19 de junho de 2017

Um "OVNI" Teria Sido Filmado "Cruzando e Desaparecendo" no Horizonte, Durante o Pôr do Sol, no Centro do Rio de Janeiro/RJ?


Por Marco Faustino

Há quanto tempo eu não abordava um assunto, que tivesse algo pretensamente relacionado a "Ufologia" (ou que pelo menos fosse comentado algo conosco nesse sentido)! Acredito que a última vez, que comentei sobre essa tema tão controverso, foi na notícia envolvendo uma figura não convencional da indústria aeroespacial norte-americana, chamada Robert Bigelow. Naquela época, estava repercutindo uma rara entrevista, que ele acabou concedendo, e que estava sendo amplamente propagada na imprensa norte-americana e internacional, com uma força maior do que eu particularmente esperava. Assim sendo, resolvi fazer uma postagem sobre as suas "revelações" (se é que é possível chamar assim), para o icônico programa "60 Minutes" da emissora CBS, cujo segmento, de apenas pouco mais de 12 minutos (são três segmentos a cada edição), foi exibido no dia 28 de maio (um domingo). O assunto ganhou uma grande repercussão, e não era para menos, visto que Robert Bigelow disse acreditar fielmente, que os seres extraterrestres estavam entre nós. Curiosamente, ele não era "qualquer pessoa" para dizer isso, visto que ele é o ex-proprietário do famoso "Rancho Skinwalker" (teoricamente o ex-proprietário, é claro, visto que tudo que envolve esse rancho é meio obscuro em termos de informações oficiais). De qualquer forma, aproveitei para mostrar todos os pontos da entrevista, devidamente traduzidos, de uma forma bem dinâmica, para vocês acompanharem. Vale muito a pena conferir (leia mais: Extraterrestres e "OVNIs" Estão Entre Nós? Robert Bigelow, Ex-Proprietário do Rancho Skinwalker, Faz Revelações nos Estados Unidos!).

Aliás, é muito importante ressaltar que, ao fazer uma postagem de assuntos ou casos que estejam bem próximos ou no âmbito da "Ufologia", publico apenas o que considero relevante, e que realmente possua algum detalhe ou ponto, que agregue algum valor cultural ou algum conhecimento importante para vocês, o público no qual realmente se destina cada uma das minhas postagens. Sempre levo muito a sério o que faço, tentando oferecer uma dose de realidade a cada um de vocês, que veem no AssombradO, e principalmente no que escrevo no blog, um porto seguro em meio a tanta charlatanice e pessoas inescrupulosas. Essas mesmas pessoas acabam usando, por exemplo, a expressão "OVNI" como se fosse mera propaganda para conquistar o seu "clique" e, portanto, arrecadar alguns centavos que se transformarão em um valor considerável, através dos milhares de acessos diários ao longo de um mês. Isso se aplica a vídeos manipulados digitalmente, páginas de cantores que publicam vídeos sabidamente falsos de supostos OVNIs e pedem para as pessoas compartilharem usando a expressão "antes que o Facebook ou o YouTube remova" ou então daqueles que acabam copiando descaradamente todo um intenso trabalho de pesquisa, utilizam as imagens contidas no texto, não citam o devido crédito e o pior, se autointitulam como os primeiros a abordar um determinado assunto. Infelizmente, essa é uma realidade constante, razão pela qual faço questão de, sempre que possível, não importa o quão cansativo seja, buscar a veracidade por trás de uma história para vocês.

Recentemente, no entanto, recebemos inúmeras mensagens nos pedindo para falar sobre um suposto "OVNI", que teria sido gravado "cruzando e se desfragmentando" no Sol, durante o entardecer no centro da cidade maravilhosa, o tão amado e venerado Rio de Janeiro. O vídeo teria sido realizado durante o pôr do sol do dia 14 de junho, sendo que a filmagem aparentemente estava sendo feita a partir da janela de um prédio próximo ao Santuário e Convento de Santo Antônio, no Largo da Carioca, no centro da cidade do Rio. Confesso que fiquei surpreso com a repercussão e quantidade de comentários, um tanto quanto inusitados, das pessoas que acessaram a página do Facebook, onde o vídeo foi publicado. Algumas pessoas comentaram que poderia ser uma rara gravação de uma erupção solar, um flare, cometa, meteoro, sendo que algumas pessoas acreditavam que a câmera tinha, inclusive, registrado algo que tivesse impactado contra o Sol ou um "OVNI", ou seja, um objeto voador não identificado (no sentido explícito de ser extraterrestre). Aparentemente, apenas uma pequeníssima parcela do comentários acreditava que pudesse ser uma mera aeronave. Vamos saber mais sobre esse assunto?

