12 de março de 2018

Terror na Polônia! O Assustador Caso Envolvendo uma Suposta Atividade "Poltergeist" no Vilarejo de Turza Wielka!


Por Marco Faustino

Em meados do mês passado, apresentei a vocês uma história um tanto quanto estranha e inacreditável, que circulou de forma ostensiva na mídia russa, e que chegou até o nosso país através da agência internacional de notícias "Sputnik", um veículo de imprensa russo, que é controlado e operado pela empresa estatal Rossiya Segodnya (particularmente, considero a Sputnik muito mais como um veículo de desinformação do que informação). Segundo um curto texto publicado pela agência, um comunicado enviado ao Ministério do Interior da Região de Tomsk, na Rússia, informava, que uma moradora do povoado de Maraksa havia chamado a polícia mediante uma ocorrência incomum: resolver o problema de "objetos que estavam voando pela sua casa". A polícia, ao chegar na casa, teria visto, com os próprios olhos, livros caindo sozinhos de uma estante, uma faca cravada na parede de madeira, e até mesmo um bastão, que teria saído voando de um dos cômodos. Segundo o comunicado, não teria sido encontrada nenhuma explicação racional para o evento. Assim sendo, os policiais teriam chamado religiosos locais, que teriam realizado um ritual de consagração para tentar resolver a situação, mas que teria sido em vão. Enfim, vale muito a pena conferir aquele caso, que supostamente envolveria uma "atividade poltergeist". Aliás, recentemente acrescentei uma atualização, que talvez ajude a tentar entender todo esse mistério (leia mais: Poltergeist na Rússia? Policiais Teriam Pedido Ajuda da Igreja ao se Depararem com "Fenômenos Paranormais", no Vilarejo de Maraksa!).

Agora, eis que fiquei sabendo de um caso ocorrido entre o fim de novembro e início de dezembro do ano passado, na Polônia, que tomou conta da imprensa local, mas que acabou não repercutindo em praticamente nenhum veículo de comunicação de língua inglesa e, muito menos, aqui no Brasil. É a história de uma família, que mora no vilarejo de Turza Wielka (ou "Turzy Wielkiej"), localizado a cerca de 160 km a noroeste de Varsóvia, que teria passado por momentos assustadores em seu apartamento, com diversos objetos que também teriam começado a cair de cima de móveis, e a voar pelo apartamento. Um padre teria sido chamado, porém o mesmo teria sido igualmente atacado por supostas "forças demoníacas". Esse é um caso particularmente interessante, porque além de uma adolescente de 12 anos fazer parte da família (uma pessoa que, segundo a literatura, poderia ser o objeto central de uma "atividade poltergeist"), a própria família alegou, que tudo teria começado após terem comprado uma espécie de sofá-cama de um vizinho. Estranho, não é mesmo? Vamos saber mais sobre esse assunto?

Entenda o Caso: Um Resumo do que Foi Publicado pela Mídia Polonesa em Dezembro do Ano Passado!


Em uma tentativa de ser o mais sucinto possível, mas igualmente informativo, vou tentar fazer uma espécie de resumo do que foi mencionado pela mídia polonesa no ano passado. Bem, conforme mencionei anteriormente, os estranhos eventos começaram no fim de novembro, mas precisamente no dia 23 de novembro, no apartamento de uma família, no pequeno vilarejo de Turza Wielka, no condado de Działdowo, a cerca de 160 km a noroeste de Varsóvia, a capital da Polônia. Para vocês terem uma ideia, o vilarejo é bem pequeno mesmo, uma vez que possui aproximadamente 700 habitantes.



Bem, conforme mencionei anteriormente, os estranhos eventos começaram no fim de novembro, mas precisamente no dia 23 de novembro, no apartamento de uma família, no pequeno vilarejo de Turza Wielka, no condado de Działdowo, a cerca de 160 km a noroeste de Varsóvia, a capital da Polônia.
Foto da Igreja Nossa Senhora do Rosário, no vilarejo de Turza Wielka
Na noite de 23 de novembro do ano passado, pilhas antigas começaram a cair dos móveis e, posteriormente, uma estranha "força" teria começado a arremessar objetos diferentes no interior dos cômodos. No prédio, que costumava abrigar uma escola no passado remoto, moravam outras três famílias distintas, e que não possuíam qualquer grau de parentesco entre si.

No sótão do prédio morava a família Pokropska. Aliás, eles moravam naquele local há 15 anos. Eis os integrantes da família: a Sra. Krystyna, 40 anos, seu marido Kazimierz, 58 anos, seu filho Irek, 18 anos, a filha Martyna, 12 anos, e os gêmeos Adaś e Ewunia, que possuíam cerca de um ano e meio de idade.

Foto divulgada da família Pokropska no início de dezembro do ano passado.
Foto divulgada da família Pokropska no dia 18 de dezembro do ano passado.
Essa foto inclui o filha mais velho, o Irek, que possui 18 anos de idade.
"Deve ser uma maldição. Pilhas, bloquinhos de brinquedo, facas e cadeados começaram a voar espontaneamente pelo nosso apartamento. Ficamos horrorizados. Fugi com meu marido e as crianças no meio da noite. A intervenção do nosso pároco local não resolveu nada", disse a Sra. Krystyna, que teria passado a morar em um centro de acolhimento da Cáritas, uma entidade de promoção e atuação social que trabalha na defesa dos direitos humanos, da segurança alimentar e do desenvolvimento sustentável solidário. As informações apontavam que a família teria ficado entre os dias 24 de novembro a 4 de dezembro no abrigo localizado no condado de Działdowo.

