25 de novembro de 2017

Leap Castle: O Castelo Mais Assombrado do Mundo. E Nós Visitamos!

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

Considerado por muitos o castelo mais assombrado do mundo, o Leap Castle tem uma história sangrenta. Lar por décadas do violento clã O´Carolls, tem as paredes manchadas com o sangue de dezenas de pessoas assassinadas por eles. No início do século XX foi descoberto um alçapão onde foram retiradas três carriolas de ossos humanos! É claro que muitos fantasmas habitam o local, com destaque para o "Elemental" ou "A Coisa". Vamos conhecer sua história, os fantasmas e depois fazer uma visita, porque eu e Ana fomos lá ver de perto o castelo!

Fala Assombrados! É com muita alegria que escrevo que uma empresa acreditou no nosso potencial e nos levou para ver locais assombrados de perto. A NED Training Centre, uma empresa de intercâmbio, nos levou para a Irlanda! Ficamos 20 dias e visitarmos diversos locais assombrados, além de aprender inglês. Estou trazendo uma série de reportagens especiais, e hoje vamos falar de um dos castelos mais assombrados de todo mundo, o Leap Castle. Visitamos o local e vamos contar tudo para vocês. Conhecemos o simpático proprietário chamado Seán, que nos presenteou com uma canção de flauta e nos fez dançar, e subimos na temida Capela Sangrenta, o local onde um irmão assassinou o outro, que era padre, durante uma missa e também onde foi descoberto um alçapão com dezenas de ossos humanos!

Antes, se tem interesse em fazer intercâmbio, fala com o pessoal da NED. Eles acreditaram em nós, portanto vamos dar um força para eles. Consegui até um desconto para vocês. É só falar que ficou sabendo do curso pelo canal assombrado que vai ganhar 10% de desconto para os pacotes de curso de inglês em Dublin. Você pode entrar em contato com eles pelo Instagram, YouTube, Facebook, site oficial ou e-mail.

Gostaria de agradecer os leitores Nati Piovan Cuestas, Vinicius Croft e Letícia Soares Calvi, pela ajuda na tradução do material do inglês para o português :)


Ana e eu na frente do castelo Leap Castle, considerado por muitos o mais assombrado do mundo.



Sean, o proprietário atual, explicando para nós o que fazer para chegar na Capela Sangrenta, no topo do castelo.
O Local e a Construção

O castelo está localizado as margens da rodovia R421, no Condado de Offaly, Irlanda. Fica a 6 quilômetros da cidade de Roscrea e a a 140 de Dublin, capital do país. Fica bem no interior da Irlanda, e pegamos estradinhas que aqui no Brasil seriam chamadas de "estradas de terra que ligam as fazendas".

A região na Idade Média era dominada pelo clã O´Carolls, conhecido pela sua violência e por fazer de tudo pelo poder. Eles tinham um clã que era subordinado a eles, os O´Bannos e foi esse clã que começou a construção do castelo por volta de 1250 a.C., que originalmente era chamado de "Léim Uí Bhanáin" (como era a terra fértil ao redor do castelo que estava associada ao clã Bannon), ou "Salto dos O'Bannons".

A lenda diz que dois irmãos O'Bannon estavam em rixa, lutando pela chefia do clã. A única maneira de resolver era realizar uma exibição de força e bravura. Ambos deveriam saltar do afloramento rochoso onde o castelo deveria ser construído. O sobrevivente ganharia a honra e o direito de ser chefe. Assim, o castelo já no início começou a ser construído alimentado por sangue e morte.

Outra coisa é que o local onde o castelo foi construído era usado por druidas para cerimônias de iniciação. Também acreditasse que no local existisse uma estrutura de pedra antiga, talvez de natureza cerimonial, e que essa área foi ocupada de forma consistente desde pelo menos a Idade do Ferro (500 AEC) e, possivelmente, desde o tempo neolítico. Será que alguns dos fenômenos sobrenaturais são manifestações de espíritos muito antigos?

O castelo no início era essencialmente uma torre central e com o tempo, quando mudou de mão, para o clã Darby, começaram a adicionar parte, como uma ala norte e sul. Uma das funções do castelo foi proteger a passagem pelas Montanhas Slieve Bloom e foi dito que nenhum castelo estava mais bem fortificado que ele.

O Leap Castle é um dos mais antigos castelos habitados continuamente da Irlanda.

.
O Clã O'Carolls

Pensa num povo violento. Pensa em mais violento. É assim que era o clã O'Carolls, muito violentos e com uma grande sede de poder. Os O’Carrolls eram conhecidos como um clã extremamente astuto e brutal, e nada os parava durante sua conquista para a dominação.

John O'Carroll era considerado o primeiro príncipe de Ely que viveu no Castelo Leap. É bem provável que ele foi o responsável pela construção das primeiras estruturas do Castelo Leap feita pelos clã subordina O'Bannos. John O'Carroll morreu no Castelo Leap vítima de uma praga. Foram muitas as disputas no clã pelo poder, com muitas pessoas sendo morta, inclusive familiares.

