28 de abril de 2017

Transplante de Cabeça: Sergio Canavero Confirma Polêmica Operação nos Próximos 10 Meses e Anuncia Transplante de Cérebro!



Por Marco Faustino

Nossa! Faz tempo que não escrevia sobre o "Dr. Sergio Canavero", e confesso que estava quase sentindo falta dele. Acreditem, não é para menos, visto que sou responsável por sete das oito postagens sobre um assunto chamado "transplante de cabeça". Sei que muitos de vocês, em um passado recente, nos pediram para comentarmos sobre supostas novidades que a mídia começou a divulgar no primeiro trimestre desse ano, mas na verdade tínhamos apenas assuntos "reciclados": a mesma história estava sendo contada novamente pelos sites de notícias, apenas para ganhar alguns "trocados", em termos de acesso e publicidade, em seus respectivos veículos de comunicação. Nada além disso. A última atualização que tínhamos até ontem (27), era referente a uma postagem que fiz em novembro do ano passado, ou seja, cerca de seis meses atrás. Naquela ocasião, mostramos a vocês as novidades reveladas pelo Dr. Sergio Canavero durante uma conferência, na Faculdade Real de Médicos e Cirurgiões de Glasgow, na Escócia. Ele anunciou que seria utilizado um sistema de realidade virtual, comentou sobre a "nanolâmina" e também apontou os eventuais progressos com o "Texas-PEG", uma versão aprimorada do polietilenoglicol, ou simplesmente PEG, que poderia ajudar a reconectar a medula espinhal cortada, e que estaria sendo desenvolvida por uma equipe da Universidade de Rice, em Houston, no estado norte-americano do Texas.

Está se sentindo meio perdido em toda essa história? Então, recomendo que leia as seguintes postagens, que estão em ordem cronológica para que você não perder nenhum detalhe de todo esse caso, que vem se arrastando há um bom tempo. Sei que pode demorar um pouco, mas recomendo a leitura para que você esteja muito bem informado sobre esse assunto e não caia nas armadilhas midiáticas que frequentemente ocorrem sobre temas assim:
Agora, depois de muito tempo sem aparecer na mídia, o Dr. Sergio Canavero apareceu em uma entrevista divulgada na revista eletrônica "OOOM", no qual aparentemente ele tem um determinado contrato de imagem (incluindo uma espécie de "assessoria de imprensa"), e uma certa preferência na divulgação das novidades sobre o que muitos estão considerando como o primeiro transplante de cabeça do mundo. Vamos saber mais sobre esse assunto?

Fique por Dentro da Última Atualização que Fizemos Sobre o Transplante de Cabeça, e que Ocorreu em Novembro do Ano Passado (2016)


Se você já conhece essa história, lembra mais ou menos do assunto e está com preguiça de acompanhar todo esse caso desde o começo, é interessante que você saiba ao menos o que ocorreu na conferência realizada no ano passado, na Escócia. Conforme mencionamos anteriormente, o Dr. Sergio Canavero foi um dos palestrantes da Glasgow Neuro Conference 2016, que foi realizada entre os dias 18 e 19 de novembro do ano passado, na Faculdade Real de Médicos e Cirurgiões de Glasgow, na Escócia.

Conforme mencionamos anteriormente, o Dr. Sergio Canavero foi um dos palestrantes da Glasgow Neuro Conference 2016, que foi realizada entre os dias 18 e 19 de novembro do ano passado, na Faculdade Real de Médicos e Cirurgiões de Glasgow, na Escócia
Aparentemente, se fôssemos considerar as fotos que foram tiradas e publicadas na página oficial da conferência, no Facebook (clique aqui para ver mais fotos), tudo indicava que essa tivesse sido mais uma apresentação fantasiosa e teatral do Dr. Sergio Canavero, visto que normalmente ele apresenta sua iniciativa dessa forma. Infelizmente, não temos uma análise mais aprofundada do que aconteceu. Se ele viesse ao Brasil, com certeza estaríamos na sala de conferência anotando todos os detalhes e passando as nossas impressões para vocês.