"Tudo começou quando compramos um sofá-cama de um dos nossos vizinhos por cerca de 100 zlotys (cerca de R$ 95 pela cotação atual) . Tudo estava bem no primeiro dia e durante a noite. No entanto, na noite seguinte, pilhas antigas começaram a cair sozinhas das estantes de livros. Meu marido colocou-as de volta no lugar, e fomos para cama. Então, fomos acordados por batidas na porta e outros barulhos", continuou. De acordo com Krystyna, não havia ninguém atrás da porta, quando seu marido se levantou para abri-la.

Foto mostrando o prédio onde a família Pokropska mora, em Turza Wielka.
Foto mostrando as janelas da residência da família Pokropska, em Turza Wielka.
"Quando brinquedos, bloquinhos de montar, moedas e ferramentas afiadas, assim como facas ou garfos, começaram a voar pelo apartamento, ficamos aterrorizados. Esta situação teve um enorme impacto sobre nós e nossos filhos. Nossa filha de 12 anos está sem ir na escola há uma semana", continuou.

Assim sendo, a família rapidamente decidiu pedir ajuda a um padre local. O padre Miroslaw Culepa, da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em Turza Wielka, foi até o apartamento da família para abençoar o local.

"Tudo começou quando compramos um sofá-cama de um dos nossos vizinhos por cerca de 100 zlotys (cerca de R$ 95 pela cotação atual) . Tudo estava bem no primeiro dia e durante a noite. No entanto, na noite seguinte, pilhas antigas começaram a cair sozinhas das estantes de livros. Meu marido colocou-as de volta no lugar, e fomos para cama. Então, fomos acordados por batidas na porta e outros barulhos", disse Krystyna.
"Quando brinquedos, bloquinhos de montar, moedas e ferramentas afiadas, assim como facas ou garfos, começaram a voar pelo apartamento, ficamos aterrorizados. Esta situação teve um enorme impacto sobre nós e nossos filhos. Nossa filha de 12 anos ficou sem ir na escola por uma semana", continuou.
Foto mostrando talheres, que teriam voado espontaneamente no interior da residência.
"Primeiramente, o padre realizou uma missa na igreja, depois veio até o nosso apartamento e juntos oramos pela paz e pelo bem da nossa família. No entanto, em um determinado momento, quando o padre se sentou no sofá, um cadeado voou e o atingiu logo acima da cabeça, arrancando sua biretta (uma espécie de adorno quadrangular, com três ou quatro pontas, utilizado por determinados clérigos católicos, anglicanos e luteranos, acima da cabeça)", seguiu dizendo a Sra. Krystyna.

Então, o padre recomendou que a família saísse do apartamento. Uma vez que estavam sendo perturbados por "fenômenos desconhecidos", a família foi até uma "cidade vizinha" chamada Płowęż, localizada a cerca de 70 km a leste de Turza Wielka para recorrer a um "padre exorcista" local.

"Três de nós - eu, meu marido e nosso filho mais velho - fomos ver o exorcista. No entanto, de nada adiantou. Objetos ainda estão voando pelo apartamento. Aliás, eles continuaram voando mesmo quando repórteres de canais de televisão, jornais e da mídia em geral estiveram presentes no apartamento", disse a Sra. Krystyna, em declaração ao site de notícias "Codziennik mławski", em uma reportagem publicada no dia 4 de dezembro do ano passado, que estou usando como base para fazer esse resumo (contudo essa informação será contestada mais a frente).



Infelizmente, no dia da visita de uma equipe de reportagem do "Codziennik mławski", a mesma não conseguiu entrar em contato com o padre local. No entanto, eles conseguiram entrar em contato com o Sr. Marek Waśkowiak, responsável administrativo do vilarejo de Turza Wielka.

"Não vi nada disso com meus próprios olhos, mas há uma força sinistra nesse apartamento. Acredito em tudo que os moradores e o padre me contaram. Há coisas realmente estranhas acontecendo lá, que vão além do entendimento da maioria dos nossos moradores locais", disse Marek Waśkowiak.

Conforme dissemos anteriormente, o prédio onde a família Pokropska morava, costumava ser uma escola, porém há quase 100 anos. De acordo com moradores locais, antes da família se mudar para o prédio, o sótão era habitado por um idoso, de nacionalidade alemã, com sobrenome Stern. Os moradores mais antigos dizem que ele doou terrenos para a construção da igreja e do cemitério, mas fez questão de enfatizar que as pessoas deveriam ser enterradas gratuitamente. Por outro lado, alguns moradores tinham passado a associar a situação, que a família vinha enfrentando, com o assassinato desse mesmo idoso por tropas russas.

O casal Krystyna e Kazimierz teriam passado a andar pela residência segurando terços
No molho de chaves teria sido adicionado um chaveiro com a chamada "Cruz de São Bento"
O casal Krystyna e Kazimierz mostrando uma das facas, que teria saído "voando" pela cozinha do apartamento.
Como isso não bastasse, outros moradores relembraram uma história, de quase um ano atrás, sobre uma suposta "menininha assombrada".