O clã construiu em 1571 a "Casa do Padre". A madeira de uma lareira original foi dendrocronologicamente datada a esse tempo aproximado.

Lendas dizem que em diversas ocasiões, os O’Carroll contratavam mercenários de outros clãs para matar qualquer ameaça próxima. Depois de completarem seus trabalhos, os mercenários eram convidados de volta ao Leap Castle para uma festa de celebração. Infelizmente, para os mercenários, todas as comidas e bebidas da festa estavam envenenadas, além disso, suas gargantas eram cortadas. Seus corpos então eram jogados na masmorra (Oubliette). Dizem que 39 pessoas do clã O’Neil foram eliminadas desta maneira. Em 1599, outro ato mortal aconteceu em Leap Castle. Charles O’Carroll, o último chefe de Leap, estava em guerra contra o Conde de Tyrone, e contratou o clã MacMahon, do condado de Monaghan como mercenários. Depois que eles lutaram pelos O’Carroll, os O’Carroll deram uma festa para os mercenários. Eles foram assassinados durante seu sono. Dizem que o clã MacMahon assombra o saguão principal de Leap Castle.

Charles O'Carroll foi morto em 1600 em retaliação a essas morte, que acreditasse que tenha sido de 150 de seus próprios homens e alguns nobres de McMahon.

Em 1649 John O'Carroll, sobrinho de Charles O'Carroll tomou a posse oficial do Leap Estate (Estado de Leap).

Renderização 3D disponível no site oficial do castelo mostrando como ele seria na fase inicial, onde era habitado pelo violento clã O'Carolls. Dizem que era um dos castelos mais impenetráveis de toda a Irlanda, resistindo aos invasores por séculos.


O Clã Darby

Jonathon Darby Segundo, um soldado "Cromwelliano" (pessoa de confiança de Oliver Cromwell, homem que instalou a republica na Inglaterra e dissolveu os feudos, entregando os castelos a homens de sua confiança) tomou posse do Castelo Leap em 1649 como forma de pagamento pelos seus serviços.

Em 1664 a propriedade foi entregue de volta para John O'Carroll devido a sua contínua lealdade para com Charles o primeiro. Este acordo foi desfeito em 1667 por causa de diferentes opiniões de Charles segundo. O Castelo Leap estava mais uma vez nas mãos dos Darbys e eles realizaram diversas modificações no local.

Em 1753, a casa da torre sofreu uma extensa remodelação e expansão. Em primeiro lugar, a entrada do castelo, originalmente do sul, foi alterada. Uma grande porta de entrada gótica foi adicionada à parede ocidental. A altura do piso foi aumentada e vários níveis abaixo do cofre de pedra foram removidos. A entrada do piso térreo para a escada em espiral também foi bloqueada. Para melhorar a nova orientação, as asas gêmeas foram adicionadas ao norte e ao sul. Foi durante este período de remodelação que a Casa dos Sacerdotes também recebeu uma reparação gótica para manter o estilo das novas asas. A remodelação continuou em anos posteriores com o adicional de outra porta na parede oriental que se abriu para um pequeno terraço.     

Foram várias linhagens Darby vivendo no castelo ao longo dos séculos, com destaque para um casamento que mudaria a história o do local e o faria ser conhecido como mal assombrado. O casamento de Jonathon Darby, filho de John Darby, se casou com Mildred Dill que ficou conhecida como Mildred Darby em 1889.

Mildred Darby era uma ocultista e realizou diversos rituais no castelo enquanto viveu lá. Existem dezenas de textos relatando atividades paranormais no local e isso ajudou o castelo a ganhar a fama de mais assombrado do mundo. Muitos foram publicados na The Occult Review, uma revista britânica mensal que circulou entre 1905 e 1951, e seus artigos eram escritos por ocultistas famosos da época.

Aliás foi Mildred Darby que descobriu algumas áreas escondidas na torre principal. Em 1896 que a sala de guarda no canto sudeste foi descoberta. A entrada no piso térreo da escada em espiral foi descoberta no ano seguinte, em 1897. A escada estava sufocada com lixo e poeira de anos de negligência. Mildred Darby revelou que o pai do marido também tentou encontrar a entrada da escada. Após a remoção de uma parte de uma parede, descobriram um esqueleto que havia sido encurralado. As escavações não foram mais longe, os restos foram cimentados de volta à parede.

Todas essas mudanças consumiram as terras que cercavam os castelos. Elas foram sendo vendidas para pagar pelas mudanças no local.

O castelo passou por diversas mudanças desde que o clã O'Dabys assumiu o local. Eles adicionaram diversas novas partes, como uma completa ala norte e sul. Para isso tiveram que vender grande parte das terras ao redor e talvez essas mudanças tenham levado ao incêndio de 1922, que destruiu completamente a parte norte.


