses científicas que resolveriam os avistamentos do monstro. Por exemplo, é possível que o sulfeto de hidrogênio se acumule ocasionalmente no fundo do lago e corra para a superfície, criando uma erupção de bolhas que podem ser confundidas com uma criatura subaquática. Alternativamente, uma fratura vulcânica no fundo do lago pode ejetar gases semelhantes. Ou talvez alguns avistamentos de "Brosnya" sejam apenas alces nadando pelo lago. No entanto, mesmo um alce muito grande certamente não poderia ter saltado da água e engolido um avião alemão inteiro, como dizem os rumores contando que "Brosnya" fez isso durante a Segunda Guerra Mundial.

05 - Cobra do Congo
..
.
O Coronel Remy Van Lierde foi um piloto belga que se tornou conhecido por suas façanhas heroicas durante a Segunda Guerra Mundial. Entre outros feitos, Van Lierde escapou de um campo de prisioneiros de guerra alemão e chegou em segurança à Grã-Bretanha, onde se tornou um ás da Royal Air Force.

Mas seu famoso avistamento de monstros veio anos depois, quando ele voltava de uma missão no Congo. De acordo com Van Lierde, ele estava sobrevoando a floresta em um helicóptero quando avistou uma cobra gigante, "muito verde escuro com a barriga branca", que ele estimou ter  15 metros (50 pés) de comprimento.

No relato de Van Lierde, a serpente se levantou como se quisesse atacar o helicóptero (felizmente, o belga não estava voando tão perto do solo). Ele até conseguiu tirar uma foto da besta, que agora é bem conhecida nos círculos de criptozoologia.

Infelizmente, a imagem é bastante embaçada e não fornece nada para indicar a escala, por isso não pode ser usada como prova de que a cobra realmente era tão enorme. Ainda assim, Van Lierde manteve sua versão, insistindo que o monstro era um verdadeiro gigante e "poderia facilmente ter comido um homem" se quisesse.

04 - Kraken

Um monstro marinho escandinavo, o kraken é uma das criaturas mitológicas mais conhecidas do mundo, aparecendo em alguns dos filmes de Hollywood mais populares dos últimos tempos. Mas a descoberta de lulas gigantes nas profundezas do oceano levou alguns a especular que pode haver alguma verdade na observação ocasional de cefalópodes verdadeiramente enormes.

Um dos mais dramáticos encontros com o "kraken" aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial, quando uma traineira britânica foi ancorada nas Maldivas. O tripulante A.G. Starkey estava de pé no convés, certa noite, quando viu algo na água e apontou a lanterna:

"Enquanto eu olhava fascinado, um círculo de luz verde brilhava na minha área de iluminação. Essa esfera verde e fixa, percebi de repente, que era um olho. A superfície da água ondulava com alguma estranha perturbação. Aos poucos, percebi que estava olhando quase à queima-roupa para uma lula enorme".
..
.
Até agora, isso não é totalmente implausível, mas Starkey afirmou que ele andou o comprimento do navio, encontrando a cabeça da lula e tentáculos em extremidades opostas. Isso teria feito a criatura ter 53 metros de comprimento, mais de três vezes o tamanho da maior lula gigante já registrada.

Estranhamente, Starkey não parece ter chamado mais ninguém para dar uma olhada no monstro aterrorizante à espreita perto do barco, deixando sua história com falta de corroboração.

03 - A Névoa

Para todos os elaborados avistamentos de dragões e lobisomens, sem dúvida, relatados por soldados entediados em todo o mundo, em ocasiões, os avistamentos sobrenaturais assustadores deixam muito à imaginação. Tomemos o caso de Robert L. Pollock, um membro da tripulação da aeronave de carga C-130 durante a Guerra do Vietnã.

Em entrevista ao The Paranomalist, Pollock relatou uma experiência perturbadora enquanto voava ao largo da costa do Vietnã do Sul: "Eu notei movimento na parte traseira do compartimento de carga vazio do tamanho de um vagão. Eu olhei e fiquei atordoado ao ver uma massa cinzenta e turva se formando na porta traseira de desembarque direita. A massa estava girando no sentido horário; preencheu completamente toda a traseira da aeronave em segundos".

Naturalmente, Pollock presumiu que havia um problema técnico, mas nenhum foi encontrado. Em pouco tempo, toda a tripulação se juntou a Pollock e eles "continuaram a se afastar da massa à medida que avançava em direção à frente da aeronave".

Quando Pollock colocou a mão dentro da névoa, ela simplesmente desapareceu de vista. Então ele e o engenheiro do avião decidiram entrar na estranha neblina, descobrindo que ela bloqueava completamente a visão deles, como se nenhuma luz pudesse penetrá-la. Mas por outro lado, a névoa não tinha cheiro ou gosto e não interferia na respiração. Pollock disse que não podia nem sentir aquilo.

