6 de setembro de 2018

10 Desaparecimentos Chocantes Resolvidos por Detetives Psíquicos

Um psíquico é uma pessoa que afirma possuir habilidades paranormais e poder usar percepção extrassensorial (PES) para, supostamente, obter informações ocultas. Os psíquicos, ou pessoas que se dizem psíquicas, podem usar suas habilidades de várias maneiras.

Alguns atuam no palco, outros usam seus talentos para falar com os mortos (Médiuns), e alguns usam suas habilidades para resolver crimes.

Detetives psíquicos, ou investigadores paranormais, afirmam usar telepatia, visão remota (clarividência) e radiestesia para obter informações sobre um caso que outro detetive sem habilidades psíquicas teria dificuldade em obter.

Ainda que muitas pessoas sejam céticas quanto à legitimidade dos investigadores paranormais, tem havido um número de casos em que psíquicos forenses, sem dúvida, ajudaram a levar um assassino à justiça ou até mesmo ajudaram a encontrar uma pessoa desaparecida.

Esta é uma lista de 10 crimes que foram resolvidos por pessoas que afirmam possuir habilidades paranormais e que forneceram à polícia, informações que teriam possibilitado a solução do crime.

Então, se você acredita no poder dos investigadores paranormais ou não, aqui estão 10 casos em que os psíquicos realmente ajudaram na investigação.

10 - Nell Cropsey


Nell Cropsey tinha 19 anos de idade na época de seu desaparecimento em 21 de novembro de 1901. Ela era conhecida como Bela Nell, com cabelos castanhos e olhos azuis escuros. Ela morava com a família em Elizabeth City, na Carolina do Norte, EUA, e planejara visitar a família antes do Dia de Ação de Graças. Ela nunca chegou e seu namorado Jim Wilcox foi o último a vê-la.

De acordo com Jim Wilcox, ele foi ver Bela Nell e terminou com ela naquela noite. No entanto, o irmão e o pai da garota insistiram que ela não retornou.

A irmã de Nell disse tê-la visto na varanda por volta das 11 da noite, mas não a viu voltar para dentro da casa. Ela apenas presumiu que ela entrou silenciosamente. No entanto, mais tarde, a família de Nell ficou perturbada quando descobriram que ela não estava em casa.

Eles foram até a casa de Jim pensando que talvez os dois tivessem fugido. Mas Jim disse que havia terminado com Nell e achou que ela havia voltado para dentro de casa depois de deixá-la na varanda. Durante o interrogatório de Jim, ele contou uma história diferente, e ele foi preso, mas depois foi libertado.

Um psíquico, chamado Snell Newman, disse que Jim havia matado Bela Nell. Em 6 de dezembro de 1901, o psíquico chegou à residência de Nell e identificou as últimas horas de vida da garota.

Segundo a visão do psíquico, Jim Wilcox teria usado clorofórmio para fazê-la perder os sentidos. Teria enrolado ela em um cobertor, arrastado ela até o campo e depois de matar a garota, teria jogado seu corpo em um poço.

Quando o poço foi inspecionado, nenhum corpo foi encontrado, mas dois dias depois do Natal, o corpo de Nell estava flutuando no rio. O cadáver tinha hematomas na testa que indicavam luta corporal. Jim foi preso, julgado e recebeu quinze anos de prisão.
.
.
.
9 - PAULA BROWN



Paula Brown era uma cabeleireira que desapareceu em Sydney, na Austrália, depois de uma noite com seus amigos em 1996.

Após o seu desaparecimento, o noivo de Brown pediu a ajuda do psíquico Philippe Durant para ajudar a encontrá-la. O psíquico usou um mapa, um pêndulo e um pedaço do cabelo da vítima para encontrar o corpo.

O psíquico forneceu à polícia algumas informações altamente precisas, incluindo a localização do corpo.

Eventualmente, o cadáver dela foi descoberto por um motorista de caminhão a menos de dois quilômetros de distância da área onde o psíquico havia previsto que estaria.

Em última análise, o motorista de caminhão encontrou o corpo por acaso. Em resposta à previsão de Durant, o representante da polícia comentou: "Embora o corpo tenha sido descoberto apenas por acaso, a especulação de um clarividente parece ter sido estranhamente precisa.". 