Entenda Toda Essa Situação: A Gravação de um Suposto "OVNI" Durante o Pôr do Sol no Centro do Rio de Janeiro/RJ


Entender essa história é relativamente bem simples. Tudo começou quando uma página no Facebook chamada "Rio da Nojeira" publicou um vídeo as 23h53, do dia 14 de junho deste ano, com a seguinte descrição: "PÔR DO SOL HOJE NO CENTRO. REPAREM DOS 12 AOS 20 SEGUNDOS. O QUE FOI AQUILO?". Até o momento do fechamento dessa postagem, o vídeo já tinha sido visualizado mais de 150.000 vezes, compartilhado por mais de 1.500 pessoas e recebido mais de 1.000 comentários (daqui a pouco iremos comentar sobre isso).

Confiram o vídeo abaixo, que foi publicado em um canal de terceiros, no Daily Motion (ou alternativamente assistam diretamente na referida página no Facebook, clicando aqui):



Uma vez que não sabia do que se tratava essa página fui procurar maiores informações sobre a mesma, e me deparei com o texto contido em sua história, que começa dizendo: "Essa página foi feita pensando em homenagear todas as vítimas de assaltos e da violência. Principalmente aquelas que foram mortas ou feridas por bandidos, por motivos banais. Foi feita em respeito a dor infinita dos familiares que perderam seus entes queridos, no intuito que se consiga evitar que outras pessoas venham a passar por tal dor. Isso (a dor das pessoas) não é uma brincadeira. Isso é muito sério..."

Uma vez que não sabia do que se tratava essa página fui procurar maiores informações sobre a mesma
Conforme vocês podem perceber, aparentemente o intuito da página, criada em fevereiro do ano passado, assim como descrito na seção "Sobre", é cobrar das autoridades mais seriedade em termos de educação, segurança, saúde e saneamento básico. Além, é claro, de alertar a população e os turistas sobre os perigos que estão correndo, sobretudo ao circularem no centro da cidade do Rio.

Resumindo? Não era uma página acostumada a publicar vídeos de cunho supostamente ufológicos, virais (no sentido de fraudulentos ou sensacionalistas) ou que estivesse acostumada, ao menos a princípio e até onde pude consultar, a publicar vídeos manipulados digitalmente, muito pelo contrário. A realidade brasileira até parece ficção, mas dói na pele de cada cidadão. Aliás, a página no Facebook, também possui um site na internet com esse mesmo nome.

Conforme vocês podem perceber, aparentemente o intuito da página, criada em fevereiro do ano passado, assim como descrito na seção "Sobre", é cobrar das autoridades mais seriedade em termos de educação, segurança, saúde e saneamento básico. Além, é claro, de alertar a população e os turistas sobre os perigos que estão correndo, sobretudo ao circularem no centro da cidade do Rio
Posteriormente, o responsável pela página fez o seguinte comentário em sua própria publicação sobre o pôr do sol: "Alguém que entende do assunto pode explicar o que é isso? Acredito que capturar uma imagem dessas é mil vezes mais difícil que ganhar na Mega-Sena! Dei a ca**** do século, agora quero descobrir o que foi isso..."

Em sua defesa, perante algumas alegações pontuais, que o vídeo seria simplesmente falso, ou seja, maliciosamente criado para viralizar e render acessos para a página, o mesmo citou que não havia nenhuma edição ou manipulação digital do vídeo, e que tudo não teria passado da realização de um teste de sua câmera. Segundo o responsável, nos últimos dias ele vinha mostrando o pôr do sol para demonstrar a qualidade do zoom da câmera utilizada por ele, para os seus seguidores e que, por sorte, havia registrado tal cena.

Em sua defesa, perante algumas alegações pontuais, que o vídeo seria simplesmente falso, ou seja, maliciosamente criado para viralizar e render acessos para a página, o mesmo citou que não havia nenhuma edição ou manipulação digital do vídeo, e que tudo não teria passado da realização de um teste de sua câmera
Entretanto, não havia um único vídeo sequer, exceto esse vídeo em questão, anterior (ao menos desde o dia 1º de junho) ou posterior, que mostrasse o pôr do sol daquele mesmo ponto de vista, ou seja, não tínhamos base nenhuma de comparação ou eventualmente ver se o "fenômeno" se repetia (aliás, essa é uma das razões pelas quais muitos não consideram a Ufologia uma ciência, uma vez que as situações ocorrem apenas uma única vez, o que inviabiliza e prejudica e muito qualquer tipo de investigação).

Para não sermos injustos existiam basicamente dois vídeos daquele mesmo ponto de vista mostrando o Convento de Santo Antônio, no Largo da Carioca (em primeiro plano) durante as festividades do dia 13 de junho, assim como o relógio do Edifício da Central do Brasil (bem ao fundo) apresentando uma pichação (um ótimo flagrante diga-se de passagem) naquele mesmo dia. O equipamento utilizado realmente possuía uma qualidade muito boa.