O Incêndio de 1922

Nas primeiras horas de uma manhã de um domingo, 30 de julho de 1922, um grupo de 11 invasores ateou fogo no Castelo Leap destruindo por completo o Norte e seus valiosos conteúdos.

Para dar evidência aos fatos, Richard Dawkins disse que no dia 30 de julho de 1922, ele estava morando no castelo como caseiro com sua esposa e seu filho. Eram as únicas pessoas no castelo naquela noite.

Richard Dawkins diz que por volta das 2:20 da madrugada ouviu uma batida na porta. Ele abriu a janela, colocou a cabeça pra fora e viu uns homens que diziam querer um abrigo/lugar pra ficar naquela noite. Eles o ordenaram abrir a porta. Ele desceu e abriu a porta e em seguida os homens apontaram uma arma para ele. Os invasores diziam que iam queimar o castelo. Dawkins pediu para que lhe dessem um tempo para que ele, sua esposa e filho pudessem sair do castelo e assim ele teve vinte minutos para sair. Os invasores então adentraram o castelo, derramaram gasolina por todos
os lados e atearam fogo. Eles mantiveram a família para fora das 2:30 até as 5:00 (da manhã). Cada um dos homens carregavam consigo uma lata de gasolina e estavam todos em posse de arma. Ele também diz que alguns homens estavam usando casacos típicos de soldados e tinham também aqueles grandes colares de munição que colocam como alça de bolsa.

Os homens quebraram vários móveis antes de colocar o castelo em chama. Após o incêndio do domingo, dia 30 de julho, a parte principal da construção permanecia intacta. Richard Dawnkins conseguiu salvar uma boa quantidade de móveis/mobília e as escondeu em uma grande sala na
parte externa do castelo.

Mais tarde essas salas do castelo foram invadidas e saqueadas por pessoas das redondezas que tiravam o domingo para visitar as ruínas do castelo e levar para casa qualquer algum item útil que tenha sobrevivido ao incêndio.

Na manhã de segunda dia 31 de Julho, Ruchard Dawkins e sua família (que tinha ido viver em um abrigo) diz ter ouvido uma batida na porta as 4:20 da madrugada.

Alguns homens lá fora pediam "óleo de parafina" e assim ele fez. Os homens então foram embora e seguiram em direção ao castelo. Quando ele foi até o castelo ele viu que a parte Sul de Leap que
anteriormente não havia sido queimada, estava agora em chamas. Richard não podia entrar no castelo para salvar itens, quadros, móveis valiosos que tinham sobrevivido no incêndio anterior.

Tudo o que ele conseguiu salvar foi algumas cadeiras e um sofá que ele guardou em Birr.

Ele só teve ajuda de sua esposa. Apesar de muitas pessoas terem vindo conferir o incêndio de perto, eles nada faziam a não ser rir quando Dawkins pedia por ajuda. Em uma manchete de um jornal, Jonathan Darby disse que parecia haver explosivos usados na destruição do castelo e que ele havia encontrado dinamites no celeiro onde os invasores haviam se embebedado tanto que não conseguiram explodi-los. Ele ainda diz que foram os moradores locais os autores do incêndio.

A autoria de quem causou o incêndio não está clara, mas uns dizem que foi o IRA pois o local era de um clã inglês, os Darbys, e outros que foram os trabalhadores que não receberam pelos serviços prestados.

O castelo ficou abandonado após o incêndio de 1922, onde a parte norte foi destruída. O local foi comprado em 1974 por um australiano Peter Bartlett que começou a restaurá-lo.

Castelo sofreu uma grande destruição com o incêndio de 1922 ocorrido durante a Guerra Civil Irlandesa, ocorrida logo após a Guerra da Independência. A autoria de quem causou o incêndio não está clara, mas uns dizem que foi o IRA e outros que foram os trabalhadores que não receberam pelos serviços prestados.


Imagem feita por nós mostrando a destruição interna da torre norte e os trabalhos na tentativa de restauração realizados por Seán.
O Atual Proprietário: Seán Ryan

Desde 1991, o castelo é propriedade privada do músico Seán Ryan, casado com Anne Callanan-Ryan, que continua os trabalhos de restauração. É ele que recebe os hospedes que vão diariamente ao local. Nos encontramos com ele e ele tocou flauta e dançamos. Ele gosta de ficar sentado perto da lareira, conversando com os convidados e tomando um bom vinho.

Infelizmente não conversamos muito devido a nossa falta de prática na conversação, mas nosso guia Carlos que estava conosco fez a ponte de interprete e conseguimos conversar sobre as assombrações do local. Perguntamos sobre o "Elemental" e ele disse que nunca viu. Aliás disse que vive tranquilo no local, sem medo dos fantasmas.

Sobre eventos sobrenaturais ocorridos durante a restauração, Sean falou que suas ferramentas eram movidas para os cantos mais distantes da sala quando ele estava de costas. Um carpinteiro contratado por Sean saiu de repente e não voltou, nunca dando uma razão para sua partida.