Aparentemente, se fôssemos considerar as fotos que foram tiradas e publicadas na página oficial da conferência, no Facebook, tudo indicava que essa tivesse sido mais uma apresentação fantasiosa e teatral do Dr. Sergio Canavero, visto que normalmente ele apresenta sua iniciativa dessa forma.
Foto do Dr. Sergio Canavero durante a Glasgow Neuro Conference 2016
Um exemplo bem claro sobre a teatralidade do Dr. Sergio Canavero, foi a avaliação da mídia norte-americana quando ele tentou recrutar médicos na conferência anual da Academia Americana de Cirurgiões Neurológicos e Ortopédicos (AANOS), em junho de 2015, no Hotel Westin, na cidade de Annapolis, Maryland, nos Estados Unidos.

Na época, o evento foi considerado bem pequeno, talvez contando com mais ou menos 100 cirurgiões. Pode parecer pouco, mas a organizadora da conferência, Maggie Kearney, passou boa parte do dia evitando os repórteres na expectativa de uma sala lotada. Ela disse que em cerca de 15 anos não conseguia se lembrar de um único repórter, que tinha estado presente na conferência antes (leia mais: Transplante de Cabeça: Sergio Canavero Tenta Recrutar Médicos em Recente Conferência nos Estados Unidos). Querendo ou não, naquela época o assunto havia despertado um grande interesse da mídia.

O Dr. Sergio Canavero, no entanto, não convenceu a maioria dos repórteres e médicos presentes, e aparentemente mudou seu itinerário desde então, fazendo visitas a China, Índia e Reino Unido, talvez em busca de menos questionamentos e mais apoio a sua iniciativa, por assim dizer. A palestra de Sergio Canavero na Glasgow Neuro Conference 2016 era a segunda vez, em três meses, que ele conseguia uma maior visibilidade na poderosa e icônica mídia britânica.

A palestra de Sergio Canavero na Glasgow Neuro Conference 2016 era a segunda vez, em três meses, que ele conseguia uma maior visibilidade na poderosa e icônica mídia britânica
Mais uma foto do Dr. Sergio Canavero durante a Glasgow Neuro Conference 2016, mostrando
um esquema básico de como funcionaria o primeiro transplante de cabeça humana do mundo
Foto do Dr. Sergio Canavero juntamente com os organizadores
e alguns participantes da Glasgow Neuro Conference 2016
Entretanto, será que daquela vez o Dr. Sergio Canavero conseguiu convencer aqueles que estavam presentes? Será que ele apresentou novidades realmente revolucionárias de modo a dar mais um passo em direção ao polêmico e controverso transplante de cabeça humana? Bem, em novembro do ano passado, ele apresentou pela primeira vez, um sistema de realidade virtual para o transplante de cabeça desenvolvido por uma empresa chamada Inventum Bioengineering Technologies, de Chicago, no estado norte-americano do Illinois. Também pela primeira vez, ele apresentou o "projeto" da tão falada "nanolâmina", que estaria sendo desenvolvida pelo Dr. Farid Amirouche, da Universidade do Illinois, também nos Estados Unidos. Iremos conhecer um pouco mais sobre ambos daqui a pouco.

Em entrevista a Sky News, o Dr. Sergio Canavero disse que estava tentando fazer com que esse procedimento pudesse ser realizado nas mais diversas partes do mundo. Ele mencionou que a "Ásia" já estava se adiantando nesse sentido, e por isso as pessoas deveriam aguardar por mais notícias nos próximos meses. Além disso, segundo Sergio Canavero, o Reino Unido estava bem preparado para fazer isso. Confira um trecho dessa entrevista em um canal de terceiros, no YouTube (em inglês):



"A todos os críticos eu digo que venham e vejam o que acontece quando você é afetado por uma doença debilitante... Troque de lugar (com o Valery Spiridov) e, então, você me conta. Essa é minha contracrítica para os críticos", disse Canavero. O site BreakingNews.ie também publicou uma outra declaração do Dr. Sergio Canavero sobre o local onde esse procedimento seria realizado, uma vez que havia muita discussão nesse sentido. Vale ressaltar que Sergio Canavero sempre se mostrou bem aleatório nesse sentido.

