20 de novembro de 2017

Conheça "Raulito": O Bebê que Realizaria Milagres Mesmo Após 84 Anos de sua Morte, na Cidade de Acapulco, no México!

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

Por Marco Faustino

Em março desse ano, comentei sobre uma estranha situação que estaria acontecendo há quase um século, no município de Santa Leopoldina, no Estado do Espírito Santo, onde o túmulo de uma garotinha de pouco mais de 4 meses de idade, que teria morrido afogada em janeiro de 1923, havia se tornado uma espécie de atração considerada "milagrosa" da cidade. O motivo? Bem, a garotinha em questão, de nome Maria Gilda, teria nascido em 4 de setembro de 1922, e morrido menos de 5 meses depois, no dia 19 de janeiro de 1923. Sua avó, Maria Zelinda Avancini, ao buscar uma toalha, teria deixado a criança sozinha em uma bacia, e quando voltou Maria Gilda já estava morta. A menina fazia parte de uma das famílias mais tradicionais da cidade, os Reinsen. Segundo o livro "O Município de Santa Leopoldina", do escritor Francisco Schwarz, Maria Zelinda foi a mulher mais caridosa que o município já teve, e o sepultamento de Maria Gilda foi um dos mais comoventes e que mais movimentou a população da cidade. Reza a lenda, que a mãe da garotinha, no dia do seu sepultamento levou a bacia com água onde a filha teria morrido e, após descer o seu caixão, ela teria jogado a água sobre o mesmo dizendo: "Já que você levou a minha filha, agora minha filha vai levar você". Desde então, conta-se que sempre existe a presença de água na sepultura da menina. Algumas pessoas acreditam que a água seja milagrosa, que cura doenças, muito embora as autoridades não recomendam o consumo da água, até mesmo em razão de produtos químicos jogados por agentes de saúde para evitar a proliferação de mosquitos, assim como o Aedes aegypti. Fiz uma matéria bem completa sobre aquele assunto, e que vale muito a pena conferir (leia mais: Túmulo de Criança que Morreu Afogada "Enche de Água" Há 94 anos e Moradores Acreditam que é Milagrosa, em Santa Leopoldina/ES!).

Agora, chegou o momento de vocês conhecerem o caso referente a Raúl González, popularmente conhecido como "Raulito": um bebê mexicano que morreu aos dez meses de idade, mas que muitos moradores da cidade de Acapulco, no México, assim como de diversos outros países ao redor do mundo, visitam o seu túmulo, um dos mais antigos da cidade, na esperança que o mesmo possa atender aos seus pedidos. "Raulito" faleceu em 2 de fevereiro de 1933, e está enterrado juntamente com seu irmão, o pequeno Elivier, que acabou falecendo cerca de cinco meses depois. O túmulo da "criança miraculosa" permaneceu por muito tempo no esquecimento até aproximadamente 16 anos atrás, quando começou a ser uma referência para os moradores locais. Há quem diga ouvir as vozes de Raúl e seu irmão, vindo diretamente do túmulo onde descansam, e existem histórias um tanto quanto estranhas sobre determinadas atividades, supostamente paranormais, que rondam esse mesmo túmulo. Contudo, será mesmo que "Raulito" atende aos milagres de quem deposita sua fé diante do seu túmulo? Vamos saber mais sobre esse assunto?

Entenda o Caso: O Miraculoso Bebê "Raulito" Volta a Ser Amplamente Divulgado na Imprensa Mexicana e Internacional


A história sobre o túmulo de "Raulito" não é bem uma novidade na mídia mexicana, porém a mesma voltou a ter uma repercussão considerável através de uma matéria divulgada recentemente pela agência internacional de notícias EFE. Muito provavelmente, foi devido ao bom trabalho realizado pela "Gala TV Acapulco", uma emissora de TV mexicana pertencente a Televisa, que divulgou uma reportagem justamente no "Halloween" (31 de outubro) deste ano, que a agência tomou conhecimento da história e a divulgou para o mundo. Assim sendo, vamos contar para vocês o que foi mencionado tanto pela Gala TV quanto a EFE, além de alguns outros veículos de comunicação ao longo do tempo, para que vocês fiquem, como sempre tento fazer, bem informados.