O esforço de restauração de Sean foi de repente interrompido quando a escada de que ele estava trabalhando foi afastada da parede, forçando-o a pular várias metros, fraturando o joelho. Ao retomar o trabalho, outro acidente resultou em um tornozelo quebrado. Esse acidente com o tornozelo o impossibilita atualmente de acompanhar os visitantes até o topo do castelo, a área conhecida como Capela Sangrenta. Ele nos explicou do acidente e nos deu lanternas para iluminarmos o local.

A restauração feita na parte sul está 75% completada. Isso inclui a cozinha no lado leste ao nível do solo e o banheiro e quartos de dormir no nível superior. As lajes do piso térreo foram colocadas no hall de entrada principal. Infelizmente não visitamos essa parte do castelo.



A Capela Sangrenta

A capela sangrenta é o lar de muitos espíritos do Leap Castle. Pessoas que passavam pelo castelo durante a noite, relataram luzes muito brilhantes fluindo pelas janelas da parte superior. Essas ocorrências têm sido reportadas desde os tempos de Jonathon Darby (que obteve o castelo em 1649). Mesmo depois de o castelo ter virado um casco torrado depois do incêndio de 1922, o evento também foi reportado pelos que passavam por ali. Até mesmo hoje, os vizinhos têm ligado para O Ryans (um possível dono?), os informando sobre a iluminação da capela. Odores estranhos de borracha também foram reportados durante a visita de algumas pessoas no saguão da parte superior.

Um dos casos mais conhecidos, é o do padre O’Carroll. Após a morte de Mulrooney O’carroll, em 1532, uma luta feroz pelo poder se desenvolveu dentro do restante da família O’Carroll. Irmão brigou com irmão para ganhar a liderança do clã. A lenda diz que um dos O’Carroll assassinou seu irmão, um padre, enquanto uma missa era realizada na parte superior do castelo.

Acredita-se que o padre iniciou a missa antes da chegada de seu irmão, e isso foi considerado um inSulto enorme. O O’Carroll raivoso então, caiu em ódio e matou seu irmão, aonde ele estava posicionado em pé, rezando a missa. O padre tem sido visto então em várias ocasiões diferentes na Capela Sangrenta. Este espírito também tem sido visto espreitando aos pés da escada no andar inferior, saindo do castelo pela porta voltada para o lado oeste, em direção à torrezinha alojada no topo do castelo, ou mesmo indo para as escadas localizadas na direção Norte do castelo.

Localização da Capela Sangrenta, local onde um irmão O´Caroll matou o outro, que era padre, durante uma missa que ele rezava no local, no ano de 1532!


Eu dentro da capela sanngreta. Assista ao vídeo no início da postagem para ver mais imagens...


Uma Descoberta Chocante: O Fosso dos Esquecidos

Uma das características mais sinistras da Capela Sangrenta é a masmorra. A masmorra é uma câmara localizada no canto nordeste da Capela Sangrenta.

Imagina-se que o uso original dessa câmara era para armazenar objetos de valor. Ela também era utilizada como um lugar para se esconder em casos onde o castelo ficava sitiado, sob ataque. Mas, os O’Carrolls usavam essa câmara para propósitos mais sinistros. Eles modificaram a câmara para que
ela se parecesse com uma masmorra pequena, onde prisioneiros eram jogados, mortos ou ainda morrendo. A entrada para a câmara é um buraco estreito que tinha originalmente a forma de um alçapão. O nome original,  Oubliette, vem do francês, que quer dizer algo como “esquecimento”. Uma vez que alguém era jogado para dentro da masmorra, essa pessoa era simplesmente esquecida.

Durante a ocupação do Leap Castle pelos Darbys, a masmorra foi limpa e todo seu conteúdo removido durante as reformas que foram realizadas. Por volta de 1920 trabalhadores descobrira, a masmorra e tiraram três carriolas de esqueletos do local!

Alguns acreditam que desde essa descoberta macabra, uma onda emotiva de choque foi levada ao castelo, e isso fez com que muitos espíritos, incluindo os elementais, fossem acordados de seu sono profundo.

O proprietário atual Sean Ryan fala de um homem, que parece viver na masmorra. Ele vive na
Capela Sangrenta e de vez em quando vagueia até os níveis mais baixos do castelo.

Mais de três carriolas de ossos humanos foram tiradas desse buraco, conhecido como fosso do esquecimento. Haviam espinhos em baixa para perfurar as pessoas que eles jogavam no local!