"Há muitos países dispostos a me acompanhar além da Europa ou dos Estados Unidos. Atualmente, estou tentando levar o procedimento de Leste para Oeste. Vou dar o meu melhor para que isso aconteça aqui no Reino Unido", disse Sergio Canavero.

"Por qual razão? Bem, tive um retorno muito positivo da Grã-Bretanha e dos cirurgiões. Acredito que poderíamos ter um verdadeiro progresso se levarmos isso a sério aqui. Portanto, é hora de vocês, aqui na Grã-Bretanha, começarem a discutir todas as implicações éticas, e se vocês desejam que isso aconteça aqui, porque se o Reino Unido disser não, então isso será realizado em outro lugar. Contudo, a Europa e o Reino Unido realmente parecem os locais mais promissores", completou.

O Sistema de Realidade Virtual de uma Empresa Chamada Inventum Bioengineering Technologies


A empresa Inventum Bioengineering Technologies aparentemente é outra incógnita nessa equação, que não fecha sobre o transplante de cabeça. É possível notar que o domínio utilizado pela mesma, ou seja, o endereço "bioeng.tech" tinha criado em setembro do ano passado, e atualizado no começo do mês de novembro, coincidindo com a aparição pública do Sergio Canavero. A página oficial no Facebook aparece como sendo criada em outubro de 2014, porém é associada a uma empresa chamada Inventum Digital Inc, que se autointitula uma agência digital de criação, que gera e implementa soluções inovadoras e envolventes de mídia digital. Estranho, não é mesmo?

A empresa Inventum Bioengineering Technologies aparentemente é outra incógnita nessa equação,
que não fecha sobre o transplante de cabeça
Existe até mesmo uma página para a Inventum Bioengineering Technologies, no Facebook, que aparecia como se tivesse sido criada em novembro do ano passado, mas teve sua primeira foto de perfil inserida somente alguns meses antes, em 10 de setembro. Será que essa empresa poderia ser uma espécie de subsidiária da Inventum Digital Inc? Seria apenas uma fachada publicitária?

O canal oficial no YouTube até hoje possui vídeos bem aleatórios, sendo que alguns foram publicados há 2 anos. De qualquer forma, nada indica que a Inventum Bioengineering Technologies tenha qualquer experiência no ramo da medicina ou da bioengenharia. Infelizmente, diante da dimensão dessa história, soa muito pouco para fazer parte um procedimento tão complexo.

"Na preparação do paciente do HEAVEN para a transição para um novo corpo, o treinamento de realidade virtual será utilizado antes do procedimento cirúrgico para prevenir a ocorrência de reações psicológicas inesperadas. Estamos combinando os mais recentes avanços na realidade virtual para desenvolver o primeiro protocolo do mundo para a preparação do paciente para a liberdade corporal após o procedimento de transplante", disse Alexander Pavlovcik, suposto presidente executivo e co-fundador da Inventum Bioengineering Technologies, em texto publicado no site da revista OOOM.

Na preparação do paciente do HEAVEN para a transição para um novo corpo, o treinamento de realidade virtual será utilizado antes do procedimento cirúrgico para prevenir a ocorrência de reações psicológicas inesperadas,  disse Alexander Pavlovcik
Estamos combinando os mais recentes avanços na realidade virtual para desenvolver o primeiro protocolo do mundo para a preparação do paciente para a liberdade corporal após o procedimento de transplante, completou Alexander Pavlovcik
"O paciente será imergido em experiências de realidade virtual que envolverão atividades que exigem o uso de movimentos corporais. Essas experiências são desenvolvidas em referência às técnicas utilizadas na neuro(re)habilitação convencional, com o propósito de fornecer sensações mais realistas envolvidas nas funções motoras voluntárias. O paciente passará pelo treinamento de realidade virtual meses antes do início do procedimento HEAVEN, com o objetivo de se preparar de modo adequado para a normalidade da vida em um novo corpo", disse Kiratipath Iamsakul, suposto co-fundador e diretor do Departamento de Ciências da Inventum Bioengineering Technologies.

