26 de fevereiro de 2018

Cemitério Mal-Assombrado? Uma "Cabeça Fantasmagórica" Vem Atormentando Moradores no Cemitério Municipal de Quixadá/CE?


Por Marco Faustino
Email para contato: marcofaustino@gmx.de

Invariavelmente, cemitérios acabam se tornando palco para relatos sobrenaturais, histórias de terror e, principalmente, lendas. De vez em quando, os cemitérios também viram palco para notícias um tanto quanto infundadas, assim como ocorreu no início do mês em Riachão das Neves, no interior do Estado da Bahia. Basicamente, diversos veículos de comunicação mencionaram, que uma dona de casa deu entrada no Hospital do Oeste, na cidade Barreiras, localizada a cerca de 90 km ao sul de Riachão das Neves, no fim do mês de janeiro com problemas respiratórios e, após alguns dias internada, ela veio a falecer. Desconfiados da morte repentina, e da angústia da mãe da vítima, que alegava estar tendo sonhos constantes com a filha, os familiares passaram a suspeitar de catalepsia, sendo que a suspeita teria se intensificado após uma vizinha do cemitério, onde a dona de casa foi enterrada, ter dito que ouviu gritos de socorro e gemidos. Populares se mobilizaram para abrir o túmulo; em seguida o caixão, sendo amplamente mencionado em diversos sites de notícias, que o corpo estaria de bruços, o nariz e boca sem os algodões, e as mãos arranhadas, como se a dona de casa tivesse sido enterrada viva e posteriormente tentado sair do caixão. Contudo, após realizar uma pesquisa detalhada do caso, mostrei a vocês a realidade de toda aquela história, visto que Rosângela não foi enterrada vida e o interior do seu caixão estava perfeitamente arrumado. De qualquer forma, vale muito a pena que você confira aquela matéria para ver até onde o sensacionalismo da mídia em cima do sofrimento humano pode chegar (leia mais: Uma Mulher Teria Sido Enterrada Viva Após Moradores Encontrarem seu Corpo Revirado Dentro do Caixão, em Riachão das Neves/BA?).

Agora, vamos abordar uma situação que ocorreu em agosto do ano passado, e que acabou passando desapercebido por mim. Uma história referente a uma "alma penada, que estaria atormentando moradores" da cidade de Quixadá, no interior do Estado do Ceará. Segundo uma reportagem realizada por uma emissora de TV afiliada do SBT, a população, inclusive, estaria com medo de passar pelo cemitério, principalmente a noite. Aliás, um morador local teria visto essa "alma penada" e, devido ao susto que tomou, começou a correr desesperadamente, temendo por sua vida, chegou a cair no chão, e machucou consideravelmente o rosto. Contudo, será mesmo que o cemitério em questão é mal-assombrado? Vamos saber mais sobre esse assunto?

Um Pouco Sobre a Cidade de Quixadá, no Estado do Ceará


Quixadá é um município brasileiro do Estado do Ceará, pertencente à mesorregião dos Sertões Cearenses e à microrregião do Sertão de Quixeramobim, localizada a 170 km a sudoeste de Fortaleza, a capital do estado (cerca de 2h de carro). É a maior cidade do sertão central, com uma população estimada, segundo dados do IBGE referentes ao ano passado, de 86.605 habitantes, predominantemente católicos (aproximadamente 84% da população seria católica, segundo dados referentes ao ano de 2010). Apenas 9,3% da população possuía alguma ocupação em 2015, com um salário médio mensal de 1,8 salários mínimos. Aliás, em Quixadá, ao menos segundo o IBGE, somente 52,7% dos domicílios possuíam esgotamento sanitário adequado em 2010.