"Houve uma situação semelhante há quase um ano. Na época, uma pessoa estava assombrada, uma menininha, que morava com seus pais. As pessoas costumavam dizer que ele vivia brincando de 'invocar espíritos' e, eventualmente, ela conseguiu, mas teria começado a ser assombrada pelos espíritos", disse uma moradora local, que pediu para não ser identificada.

De acordo com as informações obtidas a partir de moradores de Turza Wielka, a família se mudou com a menina, e nunca mais ninguém teria tido notícias da mesma. Aliás, a Sra. Krystyna Pokropska e seu marido Kazimierz, lembravam perfeitamente desse outro incidente.

"Conhecemos a história, também ficamos sabendo que os pais da menina visitaram o exorcista. Estamos esperando pelo exorcista de Toruń, uma vez que nossa paróquia pertence a essa diocese", disse a Sra. Krystyna, no dia 2 de dezembro do ano passado, acrescentando que estavam vivendo em um centro de acolhimento da Cáritas, e que naquele dia seu marido e seu filho mais velho iriam retornar ao apartamento e ver o que iria acontecer. Enquanto isso a administração do vilarejo estava cobrindo as despesas da família durante a permanência no centro.

Foto de um dos padres que compareceram a residência da família
Mias uma foto mostrando a entrada principal do prédio onde a família Pokropska mora
"Recebemos cerca de 900 PNL (cerca de R$ 860 pela cotação atual) da administração do vilarejo para cobrir as despesas. Entretanto, precisamos procurar por um outro apartamento em Działdowo. Não é algo simples, porque poucas pessoas alugam imóveis para famílias com crianças pequenas", disse a Sra. Krystyna. Aliás, a família não queria morar muito longe, visto que o Sr. Kazimierz trabalhava no referido condado.

"O melhor cenário seria voltar para o nosso apartamento. Há uma igreja, escola e trabalho em Turza, basta dobrar a esquina. Tudo deve melhorar em breve, uma vez que estamos aguardando pelo exorcista e pela ajuda das autoridades locais", continuou.

No dia 8 de dezembro, o site "Codziennik mławski" publicou uma nova atualização sobre o caso. Na época foi mencionado, que a família havia voltado para o apartamento em Turza Wielka. Porém, após cerca de dois dias de paz, ou seja, sem quaisquer estranhas atividades, a família foi obrigada a deixar novamente o apartamento. Bloquinhos de brinquedo teriam começado novamente a voar pelo apartamento, pratos de vidros começaram a quebrar e, no assento do vaso sanitário, no banheiro, foram encontradas duas facas posicionadas em formato de cruz.

Após cerca de dois dias de paz, ou seja, sem quaisquer estranhas atividades, a família foi obrigada a deixar novamente o apartamento. Bloquinhos de brinquedo teriam começado novamente a voar pelo apartamento, pratos de vidros começaram a quebrar e, no assento do vaso sanitário, no banheiro, foram encontradas duas facas posicionadas em formato de cruz.
Na notícia foi mencionado, que a família havia voltado ao apartamento no dia 4 de dezembro, uma segunda-feira. Nenhum "fenômeno paranormal" teria acontecido nos dias 5 e 6 de dezembro. Contudo, na noite de 7 de dezembro, estranhas "forças" teriam começado a agir novamente no apartamento.

"Não faço ideia do que pensar sobre essa situação. Ontem, quinta-feira (7), por volta das 20h, a Sra. Pokropska veio até mim, e disse que, novamente, coisas estranhas estavam acontecendo em sua casa. Hoje (8), fiquei sabendo que eles levaram as crianças e saíram novamente do apartamento", disse Marek Waśkowiak, responsável administrativo do vilarejo de Turza Wielka. A família desesperada não sabia o que fazer, e a única esperança era a visita do tal padre exorcista de Toruń.

"Ontem (7) começou tudo de novo. Primeiramente, alguns blocos de brinquedo caíram, e então facas começaram a flutuar no ar. Posteriormente, um copo de vidro voou com tanta força dentro de um quarto, que o partiu em pedacinhos", disse a Sra. Krystyna. No entanto, foram as facas em formato de cruz, que mais assustaram a família Pokropska. A família tinha certeza, que alguma coisa queria expulsá-los de sua própria casa. Ainda segundo a Sra. Krystyna, sua filha de 12 anos, a Martyna Pokropska, já estava há duas semanas sem frequentar a escola, sendo que ela ficou muito nervosa com toda essa situação. Ainda segundo a atualização, aparentemente, a menina chegou a ser levada até um hospital.

A Reportagem Realizada pelo Jornal Gazeta Olsztyńska: O Apartamento Supostamente Assombrado de Turza Wielka


No dia 12 de dezembro, o jornal "Gazeta Olsztyńska" publicou uma reportagem sobre o caso, que estava no vilarejo Turza Wielka, em seu próprio canal no YouTube. Confira o mesmo abaixo (em polonês, mas irei destrinchá-lo para vocês a seguir):



Inicialmente, a reportagem basicamente nos informou sobre aquilo, que já havia sido anteriormente divulgado sobre o caso. O jornalista enviado pela "Gazeta Olsztyńska" perguntou a Sra. Krystyna Pokropska se ela achava que um exorcista iria realmente ajudá-los diante daquela situação. Ela respondeu que esperava que ajudasse, e que estavam esperando ansiosamente pelo mesmo. Havia uma grande esperança, que o exorcista pudesse expulsar o mais novo "morador" da casa.