Inicialmente, a reportagem da "Gala TV" disse que o túmulo do bebê Raúl González, conhecido como "Raulito", estava sempre repleto de brinquedos, ursinhos de pelúcia, roupas de bebê, velas, flores e, principalmente, esperança para aqueles que rezam e buscam soluções para problemas quase impossíveis. Seu túmulo encontra-se no Panteão de São Francisco, o cemitério mais antigo da cidade de Acapulco (um dos quatro cemitérios municipais), sendo inaugurado em 1825. Vale ressaltar nesse ponto, que Acapulco é uma cidade litorânea muito conhecida na região sudoeste do México, no Estado de Guerrero, e conta com uma população superior a 670 mil habitantes, segundo último censo realizado em 2010. A cidade encontra-se a 380 km ao sul da Cidade do México, a capital do país.



Vale ressaltar nesse ponto, que Acapulco é uma cidade litorânea muito conhecida na região sudoeste do México, no Estado de Guerrero, e conta com uma população superior a 670 mil habitantes, segundo último censo realizado em 2010. A cidade encontra-se a 380 km ao sul da Cidade do México, a capital do país.
Foto recente de uma parte do Panteão São Francisco. O túmulo de Raulito encontra-se nesse panteão, que é o cemitério mais antigo da cidade de Acapulco (um dos quatro cemitérios municipais), sendo inaugurado em 1825.
Entretanto, teria sido somente há 16 anos, que o túmulo do bebê miraculoso foi "descoberto" por assim dizer. Raulito nasceu em 2 de abril de 1932, e morreu em 2 de fevereiro de 1933, ou seja, morreu com apenas 10 meses de idade. Na lápide do túmulo também é possível encontrar o nome do seu irmãozinho, Elivier González, que nasceu em 22 de junho de 1933 e morreu em 19 de julho de 1933, quase um mês após ter nascido. De qualquer forma, até hoje não se saberia exatamente quem são os parentes de Raulito, caso ainda exista alguém vivo.

Entretanto, teria sido somente há 16 anos, que o túmulo do bebê miraculoso foi "descoberto" por assim dizer. Raulito nasceu em 2 de abril de 1932, e morreu em 2 de fevereiro de 1933, ou seja, morreu com apenas 10 meses de idade.
Na lápide do túmulo também é possível encontrar o nome do seu irmãozinho, Elivier González, que nasceu em 22 de junho de 1933 e morreu em 19 de julho de 1933, quase um mês após ter nascido.
Confira abaixo a reportagem realizada pela Gala TV em seu próprio canal, no YouTube (em espanhol, mas irei, logo abaixo, destrinchá-la para vocês):



A única entrevistada da reportagem foi Susana Curiel García, a responsável pela administração do Panteão São Francisco, supostamente há 23 anos. Ela contou que o túmulo de Raulito teria sido "descoberto", quando, há dezesseis anos atrás uma mulher foi até o panteão acompanhada de uma filha de apenas 4 anos de idade em seus braços, cujos médicos teriam dito que não podiam fazer mais nada para salvar a menina.

Chorando muito, essa mulher em questão teria pedido informações sobre o túmulo de um menino, que teria sido abandonado por seus familiares, e que não teria flores, água e nem velas. Foi assim que a própria Susana, mediante a descrição da mulher, a levou até o túmulo de bebê Raúl González, que estava muito maltratado devido a ação do tempo, e com muito lixo, apesar do mesmo ficar a poucos metros de distância da entrada do panteão. A mulher teria ajoelhado perante ao túmulo e rezado por mais de uma hora.

A única entrevistada da reportagem foi Susana Curiel García, a responsável pela administração do Panteão São Francisco, supostamente há 23 anos. Ela contou que o túmulo de Raulito teria sido "descoberto", quando, há dezesseis anos atrás uma mulher foi até o panteão acompanhada de uma filha de apenas 4 anos de idade em seus braços.
Chorando muito, essa mulher em questão teria pedido informações sobre o túmulo de um menino, que teria sido abandonado por seus familiares, e que não teria flores, água e nem velas. Foi assim que a própria Susana, mediante a descrição da mulher, a levou até o túmulo de bebê Raúl González, que estava muito maltratado devido a ação do tempo, e com muito lixo.
Essa mulher, cujo nome não foi mencionado por Susana na reportagem, teria vindo de uma localidade chamada "El Paraíso", que ficaria próxima da cidade de Atoyac de Álvarez, que por sua vez está localizada a cerca de 100 km a noroeste de Acapulco. Susana contou que a mulher teria pegado um táxi, e teria simplesmente pedido ao motorista que a levasse até o Panteão São Francisco.
Após quase um mês e meio, essa mulher teria voltado com a menina caminhando e em ótimo estado de saúde. Obviamente, ela voltou para agradecer a Raulito por ter atendido suas preces, e levou doces, flores e brinquedos para o mesmo. Esse teria sido o primeiro "milagre" atribuído a Raulito, que se conhece atualmente.