Para não sermos injustos existiam basicamente dois vídeos daquele mesmo ponto de vista mostrando o Convento de Santo Antônio, no Largo da Carioca (em primeiro plano) durante as festividades do dia 13 de junho...
...assim como o relógio do Edifício da Central do Brasil (bem ao fundo) apresentando uma pichação (um ótimo flagrante diga-se de passagem) naquele mesmo dia. O equipamento utilizado realmente possuía uma qualidade muito boa
De qualquer forma, o responsável pela página não citou a palavra "OVNI" em seu discurso, muito embora essa tenha sido uma possibilidade que foi aberta por uma minoria. Outro ponto importante a se destacar, é que muitos dos vídeos, a exemplo desses que citamos acima, sempre são filmados da mesma janela, a partir de um prédio próximo ao Convento de Santo Antônio, no centro da cidade do Rio de Janeiro. Aliás, o responsável pela página cita em sua descrição, que não tem o dia todo para filmar, visto que precisa trabalhar. Enfim, apesar dos pesares, tudo indicava que o vídeo do pôr do sol era mesmo autêntico. Então, o que será que as pessoas estavam acreditando, que fosse aquilo no céu?

Os Comentários dos Seguidores da Página "Rio da Nojeira", no Facebook


Os comentários proferidos por aqueles visualizaram o vídeo e o acharam interessante foram os mais diversos possíveis, desde os mais científicos até os mais conspiratórios e humorísticos possíveis. Evidentemente, considerando que a publicação recebeu mais de 1.000 comentários, separamos apenas alguns comentários mais peculiares, por assim dizer.

Para um usuário chamado Silas, as câmeras digitais, por exemplo, podiam captar luzes, no sentido de espectros, que não podíamos ver a olho nu, assim como o infravermelho. Portanto, de acordo com ele, a câmera tinha zoom, sendo possível "captar as manchas solares ou explosões de espectros."

Para um usuário chamado Silas, as câmeras digitais, por exemplo, podiam captar luzes, no sentido de espectros, que não podíamos ver a olho nu, assim como o infravermelho. Portanto, de acordo com ele, a câmera tinha zoom, sendo possível "captar as manchas solares ou explosões de espectros."
Já um outro usuário chamado Ailton se mostrou bem impressionado com a filmagem, dizendo que o o responsável pela página teve sorte em registrar "o momento exato de um cometa se chocando com o Sol." De acordo com ele, o Sol era "ligado por vários tubos carregados de plasma, que vinham do núcleo até a sua superfície, onde se originam as manchas, e eles são interligados como nossas veias. Esse era o motivo do cometa se chocar do lado esquerdo, e logo em seguida ter um ejeção de massa do lado direito. O impacto teria sido enorme e teria que haver uma reação."

Já um outro usuário chamado Ailton se mostrou bem impressionado com a filmagem, dizendo que o o responsável pela página teve sorte em registrar "o momento exato de um cometa se chocando com o Sol."
Uma usuária chamada Natacha tinha uma opinião um pouco mais "não convencional" para explicar o que tinha sido filmado. Ela disse que "acreditava em OVNI, vida fora da Terra e nas visitas que são feitas a Terra." Aliás, ela já teria visto um pessoalmente, bem de pertinho planando, e ainda por cima teria chamado quem estava dormindo para testemunhar. Porém, de acordo com ela, era melhor guardar a informação para uma reflexão, visto que ela não acreditava em ninguém que fosse na TV para aparecer, mas que gostaria que o vídeo fosse analisado.

Houve até mesmo quem fizesse cálculos para tentar explicar a filmagem. De acordo com um usuário chamado Gustavo, alegando não saber nada de astrofísica, disse que "era sabido, que o diâmetro do Sol tinha aproximadamente 1.391.400 km, e que tal objeto demorou cerca de 4 segundos para atravessar de ponta a ponta." Assim sendo, de acordo com ele, tal objeto deveria estar passando a pelo menos uns 347.000 km/s, algo considerado muito improvável. Então, ele acreditava que fosse algo, que teria passado na atmosfera da Terra, na frente do Sol (algo como um avião se mais próximo, ou meteorito, se mais longe), sendo que a imagem teria sido distorcida pela própria atmosfera.

Houve até mesmo quem fizesse cálculos para tentar explicar a filmagem. De acordo com um usuário chamado Gustavo, alegando não saber nada de astrofísica, disse que "era sabido, que o diâmetro do Sol tinha aproximadamente 1.391.400 km, e que tal objeto demorou cerca de 4 segundos para atravessar de ponta a ponta."
Por falar em avião, um outro usuário chamado Renato Cesar parecia oferecer uma solução bem simples para o caso. Segundo ele, "era possível em 11 segundos de gravação, um avião se aproximando no canto superior esquerdo sendo que, posteriormente, o Sol refletia na parte de baixo do mesmo e, em seguida, o rastro luminoso era ocasionado por uma deflexão da luz do Sol, no vapor da turbina da aeronave."