Confira o vídeo divulgado pela Inventum Bioengineering Technologies, em um canal de terceiros, no YouTube, mostrando rapidamente o esquema geral de funcionamento dessa realidade virtual (aliás, esse é o único vídeo divulgado até hoje sobre o caso, sendo que a primeira versão do mesmo não contava com introdução e final):



"O sistema de realidade virtual da Inventum prepara o paciente da melhor maneira possível para um novo mundo, que ele enfrentará com seu novo corpo. Um mundo em que ele será capaz de andar novamente", disse o Dr. Sergio Canavero.

"As simulações de realidade virtual são extremamente importantes, visto que esses sistemas permitem a interatividade ao realizar ações e o aprendizado de forma rápida e eficiente. Como cientista da computação, estou extremamente seguro de que seja uma tecnologia essencial para o projeto HEAVEN", disse Valery Spiridonov.

A "Nanolâmina" do Dr. Farid Amirouche, da Universidade do Illinois, nos Estados Unidos


Durante a conferência, o Dr. Sergio Canavero apresentou apenas o projeto da "nanolâmina", assim como algumas imagens de como esse dispositivo seria. No entanto, ele não exibiu nenhum instrumento físico ao presentes, apenas através de slides durante sua palestra.

Farid Amirouche professor de Engenharia Mecânica
e Bioengenharia na Universidade de Illinois, em Chicago
Na página da revista OOOM, Farid Amirouche é apresentado como professor de Engenharia Mecânica e Bioengenharia na Universidade de Illinois, em Chicago, e diretor do Laboratório de Pesquisa de Biomecânica e de Ortopedia. Segundo o que consta, ele teria desenvolvido um dispositivo de corte cirúrgico inteligente para o transplante de cabeça.

O dispositivo de corte poderia ser utilizado em neurocirurgia e para procedimentos cirúrgicos delicados - em que a profundidade, a velocidade, o material e o ângulo são os parâmetros primários - e que necessitem de cortes realizados com precisão da ordem de micrômetros ou até mesmo nanômetros.

"O cortador do sistema inclui suporte para uma lâmina descartável, em conjunto com uma lâmina de corte de diamante, além de um conjunto de lâminas que deslizam de dentro para fora em uma cabeça rotativa, com um suporte retrátil e ajustável para evitar que a lâmina avance mais do que o necessário em relação ao diâmetro do nervo", disse Farid Amirouche, identificado como o autor de 7 livros e mais de 240 artigos técnicos.

Um conjunto refletor de luzes é utilizado no suporte ajustável para uma fornecer uma luz adicional e detectar a superfície do nervo, assim como sua posição em relação à lâmina", completou.

Durante a conferência, o Dr. Sergio Canavero apresentou apenas o projeto da "nanolâmina",
assim como algumas imagens de como esse dispositivo seria.
"A exposição da lâmina bem como a sua velocidade de corte são ajustáveis para permitir que o cirurgião tenha a melhor forma de realizar o processo de corte em tempo real. A cabeça ajustável também pode vir equipada com uma câmara de aspiração com temperatura controlada para minimizar a perda de sangue e manter a integridade da estrutura do nervo durante a cirurgia", completou.

No entanto, o Dr. Sergio Canavero não exibiu nenhum instrumento físico ao presentes,
apenas através de slides durante sua palestra
"O professor Amirouche provavelmente desenvolveu a lâmina mais afiada e precisa do mundo, que permitirá um corte limpo da medula espinhal, com um impacto mínimo nos nervos. Um sistema de corte que é inovador e muito criativo. Esse é um outro marco na jornada para tornar possível o primeiro transplante de cabeça humana", disse o Dr. Sergio Canavero.