O segundo "milagre" teria sido em relação a um agente de trânsito que, desesperado e prestes a morrer, teria pedido a intercessão de Raulito, após ter notado que os freios de seu carro, em alta velocidade, tinham parado de funcionar (após pedir a ajuda de Raulito, o carro "misteriosamente" teria diminuído a velocidade, e começado a parar sozinho). O terceiro "milagre" teria sido concedido a um ferreiro, que por sua vez teria sido uma das pessoas que ajudaram a construir uma espécie de proteção improvisada ao redor do túmulo do bebê. Ao longo do tempo inúmeras famílias teriam sido agraciadas por Raulito. Não se sabe exatamente quantas pessoas tiveram suas preces atendidas, sendo possível dizer apenas que cada boneco, carrinho ou bola de futebol representaria uma espécie de "milagre" concedido pelo bebê.

Essa mulher, cujo nome não foi mencionado por Susana na reportagem, teria vindo de uma localidade chamada "El Paraíso", que ficaria próxima da cidade de Atoyac de Álvarez, que por sua vez está localizada a cerca de 100 km a noroeste de Acapulco. Susana contou que a mulher teria pegado um táxi, e teria simplesmente pedido ao motorista que a levasse até o Panteão São Francisco.
O segundo "milagre" teria sido em relação a um agente de trânsito, e o terceiro "milagre" teria sido concedido a um ferreiro, que por sua vez teria sido uma das pessoas que ajudaram a construir uma espécie de proteção improvisada ao redor do túmulo do bebê
Ao longo do tempo inúmeras famílias teriam sido agraciadas por Raulito. Não se sabe exatamente quantas pessoas tiveram suas preces atendidas, sendo possível dizer apenas que cada boneco, carrinho ou bola de futebol representaria uma espécie de "milagre" concedido pelo bebê.
Aparentemente, no entanto, a fama de Raulito não se aplica somente a Acapulco. Susana contou que muitas pessoas acabam sabendo da existência do bebê miraculoso através da internet (assim como muitos de vocês, que estão tomando conhecimento nesse exato instante). Ela contou um caso de um morador(a) da Itália que havia orado e pedido o bebê salvasse a vida de uma pessoa e, quando o pedido foi atendido, essa pessoa foi até Acapulco pessoalmente para agradecê-lo. Outras pessoas que moram nos Estados Unidos e em outros países da América Central também já teriam visitado o túmulo do bebê. Diga-se de passagem, Raulito também ajudou a fazer com que o panteão renascesse, por assim dizer, visto que há vinte e poucos anos o mesmo estava em estado de abandono e praticamente esquecido pelos moradores da cidade.

Aliás, alguns moradores locais contam que costumam ouvir vozes de crianças brincando dentro do Panteão São Francisco, sendo que muitos acreditam, que Raulito e seu irmão saem do túmulo durante a noite para brincar com outras crianças ali enterradas. Além disso, Susana também mostrou o que seria o boneco favorito de Raulito, visto que o mesmo estaria ficando cada vez mais sujo ao longo do tempo. O motivo? O boneco conteria pequenas marcas de mão em sua cabeça. Susana disse que, por mais que ela limpasse o boneco, essas tais marcas continuavam aparecendo.

Aliás, alguns moradores locais contam que costumam ouvir vozes de crianças brincando dentro do Panteão São Francisco, sendo que muitos acreditam, que Raulito e seu irmão saem do túmulo durante a noite para brincar com outras crianças ali enterradas
Além disso, Susana também mostrou o que seria o boneco favorito de Raulito, visto que o mesmo estaria ficando cada vez mais sujo ao longo do tempo. O motivo? O boneco conteria pequenas marcas de mão em sua cabeça. Susana disse que, por mais que ela limpasse o boneco, essas tais marcas continuavam aparecendo
Uma outra situação relatada por Susana também é bem inusitada. Ela disse que, ao chegar para trabalhar, de vez em quando, encontrava diversos brinquedos jogados no chão, e bolas de futebol a metros de distância do túmulo, como se tivessem sido jogadas por alguém, a quem ela atribuía ser obra de Raulito.