Ao conversar com o primeiro exorcista, na cidade de Płowęż, Krystyna disse que o exorcista lhe perguntou, após orarem juntos, se a família tinha adquirido algum mobiliário novo ou algum tapete recentemente. Então, ela respondeu que havia comprado um sofá de um amigo. Ela disse que chegou a devolver o sofá, mas isso não resolveu o problema. O exorcista também teria mencionado, que alguém poderia ter rogado uma maldição contra sua família. Krystyna disse que, ultimamente, a família não estava tendo uma boa relação com os vizinhos. De qualquer forma, a família não sabia o que estava acontecendo. Ela voltou a confirmar que morava há 15 anos no apartamento, e era a primeira vez que algo assim acontecia. Ela definiu a experiência como um pesadelo pior que um filme de terror. De qualquer forma, o padre exorcista de Płowęż não foi entrevistado pela mídia.

Inicialmente, a reportagem basicamente nos informou sobre aquilo, que já havia sido anteriormente divulgado sobre o caso. O jornalista enviado pela "Gazeta Olsztyńska" perguntou a Sra. Krystyna Pokropska se ela achava que um exorcista iria realmente ajudá-los diante daquela situação. Ela respondeu que esperava que ajudasse, e que estavam esperando ansiosamente pelo mesmo.
Krystyna disse que, ultimamente, a família não estava tendo uma boa relação com os vizinhos. De qualquer forma, a família não sabia o que estava acontecendo. Ela voltou a confirmar que morava há 15 anos no apartamento, e era a primeira vez que algo assim acontecia.
Ao ser questionada como tudo havia começado, Krystyna disse que havia comprado um sofá usado, e no dia seguinte pilhas começaram a cair do armário. Posteriormente, moedas também teriam começado a cair por todos os lados. Segundo ela, era como se alguém tivesse jogando-as em todos os cantos. Depois das moedas foi a vez dos bloquinhos de brinquedo, colheres, garfos, facas e cadeados. Os objetos estavam na cozinha e na sala de estar.

Antes do padre local abençoar a residência, Krystyna disse que água teria começado a escorrer do teto, sendo que não havia nenhuma mancha ou vazamento. No dia seguinte a visita do padre, Krystyna disse que queria limpar o apartamento. Ela disse que chegou a limpar uma das janelas, mas não conseguiu pendurar uma cortina, porque objetos teriam começado novamente a voar pela casa.

Antes do padre local abençoar a residência, Krystyna disse que água teria começado a escorrer do teto, sendo que não havia nenhuma mancha ou vazamento. No dia seguinte a visita do padre, Krystyna disse que queria limpar o apartamento. Ela disse que chegou a limpar uma das janelas, mas não conseguiu pendurar uma cortina, porque objetos teriam começado novamente a voar pela casa.
Krystyna disse que voltou a procurar o padre, que dessa vez lhe aconselhou a sair da casa. Assim sendo, ela, o marido e as crianças teriam ido para casa de parentes. O padre teria ido mais uma vez na residência, abençoado a mesma, e em um determinado momento, colocou sua biretta sobre a cama de um dos cômodos. Após um tempo, a biretta teria caído no chão. Eles teriam pegado o adorno e debaixo do mesmo havia um cadeado, ou seja, essa versão é bem diferente da anterior, que dava a entender que um cadeado havia sido arremessado contra a cabeça do padre. Assustado, o padre teria rezado o terço com a família e ido embora. Depois de um tempo, a família teria encontrado uma grande faca de cozinha caída no corredor. Não encontrei nenhuma entrevista realizada por parte da mídia com esse padre em questão.

A família passou um fim de semana na casa de parentes, e posteriormente procurou ajuda da administração do vilarejo. Krystyna disse que explicou o que estava acontecendo, mas o representante municipal disse que não havia nenhum apartamento disponível, razão pela qual eles ficaram no centro de acolhimento da Cáritas. Após alguns dias eles retornaram para a residência e, após dois dias de relativa tranquilidade, facas teriam começado a voar novamente pelo apartamento. Além disso, colheres também teria começado a voar em todas as direções. Segundo Krystyna, as colheres estavam tão quentes, que parecia que as mesmas tinham sido colocadas no forno.

A família passou um fim de semana na casa de parentes, e posteriormente procurou ajuda da administração do vilarejo. Krystyna disse que explicou o que estava acontecendo, mas o representante municipal disse que não havia nenhum apartamento disponível, razão pela qual eles ficaram no centro de acolhimento da Cáritas.
Após alguns dias eles retornaram para a residência e, após dois dias de relativa tranquilidade, facas teriam começado a voar novamente pelo apartamento. Além disso, colheres também teria começado a voar em todas as direções. Segundo Krystyna, as colheres estavam tão quentes, que parecia que as mesmas tinham sido colocadas no forno.
Ao ser questionada se ela tinha presenciado tudo o que estava falando, Krystyna disse que sim. Ela também acrescentou que, em um determinado momento, uma taça de vinho foi arremessada contra um armário, e partiu em vários pedaços antes de cair no chão (anteriormente havia sido mencionado apenas que era um copo de vidro). Ela também mencionou sobre as facas, que foram encontradas em formato de cruz sobre o assento sanitário, alegando que estava com medo da situação, porque ela tinha filhos pequenos, que se movimentavam constantemente pelo apartamento, ou seja, ela tinha medo que algo os atingisse.