Ainda de acordo com o Renato, provavelmente, o local onde o responsável pelo vídeo havia gravado o vídeo, fazia parte da rota dos aviões que se encaminhavam para o Aeroporto Santos Dumont.

De acordo com um usuário chamado Gustavo, alegando não saber nada de astrofísica, disse que "era sabido, que o diâmetro do Sol tinha aproximadamente 1.391.400 km, e que tal objeto demorou cerca de 4 segundos para atravessar de ponta a ponta." Assim sendo, de acordo com ele, tal objeto deveria estar passando a pelo menos uns 347.000 km/s, algo considerado muito improvável.
Além disso, também havia os mais diversos comentários sobre o que tinha sido filmado: cometa, meteoro, meteorito, ejeção de massa coronal, lixo espacial, fumaça de uma chaminé, o personagem Goku passando em sua nuvem para salvar uma galáxia distante ou quem sabe um "OVNI" (no melhor sentido extraterrestre) entrando e saindo do Sol.

Confesso que alguns comentários eram bem perturbadores, e alguns eram bem "conspiratórios".
Para algumas pessoas, por exemplo, aquela era uma prova de que a Terra era plana, e que o Sol não estava tão distante assim do nosso planeta, ou seja, que a ciência estava mentindo para todos nós.

Confesso que alguns comentários eram bem perturbadores, e alguns eram bem "conspiratórios".
Para algumas pessoas, por exemplo, aquela era uma prova de que a Terra era plana, e que o Sol não estava tão distante assim do nosso planeta, ou seja, que a ciência estava mentindo para todos nós.
Agora, será mesmo que alguém, diante de tantos comentários diferentes, peculiares, humorísticos e alguns até mesmo beirando o absurdo em termos científicos, poderia ter razão para explicar o que estava diante dos nossos olhos?

Descartando e Explicando as Principais "Suposições" que Foram Sugeridas pelas Pessoas que Viram o Vídeo


Se você estava torcendo por uma explicação de outro mundo ou até mesmo sobrenatural, assim como muitas vezes nós torcemos para que realmente seja algo incrível e fantástico, bem, a mais provável explicação para esse caso é bem mais mundana do que você pensa. Talvez, muitos de vocês que nos acompanham, já sabiam qual era a mais provável explicação antes mesmo de chegarmos a esse ponto, visto que tenho o hábito de sempre pesquisar e ir atrás de uma explicação plausível e racional diante do que muitas vezes é divulgado, sem quaisquer explicações, nas redes sociais.

Muito provavelmente estamos diante de um mero avião. Sim, isso mesmo que você leu, uma mera aeronave comercial. Sei que muitos podem dizer, que não poderia ser um avião. Para essas pessoas, se fosse uma aeronave, a mesma deveria estar em uma velocidade ultrassônica, ou seja, precisava ser extremamente veloz, tal como um concorde ou um poderoso jato militar para cruzar "toda a extensão do Sol." Porém, não é bem assim que as coisas funcionam. Antes de mais nada, vamos algumas observações extremamente importantes sobre esse caso, e que vão demonstrar para vocês, o porquê um avião comercial é a explicação mais provável.

Muito provavelmente estamos diante de um mero avião. Sim, isso mesmo que você leu, uma mera aeronave comercial.
Primeiramente, o "objeto" responsável por todo aquele fenômeno luminoso não se desfragmenta. É possível notar claramente que alguma coisa alongada, que aparece escurecido e desfocado devido ao zoom aplicado na filmagem vem se aproximando de forma linear e horizontalmente, da esquerda para direita, entre 10 e 11s de vídeo, que acaba cruzando em frente ao Sol. Alguns segundos depois, é possível ver o mesmo "objeto" no lado direito, novamente de forma linear e orientado horizontalmente. Confira a sequência de imagens abaixo:

Primeiramente, o "objeto" responsável por todo aquele fenômeno luminoso não se desfragmenta. É possível notar claramente que alguma coisa alongada, que aparece escurecido e desfocado devido ao zoom aplicado na filmagem vem se aproximando de forma linear e horizontalmente, da esquerda para direita, entre 10 e 11s de vídeo, que acaba cruzando em frente ao Sol
Segunda imagem mostrando a aproximação de um "objeto" alongado
Terceira imagem mostrando uma espécie de "fogo" ou "luz" emanando do mesmo
Quarta imagem mostrando o rastro luminoso deixado pelo "objeto"
Quinta imagem mostrando o mesmo "objeto" após "atravessar" o Sol
Sexta imagem mostrando o objeto se deslocando horizontalmente para a direita
Sétima imagem mostrando o objeto saindo do campo de visão da câmera
De forma intencional ou não, a pessoa que filmou não acompanhou o objeto em questão. É possível notar que a câmera ficou simplesmente estática e continuou filmando o pôr do sol. Nesse ponto é importante destacar que pode não ter sido de má-fé. A pessoa pode não ter percebido a aproximação desse objeto no momento que estava filmando, visto que o foco, aparentemente, seria mesmo gravar o pôr do sol.