De qualquer forma, conforme mencionamos anteriormente, o Dr. Sergio Canavero não apresentou qualquer objeto físico durante essa conferência realizada em Glasgow, na Escócia. Porém, isso era meio que "previsível", diante de tanto falatório da parte dele.

Houve Progresso com o Texas-PEG?


Para terminar aquela atualização sobre como estava a situação da iniciativa, que visa realizar o primeiro transplante de cabeça humana do mundo, tive que falar, é claro, se houve algum progresso ou não do Texas-PEG, a versão aprimorada do polietilenoglicol, que tanto o Dr. Sergio Canavero menciona. Afinal, esse produto seria a "cola" para unir as duas extremidades da medula espinhal, que serão cortadas com a tal "nanolâmina" mencionada anteriormente.

Segundo o texto publicado na revista OOOM, o professor C-Yoon Kim, que aparece como pertencente a Universidade de Konkuk, em Seoul, na Coreia do Sul, teria repetido o procedimento com Texas-PEG em mais três ratinhos (sim ele já havia feito isso anteriormente): todos eles teriam recuperado completamente a função motora, e teriam sido capazes de se movimentarem e se alimentarem. O grupo de controle formado por outros três ratinhos não teria sobrevivido. C-Yoon Kim ainda teria dito que continuaria realizando o estudo em mais ratos, e que publicaria os resultados científicos em breve (conforme vocês podem perceber, isso não aconteceu).

O professor C-Yoon Kim, que aparece como pertencente a Universidade de Konkuk, em Seoul, na Coreia do Sul, teria repetido o procedimento com Texas-PEG em mais três ratinhos: todos eles teriam recuperado completamente a função motora, e teriam sido capazes de se movimentarem e se alimentarem
"Estes resultados provam que uma medula espinhal cortada pode ser reconstruída, e que o Texas-PEG vai desempenhar um papel fundamental no primeiro transplante de cabeça humana. Também haverá mais estudos no futuro sobre doadores mortos, antes da coleta de orgãos, mas os resultados atuais parecem bem promissores, e que estamos no caminho certo", disse o Dr. Sergio Canavero, que na época aparecia como como ex-diretor do Grupo de Neuromodulação Avançada de Turim, na Itália

C-Yoon Kim também é uma outra incógnita nessa história. Aparentemente, C-Yoon Kim teria trabalhado como pesquisador sênior no Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Nacional de Seoul, entre setembro de 2013 e setembro de 2015. Posteriormente, ele teria trabalhado como professor-pesquisador na Faculdade de Medicina da Universidade de Konkuk, entre setembro de 2015 e fevereiro de 2016.

Resumindo? Apesar de C-Yoon Kim, em seu perfil no Facebook, teoricamente mencionar que pertence a Faculdade de Medicina da Universidade CHA (Christianity Humanism Academia), parece haver um esforço para elevar suas credenciais atuais para dar "uma maior credibilidade a iniciativa" em realizar o primeiro transplante de cabeça humana. No mínimo, estranho.

A Recente Entrevista com o Dr. Sergio Canavero, que Foi Divulgada Pela Revista Eletrônica "OOOM"


Bem, agora que você se recordou um pouco sobre esse assunto, nada mais justo do que mostrar para vocês, na íntegra, como a entrevista do Dr. Sergio Canavero para a revista eletrônica "OOOM". Confira abaixo o texto completo e devidamente traduzido, é claro.

"Quatro anos atrás, seu anúncio foi divulgado em todos os meios de comunicação globais: o professor Sergio Canavero, renomado neurocirurgião de Turim, está planejando o primeiro transplante de cabeça humana. O clamor subsequente ressoou alto em toda a comunidade médica: muitos especialistas concordaram que tal empreendimento nunca seria bem sucedido, muito menos em qualquer ponto nas próximas décadas.