Eles teriam ido novamente para a casa de parentes, e posteriormente voltado para o centro de acolhimento da Cáritas. Krystyna disse que voltou novamente para a residência, esperando que tudo voltasse ao normal. Ela disse que não podia mais recorrer a casa de sua sogra, porque a mesma estaria muito doente, e uma família com seis pessoas seria um fardo para qualquer um. Os parentes de família de Krystyna também não foram entrevistados pela mídia.

Ela também mencionou sobre as facas, que foram encontradas em formato de cruz sobre o assento sanitário, alegando que estava com medo da situação, porque ela tinha filhos pequenos, que se movimentavam constantemente pelo apartamento, ou seja, ela tinha medo que algo os atingisse.
Martyna Pokropska, a filha de 12 anos do casal, também foi rapidamente entrevistada. Ela disse que estava muito assustada com a situação, e que ela estava com medo dos objetos que estavam voando pela casa. Ela disse que seus amigos na escola sabiam sobre o que estava ocorrendo em sua casa, e que mandavam mensagens de texto perguntando se era mesmo verdade ou não.

Martyna Pokropska, a filha de 12 anos do casal, também foi rapidamente entrevistada. Ela disse que estava muito assustada com a situação, e que ela estava com medo dos objetos que estavam voando pela casa.
Na reportagem também apareceu um pastor protestante chamado Leszek Korzeniecki dizendo que queria primeiramente conversar com a família sobre a "espiritualidade" no interior da casa. Então, disse que todos rezariam juntos, e finalmente pediriam para que o "demônio" deixasse a residência. Ele disse que tinha experiência em relação a casos anteriores.

Ao ser questionado sobre quais seriam esses casos, Leszek explicou apenas, que eles eram bem semelhantes ao que a família Pokropska vinha enfrentando. As famílias não conseguiam mais morar em suas casas devido a atividades assustadoras, sendo, portanto, obrigadas a se mudar. Leszek também disse que havia aprendido, que o ocultismo favorecia a aparição dos demônios, mas, em geral, eles estavam presentes onde quer que o pecado estivesse, sendo que o pecado estaria em toda parte. Segundo o pastor, os demônios eram, por definição, desonestos. De acordo com ele, Jesus os chamava de "mentirosos", "ladrões" e "assassinos", uma vez que suas ações seriam baseadas na injustiça.

Na reportagem também apareceu um pastor protestante chamado Leszek Korzeniecki dizendo que queria primeiramente conversar com a família sobre a "espiritualidade" no interior da casa. Então, disse que todos rezariam juntos, e finalmente pediriam para que o "demônio" deixasse a residência. Ele disse que tinha experiência em relação a casos anteriores.
Leszek também disse que havia aprendido, que o ocultismo favorecia a aparição dos demônios, mas, em geral, eles estavam presentes onde quer que o pecado estivesse, sendo que o pecado estaria em toda parte. Segundo o pastor, os demônios eram, por definição, desonestos.
O jornalista questionou o fato, que a família já havia orado, usado água benta no apartamento e até mesmo construído um pequeno altar, e nada teria melhorado a situação. Leszek meio que desconversou, citou algumas coisas sobre Jesus e o pecado, e que ele próprio tinha sido convertido há 25 anos. Ele também alegou que havia sido atormentado por demônios durante sua conversão.

Ao final, Leszek disse que ele tinha orado juntamente com a família, e declarado com sucesso a "autoridade de Cristo" sobre a família e cada membro separadamente. Ele disse que, em casos semelhantes, uma única visita tinha sido suficiente, porém caso a família desejasse, ele poderia voltar novamente. Segundo Leszek, tudo o que a família precisava era de Jesus Cristo, visto que ele seria o Salvador, e não qualquer outro homem.

O jornalista questionou o fato, que a família já havia orado, usado água benta no apartamento e até mesmo construído um pequeno altar, e nada teria melhorado a situação. Leszek meio que desconversou, citou algumas coisas sobre Jesus e o pecado, e que ele próprio tinha sido convertido há 25 anos. Ele também alegou que havia sido atormentado por demônios durante sua conversão.
Ao final, Leszek disse que ele tinha orado juntamente com a família, e declarado com sucesso a "autoridade de Cristo" sobre a família e cada membro separadamente. Ele disse que, em casos semelhantes, uma única visita tinha sido suficiente, porém caso a família desejasse, ele poderia voltar novamente.
No últimos minutos, um senhor chamado Andrzej Hupka, 60 anos, disse que conhecia a região, porque havia nascido em Turza Wielka, e que morou no mesmo prédio que a família entre os anos de 1974 e 1987. Ele disse que morou no primeiro andar, e posteriormente teria se mudado para o andar térreo.