8 - MARIA SCOTT

Maria Scott estava desaparecida em Robertson, Austrália, mas a polícia perdeu o interesse pelo caso quando descobriu que ela era prostituta. Sete meses após o seu desaparecimento em 2003, seu corpo em decomposição foi encontrado com cinco facadas.

Vinte e nove homens foram nomeados como possíveis suspeitos do assassinato de Maria Scott, mas as autoridades acreditavam que uma pessoa chamada Mark Brown era o assassino. Maria conheceu Mark em uma clínica de reabilitação, mas o que torna a história interessante é que Mark Brown já havia ido embora daquele estado.

Quatro anos após o assassinato, o investigador do caso, o detetive Jeffrey Little, pediu a Debbie Malone, uma médium, que ajudasse no caso.

Baseado no relato psíquico, Maria Scott morreu em uma cabana da Triple Care Farm, um centro de reabilitação para dependentes químicos em Robertson.

Ainda que houvesse muitas mudanças na cabana, o médium também conseguiu localizar a faca usada no assassinato. A faca ainda estava no cano de escoamento e permaneceu ali mesmo depois da pia ter sido reformada.

Além disso, Debbie Malone disse à polícia que sentiu o assassino passar caminhando através dela quando ela entrou na cabana e explicou que essa era uma ação que apenas fantasmas são capazes de fazer.

Debbie Malone conseguiu compartilhar muitos detalhes e eventos relacionados ao assassinato.
Mais tarde, foi descoberto que o suspeito de assassinato, Mark Brown, havia cometido suicídio depois de chegar em Queensland.
.
..
.7 - MELANIE URIBE


Em 1980, Melanie Uribe, uma enfermeira de Pacoima, California, EUA, faltou dois dias de trabalho.

Seu desaparecimento foi relatado às autoridades e buscas foram conduzidas. A clarividente Etta Smith tinha muita certeza de que Melanie Uribe não estava no lugar em que as buscas estavam sendo feitas.

Etta Smith
De acordo com Etta Smith*, ela sentiu que Melanie estava em um lugar semelhante ao Vale Lopez, perto da casa da vítima. A psíquica viu que em algum lugar do mato havia uma enfermeira de uniforme , e ela relatou toda essa informação à polícia.

Etta decidiu investigar o assunto sozinha. Junto com seus filhos e sobrinha, ela foi até o Vale Lopez e encontrou o cadáver de Melanie, exatamente no local da sua visão psíquica.

Etta estava prestes a deixar a área quando a polícia chegou. Ela foi interrogada e detida pela polícia, mas foi liberada mais tarde quando o verdadeiro assassino foi preso.

*Quando jovem, Etta Smith alegou ter sentimentos estranhos sobre eventos futuros, mas foi só aos 32 anos que Etta percebeu que teria poderes psíquicos. Ela disse ter tido uma experiência psíquica enquanto trabalhava em uma instalação aeroespacial na década de 1980.

6 - PENNY SERRA


Concetta (Penny) Serra, uma higienista dental, foi brutalmente assassinada em 16 de julho de 1973 em Connecticut, EUA.

Pascarella Downey
O investigador na época decidiu chamar a ajuda de um médium. O detetive George Mazzacane convidou a psíquica Pascarella Downey para investigar o assassinato.

De acordo com a psíquica, o assassino cheirava a óleo, usava um uniforme como o de um mecânico e tinha um crachá com a letra inicial "E"*. Ela até previu que o assassino não seria pego imediatamente, mas seria preso porque "o sangue pode falar" .

Acertado o bastante para uma previsão... 26 anos depois, um homem chamado Edward R. Grant foi finalmente pego usando análise de DNA sanguíneo e correspondência de impressões digitais. Ele também era mecânico durante o tempo do assassinato.

Edward foi julgado e considerado culpado pelo assassinato de Penny Sera, e em 2002, recebeu uma sentença de 20 anos detenção.

* "E" de Edward [R. Grant]

5 - ARTHUR HERBERT


Em 1984, um pequeno avião desapareceu em algum ponto de Massachusetts ou New Hampshire, EUA.