Quixadá é um município brasileiro do Estado do Ceará, pertencente à mesorregião dos Sertões Cearenses e à microrregião do Sertão de Quixeramobim, localizada a 170 km a sudoeste de Fortaleza, a capital do estado (cerca de 2h de carro)
Igreja Sagrado Coração de Jesus, em Quixadá, no Ceará
Originalmente, a região foi habitada pelos índios Kanindé e Jenipapo pertences ao grupo dos Tapuias, resistindo à invasão portuguesa no início do século XVII, sendo "pacificados" em 1705, quando dois homens chamados Manuel Gomes de Oliveira e André Moreira Barros ocuparam as terras quixadaenses. Estes grupos indígenas resistiram até 1760, pois os conflitos entre índios e colonos, ocasionados pelo desenvolvimento da pecuária desde 1705, praticamente extinguiram essas tribos. A colonização da área compreendida atualmente pelo município de Quixadá ocorreu através da penetração pelo rio Jaguaribe, seguindo seu afluente, o rio Banabuiú, e depois o rio Sitiá, cujo objetivo principal era a conquista de terras para a pecuária de corte e leiteira.

A primeira escritura pública da região foi a do Mosteiro Beneditino, atualmente "Casa de Repouso São José", na Serra do Estêvão, onde atualmente é o distrito de Dom Maurício, em 1641. O desenvolvimento da localidade ocorreu somente com a chegada de um homem chamado José de Barros Ferreira, em 1747, que comprou as terras de um sítio chamado "Quixedá". Oito anos depois, José de Barros, construiu casas, uma capela e um curral, lançando assim as bases da atual cidade de Quixadá, sendo considerado, portanto, o legítimo fundador da cidade. A fazenda prosperou e se transformou em distrito do município de Quixeramobim. A partir do século XIX, com a instalação da estrada de ferro que ligava o Cariri à Fortaleza ocorreu uma forte urbanização do município. Esta também foi fortemente influenciada pela produção de algodão, exportado para a Inglaterra, que nesta época vivia a Revolução Industrial.

Em 1870, foi criado o município de Quixadá, desmembrando-o de Quixeramobim, sendo elevado à categoria de vila. Com o projeto e a construção do Açude do Cedro, a vila passou a receber ainda mais imigrantes vindo de diversas regiões (estima-se em 30.000 imigrantes). Além disso, diversas estradas foram construídas. Este processo acelerou novamente a urbanização, fazendo com que em 17 de agosto de 1889 a vila finalmente recebesse foros de cidade. Aliás, o Cemitério Municipal de Quixadá, também conhecido como Cemitério Nossa Senhora do Carmo, foi criado um ano depois em 1890, ou seja, é um cemitério com quase 130 anos de existência.

A primeira escritura pública da região foi a do Mosteiro Beneditino, atualmente "Casa de Repouso São José", na Serra do Estêvão, onde atualmente é o distrito de Dom Maurício, em 1641
A maior parte do território de Quixadá faz parte das depressões sertanejas com maciços residuais, como a Serra do Estêvão. Notabiliza-se também pela geografia rica em "inselbergs", ou monólitos (formações rochosas isoladas na paisagem), que dominam boa parte da área do município, dos quais o mais famoso é a "Pedra da Galinha Choca", que tem este nome devido ao curioso formato.

É importante mencionar, que Quixadá é um dos centros comerciais mais expressivos do Ceará, para onde afluem as comunidades das cidades vizinhas. Embora pouco explorado, o município apresenta grande potencial turístico, especialmente para o ecoturismo devido à beleza de suas paisagens, além de ser favorável a prática de esportes radicais, tais como: a asa delta, o voo livre, o montanhismo e o rapel, por exemplo.