Quatro anos atrás, seu anúncio foi divulgado em todos os meios de comunicação globais: o professor Sergio Canavero, renomado neurocirurgião de Turim, está planejando o primeiro transplante de cabeça humana
Entretanto, juntamente com diversas equipes nos Estados Unidos, China e Coreia do Sul, o autor de mais de 140 publicações científicas continuou a perseguir o plano que ele chamou de HEAVEN (HEad Anatomosis VENture). Em seu protocolo GEMINI, Canavero esboça cada passo necessário do procedimento, em detalhes, disposto como se fosse um manual de instruções. Enquanto os veículos de comunicação divulgavam seu projeto em suas mais diversas características e o transmitia ao redor do mundo, da 'CNN' ao 'New York Times', do britânico 'The Independent' ao 'The Guardian', Sergio Canavero alcançou um marco após o outro. Em entrevista exclusiva à OOOM, o médico revela, pela primeira vez, fatos sobre um procedimento, que pode não só mudar fundamentalmente a medicina, mas também a vida de milhões de pessoas em cadeiras de rodas:
  • O primeiro transplante de cabeça humana do mundo será realizado dentro dos próximos 10 meses;
  • O procedimento será realizado na China;
  • O experiente cirurgião Xiaoping Ren da Universidade de Medicina de Harbin, um amigo próximo de Canavero, liderará a equipe cirúrgica no transplante de cabeça. Ele anteriormente fazia parte da equipe responsável pelo primeiro transplante de mão, nos Estados Unidos;
  • O primeiro paciente a receber o transplante de cabeça não será o russo Valery Spiridonov, mas um cidadão chinês;
  • Já existem potenciais candidatos para a operação;
  • Enquanto isso, o professor Sergio Canavero já está planejando seu próximo passo: o primeiro transplante de cérebro do mundo, programado para ocorrer, no máximo, em três anos. Ele já começou a montar uma equipe para esse procedimento;
  • Para esse propósito, já está em fase de planejamento a criação do primeiro instituto de extensão da vida - uma instalação em que tais procedimentos poderiam ser conduzidos no futuro.
Resultados incríveis. Xiaoping Ren vai anunciar o dia exato para o procedimento de transplante de cabeça, em uma coletiva especial de imprensa, que será realizada na China, nos próximos dois meses. Muitos experimentos já foram conduzidos e, de acordo com o professor Sergio Canavero, renderam 'resultados incríveis, algo que mudará o curso da medicina'. O Dr. Xiaoping Ren publicará suas descobertas em revistas médicas renomadas, em um futuro próximo. O primeiro transplante de cabeça do mundo supostamente coloca muito menos obstáculos cirúrgicos e médicos do que se imaginava anteriormente. A duração do procedimento supostamente será significativamente menor do que 72 horas.

Dois excelentes cientistas, e dois amigos próximos: o professor Sergio Canavero e seu parceiro chinês, o Dr. Xiaoping Ren, que liderará a equipe durante o primeiro procedimento de transplante de cabeça.
'Posso apenas dar os parabéns ao meu amigo e colega Xiaoping Ren. Sua realização é um golpe de mestre', disse Sergio Canavero, em uma entrevista exclusiva para a revista eletrônica 'OOOM', onde ele declarou, pela primeira vez, os fatos desse procedimento inovador.

P: Professor Sergio Canavero, há quatro meses, o jornal The New York Times anunciou em um parágrafo de cinco linhas, que o primeiro transplante de cabeça do mundo seria realizado em dezembro de 2017, na cidade chinesa de Harbin. Até agora, isso não foi confirmado. Essa informação procede?
R:
Sim, procede. O primeiro transplante de cabeça humana do mundo será realizado em menos de 10 meses. A equipe chinesa de médicos é liderada pelo Dr. Xiaoping Ren da Universidade de Medicina de Harbin, meu amigo, e um cirurgião extraordinariamente capaz. A operação será realizada em Harbin.