Noreen Renier
O avião levava quatro pessoas, incluindo Arthur Herbert, o piloto. Após o desaparecimento misterioso, a Patrulha Aérea Civil* fez uma extensa busca, mas eventualmente a procura foi cancelada.

Jessica Herbert, irmã de Arthur, não desistiu e procurou a ajuda de Noreen Renier, uma detetive psíquica popular referenciada pelo ex-marido e agente do FBI.

Como psíquica, Noreen dava a longitude e a latitude exatas do local do acidente. Ela também havia dado a descrição exata dos momentos finais de Arthur Herbert. Isso pode não ser um caso de assassinato, mas a polícia reconheceu a ajuda de Noreen Renier no desaparecimento de Herbert.

*A Patrulha Aérea Civil é uma corporação sem fins lucrativos patrocinada pelo Congresso e financiada pelo governo federal que serve como auxiliar civil oficial da Força Aérea dos Estados Unidos.

4 - SYLVESTER TONET


Sylvester Tonet era um homem de setenta e oito anos e havia desaparecido misteriosamente.

Nancy Myer
A polícia de Monroeville, Distrito na Pensilvânia, EUA, o procurou incansavelmente mas não foram capazes de encontrá-lo.

A família Tonet decidiu convidar uma médium para ajudar na busca, Nancy Myer.

Ela disse ter visto sua visão duas coisas: uma, que o homem estava morto e duas que ele não era vítima de violência. Segundo a visão de Nancy, Sylvester estava confuso e perdido quando caminhava pela floresta.

A psíquica foi capaz de sentir os últimos momentos da jornada do pobre homem.

No dia seguinte, o cadáver de Sylvester Tonet foi encontrado a 150 metros, onde Nancy teria tido a sua visão.

3 -  JOHN E PATRICIA LIST
..
.
Patricia List era a filha de 16 anos de John List. Ela deveria comparecer a um ensaio para uma peça, mas não chegou.

Ed Illiano, seu treinador de teatro, estava preocupado com Patricia desde que ela disse a ele que seu pai queria matá-la. Ed decidiu fazer uma visita à casa de sua aluna e pediu a intervenção da polícia no assunto.

A família do assasino John List
As autoridades entraram na casa, mas não encontraram ninguém vivo lá dentro. John List havia atirado em sua mãe e na sua esposa, junto com seus três filhos, incluindo Patricia List. John deixou uma carta confessando o assassinato.

Em 9 de novembro de 1971, no décimo terceiro aniversário do assassinato da família List, houve um súbito interesse no caso. O ex-detetive do caso, Jeffrey Paul Hummel, estava agora trabalhando na Unidade de Crimes Graves* para o Ministério Público.

Alguns acreditavam que John List estava morto, mas o detetive acreditava em outra possibilidade, já que não haviam provas de que ele havia morrido. Em 1985, ele decidiu pedir a ajuda da detetive psíquica Elizabeth Lerner. Ela havia dado informações valiosas no passado, o que ajudou a resolver outros casos antes.

De acordo com Elizabeth, John List estava vivo e viajou para outro lugar andando de ônibus. Ele tinha, de fato, uma nova mulher em sua vida e que tinha alguma ligação com Baltimore, Maryland, EUA. A psíquica disse que "Virginia" desempenhou um papel significativo com John List.

As visões psíquicas de Elizabeth eram verdadeiras já que de fato, John List havia saído da cidade de ônibus e se casado com Delores, sua segunda esposa em Baltimore. Ele então foi para o Colorado. Finalmente, John List foi preso no estado da Virgínia quando um vizinho ligou depois de ver a foto de John List no programa de TV America's Most Wanted.

*O Major Case Squad é uma divisão dentro de alguns departamentos de polícia. Os detetives dessas divisões tipicamente investigam crimes além do escopo de esquadrões normais. Essas funções variam de departamento para departamento.

2 - EDITH KIECORIUS


Edith Kiecorius foi uma criança sequestrada no Brooklyn em 1961.

A polícia havia procurado em todos os lugares para encontrar a criança de quatro anos. A procura não produziu resultados positivos, para grande consternação e horror do público, até que o vice-presidente da companhia aérea KLM pediu a um popular clarividente em Utrecht, Holanda, para ajudar na busca.