A maior parte do território de Quixadá faz parte das depressões sertanejas com maciços residuais, como a Serra do Estêvão. Notabiliza-se também pela geografia rica em inselbergs, ou monólitos (formações rochosas isoladas na paisagem), que dominam boa parte da área do município, dos quais o mais famoso é a "Pedra da Galinha Choca", que tem este nome devido ao curioso formato.
Embora pouco explorado, o município apresenta grande potencial turístico, especialmente para o ecoturismo devido à beleza de suas paisagens, além de ser favorável a prática de esportes radicais, tais como: a asa delta, o voo livre, o montanhismo e o rapel, por exemplo.
Curiosamente, muita gente jura, que já viu discos voadores e até mesmo que já foi abduzida por seres extraterrestres em Quixadá. Verdade ou ficção, relatos de contatos imediatos com seres extraterrestres costumam atrair diversos estudiosos para a cidade, que já serviu de cenário para um filme brasileiro chamado "Área Q". As histórias de contatos com extraterrestres são muito comuns pela cidade. Os moradores dizem que, a qualquer momento, em qualquer lugar, os discos voadores podem aparecer. Tem gente que vai além, e alega que alguns extraterrestres resolveram ficar de vez na cidade, e teriam até mesmo endereço certo: próximo do reservatório de água da cidade.

Existe até mesmo uma espécie de pequeno monumento composto por um disco voador ao lado de um "extraterrestre"
em frente a um posto de combustível da cidade
Os extraterrestres de Quixadá podem até nem existir, mas uma coisa é certa: os visitantes que eles atraem ajudam a movimentar a economia do município. Todos os anos a cidade sedia um encontro de Ufologia. Aliás, existe até mesmo uma espécie de pequeno monumento composto por um disco voador ao lado de um "extraterrestre" em frente a um posto de combustível da cidade. Apesar de toda essa história de "outro planeta", a cidade acabou recebendo destaque em agosto do ano passado, devido a uma história de "outro mundo": uma suposta "alma penada", que estaria rondando e assustando moradores os locais. É exatamente isso que vocês começam a conferir a partir de agora.

Começando a Entender o Caso: A Disseminação de Fotos de Supostos Fantasmas Através das Aplicativos de Mensagens e Redes Sociais em Quixadá/CE


No dia 16 de agosto do ano passado, uma quarta-feira, o site de notícias "Diário de Quixadá" publicou uma notícia dizendo, que um radialista bem conhecido da cidade, chamado Washington Luiz, popularmente chamado de "Caveirão" (provavelmente devido a sua maior ênfase na cobertura de casos policiais) teria registrado algumas imagens do Cemitério Municipal de Quixadá, e que teriam causado uma grande celeuma (confusão) nas redes sociais.

Na noite anterior (15), Washington Luiz teria ido gravar um vídeo nas proximidades do campo santo, após receber denúncias de populares, de que algo estranho estaria acontecendo no local. Na notícia também foram divulgadas cerca de três imagens, bem pequenas e com baixíssima resolução (tive que ampliá-las para encaixar nos padrões da postagem), referentes as fotos tiradas pelo radialista.

No dia 16 de agosto do ano passado, uma quarta-feira, o site de notícias "Diário de Quixadá" publicou uma notícia dizendo, que um radialista bem conhecido da cidade, chamado Washington Luiz, popularmente chamado de "Caveirão" (provavelmente devido a sua maior ênfase na cobertura de casos policiais) teria registrado algumas imagens do Cemitério Público de Quixadá, e que teriam causado uma grande celeuma (confusão) nas redes sociais.
Na noite anterior (15), Washington Luiz teria ido gravar um vídeo nas proximidades do campo santo, após receber denúncias de populares, de que algo estranho estaria acontecendo no local.
Na notícia também foram divulgadas cerca de três imagens, bem pequenas e com baixíssima resolução,
referentes as fotos tiradas pelo radialista.
Imagem do Google Street View, referente ao ano de 2015, mostrando o local exato onde o suposto fantasma teria sido fotografado
no Cemitério Nossa Senhora do Carmo, em Quixadá.
Ainda segundo a notícia, internautas estariam alegando, que era possível verificar a presença de um espírito na imagem. Essa é uma parte interessante da notícia, porque ao consultar o perfil público do radialista Washington Luiz, assim como uma antiga página no Facebook chamada "CNTV" ("Caveirão Notícias TV"), no qual o mesmo apresentava quase diariamente, no ano passado, uma espécie de telejornal com notícias da cidade, não encontrei um único comentário de alguém acreditasse que fosse mesmo um espírito. Aliás, muito pelo contrário, visto que me deparei com comentários de pessoas que acreditavam se tratar de uma montagem. Tentei encontrar as fotos originais, com melhor resolução, mas não encontrei absolutamente nada.