Assim sendo, diante desse ponto, descartamos qualquer possibilidade de ejeção de massa coronal (uma espécie de "sopro de gás" no espaço), flare (a famosa "explosão solar", que na melhor das hipóteses seria vista apenas como uma "luz brilhante" a partir da Terra) ou qualquer espécie de eventual impacto contra o Sol. Para que alguém conseguisse filmar uma ejeção de massa coronal, que não é visível a olho nu, diga-se de passagem (embora a coroa solar seja visível a olho nu apenas por breves momentos durante um eclipse total solar), com um câmera comum a partir da Terra, o evento teria que ser algo completamente surreal, catastrófico, de proporções bíblicas, totalmente épico, descomunal, dantesco, até porque estamos há 150 milhões de quilômetros de distância do Sol, que por sua vez possui uma fotosfera extremamente brilhante, ou seja, em 99.99% das vezes não dá para ver o que acontece em sua superfície, ainda que o zoom da câmera fosse espetacular. Isso é possível apenas com equipamentos muito especiais ou então telescópios espaciais. Entendam que algo assim seria absurdamente e incrivelmente raro. Seria muito mais fácil ganhar na Mega-Sena, a cada concurso, e durante anos seguidos. Simples assim.

No caso dos flares, a maior parte da energia das chamas solares possui frequências, que não estão compreendidas na faixa visível do olho humano. É por essa razão, que a maioria das flamas não são visíveis a olho nu, e devem ser observadas com instrumentos especiais. O único evento, que se tem registro de algo assim, foi o chamado "Evento de Carrington". Esse evento consistiu em uma enorme tempestade solar que ocorreu em 1859, onde o flare (em luz branca) e algumas manchas solares foram possíveis de serem vistas a olho nu. Portanto, se qualquer um dos eventos tivesse realmente acontecido, estaríamos com sérios problemas aqui na Terra, visto que a quantidade de energia liberada por uma emissão de massa coronal, por exemplo, provocaria o caos em termos de fornecimento de energia elétrica, abastecimento de água, telecomunicações etc. Enfim, praticamente voltaríamos a "Era Vitoriana" ou a "Idade Média".

Imagem registrada pelo Observatório de Dinâmica Solar da NASA
de uma explosão solar (flare) classe X-2.0 em 27 de outubro de 2014
É interessante ressaltar que, tanto a explosão solar quanto a ejeção de massa coronal (EMC), podem ocorrer ao mesmo tempo (algo relativamente comum), porém, uma explosão solar pode não gerar uma EMC e vice-versa. Ambas erupções são criadas, quando o movimento do interior do Sol contorce seus próprios campos magnéticos, porém os dois fenômenos emitem coisas diferentes, parecem diferentes, viajam em velocidades diferentes e causam impactos diferentes nos planetas.

Os flares, teoricamente, seriam os mais "inofensivos", podendo causar apagões de rádio ou de GPS aqui na Terra, já as emissões de massa coronal poderiam provocar um verdadeiro caos.

Uma ejeção de massa coronal, ou EMC, entra em erupção da parte inferior direita do Sol, nesta imagem composta capturada pelo Observatório Solar e Heliosférico da ESA/NASA em 2 de dezembro de 2003
Quando uma liberação de energia ocorre, esse fenômeno pode criar um súbito clarão em um ponto específico da superfície solar, os chamados "flares" (explosões solares), que pode durar minutos ou horas. As explosões solares liberam quantidades enormes de energia que viajam em todas as direções do espaço, na velocidade da luz, o que aproximadamente 8 minutos para que essa "explosão solar" chegue aqui na Terra (fazendo um cálculo simples comprova-se que estamos mesmo há 150 milhões de quilômetros do Sol).

Essas contorções magnéticas também podem criar um tipo diferente de explosões, que lança matéria solar para o espaço, as conhecidas "ejeções de massa coronal" (EMC). Diferentemente da explosão solar, as ejeções de massa coronal são como balas de canhão, com muita matéria concentrada que é atirada em uma única direção. A EMC acabando sendo, na prática, uma imensa nuvem de partículas magnetizadas, que é arremessada para o espaço, viajando a mais de 1.000.000 km/h. Essa nuvem de plasma leva, em média, cerca de 3 dias para chegar à Terra.