Felizmente, o problema foi resolvido quando "a massa começou a desaparecer como havia aparecido, apenas ao contrário. Quando voltou ao local que havia começado a se formar, girou no sentido anti-horário e depois desapareceu do nada." Sensatamente, Pollock e os outros membros da equipe decidiram apenas fingir que o incidente nunca havia acontecido e não discutiram mais sobre isso."

02 - O Pé Grande da Rússia

Não contentes com o seu próprio "monstro do Lago Ness", os russos também têm sua própria criatura parecida com o Bigfoot (Pé grande). Conhecidos como "Almas", esses homens pequenos, semelhantes a macacos, supostamente habitam as montanhas Pamir, na Ásia Central.

Um dos mais famosos avistamentos de Almas aconteceu em 1925, quando o general Mikhail Topilski estava caçando bolsões de resistência anti-soviética na área. Enquanto interrogava um guerrilheiro capturado, Topilski foi informado de que os rebeldes teriam sido supostamente atacados por criaturas estranhas em uma caverna próxima. Intrigado, Topilski decidiu investigar e logo encontrou um corpo morto incomum. A antropóloga Myra Shackley descreveu em seu livro Still Living:

O corpo pertencia a um homem de 165 a 170 cm de altura, idoso ou mesmo velho, a julgar pela cor acinzentada do cabelo em vários lugares. O peito estava coberto de pêlos acastanhados e a barriga de pêlos grisalhos. Em geral, o cabelo era muito grosso, sem qualquer sub-pêlo. Havia menos pêlo nas nádegas, de onde o médico deduziu que a criatura sentava como um ser humano. Havia mais pêlo nos quadris. Os joelhos estavam completamente sem pêlos e cresciam calos neles. O pé inteiro, incluindo a sola, era bastante escalvada (sem pêlos) e estava coberto por pele marrom dura. O cabelo era mais fino perto da mão, e as palmas das mãos não tinham nenhum pêlo, mas apenas uma pele calosa. A cor do rosto era escura e a criatura não tinha nem barba nem bigode.

Infelizmente, Topilski não tinha uma câmera e decidiu não esfolar o cadáver como planejara inicialmente. Em vez disso, ele ordenou que seus homens o enterrassem, casualmente destruindo a única evidência de que sua história não era completamente inventada.

01 - O Aswang que Espantou Guerrilheiros

Com todos os relatos na mídia de supostos avistamentos de monstros em tempo de guerra, não é surpresa que alguns oficiais um tanto entusiastas, tenham tentado fazer suas próprias coisas acontecerem.

O caso mais famoso provavelmente ocorreu nas Filipinas durante a década de 1950. O Coronel Edward Lansdale era um oficial da Força Aérea Americana e agente da inteligência que planejou várias campanhas de "operações psicológicas" contra os insurgentes comunistas Huk no país. Em um ponto, isso aparentemente envolveu fingir um ataque de vampiro.

De acordo com as Memórias de Lansdale, um esquadrão Huk se esconderam em uma colina e as tropas locais foram incapazes de desalojá-los. Então, Lansdale decidiu tocar em superstições locais envolvendo um vampiro que muda de forma e é conhecido como aswang.

"O esquadrão de psiquiatria montou uma emboscada ao longo de uma trilha usada pelos huks. Quando uma patrulha Huk chegou ao longo da trilha, os emboscadores capturaram silenciosamente o último homem da patrulha. Eles perfuraram seu pescoço com dois buracos, de forma vampírica, seguraram o corpo pelos calcanhares, drenaram o sangue e colocaram o cadáver de volta na trilha. Os Huks foram embora de manhã."

É claro que só temos a palavra de Lansdale para isso, então tire suas próprias conclusões. Uma história de monstros falsos ainda mais improvável vem da Segunda Guerra Mundial, quando os britânicos recrutaram um mágico de palco chamado Jasper Maskelyne (foto acima na extrema direita) para enganar os alemães com camuflagem e mentiras elaboradas.

Isso é verdade, mas Maskelyne ainda sentia a necessidade de exagerar suas façanhas em suas memórias, que geralmente não são consideradas confiáveis.

Durante a invasão da Sicília, Maskelyne afirmou ter criado "um dispositivo que era pouco mais do que um gigantesco espantalho, com cerca de 365 centímetros (12 pés) de altura e capaz de cambalear para a frente por conta própria e emitir flashes e estrondos assustadores."

Essa coisa assustou várias aldeias sicilianas pelas madrugadas, perambulando com seu som ensurdecedor pelas ruas com grandes faíscas azuis elétricas que saltavam do boneco, e os habitantes, que eram em sua maioria camponeses analfabetos, simplesmente se encaminhavam para a aldeia seguinte, jurando que o diabo marchava à frente dos britânicos invasores."

Tradução/Adaptação rusmea.com & Mateus Fornazari

Fontes:
https://listverse.com/2015/11/23/10-unbelievable-wartime-monster-sightings/
Comentários