Os Fantasmas

São muitas as histórias de fantasmas que assombram o local. Seán nos disse que recebe ligações de fazendeiros vizinhos dizendo que luzes estão piscando na Capela Sangrenta! Vamos conhecer alguns dos mais famosos:

- A Mulher Vermelha: Um dos espíritos dos tempos de Jonathon Darby encontrado, é conhecida como “A mulher Vermelha”. Ela foi descrita como uma mulher muito alta e usa um vestido vermelho. Ela foi vista carregando um punhal em suas mãos, o levantado de forma ameaçadora. Uma iluminação estranha é vista irradiando de dentro dela. Pessoas que encontraram esse espírito, descreveram uma sensação de frio muito grande vinda de dentro dos quartos onde estavam dormindo, um frio que atravessava seus corações. Acredita-se que essa mulher tenha sido capturada por um dos O’Carroll, e foi estuprada por diversas vezes. Ela acabou engravidando, e como resultado gerou um filho, e como resultado, a criança foi morta pelos O’Carroll, com a desculpa de que eles não poderiam custear a alimentação da criança. Perturbada, a mulher então se matou com o mesmo punhal o qual ela é vista vagando. Um dos hóspedes dos Darbys fez seu relato para a revista “The Occult Review”

“Em 31 de outubro, me dirigi aos meus aposentos lá pelas 11 da noite... Durante a noite, eram exatamente 00:45, quando olhei para meu relógio e de repente senti que fui acordado por alguém no meu quarto. O quarto estava num breu muito escuro, e inicialmente, eu não conseguia ver nada. Eu estava bem acordado, sentindo um frio extraordinário no meu coração que mais que de repente aumentou sua intensidade. Quase no mesmo exato momento, eu senti, e vi que tinha uma figura alta no meio do quarto. Minha primeira impressão foi de que o próprio O’Connoll estava ali, não poderia ser nenhum outro membro da família, porque nenhum corresponderia a aquela altura. Era realmente isso? Eu me perguntei. Não havia resposta, mas agora eu podia ver, vagamente a princípio, conseguido distinguir aos poucos, que aquela figura alta estava vestida, dos pés à cabeça de vermelho, e de forma ameaçadora, estava com sua mão direita erguida. Para meu espanto total, eu podia ver que a luz que estava iluminando a figura saia de dentro dela, o que dava a impressão de um efeito de uma lanterna de luz escura usada nas salas de revelação de fotografia. Enquanto aquela figura se aproximava de mim, a luz aumentava, e eu conseguia distinguir que aquela forma era de uma mulher muito alta segurando um tipo de arma, faca ou punhal em sua mão. “O que é isso?”, eu perguntei novamente, adicionando um ‘Quem é você??’, e então, bem rápido, eu peguei um fósforo e acendi minha vela. Enquanto as chamas do fósforo e da vela iluminavam o quarto, eu dei uma olhada ao meu redor. O quarto estava completamente vazio.” 

Mildred Derby menciona este espírito em seu artigo “Kilman Castle:The House of Horror”: “Tinha um homem alto e escuro que sussurrava, usando um velho vestido de seda vermelho. Ela assombra o quarto azul, que é sempre usado como um quarto infantil, e ele sempre chora soluçando aos pés da cama das crianças."

- Emily & Charlotte: Duas jovens também foram vistas no Leap Castle. Elas são vistas principalmente brincando no saguão principal e correndo para os armários abaixo da escada. Acredita-se que elas tenham vivido no castelo em meados de 1600. Emily morreu aos 11 anos depois de cair da ameia (aquele vão entre as “torrezinhas” que fazem aquele acabamento típico da parte de cima dos muros dos castelos, como se fosse um tijolinho mais alto e outro mais baixo,
rodeando o castelo). Na parte de fora do castelo reportaram ter visto uma garota caindo do telhado do castelo e desaparecendo antes que atingisse o chão. Charlotte tem sido vista com uma das pernas deformada, e enquanto ela anda, a perna arrasta ficando para trás. Mildred Darby disse também que viu a jovenzinha de Leap Castle, e foi assim: “Em uma noite qualquer, eu estava dormindo com minha filha. Eu acordei, e vi uma menina de cabelos finos e longos parada em frente a lareira, uma mão parada ao lado do corpo, e a outra na lareira. De primeira, pensei que fosse minha filha, toquei seu travesseiro tentando sentir se ela tinha saído dali, mas ela estava dormindo. Não tinha nenhum fogo ou qualquer tipo de luz no quarto."

- A Mulher Assassinada: Uma mulher tem sido vista, e ouvida, desde os tempos de Jonathon Darby. Acredita-se que ela foi assassinada por um dos O’Carroll. Mildred Darby a descreve em seu artigo publicado no “Occult Review”. “Tem uma mulher, que usa poucas roupas, e um pano vermelho no rosto, ela grita por duas vezes, muito alto, e então desaparece”. Mildred Darby descreve um espírito similar no livro “True Irish Ghost Stories – St. John D. Seymour” – “Os verdadeiros fantasmas da Irlanda – por St. John D. Seymour”. “Uma noite eu estava sentada, conversando com minha governanta, então me levantei, dei boa noite, e abri uma porta, que fica no topo da escadaria dos fundos. Após isso, eu escutei alguém (uma mulher) se aproximar, subindo as escadas lentamente, passou por nós em direção a uma janela ao final do corredor, e então, depois de um grito, ela se jogou pela janela de forma violenta. Enquanto ela passou por nó, a temperatura do ambiente ficou cruelmente baixa, e eu corri de volta para o quarto, e eu não falei uma palavra enquanto isso deve ter aterrorizado a governanta. Existe um tipo de recriação histórica, ou encenação que acontece a noite e conta uma outra história dos dois irmãos O’Carroll brigando por uma amante. Ela é caçada em uma enorme varanda do castelo e depois foi esfaqueada. Todos eles desapareceram e então a guarda volta a ter as luzes acesas. Sean Ryan, o atual dono também já escutou uma mulher gritando.