Ela também disse, que conversava com o menino para que ele não jogasse os brinquedos no chão e, em algumas ocasiões, durante o seu almoço, ela também costumava ouvir o barulho de um chocalho sendo agitado, semelhante a um dos brinquedos que se encontra no túmulo do bebê. Susana acreditava que isso era uma forma que o bebê tinha de chamar a sua atenção, e uma espécie de pedido para que ela brincasse com ele, algo que ela assim fazia. Para completar, Susana também disse que costumava cantar para Raulito sempre que podia.

Susana também disse, que conversava com o menino para que ele não jogasse os brinquedos no chão e, em algumas ocasiões, durante o seu almoço, ela também costumava ouvir o barulho de um chocalho sendo agitado, semelhante a um dos brinquedos que se encontra no túmulo do bebê.
Para completar, Susana também disse que costumava cantar para Raulito sempre que podia.
Na época de Finados, no entanto, o número de visitas aumentava consideravelmente, visto que 50 a 100 pessoas visitavam diariamente o túmulo do bebê. Curiosamente, esse seria um dos poucos túmulos que ainda são visitados no panteão, que também abriga os restos mortais de cerca de 400 pessoas que foram vítimas de uma das piores tragédias do Estado de Guerrero: o incêndio do Teatro Flores, localizado atrás Catedral de Nossa Senhora da Soledade, em 14 de fevereiro de 1909.

Cerca de 350 das 400 vítimas teriam sido enterradas em uma vala comum no panteão, uma vez se tornou impossível o reconhecimento das mesmas devido ao estado de seus corpos. Conta-se que a madeira utilizada na construção do teatro teria sido pulverizada com um material inflamável para evitar sua deterioração. Assim sendo, durante um espetáculo, um dos assistentes jogou um cigarro aceso no chão, dando início ao incêndio. As portas do teatro abriam apenas ao serem puxadas para dentro, porém, no entanto, em um momento de puro desespero muitos tentaram empurrar as portas e, consequentemente e infelizmente, não conseguiram escapar.

O panteão também abriga os restos mortais de cerca de 400 pessoas que foram vítimas de uma das piores tragédias do Estado de Guerrero: o incêndio do Teatro Flores, localizado atrás Catedral de Nossa Senhora da Soledade, em 14 de fevereiro de 1909
No total, o panteão abriga os restos mortais de mais de 10 mil pessoas, em mais de 4.500 túmulos, que foram enterradas entre 1825 e 1947. Por se tratar de um local histórico não seriam mais realizados sepultamentos no local. Embora estejam enterradas pessoas icônicas da história de Acapulco nesse mesmo panteão, a maior parte daqueles que estão enterrados eram pessoas muito humildes ou indígenas (sendo este o propósito original do cemitério).

Originalmente, o panteão pertencia a Ordem dos Franciscanos, porém em 1859 o governo do presidente Benito Juárez expropriou os cemitérios, que estavam sob os cuidados da Igreja Católica. De acordo com a diretora municipal de panteões, Rosa María Aguilar, atualmente, o panteão de São Francisco está "sob os cuidados" (se é que podemos dizer isso, devido ao atual estado de conservação do mesmo) do Instituto Nacional de Antropologia e História do México (INAH).

Originalmente, o panteão pertencia a Ordem dos Franciscanos, porém em 1859 o governo do presidente Benito Juárez expropriou os cemitérios, que estavam sob os cuidados da Igreja Católica.
De acordo com a diretora municipal de panteões, Rosa María Aguilar, atualmente, o panteão de São Francisco está "sob os cuidados" (se é que podemos dizer isso, devido ao atual estado de conservação do mesmo) do Instituto Nacional de Antropologia e História do México.
Em entrevista a agência de notícias EFE, uma senhora chamada Francisca Jaime Camacho, 80 anos, com cabelos grisalhos e muitas rugas no rosto, disse que as pessoas deviam ter calma ao fazer pedidos para Raulito, porque o mesmo poderia ficar com raiva se alguém pedisse muita coisa ao mesmo tempo. Ela disse que todos os seus pedidos ao longo do tempo teriam sido atendidos pelo menino, e que não levava velas para o mesmo, visto que Raulito gostava mesmo era de brinquedos, carrinhos e chocalhos.