No últimos minutos, um senhor chamado Andrzej Hupka, 60 anos, disse que conhecia a região, porque havia nascido em Turza Wielka, e que morou no mesmo prédio que a família entre os anos de 1974 e 1987. Ele disse que morou no primeiro andar, e posteriormente teria se mudado para o andar térreo.
Ele disse que, durante esse período, nunca ouviu falar sobre nada estranho. Apesar de não saber o que estava acontecendo, ele não acreditava em atividades paranormais. Segundo Andrzej, somente uma pessoa de carne e osso podia atacar outras pessoas, não uma fantasma. Além disso, apenas uma pessoa viva poderia matar ou causar algum mal a outra.

A Família Pokropska Estava Interessada em Lucrar com Toda Aquela Situação? Investigando um Pouco Mais a Fundo Sobre Toda Essa História Veiculada pela Mídia Polonesa


Conforme vocês puderam perceber, o espaço ocupado pela família é pequeno diante de tantos familiares (um casal e quatro filhos), porém a residência é bem organizada, possui aquecimento, e conta com móveis em ótimo estado de conservação. Também é possível ver diversos bichinhos de pelúcia e brinquedos espalhados no sofá e no quarto onde os filhos dormem, além de um televisor aparentemente de LED na sala de estar. Para completar, a família possui ao menos um notebook e celulares. Apesar do vilarejo ser pequeno, e o prédio estar em um estado de conservação bem precário, existe um certo ar de modernidade na família Pokropska, e as crianças, aparentemente, não passam necessidade.

Assim sendo, existe uma simples pergunta sobre esse caso. Onde estão os vídeos mostrando os supostos fenômenos paranormais acontecendo em tempo real, uma vez que eles aconteceriam o tempo todo e, inclusive, na presença da imprensa polonesa? Não encontrei praticamente nada que fosse realmente credível.

Conforme vocês puderam perceber, o espaço ocupado pela família é pequeno diante de tantos familiares (um casal e quatro filhos), porém a residência é bem organizada, possui aquecimento, e conta com móveis em ótimo estado de conservação. Também é possível ver diversos bichinhos de pelúcia e brinquedos espalhados no sofá e no quarto onde os filhos dormem, além de um televisor aparentemente de LED na sala de estar. Para completar, a família possui ao menos um notebook e celulares.
Apesar do vilarejo ser pequeno, e o prédio estar em um estado de conservação bem precário, existe um certo ar de modernidade na família Pokropska, e as crianças, aparentemente, não passam necessidade.
Em minha pesquisa encontrei apenas o barulho de algo metálico aparentemente caindo no chão durante uma reportagem realizada pela "Polsat News", uma emissora de TV polonesa, porém não é possível identificar qual seria esse objeto, e nem como o mesmo teria caído no chão. A equipe de reportagem simplesmente não mostrou absolutamente nada nesse sentido, um erro que considero bem grotesco, quando existe a suspeita de algo totalmente incomum acontecendo na casa de uma família.

Confira a reportagem abaixo, que foi publicada em um canal de terceiros no YouTube (a suposta atividade paranormal ocorre em 1:42):



Além desse vídeo, encontrei uma outra reportagem, dessa vez produzida pelo site de notícias "NaTemat.pl", e publicada no próprio canal deles, no YouTube, no dia 18 de dezembro. Essa foi uma reportagem muito interessante por dois aspectos.

O primeiro deles é a declaração de Marek Waśkowiak, responsável administrativo do vilarejo de Turza Wielka, dizendo que os moradores do vilarejo estavam divididos, ou seja, havia aqueles que acreditavam na família, porém muitos desconfiavam da história, ao dizer que a mesma havia inventado tudo aquilo para conseguir benefícios financeiros e, quem sabe, conseguir morar em outro lugar devido a desavenças com vizinhos.
 
Marek Waśkowiak, responsável administrativo do vilarejo de Turza Wielka, disse que os moradores do vilarejo estavam divididos, ou seja, havia aqueles que acreditavam na família, porém muitos desconfiavam da história, ao dizer que a mesma havia inventado tudo aquilo para conseguir benefícios financeiros e, quem sabe, conseguir morar em outro lugar devido a desavenças com vizinhos.
Já o segundo aspecto foi o registro, em vídeo, de uma pilha sendo arremessada. Porém, vale ressaltar algo fundamental. A pilha foi arremessada, quando o repórter e o operador de câmera estavam de costas. A única pessoa da família, que estava sendo filmada era Krystyna, ou seja, não sabemos se alguém de carne e osso jogou a pilha para simular uma eventual atividade paranormal. Confira a reportagem abaixo (a suposta atividade paranormal ocorre em 1:50):



Além disso, é possível perceber no vídeo, que Krystyna olha exatamente na mesma direção, antes do objeto ser lançado, e não esboça nenhuma surpresa, medo ou apreensão com o que acontece. Para completar, também foi possível notar que, mesmo após a ida do pastor Leszek, as tais "atividades paranormais" ainda estavam acontecendo.