Confira um vídeo abaixo, publicado pelo canal "Galeria do Meteorito", no YouTube, que exemplifica bem essa questão mostrando as diferenças entre flares e ejeções de massa coronal:



Agora, só por desencargo de consciência, vamos voltar no tempo, e ver se houve alguma atividade solar que pudesse explicar isso. De acordo com o site Space Weather Live, no período de 13 a 15 de junho o nível de atividade solar se manteve muito baixo.

Além disso, o campo geomagnético da Terra também estava em níveis muito baixos, algo que já havia sido previsto com uma certa antecedência. Além disso, não houve qualquer alerta de eventuais tempestades solares, que tivesse sido emitido pelo Centro de Previsão de Clima Espacial (SWPC, sigla em inglês) da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera, dos Estados Unidos (NOAA, sigla também em inglês) no dia em que a filmagem ocorreu

Agora, só por desencargo de consciência, vamos voltar no tempo, e ver se houve alguma atividade solar que pudesse explicar isso. De acordo com o site Space Weather Live, no período de 13 a 15 de junho o nível de atividade solar se manteve muito baixo
Não houve qualquer atividade solar ou no campo geomagnético da Terra durante o período em que a filmagem foi realizada
Nova imagem demonstrando, que havia uma grande calmaria após o período no qual a filmagem foi realizada
A NASA e nenhuma outra agência especial de qualquer outro país, não registrou nada "colidindo" contra o Sol. Para completar, nenhum observatório do mundo, incluindo o Planetário do Rio de Janeiro, registrou algo nesse sentido. Resumindo? Nada de ejeção de massa coronal, flare, ou objetos colidindo de forma dantesca e apocalíptica contra o Sol.

Quanto a possibilidade de um asteroide, cometa, meteoro, meteorito, bólido, bola de fogo, ou seja lá a denominação ou característica que você queira dar para um objeto natural, que estivesse vagando pelo espaço, e que tivesse eventualmente entrado e saído da nossa atmosfera ou eventualmente caído em algum ponto do nosso planeta, novamente seria altamente improvável. Isso porque o tamanho, o formato, a trajetória, a velocidade e os efeitos visuais seriam totalmente diferentes daqueles que vemos na filmagem. Além disso, não houve registro de absolutamente nada nesse sentido. Aliás, se fosse algo tão impressionante, grandioso, e que chamasse tanta atenção assim, outras câmeras e pessoas teriam observado a mesma coisa. Nada disso aconteceu, denotando assim, que aquilo havia acontecido exatamente e primordialmente daquele ponto de vista.


Imagem mostrando o "Meteoro de Cheliabinsk", em 2013, a partir da câmera de bordo de um carro, na Rússia.
É importante ressaltar que o clarão não é o Sol, mas o resultado da explosão do meteoroide em nossa atmosfera.
Assim sendo, filtrando todas as outras opções desde as mais humorísticas até as mais terraplanistas, basicamente nos vemos diante de duas possibilidades: a de um "OVNI", partindo do pretexto que fôssemos incapazes de explicar a filmagem (ou da crença absoluta que aquilo fosse a visita de uma "nave alienígena") ou então de uma aeronave comercial passando em frente ao Sol. Uma vez que a palavra "OVNI" é bem conveniente, e não precisa de maiores explicações, a melhor oportunidade seria demonstrar as razões pelas quais tudo indica que não passa de uma aeronave.

A Mais Provável Explicação Diante do que Foi Registrado no Centro da Cidade do Rio de Janeiro


Bem, sabemos que a filmagem foi realizada a partir da janela de um prédio comercial, que fica bem próximo (praticamente em frente) do Santuário e Convento de Santo Antônio, no Largo da Carioca, no centro da cidade do Rio de Janeiro. Ao fundo, podemos ver nitidamente o edifício da Central do Brasil, que é um arranha-céu com cerca de 122 metros de altura e 20 andares (sem contar com o Relógio da Estação). Aliás, o prédio fica localizado na Avenida Presidente Vargas, não muito longe do local da filmagem. Uma vez que temos a localização aproximada da filmagem e o plano visual, podemos tentar imaginar qual era a direção em que a câmera foi apontada usando o Google Maps.