Em entrevista a agência de notícias EFE, uma senhora chamada Francisca Jaime Camacho, 80 anos, com cabelos grisalhos e muitas rugas no rosto, disse que as pessoas deviam ter calma ao fazer pedidos para Raulito, porque o mesmo poderia ficar com raiva se alguém pedisse muita coisa ao mesmo tempo
Já um outro senhor, chamado Anselmo Venegas, disse que havia pedido trabalho e ânimo para trabalhar e, além disso, ele esperava que seus pedidos fossem atendidos. Ele disse que trabalhava na construção civil, e que era a primeira vez que visitava o panteão. Anselmo também disse, que continuaria visitando o túmulo do menino, e que lhe ofereceria presentes um pouco mais simples, e que fossem compatíveis com sua condição financeira.

Já um outro senhor, chamado Anselmo Venegas, disse que havia pedido trabalho e ânimo para trabalhar e, além disso, ele esperava que seus pedidos fossem atendidos. Ele disse que trabalhava na construção civil, e que era a primeira vez que visitava o panteão
Confira a reportagem realizada pela agência de notícias EFE, que foi publicada em sua própria conta no YouTube (em espanhol, mas comentarei alguns pontos da mesma):



Susana Curiel deu maiores detalhes sobre a mulher que teria dado início a toda essa história há 16 anos (sendo que na matéria da EFE foi mencionado 18 anos). Ela disse que a mulher passou cerca de uma hora ajoelhada e rezando pela saúde de sua filha, que estaria muito enfraquecida devido a dois infartos que havia tido. Além disso, os médicos teriam dito que a filha não passaria daquele dia, ou seja, do dia em que visitou o túmulo de Raulito. Susana também disse, que diariamente cerca de 10 a 20 pessoas visitavam o túmulo regularmente, número esse que aumentava na época de Finados, conforme mencionamos anteriormente.

Diante do crescente número de seguidores de Raulito, que acabou tendo seu túmulo coberto (ainda que de forma improvisada) por pessoas que tiveram suas graças atendidas, como se fosse uma pequena casa, um padre chamado Pedro Rumbo disse que "os milagres não tinham como ser negados, porque eles sempre teriam acontecido". O padre também disse, que um pedido atendido por Deus, após ter sido pedido com muita fé e devoção, era algo muito bom, mas que não se devia pedir apenas por milagres, e sim por "favores menores". Ele chegou a apontar, que em tempos de insegurança e incerteza, as pessoas precisavam recorrer à religião.

Susana Curiel deu maiores detalhes sobre a mulher que teria dado início a toda essa história há 16 anos (sendo que na matéria da EFE foi mencionado 18 anos). Ela disse que a mulher passou cerca de uma hora ajoelhada e rezando pela saúde de sua filha, que estaria muito enfraquecida devido a dois infartos que havia tido.
De qualquer forma, Raulito também levava felicidade para as crianças mais necessitadas. O motivo? Bem, todos os brinquedos depositados no túmulo ao longo de um ano acabavam sendo doados para crianças carentes, no dia 30 de abril (ocasião em que é celebrado o Dia das Crianças no México), uma vez que deixá-los no túmulo acabaria fazendo com que se deteriorassem. Na visão de Susana, Raulito gostaria que outras crianças também fossem felizes.

Em uma outra reportagem realizada recentemente sobre Raulito, dessa vez pelo repórter Ernesto Alvarado, da "VO Televisión", Susana Curiel voltou a revelar mais detalhes sobre como tudo teria começado. Aparentemente, a mulher e sua filha de quatro anos estavam na cidade de Acapulco, para uma consulta com um médico, em um hospital local. Assim sendo, ela foi informada pelo médico, que a filha não resistiria a um terceiro infarto, e que não havia mais nada a ser feito, exceto levá-la para casa e passar o máximo de tempo possível com ela.

Em uma outra reportagem realizada recentemente sobre Raulito, dessa vez pelo repórter Ernesto Alvarado, da "VO Televisión", Susana Curiel voltou a revelar mais detalhes sobre como tudo teria começado. Aparentemente, a mulher e sua filha de quatro anos estavam na cidade de Acapulco, para uma consulta com um médico, em um hospital local
Chorando e desesperada, a mulher teria encontrado uma senhora, assim que saiu do consultório e ainda dentro do hospital, que lhe perguntou o que estava acontecendo. Ao ser informada sobre o estado da menina, a senhora a recomendou que procurasse em algum panteão pelo túmulo de uma menina ou de um menino, que tivesse sido esquecido pelo tempo, e que não tivesse mais nenhum familiar que o visitasse. A mulher disse que não morava em Acapulco, e que não conhecia nenhum panteão onde pudesse procurar por isso. Foi dessa forma que a senhora recomendou que a mulher fosse até o Panteão São Francisco, uma vez que o mesmo era muito antigo, e com certeza haveria uma criança enterrada no local e que não tivesse mais família.