Além disso, é possível perceber no vídeo, que Krystyna olha exatamente na mesma direção, antes do objeto ser lançado, e não esboça nenhuma surpresa, medo ou apreensão com o que acontece. Para completar, também foi possível notar que, mesmo após a ida do pastor Leszek, as tais "atividades paranormais" ainda estavam acontecendo.
Em uma entrevista concedida ao jornal "Gazeta Olsztyńska", e publicada no respectivo site, no dia 30 de novembro do ano passado, Krystyna disse que queria registrar os tais fenômenos em foto ou vídeo, mas que seria impossível registrá-los, porque ela não sabia quando e de que lado os objetos viriam. Além disso, ela alegou que estava com medo de tirar quaisquer objetos da casa, devido ao receio, que o "espírito" fosse juntamente com o objeto. Contudo, bastaria deixar um celular ou um notebook (através da webcam) gravando em um canto do apartamento ou da cozinha, visto que o mesmo não é tão grande assim. Isso, aparentemente, não foi feito em nenhum momento.

Esse ponto é bem interessante, porque "espíritos", "demônios" e afins, possuem a curiosa mania de sempre arremessar ou derrubar objetos de baixo valor comercial, assim como copos e talheres. Nesse caso, teriam sido pilhas, moedas, bloquinhos de montar, brinquedos, cadeados, talheres e um copo de vidro ou uma taça de vinho. Sinceramente, nunca vi nenhum celular, notebook ou uma TV 4K, por exemplo, sendo arremessados e quebrando em mil pedaços, ainda mais em casos envolvendo famílias mais humildes ou modestas.

Krystyna disse que queria registrar os tais fenômenos em foto ou vídeo, mas que seria impossível registrá-los, porque ela não sabia quando e de que lado os objetos viriam. Contudo, bastaria deixar um celular ou um notebook gravando em um canto do apartamento ou da cozinha, visto que o mesmo não é tão grande assim. Isso, aparentemente, não foi feito em nenhum momento.
Outro detalhe muito importante é que, mesmo com objetos supostamente voando intensamente pela casa, nenhum familiar foi atingido pelos mesmos, e nenhuma criança pequena ficou ferida. Como pode um apartamento bem pequeno, que abriga seis pessoas, e ninguém ser atingido por nenhum objeto? Para alguns pode ter sido apenas sorte, para outros o tal "espírito" teria uma mira bem ruim ou então os tais objetos estariam sendo mesmo arremessados pelos próprios familiares. No entanto, conforme sabemos, há quem acredite piamente em toda a história, a exemplo de Marek Waśkowiak. Apesar de não ter visto nada, ele alegou para o "Gazeta Olsztyńska", que um amigo teria presenciado tais atividades paranormais (a velha história que um amigo contou para fulano, que disse para beltrano). De qualquer forma, o tal amigo não foi entrevistado por nenhum veículo de comunicação.

Enfim, a possibilidade da família estar atrás do recebimento de benefícios (leia-se "dinheiro") também foi cogitada por um grupo de investigação paranormal, que possui um canal no YouTube chamado "Mystery Hunters". Eles chegaram a gravar um vídeo sobre esse assunto, e o publicaram no dia 18 de dezembro, algo que vocês podem conferir logo abaixo (em polonês, é claro):



Quem deu destaque a esse vídeo foi o site polonês de notícias "Info Iława", que basicamente fez um grande resumo sobre o que foi divulgado pelo grupo. Segundo membros desse grupo, nenhuma outra família, que morava no prédio, havia passado por quaisquer perturbações ou experiências semelhantes ao que a família Pokropska vinha alegando. As únicas pertubações estavam vindo de inúmeros repórteres e curiosos. Os demais moradores do prédio disseram, inclusive, que a família não havia comentado nada com eles, e tudo o que eles sabiam era proveniente da mídia.

Além disso, Krystyna decidiu não permitir que os membros do grupo de investigação entrassem com seus equipamentos no apartamento. Durante a conversa, ela deixou claro que não queria mais nenhum tipo de exposição na mídia, porque, de acordo com suas palavras, "os jornalistas apenas vinham, gravavam reportagens, ganhavam dinheiro, e família não ganhava nada com isso". Segundo o grupo, Krystyna aparentemente não estava interessada na coleta de evidências, e estava esperando uma "forma diferente de ajuda", uma visão que também era compartilhada por muitos moradores locais.

Como Terminou Toda Essa História? Um Assunto Para os Meus Comentários Finais


No dia 21 de dezembro do ano passado, o site do jornal "Gazeta Olsztyńska" publicou uma atualização sobre o caso, que acabaria sendo a última notícia realmente relevante sobre essa história até hoje. No texto foi mencionado, que um pastor exorcista (provavelmente Leszek Korzeniecki) iria visitar novamente o apartamento antes do Natal. Segundo Krystyna, a situação havia melhorado, mas o "espírito maligno" não tinha sido "completamente expulso" da residência. Marek Waśkowiak, responsável administrativo do vilarejo de Turza Wielka, chegou a dizer que estava contente, que a situação estava lentamente caminhando para um "final feliz", e que o vilarejo tinha conseguido seus cinco minutos de fama na mídia, mas que eles não estavam se importando com tal fama. Desde então, não há praticamente nenhuma atualização sobre essa história. Aparentemente, as tais atividades cessaram, independentemente de quem ou o que estava provocando-as e, a família, teoricamente, continua morando, onde sempre morou nos últimos 15 anos.