- A Governanta e o Ancião: A governanta - ou babá, é frequentemente vista no saguão principal com duas garotas, Emily e Charlotte. Parece que os visitantes de Leap têm mais interação com os fantasmas do que os proprietários atuais. Hóspedes reportaram ter sido tocados ou tiveram a sensação de sentirem pessoas passando por eles. Um amigo de Sean Ryan estava almoçando no Leap Castle um dia e tanto ele quanto uma outra hóspede sentada por ali, próxima a lareira, viram uma senhora orgulhosa (metida), vestida com um estilo vitoriano atravessando todo o saguão na diagonal. Depois de discutir o que ambos viram, o vizinho, que era até então cético, mudou de ideia. Um homem velho também foi visto por diversas vezes sentado, aparentemente em paz, na lareira no saguão principal. Como descrito por Mildred Darby: “Tem um senhorzinho, que usa um casaco de verde de corte fino, calça corsário (aquela curta até os joelhos), e sapatos de fivela envernizados segurando uma bolsa de couro em suas mãos. As vezes ele é visto com uma senhorinha de mãos magrinhas, usando longas luvas de inverno, um vestido vintage e um grande véu. As vezes os dois são vistos com um ancião vestido como um padre, ele tem um rosto extremamente ardiloso. O senhor de casaco verde por vezes tenta parar as pessoas."

Porta de entrada do castelo. Chega e bata para entrar.


O Temido Fantasma Conhecido como "Elemental"

O Elemental é um dos espíritos mais interessantes que residem no Leap Castle. É uma entidade que está envolta em mistério e intriga. O primeiro encontro, origem e natureza exata do Elemental são desconhecidos, mas existem muitas teorias que circularam ao longo dos anos.

Uma crença inicial é que o Elemental foi colocado lá por druidas muito antes do castelo ter sido construído para proteger a área sagrada usada para iniciações e magia druídica. Outra teoria é que o Elemental foi colocado ali por uma força invasora que queria  queimar o castelo de dentro para fora. Considera-se que a pessoa responsável é Gerald Fitzgerald Earl de Kildare. Ele era um praticante de magia de renome e tentou tomar o castelo para si em várias ocasiões. Os mitos locais dizem que o Elemental é o espírito de um ancião, chamado O'Carroll, que morreu de Lepra no castelo. Essa é uma das razões as quais as pessoas o vêm com uma aparência de decomposição e um horrendo odor que acompanha o espírito.

Mildred Darby é conhecida por estar envolvida no oculto. As atividades dela se concentraram em sessões e na escrita automática. Alguns pensam que foram seus rituais que despertaram ou convocaram o Elemental. Foi mais ou menos nessa época que a horrível descoberta do fosso do esquecimento foi feita; três carrinhos de ossos, o que dá aproximadamente 150 corpos. A enorme liberação de energia emocional ligada aos espíritos pode ter sido suficiente para despertar o espírito adormecido. Pouco depois, Mildred Darby teve seu terrível encontro com o Elemental.

Quem quer que seja essa entidade, a mesma só aparece quando alguém começa a provocá-la. Os proprietários atuais, os Ryans, têm vivido em Leap desde 1991 e nunca sentiram a presença sinistra. Mildred Darby estava (inconscientemente) provocando o Elemental por seus rituais oculto. Outros indivíduos também estiveram procurando pelo Elemental e tentaram estudar a entidade.

Existem poucos registros de pessoas que viram o Elemental, então a descrição da aparência da entidade não foi formulada com exatidão. Pode até parecer diferente dependendo de quão talentoso é um indivíduo em "ver" espíritos.

O Elemental tem o potencial de causar grandes danos a quem recebe um ataque. Uma das crenças é de que o Elemental tem a capacidade de alterar a pressão atmosférica, geralmente a diminuindo. A polaridade dos íons atmosféricos flutua e desencadeia uma condição conhecida como síndrome da hiperfunção da serotonina. Isso pode causar sintomas como palpitações cardíacas, náuseas, vômitos, transpiração / calafrios, tremores, tonturas e fadiga. Verificou-se também que a pele e o cabelo teriam uma carga elétrica. Esta teoria foi gerada nos últimos 10 anos e é interessante observar semelhanças entre esses sintomas com as descritas por Mildred Darby no início dos anos 1900.

Senti que cada cabelo na minha cabeça se separava e se movia.