Confira a reportagem, que foi publicada no canal do próprio Ernesto Alvarado, no YouTube (em espanhol, mas comentarei alguns trechos da mesma):



Ernesto Alvarado também entrevistou duas pessoas, que tinham ido visitar o túmulo de Raulito. Uma senhora disse ter conhecido a história pela televisão, já um outro senhor alegou que estava passando em frente ao panteão, quando lhe informaram da existência de um menino miraculoso. Ele havia pedido, há uns 3 ou 4 meses, que sua empresa voltasse a prosperar, visto que vinha enfrentando sérios problemas (muito provavelmente de ordem financeira). Atualmente, no entanto, a empresa vinha dando novamente certo, algo que ele atribuía a intercessão de Raulito.

Ernesto Alvarado também entrevistou duas pessoas, que tinham ido visitar o túmulo de Raulito.
Uma senhora disse ter conhecido a história pela televisão...
... já um outro senhor alegou que estava passando em frente ao panteão, quando lhe informaram da existência de um menino miraculoso. Ele havia pedido, há uns 3 ou 4 meses, que sua empresa voltasse a prosperar, visto que vinha enfrentando sérios problemas. Atualmente, no entanto, a empresa vinha dando novamente certo, algo que ele atribuía a intercessão de Raulito
Resumindo? Toda essa situação poderia ter sido acontecido em qualquer cemitério mexicano e do mundo, sendo que a recomendação daquela senhora, caso a história seja realmente verídica, soa ser uma espécie de crendice popular, ou seja, que orar pela alma de crianças esquecidas em seus túmulos faria com as mesmas ajudassem as pessoas de carne e osso. Diga-se de passagem, essa mesma história foi contada pela própria Susana no ano passado, em uma reportagem muito parecida realizada pela Gala TV. Contudo, Susana acredita que o menino estivesse predestinado a realizar milagres. 

Um Mesmo Bebê e as Diversas Versões de um Suposto Acontecimento: Será que Toda Essa História é Mesmo Verdadeira? Raulito Realmente Realizaria Milagres?


Antes de mais nada, é importante dizer que é bem complicado dizer se Raulito realiza ou não milagres, porque diariamente dezenas de milhões de pessoas oram ao redor do mundo e fazem inúmeros pedidos ao mais diversos anjos, santos, deuses, entidades espirituais etc. Por outro lado, assim como padre Pedro Rumbo mencionou, em tempos de insegurança e incertezas, as pessoas naturalmente buscam algo em que se apoiar, sendo que um bebê supostamente miraculoso se encaixa perfeitamente nessa situação. Assim sendo, a realização de milagres é puramente uma questão de fé, uma vez que não se tem dados suficientemente claros e concretos, ao menos não em relação a Raulito, e do que aconteceu na vida de uma pessoa, que acabou gerando um resultado positivo atribuído a um eventual "milagre". Tudo o que temos em relação a Raulito são relatos de pessoas, que dizem que algo de especial aconteceu em suas vidas graças ao espírito do menino.

Uma vez que sempre pesquiso aquilo que me proponho a divulgar, acabei notando algumas informações um pouco contraditórias, que já foram divulgadas pela mídia mexicana ao longo do tempo. No entanto, é bem difícil saber até que ponto Susana realmente se lembra da linha do tempo dos acontecimentos (caso os mesmos sejam verdadeiros, é claro) ou se a imprensa mexicana realmente divulga corretamente o que ela conta nas entrevistas. Vou explicar a razão dessa dúvida para vocês.

Uma vez que sempre pesquiso aquilo que me proponho a divulgar, acabei notando algumas informações um pouco contraditórias, que já foram divulgadas pela mídia mexicana ao longo do tempo
No entanto, é bem difícil saber até que ponto Susana realmente se lembra da linha do tempo dos acontecimentos (caso os mesmos sejam verdadeiros, é claro) ou se a imprensa mexicana realmente divulga corretamente o que ela conta nas entrevistas. Vou explicar a razão dessa dúvida para vocês.
Em novembro de 2011, o site do jornal mexicano "El Sur" disse que, há cerca de apenas 3 anos, o túmulo do menino Raulito teria começado a ser preenchido de brinquedos, flores e velas, sendo que o primeiro milagre atribuído ao mesmo teria acontecido naquela mesma época, ou seja, a mulher com a criança no colo teria aparecido por volta de 2008. Ao contrário da maioria das publicações recentes sobre toda essa história, que apontam o retorno da mulher após 20 a 45 dias, o "El Sur" disse que a mulher teria voltado ao local cerca de 4 meses depois para agradecer a Raulito. Além disso, a mulher teria pedido que Susana espalhasse o que havia ocorrido, razão pela qual os veículos de comunicação teriam começado a divulgar a história do bebê miraculoso. Estranhamente, em um vídeo publicado naquela mesma época, no YouTube, atribuído ao site "Red Noticias", é possível ver e ouvir Susana dizendo que "várias pessoas, exceto ela, chamavam Raulito de o 'menino miraculoso'". Isso é bem diferente do Susana disse em outubro de 2012, quando, em entrevista para a "RTG Noticias" alegou que Raulito era um "anjinho" e um "intercessor". Além disso, a reportagem alega que a menina curada por Raulito tinha 3 anos de idade, e não 4 anos conforme ela conta atualmente.