Agora, será que realmente ocorreu uma atividade inexplicável e de cunho paranormal em Turza Wielka, na Polônia, no fim do ano passado? Bem, diante das informações que foram divulgadas e das reportagens que foram realizadas, é extremamente prematuro afirmar isso. Tudo o que temos são apenas evidências anedóticas dos familiares, e uma série de rumores ou lendas complemente inverificáveis. Aliás, nem mesmo o padre local foi encontrado para comentar o assunto por diversas vezes. A alegação era de que o mesmo estava em um "retiro espiritual", e que não tinha como falar com a imprensa. Fora isso, não há nenhum vídeo credível mostrando uma atividade inexplicável ocorrendo. Assim como acontece na maioria das histórias envolvendo supostas "atividades poltergeist", as mesmas só ocorrem quando ninguém está filmando corretamente ou de costas para a câmera. No mínimo suspeito, é claro. Essa suspeita é reforçada diante das reportagens. Quando a casa estava repleta de jornalistas, câmeras, microfones, e a família estava reunida na sala de estar, não houve houve nenhuma "manifestação paranormal". Agora, quando havia apenas uma câmera filmando um único membro da família, sempre alguma coisa acontecia. É preciso acreditar piamente nas palavras de Krystyna, assim como Marek Waśkowiak acreditava, para que o caso seja realmente considerado paranormal ou algo do gênero. É justamente nesse ponto, que mora o principal perigo de toda essa história.

Quando nos deparamos com casos de cunho paranormal ou sobrenatural, muitos têm a singela mania de fazer um julgamento moral da história. Frases do tipo "Ah, fulano ou ciclano não teria porque mentir, porque é uma pessoa humilde", "Ah, a família não inventaria algo assim, porque eles parecem estar assustados". Ao longo do tempo já me deparei com inúmeras frases e "análises morais" semelhantes. Recentemente, inclusive, ouvi alguém dizer que "não tinha o porquê mentir, porque era empresário". Considerando o que é divulgado diariamente e ostensivamente nos telejornais nacionais, declarações como essa não fazem nenhum sentido, para não dizer outra coisa.

A mentira não tem cor, cheiro, classe social, idade ou fronteiras. Ela está em todos os lugares, razão pela qual sempre é importante ter uma gama muito robusta de informações pertinentes a um determinado caso, e uma análise bem extensa de inúmeros aspectos. Aliás, é bom deixar claro, que nem sempre uma mentira é intencional. Há quem diga que ouviu ou viu algo, mediante lembranças de um acontecimento, embora a memória humana muitas vezes não seja tão confiável assim (vide o especial que fiz sobre o "Homem-Mariposa"). Porém, algumas vezes, a mentira é intencional e por um motivo claro: dinheiro. Com o passar do tempo, a própria mídia polonesa deixou de acompanhar o caso, porque provavelmente não estava mais dando audiência (sem audiência, sem dinheiro), e com isso as esperanças da família de se mudar ou conseguir algum benefício financeiro maior se esvaíram. Nesse contexto, não seria de se estranhar que o "poltergeist" também sumisse com o tempo. Obviamente, cada um pode acreditar no que quiser, mas diante do material que pesquisei e trouxe da forma mais completa possível para vocês, é bem difícil acreditar que algo inexplicável estivesse mesmo acontecendo em Turza Wielka. É fácil enganar as pessoas, quando a informação é tratada como entretenimento, porém quando a informação é tratada como informação, a situação é completamente diferente. Máscaras caem e sobra apenas a triste e muitas vezes enfadonha verdade humana.

Até a próxima, AssombradOs.

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://codziennikmlawski.pl/2017/12/04/nieznana-sila-atakuje-rodzine-z-turzy-wielkiej-latajacymi-przedmiotami/
http://dzialdowo.wm.pl/480923,Nieznana-sila-rzuca-w-nich-roznymi-przedmiotami-w-ich-domu-teraz-mieszkaja-w-Caritasie.html?sort=newest#axzz50B8oSwvG
http://dzialdowo.wm.pl/483044,Pastor-odprawil-egzorcyzmy-w-nawiedzonym-domu-w-Turzy-Wielkiej-FILM.html
http://dzialdowo.wm.pl/484823,Duchy-w-Turzy-Wielkiej-sie-uspokoily-ale-nie-odeszly.html
http://extra.natemat.pl/z-wizyta-w-domu-w-ktorym-podobno-straszy
http://globalne-archiwum.pl/nawiedzony-dom-w-turzy-wielkiej-polskie-amityville/
http://wiadomosci.gazeta.pl/wiadomosci/7,114883,22729228,tajemnicza-sila-opanowala-dom-na-mazurach-rodzina-znalazla.html
http://www.fakt.pl/wydarzenia/polska/egzorcysta-w-nawiedzonym-domu-w-turzy-wielkiej/vlq4lev
http://www.fakt.pl/wydarzenia/polska/nawiedzony-dom-demon-wypedzil-rodzine-z-domu-w-turzy-wielkiej/73xyrt9
http://www.infoilawa.pl/aktualnosci/item/53302-jaka-jest-prawdziwa-historia-nawiedzonego-domu-w-turzy-wielkiej-wideo
http://www.polsatnews.pl/wiadomosc/2017-12-02/nawiedzony-dom-rodzina-woli-mieszkac-w-przytulisku-caritasu-niz-u-siebie/
https://naszamlawa.pl/wiadomosci/rodzina-pokropskich-wrocila-do-domu-mieszkancy-turzy-wielkiej-maja-juz-dosc-duchow/
Comentários