... a fraqueza absoluta que veio sobre mim, parecia que eu perdia meus batimentos e pulsação, um entorpecimento mortal que me deixou incapaz de pensar, falar ou agir, quando vi pela primeira vez aquela besta horrível.

As melhores descrições que temos são as fornecidas por Mildred Darby e um associado que permanece no Leap. Esta é a descrição escrita no artigo The Occult Review - Castelo de Kilman, The House of Horror.

Abaixo temos alguns testemunho de pessoas que viram o Elemental

- Carta em resposta ao artigo "Kilman Castle" também relaciona um encontro pessoal ao ficar no casteloDe repente, duas mãos foram colocadas nos meus ombros. Eu me virei bruscamente e vi, tão claramente quanto eu vejo agora - uma "coisa cinzenta", a dois metros de mim, com os braços dobrados como se estivesse me amaldiçoando. Não consigo descrever em palavras quão horrenda era a "Coisa", ela não era bem definida, tornando a aparição mais e mais horrenda. Tinha forma humana, um pouco mais baixa do que eu, eu poderia apenas distinguir a forma de grandes buracos negros como grandes olhos, mas toda a figura - cabeça, rosto, mãos e tudo - era de um cinza escuro e de aparência suja. Era muito sinistro e diabólico. Meus amigos que têm conhecimento sobre coisas ocultas dizem que é o que eles chamam de "Elemental".

O tamanho era o de uma ovelha, magra e sombria em partes. O rosto era humano, ou para ser mais preciso, desumano, parecial vil (mau), com grandes buracos de escuridão no lugar dos olhos, lábios largos e uma saliva grossa pingava de sua mandíbula, caindo em seu pescoço. Não tinha nariz, o rosto tinha uma cor uniforme de cinza. Essa também era a cor de seus grossos cabelos. Os antebraços foram densamente revestidos com o mesmo cabelo, assim como as patas, grandes, soltas e em forma de mão; e sentou-se sobre as pernas traseiras, uma mão ou pata foi levantada. Os olhos sem brilho, que pareciam meio decompostos, pareciam incrivelmente maus, olhavam para os meus, e o cheiro horrível que veio até o meu rosto, me enchendo de uma náusea mortal. Percebi que a metade inferior da criatura era indefinida e parecia semi-transparente - pelo menos, eu podia ver a estrutura da porta que levava a galeria através de seu corpo (a entidade era transparente, então a pessoa via a porta através da mesma).

- O relato abaixo é uma boa referência cruzada para a carta de Mildred Darby enviada para Sydney Carroll: Eu vi seus olhos fixos sobre algo acima de nossas cabeças, e no minuto seguinte meus próprios olhos foram preenchidos pela visão de uma Coisa na galeria olhando para nós. Havia muita luz das lâmpadas no corredor da galeria para cada um de nós ver claramente a figura cinza, mais ou menos do tamanho de pequena pessoa adulta olhando para nós. Queria poder esquecer a visão dessa figura cinza com manchas escuras no lugar de seus olhos,  ela estava de pé com, os braços cinzentos dobrados na grade da galeria olhando para nós. Então, a Coisa percebeu que estávamos a observando, e de repente, a mesma desapareceu de vista. A coisa não se moveu, só se tornou cada vez menos visível até desaparecer.

- O relato abaixo descreve um ataque feito pelo Elemental, durante uma investigação: A última aparição do Elemental foi em 25 de novembro de 1915. Nesse dia, dois de nossos empregados sabiam que meu marido chegaria tarde em casa, e que tínhamos convidado dois soldados do Quartel que ficava em Birr,  à 9 quilômetros. Eles chegaram bastante atrasados e meu marido chegou em casa cedo, de modo que os visitantes tiveram que aguardá-lo nas regiões mais baixas de uma das alas da casa, (a Casa dos Presos). Às 7h15, meu marido e eu fomos vestir para jantar, meu quarto fica na extremidade das cozinhas, e o dele, logo ao lado do meu (Imagino que seja um closet, e não um quarto de casal) Enquanto eu me vestia, fiquei assustada por um grito alto ( gritos masculinos e femininos) cheios de terror, aparentemente vindos do corredor. Saímos do quarto, e meu marido ficou na minha frente, atravessei o corredor e fui para a galeria, Na galeria, eu vi a Coisa, ela estava sentada em suas “patas”, descansando. Senti um cheiro podre muito forte. No mesmo momento, meu marido me puxou bruscamente para longe da Coisa, meu marido achou que era alguém fantasiado e que tentou lhe assustar, ele disse que não acreditava no que via, e assim, a figura foi lentamente sumindo. Desde aquele dia, ele não mencionou mais o incidente. Ouvi de nossos servos que, quando fomos vestir para o jantar, eles trouxeram nossos amigos para mostrar-lhes o salão, quando todos os quatro viram e cheiraram o Elemental, olhando para eles da galeria. Os empregados pediram demissão logo após o incidente.