Ainda em outubro de 2012, o site do jornal mexicano "El Universal", contou através da correspondente Adriana Covarrubias, que o primeiro milagre teria acontecido em julho de 2009, por uma mulher chamada Sônia, que estava acompanhava de Carmelita, sua filha de quatro anos, que tinha graves problemas de saúde. Nessa versão, a mulher teria retornado ao panteão cerca de 50 dias depois. Existe também uma outra notícia publicada naquele mesmo mês, onde é possível ver uma foto do túmulo de Raulito sem qualquer tipo de proteção e com pouquíssimo brinquedos. É possível que a mesma não tenha sido tirada em 2012, visto que ano anterior o túmulo já contava com menos com um telhado improvisado e estava cercado com plástico transparante. Tudo indica, no entanto, que a foto muito provavelmente foi tirada depois de 2008, ou seja, se houve realmente algum milagre, o mesmo não seria tão antigo quanto Susana contou recentemente.

Imagem mostrando a evolução do túmulo de Raulito ao longo do tempo
Algo semelhante acabou sendo divulgado pelo site de notícias "20 Minutos", em outubro de 2014, quando o mesmo disse que o primeiro milagre teria ocorrido em junho de 2007, muito embora o restante da história contada por Susana seja a mesma do que se conta atualmente (o texto veiculado no site "20 minutos" pertence a Notimex, a agência oficial de notícias do México). A redação da agência de notícias "Quadratin", em novembro daquele mesmo ano, também mencionou que o primeiro milagre teria ocorrido nessa mesma época.

Os sites de notícias "Bajo Palabra" e "Noticias Acapulco News" mencionam informações bem diferentes dos demais. O primeiro já chegou a publicar que a menina, que teria sido curada por Raulito, teria cerca de 6 anos de idade (e não 4 anos conforme os demais sites mencionam), e que a mesma já estava desacreditada pelos médicos do Hospital Geral de Acapulco. Já o segundo foi bem mais extremo ao dizer que há 50 anos as pessoas já faziam pedidos perante o túmulo de Raulito. Para completar algumas reportagens realizadas pela mídia mexicana, em 2015 e 2016, diziam que o primeiro milagre, envolvendo uma senhora com sua filha, teria acontecido há 17 anos, ou seja, aparentemente, entre ano e sai ano, e Susana declara, de forma repetida, o mesmo espaço de tempo.

Os sites de notícias "Bajo Palabra" e "Noticias Acapulco News" mencionam informações bem diferentes dos demais. O primeiro já chegou a publicar que a menina, que teria sido curada por Raulito, teria cerca de 6 anos de idade (e não 4 anos conforme os demais sites mencionam), e que a mesma já estava desacreditada pelos médicos do Hospital Geral de Acapulco. Já o segundo foi bem mais extremo ao dizer que há 50 anos as pessoas já faziam pedidos perante o túmulo de Raulito
Evidentemente, procurei por quaisquer referência sobre Raulito e o Panteão São Francisco na internet, no período entre 1º de janeiro de 1995 e 31 de dezembro de 2010, mas não encontrei absolutamente nada sobre o menino. Aparentemente, foi somente a partir do ano de 2011, que essa história começou a ser veiculada pela imprensa mexicana, mas seria necessária uma pesquisa muito mais aprofundada em jornais locais, entrevistar moradores e comerciantes próximos, assim como buscar informações sobre essa tal mulher, que teria sido a primeira a ter sua graça atendida no hospital onde a filha teria sido atendida, bem como na localidade onde ela disse que morava. Somente assim começaríamos a ter uma real dimensão se toda a história procede ou é uma mera lenda propagada por Susana, talvez com o objetivo de atrair a atenção das pessoas e conseguir manter o panteão em um estado minimamente aceitável, visto que até hoje a mídia mexicana alega que o mesmo se encontra em estado de abandono (a situação em 1995 era muito pior que a atual, conforme é possível em um vídeo publicado no YouTube, clique aqui para vê-lo).