Gerard Croiset
Gerard Croiset era um clarividente e concordou em ajudar na investigação, no entanto, ele se recusou a ir para os Estados Unidos. Ele disse que a agitação de Nova Iorque iria dominá-lo. Em vez de ir ao local do desaparecimento, ele pediu a fotografia da criança e um mapa. Na semana seguinte, o vice-presidente da KLM visitou Gerard Croiset para fornecer a foto, o mapa e algumas roupas da criança.

Depois de receber a foto, o mapa e a roupa da criança, o clarividente disse poder ter visões de Edith e a descrição de seu sequestrador. Croiset foi capaz de fornecer algumas descrições como "mulher negra sentada em frente a uma janela, um prédio cinza com cinco andares. No segundo andar, a criança morta está lá".

A informação foi então passada para o departamento de polícia de Nova Iorque e poucas horas depois, o corpinho de Edith foi encontrado. O sequestrador e assassino, Fred Thompson, um vagabundo de 59 anos que acabara de alugar o quarto na casa da West 20th Street, foi apreendido uma semana depois.  Ainda que a criança não tenha sido salva, a justiça foi cumprida com a ajuda do psíquico, Gerard Croiset.

1 - ANDRE DAIGLE
..
.
Andre Daigle foi visto pela última vez desfrutando de um jogo de bilhar e uma cerveja quando foi abordado por uma jovem que pediu para ele desse uma carona pra casa.

Quatro dias depois, o jovem foi dado como desaparecido por sua família. A polícia não agiu porque achava que André estava apenas saindo com a garota.

A irmã de Andre, Elise McGinley, de Fullerton, Califórnia, entrou em contato Rosemarie Kerr, uma clarividente, psicometra* e detetive psíquica. Elise levou uma foto e um mapa para Rosemarie Kerr e perguntou pelo paradeiro do seu irmão.
Rosemarie Kerr

Kerr disse sentir vibrações na imagem e viu que Andre estava sentado em sua caminhonete. Ela também disse ter visto água, uma longa ponte e trilhos de trem. Ela também disse sentir terríveis dores de cabeça que eram tão fortes que ela sentiu como se a estivessem matando.

Pelo mapa, ela traçou a mão e disse ter sentido uma sensação de formigamento e parou no local perto de Slidell, Luisiana, EUA. Ela disse que viu Andre já morto, mas ela não deixou Elise McGinley, a irmã, saber, em vez disso, disse a ela para pedir ajuda.

Enquanto isso, o irmão de Andre que morava perto ficou surpreso ao ver a caminhonete do irmão desaparecido ao lado de sua casa. Ele ligou para a polícia imediatamente e o veículo saiu em disparada. Quando a caminhonete foi encurralada no Pearl River, perto de Slidell, Luisiana, os assassinos foram presos.

Charles Gervais e Michael Phillips foram os assassinos, ambos confessaram o assassinato de Andre Daigle. Eles usaram a garota para atrair e matar Andre.

Durante o julgamento, a psíquica Rosemarie Kerr se posicionou e contou ao júri como ela ajudou a família de Andre a encontrar os assassinos. Segundo a psíquica, o espírito de André se comunicou várias vezes com ela e pediu que sua família perdoasse as pessoas que o haviam ferido.

Os assassinos foram declarados culpados de assassinato em primeiro grau e foram condenados à prisão perpétua.

*Psicometria em parapsicologia, seria a faculdade extrassensorial que alguns indivíduos possuiriam para extrair, geralmente através do toque, o conteúdo de algum objeto ou ambiente impressos fora de nossa realidade física.

Tradução/Adaptação: Rusmea & Mateus Fornazari

Fontes:
http://unsolvedmysteries.wikia.com/ https://www.keen.com/https://www.csicop.org/specialarticles/show/psychic_sleuthing_the_myth-making_process
http://www.nancymyer-psychicdetective.com/
http://unsolvedmysteries.wikia.com/wiki/Melanie_Uribe
http://web.archive.org/web/20070820235011/
http://www.crimelibrary.com:80/notorious_murders/family/list/14.html
http://articles.latimes.com/1988-02-07/local/me-41061_1_rosemarie-kerr
https://www.youtube.com/watch?v=ycgDWRxXq3A
Comentários