O principal problema é que, aquela imagem em preto e branco, semelhante a um busto, aparenta ser uma espécie de "carimbo", que é feito através de aplicativo de celular, ou seja, a foto muito provavelmente teria passado por um pequeno processo de edição. É bem comum nos depararmos com supostos "fantasmas" em preto e branco ou até mesmo coloridos demais, que possuam uma certa transparência e mostrem um rosto ou um corpo inteiro, porém na absoluta maioria dos casos não passa de manipulação digital, geralmente realizada através de aplicativo de celular. Identificar o "carimbo" correto exige tempo, algo que, infelizmente não disponho nesse momento devido ao volume de matérias, que tenho acumuladas para fazer. Contudo, caso alguém encontre o "carimbo" ou imagem utilizada para fazer o carimbo (visto que alguns aplicativos permitem escolher a própria imagem), basta deixar o endereço nos comentários.

É bem comum nos depararmos com supostos "fantasmas" em preto e branco ou até mesmo coloridos demais, que possuam uma certa transparência e mostrem um rosto ou um corpo inteiro, porém na absoluta maioria dos casos não passa de manipulação digital, geralmente realizada através de aplicativo de celular.
Um exemplo de caso semelhante ocorrido na Inglaterra, quando um suposto funcionário de um hospital da cidade de Leeds, chamado Andrew Milburn, disse que tirou uma foto para provar para sua namorada, que estava trabalhando no hospital, mas que ao ver a imagem posteriormente teria notado um "visitante inesperado". A BBC descobriu que se tratava de um "fantasma inserido por aplicativo. Ao ser questionado se ele estava envergonhado do que fez, ele manteve sua posição alegando que era mesmo um fantasma.
De qualquer forma, esse assunto acabou sendo comentado pelo próprio radialista Washington Luiz durante uma transmissão ao vivo realizada na noite de 16 de agosto do ano passado. Somente após mais de 50 minutos de vídeo (a partir de 53:03), ele começou a comentar sobre o caso, e a mostrar muito rapidamente as mesmas imagens divulgadas pelo "Diário de Quixadá".

Durante a transmissão ele alegou, que populares que passavam pelo cemitério teriam visto coisas estranhas, silhuetas, aparições ou vultos. Segundo ele, as fotos teriam se espalhado em grupos do WhatsApp, e movimentado a cidade. Para finalizar, ele mostrou um vídeo bem curto, no qual ele aparece em frente ao Cemitério Municipal de Quixadá, praticamente no mesmo ângulo em que as fotos foram tiradas, porém não é possível notar nada de anormal ao fundo.

Durante a transmissão ele alegou, que populares que passavam pelo cemitério teriam visto coisas estranhas, silhuetas, aparições ou vultos. Segundo ele, as fotos teriam se espalhado em grupos do WhatsApp, e movimentado a cidade.
Para finalizar, ele mostrou um vídeo bem curto, no qual ele aparece em frente ao Cemitério Municipal de Quixadá, praticamente no mesmo ângulo em que as fotos foram tiradas, porém não é possível notar nada de anormal ao fundo.
Em uma espécie de segunda parte do que Washington Luiz considerou como matéria, foi publicado um vídeo na página da CNTV, no dia seguinte (17), sobre as "coisas estranhas", que estariam acontecendo no cemitério". Uma das principais atrações desse vídeo acabou sendo o coveiro do próprio campo santo, apelidado de Babá, que trabalha há 36 anos no local. Vocês podem conferir esse vídeo através de uma página de terceiros, no YouTube:



Inicialmente, o radialista fez um pequeno resumo da história, alegando ter recebido informações de populares, que passavam pela Avenida Estados Unidos, que fica ao lado do cemitério e dava acesso a um bairro chamado São João, e que alguns "céticos" estavam duvidando da história.