- Outro Relato de 18 de junho de 2002: Eu viajei para Leap Castle para fazer um show para uma rede de TV local e esta foi a minha primeira vez no castelo sobre o qual eu havia ouvido falar. Então, o show foi bem, mas eu queria experimentar o UV na câmera de vídeo enquanto ainda gravava/disparava. Eu sentia algo no antigo acesso às ameias mais cedo e por isso não desci lá. Subi as escadas com a câmara de vídeo na frente, a luz do UV me permitiu ver cerca de 6 pés à frente, então subi lentamente. Abri a porta de estilo gótico entrei/andei lentamente pela passagem estreita, com cerca de 10 pés. Achei que vi algo se mover e levantei minha cabeça, eu podia sentir que algo estava errado, mas eu não tinha idéia do que. Desta vez, a câmera caiu, pensei que vi um brilho virar da esquina e depois voltou. Fiquei de pé e estudei isso por um tempo e pensei que poderia ser um efeito colateral do UV que pode ser comum, alguns passos a mais e meu corpo estava ficando lento rapidamente, era uma sensação estranha. De repente, essa massa branca como a névoa correu ao virar da esquina, até mesmo o lixo no chão foi espalhado por causa da velocidade. A passagem era apertada e eu virei para a minha esquerda para tentar sair, mas era tarde demais, senti uma dor, como se algo acabasse de perfurar debaixo da minha caixa torácica direita e subisse todo o caminho até as costas. Isso me surpreendeu um pouco, mas continuei gravando. O áudio parou de ser gravado quando eu estava na adega, e eu me senti realmente estranho, estava suando pesado e estava ficando muito fraco e com muito medo. Logo após o incidente no túnelsenti como se um buraco no meu peito tivesse sido feito em um nível espiritual e minha vida estava penetrando nas pedras. Parecia que eu estava morrendo.

- Relato do pessoal do  Dublin Ghost Busters!: O castelo Leap já sofreu vários incêndio durante a década de 1920. Tinha janelas góticas estreitas, torres cobertas de hera, morcegos e uma coruja de celeiro; Era como um conjunto de um filme de Vincent Price. Atravessamos a porta aberta. Nossas lanternas revelaram um enorme buraco no primeiro andar de pedra e, com cautela, abrimos o caminho para a escada em espiral. Nenhum fantasma nos deixaria nervosos - nós éramos o Dublin Ghost Busters! (Caçadores de Fantasma de Dublin). Apesar da nossa confiança, nós conversávamos em sussurros. Escutei um som baixo atrás de mim, mas quando virei, escorreguei e caí no buraco que havia no chão. A lanterna atingiu uma pedra e foi danificada. À  alguns metros eu podia ver um contorno irregular no chão. Eu ouvi meus amigos vindo para me ajudar. E então, na escuridão, eu podia ouvir um ruído de rosnado e um farejar. Também havia um cheiro. Um cheiro horrível e podre. Eu corri e não parei até estar segura no carro.

- Relato de 18 de Junho de 2006: Olhei para a escuridão de um corredor que dava para a escada em espiral. Eu percebi o cheiro de enxofre. Era como se caixas e caixas de fósforos tivessem sido acesas de uma só vez. Olhei para o meu amigo que me levou a visitar o Leap Castle. Ele também podia cheirar o enxofre. Olhei para a escuridão do corredor e tive a impressão de que um animal como um urso ou um leão estava olhando para mim. A tensão estava aumentando como um tumulto. Meu amigo então fechou a porta e disse: "Deixe os cachorros que dormem ficarem dormindo". Significa que às vezes você apenas tem que deixar as coisas sozinhas. Ele era um amigo de Sean Ryan e eu certamente não queria desrespeitar nenhum deles, agitando o Elemental.


Casa do Padre a Ala Norte, destruídas até hoje após o incêndio de 1922.


Visitamos o Leap Castle!

Você pode visitar o local. Nós visitamos e em outubro de 2017 foi cobrado 6 Euros por pessoa. A visitação começa as 09:00hs e termina as 17:00hs Ao entrar, você vai conversar bastante com o proprietário Sean e pode ficar a vontade explorando o local. Chegamos por volta das 16:00hs, pois estávamos em outro castelo, o Charlesville e por isso estava escuro na Capela Sangrenta. Chegue cedo para aproveitar a luz do Sol - se ele aparecer :) Vale a Pena, tanto por conhecer o Sean, quanto pelo castelo!

Entrada do Leap Castle, as margens da rodovia R421


Ana na frente do Leap Castle.
Eu e Sean conversando no Leap Castle
Fontes (Acessadas em 25/11/2017):
- Leap Castle Offisical Site
- Wikipedia.en: Leap Castle
- Wikipedia.en: O'Carroll
- The Wild Geese: A Brief History of the O'Bannon Clan
- Wikipedia.en: Mildred Darby
- Ciaran Mchugh: The Bloody Chapel at Leap Castle
- InfoEscola: IRA (Irish Republican Army)
- UOL Educação: Revolução Inglesa: Cromwell, Revolução Puritana e Revolução Gloriosa...
Comentários