Foto mostrando alguns túmulo vandalizados ou sem manutenção no Panteão São Francisco, no ano passado. Susana, talvez, possa ter inventado a história com o objetivo de atrair a atenção das pessoas e conseguir manter o panteão em um estado minimamente aceitável, visto que até hoje a mídia mexicana alega que o mesmo se encontra em estado de abandono
Entretanto, sabemos que toda essa história teria começado aleatoriamente a partir do que parece ser uma crendice popular, visto que, diante do que foi mencionado, se qualquer pessoa fosse em qualquer cemitério do mundo, e procurasse o túmulo abandonado de uma criança, o efeito, na prática, deveria ser o mesmo, ou seja, teríamos um bebê miraculoso em cada cidade a espera de ser descoberto, fazendo com que Raulito não fosse exatamente único. Em relação aos outros dois milagres subsequentes, não há informações disponíveis na internet sobre quando teriam acontecido e o nomes das pessoas envolvidas, indicando assim uma forte possibilidade de lenda.

Enfim, independentemente de Raulito ser ou não miraculoso, e de que seus primeiros milagres talvez tenham sido apenas meras lendas contadas para alimentar a crença no mesmo por razões desconhecidas, fato é que as pessoas continuarão acreditando nessa história e, todos os anos, a mídia mexicana irá entrevistar a Susana, que talvez acrescente um ou outro detalhe contraditório a mesma. Seu número de seguidores eventualmente aumentará, assim como o número de brinquedos depositados. É justamente esse ponto, ao meu ver, o mais importante: as pessoas acabam indiretamente doando os brinquedos para as crianças carentes de Acapulco.

Seu número de seguidores eventualmente aumentará, assim como o número de brinquedos depositados. É justamente esse ponto, ao meu ver, o mais importante: as pessoas acabam indiretamente doando os brinquedos para as crianças carentes de Acapulco.
Assim sendo, não vejo o menor problema que essa lenda continue por muitos e muitos anos. Queria, é claro, que não houvesse crianças carentes, mas assim como as lendas e a crença em Raulito, a pobreza em algumas localidades ao redor do mundo, não importa qual seja o país, também parece ser eterna.

Até a próxima, AssombradOs!

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://archivo.eluniversal.com.mx/estados/88447.html
http://galatvacapulco.tv/noticia/la-tumba-de-raulito
http://noticiasacapulconews.com/2016/11/02/piden-paz-a-nino-milagro-en-panteon-de-acapulco/
http://suracapulco.mx/4/a-tres-anos-sigue-el-fervor-hacia-la-tumba-de-raulito-en-el-panteon-san-francisco/
http://suracapulco.mx/grafico/muertos-olvidados-en-el-panteon-de-san-francisco/
http://www.20minutos.com.mx/noticia/b208173/tumba-de-bebe-en-panteon-de-acapulco-siempre-esta-llena-de-juguetes/
http://www.appenoticias.com/acapulco/6783-panteon-san-francisco-de-acapulco-mas-de-150-anos-de-historia
http://www.red-noticias.com/?p=25927
https://bajopalabra.com.mx/raulito-85-anos-concediendo-milagros-en-acapulco
https://guerrero.quadratin.com.mx/La-milagrosa-tumba-de-un-bebe-se-localiza-en-Acapulco/
https://www.acapulcoinforma.com/acapulco/el-olvidado-panteon-san-francisco/
https://www.debate.com.mx/mexico/Raulito-el-bebe-milagroso-sale-a-jugar-todas-las-noches--20171102-0037.html
https://www.efe.com/efe/america/mexico/raulito-el-nino-mexicano-que-realiza-milagros-84-anos-despues-de-su-muerte/50000545-3431093

https://www.youtube.com/watch?v=8EXAmMA6CJw
https://www.youtube.com/watch?v=BozqXiFvGks
https://www.youtube.com/watch?v=sbuv_lbGryU
https://www.youtube.com/watch?v=vcrCFNAdIqU
https://www.youtube.com/watch?v=w0j1TwTJRhM
https://www.youtube.com/watch?v=yfqUHSYTep8
Comentários