Assim sendo, fomos apresentados ao coveiro José Lucimar, cujo nome poucos deveriam conhecer, visto que ele era mais conhecido pelo apelido de "Babá". Ao ser questionado se, em 36 anos trabalhando como coveiro da cidade, ele teria visto algo estranho, de outro mundo, por assim dizer, Babá foi categórico em dizer que não, e que isso era história que o povo contava.

Ao ser questionado se, em 36 anos trabalhando como coveiro da cidade, ele teria visto algo estranho, de outro mundo, por assim dizer, Babá foi categórico em dizer que não, e que isso era história que o povo contava.
Então, em seguida, um morador local foi entrevistado, e o mesmo alegou que o cemitério servia de abrigo para muitos andarilhos, ou seja, moradores de rua. Já um outro morador alegou acreditar que havia uma relação entre o local onde a pessoa havia sido enterrada e seu espírito, o que faria com que a alma da pessoa ficasse vagando pelo local (ao menos foi isso que consegui entender). Ao visitar uma peixaria da cidade, nenhuma pessoa, desde funcionários até clientes, acreditava na história relacionada a fantasmas no cemitério da cidade.

Então, em seguida, um morador local foi entrevistado, e o mesmo alegou que o cemitério servia de abrigo para muitos andarilhos, ou seja, moradores de rua.
Já um outro morador alegou acreditar que havia uma relação entre o local onde a pessoa havia sido enterrada e seu espírito, o que faria com que a alma da pessoa ficasse vagando pelo local (ao menos foi isso que consegui entender).
Ao visitar uma peixaria da cidade, nenhuma pessoa, desde funcionários até clientes, acreditava na história relacionada a fantasmas no cemitério da cidade.
Ao final do vídeo, o radialista mencionou, que populares teriam visto a cabeça de um homem barbado, de bigode, usando um paletó, por volta das 23h ou 23h30. Infelizmente e estranhamente, no entanto, em nenhum momento Washington Luiz entrevistou quaisquer pessoas, que tivessem alegado isso para ele. Aparentemente, não havia ninguém. Se diversas pessoas relataram isso, porque nenhuma delas apareceu para contar o que viu? Sinceramente, dava a impressão de que a história tinha sido inventada, e posteriormente que teria havido uma tentativa de corroborar as supostas narrativas com uma foto manipulada digitalmente. De qualquer forma, aparentemente, "a história não colou", porque praticamente ninguém acreditou nisso.

Alguns dias depois, no dia 19 de agosto, o site de notícias "Amigos de Plantão" publicou uma foto de um suposto morador da cidade de Quixadá chamado "Rafael Silva", que teria sido "guardada a sete chaves" ao longo dos últimos cinco anos. A foto teria sido tirada na rua Luiz Lúcio, no bairro Carrascal e, segundo o autor, mostraria um "ser espiritual". Diga-se de passagem essa rua, que na verdade se chamaria Luís Lúcio, fica localizada a 2 km de distância do cemitério.

Alguns dias depois, no dia 19 de agosto, o site de notícias "Amigos de Plantão" publicou uma foto de um suposto morador da cidade de Quixadá chamado "Rafael Silva", que teria sido "guardada a sete chaves" ao longo dos últimos cinco anos.
"Sou espiritualista. Acredito plenamente em espíritos . E acredito que esse ser aí não é um mortinho recente. É um espírito milenar. Observe a postura, e ele parece usar vestes. É nítida a imagem desse ser", teria dito Rafael, acrescentando, que após registrar a "presença sobrenatural" teria passado mais de um mês se sentindo mal.

Por mais incrível que pareça, o site teve o bom senso de oferecer uma tentativa de explicação para o caso alegando que poderia ser uma mera pareidolia, algo que raramente acontece em casos assim. Porém, a foto é muito pequena e possui uma qualidade muito baixa, o que torna inviável qualquer análise mais aprofundada. A parte interessante, no entanto, é a indicação que pudesse ser um espírito milenar. Bem, há mil anos provavelmente só havia mato e, talvez, índios habitando a região. Portanto, é meio difícil acreditar nessa história.