Bem, sabemos que a filmagem foi realizada a partir da janela de um prédio comercial, que fica bem próximo (praticamente em frente) do Santuário e Convento de Santo Antônio, no Largo da Carioca, no centro da cidade do Rio de Janeiro. Ao fundo, podemos ver nitidamente o edifício da Central do Brasil
Imagem ampliada mostrando o campo de visão do local onde a filmagem foi realizada, sendo que a faixa verde
seria a direção mais provável para a qual a câmera estaria apontada
Conforme vocês puderam ver logo acima, essa era a direção e o campo visual aproximado para qual a câmera estava apontada. Outro detalhe que vocês precisam saber é que o pôr do sol, no Rio de Janeiro, no dia 14 de junho, aconteceu as 17h15, conforme vocês podem observar na tabela abaixo que é fornecida pelo site "Time and Date.":

Outro detalhe que vocês precisam saber é que o pôr do sol, no Rio de Janeiro, no dia 14 de junho, aconteceu as 17h15.
Por falar em Sol, a posição e a direção que o mesmo estava se pondo naquele dia é perfeitamente compatível com a direção aproximada que indicamos nos mapas acima. Confira o arco que o Sol estava fazendo no horizonte, no mesmo dia em que a filmagem foi realizada, a partir do ponto de vista de alguém que estivesse, por exemplo, no telhado do Convento de Santo Antônio, através do site SunCalc e Sun Earth Tools (apesar de ambos apresentarem leves diferenças):

Confira o arco que o Sol estava fazendo no horizonte, no mesmo dia em que a filmagem foi realizada, a partir do ponto de vista de alguém que estivesse, por exemplo, no telhado do Convento de Santo Antônio (a linha vermelha mostra a direção do pôr do sol), através do site SunCalc...
...e Sun Earth Tools (apesar de ambos apresentarem leves diferenças)
Agora, vem a melhor parte. Sabemos que bem perto do local da filmagem, na parte direita do mapa está o aeroporto Santos Dumont. Assim sendo, podemos facilmente consultar a chamada de "carta de aproximação" do mesmo, ou seja, a rota que as aeronaves executam para podem pousar no aeroporto.

Afinal de contas, os aviões não podem fazer o caminho que querem, tudo é extremamente organizado para evitar que haja uma colisão em pleno ar. Portanto, observe um dos gráficos da carta de aproximação por instrumentos do Aeroporto Santos Dumont, que mostra exatamente esse caminho:

Observe um dos gráficos da carta de aproximação por instrumentos do Aeroporto Santos Dumont,
que mostra exatamente esse caminho
É possível notar, que um avião vindo, por exemplo, de São Paulo seguiria praticamente em linha reta, até chegar a altura do bairro de Bonsucesso, onde mudaria a direção, inclinando levemente para a direita, e para posteriormente fazer uma curva bem acentuada sobre o mar, na altura da Ponte Presidente Costa e Silva, popularmente conhecida como Ponte Rio–Niterói, se encaminhando para pouso no Aeroporto Santos Dumont.

Reparam que a câmera que filmou o suposto "OVNI", estava apontada justamente para a direção da trajetória utilizada pelas aeronaves comerciais? Pois bem, considerando então que fosse nada além de uma aeronave passando em frente ao Sol, era apenas uma questão de tentar identificá-la. Sendo muito generosos nesse ponto, vamos estimar que a gravação tenha sido realizada entre 16h30 e 17h15 (embora o mais provável é que tenha ocorrido por volta das 17h).

Assim sendo, podemos notar através do site FlightRadar24, que três aeronaves eram compatíveis com esse intervalo de tempo, e direção para onde a câmera estava apontada. As duas primeiras (referentes aos voos GLO1036 e ONE6010), no entanto, seriam as menos prováveis:

A imagem mostra o voo GLO1036 da Gol Linhas Aéreas que decolou as 16h do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com previsão para pousar as 16h40 no Aeroporto Santos Dumont (sendo que o FL24 aponta que a aeronave pousou as 16h35) do dia 14 de junho, mesmo dia da filmagem ocorrida no centro do Rio de Janeiro
A imagem mostra o voo ONE6010 da companhia aérea Avianca, que decolou do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, as 16h09 com previsão de pouso as 17h no Aeroporto Santos Dumont (sendo que o FL24 aponta que a aeronave pousou as 16h47) do dia 14 de junho
Já a terceira e mais provável aeronave de ter sido filmada pelo responsável pela página "Rio de Nojeira", corresponderia ao voo GLO1038, que era realizado por um Boeing 737-8EH, prefixo PR-GUQ, conforme vocês podem ver abaixo, passando sobre o Complexo do Alemão as 17h05.

Aliás, essa aeronave decolou as 16h29 do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, em direção ao Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com previsão para pousar as 17h10 (o site aponta que o mesmo teria pousado as 17h09). Vale ressaltar, que o horário que aparece em todas as imagens é o UTC, ou seja, precisamos descontar cerca de 3h para ajustá-lo ao horário de Brasília:

Já a terceira seria a mais provável de ter sido filmada pelo responsável pela página "Rio de Nojeira", simplesmente o voo GLO1038, no qual era realizada por um Boeing 737-8EH, prefixo PR-GUQ, conforme vocês podem ver acima, sobre o Complexo do Alemão as 17h05 (sendo que o FL24 aponta que a aeronave pousou as 17h09)
Muitos ainda podem alegar, muito embora tecnicamente tudo indique seja uma aeronave comercial, e muito provavelmente o voo GLO1038 da Gol Linhas Aéreas, que um avião não poderia provocar aquele efeito luminoso, e que com certeza seria algo vindo espaço sideral.