P:  O que você pode nos dizer de concreto sobre a operação?
R: No momento, não posso entrar em detalhes. Quando chegar a hora, a notícia oficial será anunciada pela equipe do Dr. Xiaoping, na China. No momento, só posso dizer que houve um grande progresso em experimentos médicos que pareciam impossíveis, mesmo recentemente, assim como alguns meses atrás. Os objetivos que foram alcançados, sem dúvida, vão revolucionar a medicina. Isso é o que eu posso dizer. Acabamos de submeter os resultados desses estudos para publicação em periódicos científicos renomados, por isso não queremos antecipar a próxima publicação.

"O primeiro transplante de cabeça humana do mundo será realizado em menos de 10 meses. A equipe chinesa de médicos é liderada pelo Dr. Xiaoping Ren da Universidade de Medicina de Harbin (na foto), meu amigo, e um cirurgião extraordinariamente capaz. A operação será realizada em Harbin", disse Sergio Canavero
P: Se o primeiro transplante de cabeça do mundo irá acontecer na China, então o candidato russo Valery Spiridonov não será o primeiro paciente dessa operação que será realizada?
R:
Correto. O primeiro paciente será chinês.

P: Já existem candidatos?
R: Sim, existem muitos candidatos. O que não é surpreendente, considerando que muitos voluntários de todo o mundo se apresentaram. No entanto, a decisão final só é tomada imediatamente antes da operação, uma vez que também depende do doador do corpo, que tem de ser compatível com o receptor de muitas maneiras.

P: Você está envolvido nos preparativos?
R: Claro. Entretanto, Xiaoping Ren lidera a equipe na China, o que é necessário por várias razões, não somente no aspecto do idioma. Nos falamos pelo Skype diariamente e coordenamos todos os passos. Xiaoping Ren também fazia parte da equipe que realizou o primeiro transplante de mão dos Estados Unidos sendo que, o que ele realiza em seu hospital, é incrível.

"O primeiro paciente será chinês", disse Sergio Canavero
P: Um dos problemas centrais que um transplante de cabeça impõe é o desafio de reconectar a medula espinhal cortada de uma forma que o controle do corpo e dos membros, através dos nervos, torne-se possível novamente. Especialistas consideram esse problema impossível de resolver.
R: Este problema já foi resolvido. Publicamos um artigo na edição de setembro de 2016, no periódico científico 'Surgical Neurology International', no qual descrevemos como conseguimos restaurar totalmente a funcionalidade e a atividade motora de medulas espinhas totalmente cortadas em camundongos usando um fluído chamado 'Texas-PEG', que foi desenvolvido por uma equipe na Universidade de Rice, liderada pelo Prof. James Tour.  Em outras palavras, os camundongos foram capazes de correr novamente, assim que as medulas espinhas foram restauradas. Não pretendo antecipar a publicação, mas posso dizer: muitos estudos controlados foram realizados na Coreia do Sul e na China, em uma grande variedade de animais bem diferentes, e os resultados são incontestáveis: a medula espinhal - e com ela a capacidade de se movimentar - pode ser totalmente restaurada.

P: Esses resultados terão um impacto sobre as pessoas sentadas em cadeiras de rodas?
R: Com base no conhecimento disponível hoje, podemos presumir que vamos entrar em uma nova era, que irá assegurar a esperança para muitas pessoas.

P: Se o primeiro transplante de cabeça for realmente realizado, você irá revolucionar a medicina. Qual será o próximo passo?
R: O próximo passo já está em andamento. Atualmente estamos planejando o primeiro transplante de cérebro do mundo, e considero que estaremos prontos, no máximo, em três anos. Um transplante de cérebro tem muitas vantagens: primeiramente, não existe problema de rejeição, visto que o cérebro é, de certo modo, um órgão neutro. Se você transplantar uma cabeça com vasos, nervos, tendões e músculos, a rejeição pode representar um enorme problema. Esse não é o caso do cérebro. O que pode ser problemático, no entanto, é que nenhum aspecto do seu corpo externo original permanece o mesmo. Sua cabeça não está mais lá; seu cérebro é transplantado para um crânio inteiramente diferente.