Enfim, com tanto "burburinho" sobre a existência de fantasmas no cemitério e nas ruas de Quixadá, algumas semanas depois apareceu uma equipe da TV Jangadeiro para fazer uma reportagem sobre um suposto fantasma naquele mesmo cemitério. É justamente isso que vocês conferem a seguir.

A Reportagem Realizada pela TV Jangadeiro Sobre uma "Alma Penada" que Estaria Assombrando o Cemitério Municipal de Quixadá/CE


Se vocês acompanharam uma matéria chamada "Milagre Divino? Os Estranhos Casos de Supostas 'Aparições' de Nossa Senhora das Graças em Duas Cidades no Estado do Ceará!" vão se lembrar da TV Jangadeiro, emissora de TV afiliada do SBT, e do jornalista Nilson Fagata, devido a uma reportagem sobre uma suposta aparição da "imagem" de Nossa Senhora das Graças, em uma churrasqueira, na cidade de Beberibe. Assim sendo, adivinhem quem foi fazer uma reportagem sobre uma suposta alma penada, que estaria rondando o cemitério de Quixadá, no início de setembro do ano passado? Justamente a TV Jangadeiro e e o referido jornalista.

Vocês podem conferir a reportagem abaixo, que foi publicada em um canal de terceiros, no YouTube:



Ignorando todo o histórico recente de casos envolvendo supostos fantasmas, e as fotos disseminadas nas redes sociais, a reportagem inicialmente mencionou que a cidade de Quixadá vinha colecionando, desde a sua fundação, histórias de medo e de terror, sendo que uma delas teria acontecido na semana anterior (lembrando que a cidade não foi fundada em 1890, e sim o cemitério).

Segundo a reportagem, dois homens estariam caminhando tranquilamente ao lado do cemitério, mas quando olharam para o lado, em direção ao interior do mesmo, teriam visto um vulto. Segundo Nilson Fagata, no momento em que tudo aconteceu, a intenção da dupla teria sido de ligar para um amigo. Adivinhem que era o amigo? Justamente o radialista Washington Luiz.

Segundo Nilson Fagata, no momento em que tudo aconteceu, a intenção da dupla teria sido de ligar para um amigo. Adivinhem que era o amigo? Justamente o radialista Washington Luiz, que estava em uma outra localidade.

Segundo o radialista, a dupla entendia que, talvez, a aparição pudesse ser a "alma do finado Araújo", que seria um dos túmulos mais visitados do cemitério. Posteriormente, um morador local disse que, de acordo com o que comentavam na cidade, o "Zé de Araújo" era uma pessoa muito boa, que tinha um bigode meio avantajado, e sobrancelhas meio grossas.

Assim sendo, o coveiro "Babá" levou o jornalista até o suposto túmulo. Por sua vez, o jornalista alegou, que a alma do homem estaria buscando a liberdade, porém não foram apresentadas maiores informações, imagens nítidas do túmulo ou fotos de quem era o "Zé de Araújo" em vida. Em seguida, uma outra moradora local disse, que o pessoal estava comentando sobre o assunto na cidade, e que a curiosidade em conferir de perto a situação era maior do que o medo.

Posteriormente, um morador local disse que, de acordo com o que comentavam na cidade, o "Zé de Araújo" era uma pessoa muito boa, que tinha um bigode meio avantajado, e sobrancelhas meio grossas.


Em seguida, uma outra moradora local disse, que o pessoal estava comentando sobre o assunto na cidade, e que a curiosidade em conferir de perto a situação era maior do que o medo.
Em seguida, Nilson Fagata disse que eles tinham encontrado o homem, que presenciou a cena, saiu correndo e que, devido a isso, teria machucado o seu rosto ao cair no chão. Ele também alegou que um outro amigo também teria visto o mesmo vulto, mas não ficou claro se teria sido na mesma ocasião. Aparentemente, não. De tanto medo, esse amigo teria abandonado a própria bicicleta e saído correndo.