Bem, já havíamos descartado essa hipótese "sideral" anteriormente, e para mostrar que estamos diante de um avião e que o mesmo poderia causar tal efeito, confira esse vídeo abaixo, que foi publicado em um canal de terceiros, no YouTube, onde mostra a filmagem de uma mera aeronave cruzando o horizonte, durante um entardecer:



Agora, confira esse outro vídeo, publicado por um outro canal no YouTube, mostrando o efeito e a distorção na atmosfera, que são causados por aeronaves cruzando em frente ao Sol (o melhor exemplo aparece em 3:01):



Aliás, em 0:59 é possível ver um pássaro cruzando em frente ao Sol, desaparecendo ao passar por ele, justamente devido a luminosidade do próprio Sol. Será que alguém acha, que o pássaro também entrou e saiu do Sol? Isso seria simplesmente impossível.

Em termos de velocidade, as aeronaves comerciais naquele ponto onde o site FlightRadar24 indica, geralmente cruzam os céus a aproximadamente 400 km/h, o que é perfeitamente compatível se calculássemos a distância que estamos do Sol, seu respectivo tamanho, proporção e perspectiva de qualquer objeto passando a frente do mesmo em razão da distância em que o mesmo é filmado. Isso sem considerar o zoom que eventualmente seja aplicado, que nesse caso ocorrido no Rio de Janeiro é bem grande. Resumindo? Não há nada de errado ou sobrenatural em relação a velocidade.

Para fins de curiosidade, veja abaixo o efeito gerado, quando uma aeronave em velocidade supersônica, um Northrop T-38C, a 1.300 km/h, passou em frente ao Sol, em setembro de 2016 (é tão rápido que ainda vemos o efeito luminoso no início de sua passagem, à esquerda):

Um T-38C da Escola de Piloto de Teste da Força Aérea dos Estados Unidos passando em frente ao Sol a uma velocidade supersônica, criando ondas de choque que foram registradas fotograficamente para pesquisas. A NASA usou uma versão moderna de uma técnica de fotografia alemã de 150 anos - as imagens de Schlieren - para visualizar os fenômenos de fluxo supersônico.
Não vemos o avião como uma mancha escura passando em frente ao Sol em razão da distância e da luminosidade do próprio Sol, tal como aconteceu em relação ao pássaro. O "tremulado" que vemos na filmagem é um efeito causado pela refração atmosférica (assim como vemos o horizonte parecendo estar ondulado em uma estrada, em um dia bem quente). Já o que parece ser um rastro luminoso, nada mais é do que a luz do sol interagindo visualmente, a partir daquele ponto de observação, com os gases extremamente quentes saindo das turbinas do avião (note que a luminosidade inicialmente aparece quase na metade do "objeto", justamente na parte das asas). Basicamente isso.

Se essa mesma pessoa gravasse o mesmo pôr do Sol diariamente, entre 16h30 e 17h30, diante daqueles mesmas condições atmosféricas, com certeza filmaria outras aeronaves provocando os mesmos efeitos. De qualquer forma, o vídeo da página "Rio de Nojeira" é belíssimo, e servirá de base futura para outros casos, servindo de exemplo para tantas pessoas que, assim como eu, buscam a veracidade em relação ao que escrevem. É muito mais do que um mero convencimento, mas mostrar diante de dados, evidências e muita pesquisa, uma explicação plausível para que os nossos olhos muitas vezes não acreditam ou não querem acreditar, seja por falta de conhecimento ou por ganância.

Até a próxima, AssombradOs!

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-3538757/Spot-jet-Incredible-soundwave-pictures-Nasa-using-develop-generation-supersonic-passenger-planes-revealed.html
http://www.galeriadometeorito.com/2014/09/qual-diferenca-explosao-solar-EMC-tudo-sobre-tempestade-solar.html
https://www.facebook.com/riodenojeira/videos/1381810435188222/
https://www.facebook.com/riodenojeira/videos/1382259448476654/
https://www.facebook.com/riodenojeira/videos/1383491751686757/
https://www.flightradar24.com/data/flights/g31036#dbbf2f7

https://www.flightradar24.com/data/flights/g31038#dbc058e
https://www.flightradar24.com/data/flights/o66010#dbbf24c
https://www.nasa.gov/image-feature/t-38c-passes-in-front-of-the-sun-at-supersonic-speed/
Comentários