Nilson Fagata também disse, que o machucado que o senhor possuía em sua testa era a "marca do medo". Ao ser questionado sobre a reação dos funcionários da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Quixadá, o senhor disse que ninguém acreditou, e que as pessoas teriam ficado rindo dele. Porém, o senhor  disse que tinha certeza, que havia visto uma "alma penada". Ao final da reportagem Nilson Fagata aventou novamente a possibilidade da "alma penada" ser do "finado Araújo", que "vivia em meio aos gatos e sapos pedindo pela sua liberdade".

Em seguida, Nilson Fagata disse que eles tinham encontrado o homem, que presenciou a cena, saiu correndo e que, devido a isso, teria machucado o seu rosto ao cair no chão. Ele também alegou que um outro amigo também teria visto o mesmo vulto, mas não ficou claro se teria sido na mesma ocasião. Aparentemente, não. De tanto medo, esse amigo teria abandonado a própria bicicleta e saído correndo.

Nilson Fagata também disse, que o machucado que o senhor possuía em sua testa era a "marca do medo". Ao ser questionado sobre a reação dos funcionários da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) de Quixadá, o senhor disse que ninguém acreditou, e que as pessoas teriam ficado rindo dele.

Sinceramente, é sempre meio difícil acreditar em reportagens repletas de efeitos e estereótipos. Em diversos momentos, por exemplo, é possível ver diversos filhotes de gatos, alguns de cor preta, vagando pelo cemitério, e até mesmo uma pessoa usando um lençol branco para simular um fantasma em meio aos túmulos. Porém, infelizmente, essa é uma prática comum do jornalismo, não somente aqui no Brasil. Aliás, apesar do nome de nenhum entrevistado aparecer no chamado "lettering", algo bem comum em se tratando de algumas afiliadas do SBT, a presença do radialista Washington Luiz apresentando uma versão diferente do que havia mencionado antes, sem dúvida alguma é um ponto crítico de toda essa história. É justamente isso que abordarei a seguir.

Um Olhar Mais Aprofundado Sobre o Suposto Cemitério Mal-AssombradO de Quixadá/CE!


Já ouviram a famosa expressão "Quem conta um conto, aumenta mais um ponto"? Se sim, a mesma se aplica perfeitamente a esse caso, porém aparentemente a mesma pessoa que inicialmente a contou aumentou a própria história. Acompanhando o caso desde o início, e não somente a partir da reportagem da TV Jangadeiro, podemos perceber que tudo teria começado, supostamente, é claro, partir da relatos de diversos moradores, que teriam visto vultos ou silhuetas, no período da noite, no Cemitério Municipal Nossa Senhora do Carmo, na cidade de Quixadá. Diante dos supostos relatos, o radialista Washington Luiz foi até o local, gravou rapidamente um vídeo, e teria tirado algumas fotos aleatórias de um mesmo ponto da Avenida Estados Unidos, que passa ao lado do cemitério. Aliás, os muros do cemitério são extremamente baixos, e qualquer pessoa facilmente teria acesso a qualquer hora do dia ou da noite. Ao chegar em casa ou no escritório, e ao rever as fotos que tirou, o radialista teria notado aquela "cabeça fantasmagórica", que segundo ele estaria em cima de um dos túmulos, bem rente ao muro. Essa foi a história, que ele contou por diversas vezes entre os dias 15 e 17 de agosto do ano passado.

Entretanto, foram apenas disseminadas imagens bem pequenas, e com baixíssima resolução. Nenhuma foto original foi divulgada. Além disso, existia uma forte suspeita, que o tal fantasma fosse apenas um "carimbo" adicionado por aplicativo de celular. Não satisfeito, o radialista resolveu entrevistar o coveiro do cemitério, que trabalha há 36 anos no local, além de populares. Ninguém acreditava na história. O coveiro nunca viu nada em mais de três décadas, e mencionou que tudo não passava de histórias que o povo contava. Um outro morador, inclusive, alegou que o cemitério servia de morada para andarilhos. Posteriormente, em algum momento da linha do tempo, um senhor teria se machucado ao se deparar com uma suposta "alma penada", enquanto passava ao lado do cemitério. Isso, talvez, tenha motivado a ida de uma equipe da TV Jangadeiro até a cidade. Chegando no local, a primeira pessoa a ser entrevistada foi justamente o principal personagem, que propagou toda essa história: o radialista Washington Luiz. No entanto, o relato de "diversos moradores" se transformou no relato de uma dupla, que então se transformou no relato de um único senhor, e ao final foi sugerido, que o fantasma em questão seria de uma das pessoas enterradas no cemitério, o tal "Zé de Araújo", clamando por sua liberdade, em meio aos gatos e sapos, sendo que nenhuma foto dele ou detalhes adicionais sobre quem ele foi em vida foram apresentados para sustentar essa alegação.

Diante dos rumores que estavam circulando em agosto do ano passado, não seria de se estranhar, que alguém resolvesse tornar o suposto fantasma real ao pregar uma peça em alguma pessoa, que estivesse passando pelo local. Além disso, também seria possível que, pessoas acreditando piamente nos rumores, que estiveram circulando nas imediações do cemitério, vissem um vulto ou um sombra projetada por algum andarilho, e acreditasse estar diante de um fantasma. Sinceramente, até acredito no relato daquele senhor, mas é difícil saber o que ele realmente viu ou acredita ter visto. Tudo o que temos são evidências anedóticas, e uma foto de baixa qualidade com uma forte suspeita de manipulação digital. Fato é que, desde então, não houve mais nenhuma história de avistamentos estranhos no cemitério. O mesmo passou por algumas reformas e melhorias para atender a população no Dia de Finados, do ano passado, e mais nada foi comentado. Evidentemente, é difícil comprovar, que essa história sobre a "cabeça fantasmagórica" foi inventada, mas tudo indica que o caso não passou de uma história local, que acabou perdendo o interesse da população, que já não acreditava em nada disso bem antes da reportagem da TV Jangadeiro ser realizada e exibida. Cada um tem o direito, é claro, de acreditar no que quiser, mas diante das informações e evidências divulgadas, a única coisa que fica claro é que a prefeitura deveria arrumar um abrigo mais digno para os moradores de rua. Saber que pessoas precisam dormir em cemitérios por falta de abrigo ou moradia é o que realmente me assombra.

Até a próxima, AssombradOs!

Pesquisa/Criação/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://www.amigosdeplantao.com.br/2017/08/sertao-central-cearense-quixada-foto.html
http://www.diariodequixada.com.br/cidades/cemiterio-de-quixada-internautas-afirmam-ver-algo-sobrenatural-nestas-fotos-o-que-voce-acha/
http://www.monolitospost.com/2017/04/24/tv-monolitos-cemiterio-publico-de-quixada-encontra-se-em-total-estado-de-abandono-e-tomado-pelo-mato/
http://www.sbt.com.br/jornalismo/primeiroimpacto/noticias/96487/Primeiro-Impacto-visita-cemiterio-assombrado-no-interior-do-Ceara.html
http://www.sertaoalerta.com.br/02/11/2017/milhares-de-visitantes-ao-cemiterio-n-sra-do-carmo-em-quixada-na-manha-de-finados/
https://ufo.com.br/noticias/misterio-que-da-lucro-moradores-de-quixada-ce-atraem-turistas-devido-a-avistamentos-de-ufos-na-regiao/
https://www.mirror.co.uk/news/uk-news/ghost-hospital-worker-takes-snapchat-5883706
https://www.youtube.com/watch?v=jiWIZDnUhx0
https://www.youtube.com/watch?v=oo8FmTZh0kE
Comentários