"Com base no conhecimento disponível hoje, podemos presumir que vamos entrar em uma nova era, que irá assegurar a esperança para muitas pessoas", disse Sergio Canavero
P: Isso não impõe sérios problemas para a psique humana? Somos capazes de compreender cognitivamente tal situação? Somos capazes de lidar com isso?
R: Isso cria uma nova situação, que certamente não será fácil, mas pense sobre o que isso significa.

P: Em relação ao que você se refere?
R: Você já ouviu falar da empresa Alcor?

P: Você quer dizer a empresa americana especializada em congelamento e armazenamento de corpos após a morte?
R: Exatamente. Você preserva o corpo inteiro ou apenas o cérebro. O processo é chamado de vitrificação. Primeiramente, seu corpo é congelado a - 196ºC, então é submergido em nitrogênio líquido. Dito isto, a Alcor não sabe quantos clientes da empresa serão trazidos de volta à vida. Em entrevistas, os porta-vozes da empresa tendem a afirmar que essa tarefa cabe a um dos médicos e cientistas do futuro resolver. Isso é legal, no entanto, para aqueles que saibam o que fazer com esses cérebros congelados daqui 100 ou 200 anos. Tenho boas notícias para eles.

P: Isso quer dizer que...
R: Vamos tentar trazer o primeiro dos pacientes da empresa de volta à vida, mas não em 100 anos. Tão logo o o primeiro transplante de cabeça humana seja realizado, no máximo em 2018, seremos capazes de tentar reavivar a primeira cabeça congelada.

"Quando chegar a hora, a notícia oficial será anunciada pela equipe do Dr. Xiaoping, na China. No momento, só posso dizer que houve um grande progresso em experimentos médicos que pareciam impossíveis, mesmo recentemente, assim como alguns meses atrás", disse Sergio Canavero
P: Isso significa que você pretende transplantar um dos cérebros congelados para o corpo de um doador?
R: Exatamente. Podemos testar se o método funciona, se o congelamento dos cérebros realmente faz sentido ou se podemos descartar essa abordagem inteira.

P: Na prática, isso significa que o transplante de cabeça será realizado antes do transplante de cérebro. Uma vez que a primeira cabeça for transplantada, você vai voltar suas atenções para o cérebro?
R: O processo já está em andamento. Estamos trabalhando nisso em paralelo.

P: Como os pacientes estão sendo preparados para o primeiro transplante de cabeça?
R: Desenvolvemos um sistema de realidade virtual juntamente com a Inventum Bioengineering Technologies, nossos parceiros do Vale do Silício. O sistema é projetado para dar aos pacientes a primeira sensação tangível de como será quando eles forem capazes de andar e se mover. Naturalmente, a psique desempenha um papel importante no processo, e queremos estar preparados para todas as eventualidades. Juntamente com o presidente executivo da Inventum, Alexander Pavlovcik, desenvolvemos o primeiro protocolo mundial para permitir que os pacientes treinem para seus novos corpos meses antes da operação real. Um estudo científico sobre o assunto será publicado na 'Surgery Neurology International.'

Nesse ponto, vocês podem conferir um pouco mais sobre o trabalho do Dr. Xiaoping Ren, em uma matéria divulgada pelo WSJ, em seu próprio canal no YouTube, em 2015, onde ele já comentava sobre a questão relacionada ao transplante de cabeça (áudio e legendas em inglês):



P: Você também desenvolveu um bisturi especial para o transplante de cabeça?
R: O Prof. Farid Amirouche, um dos principais especialistas da Universidade de Illinois, em Chicago, e o diretor do laboratório de pesquisa biomecânica, desenvolveu um bisturi muito especial que permite que os cirurgiões façam incisões em escalas de micrômetros ou nanômetros, que são mais precisas do que qualquer outro instrumento. É, sem dúvida, a lâmina mais afiada e mais precisa do mundo. O bisturi torna possível o corte da coluna vertebral, por meio de um corte limpo e com impacto mínimo sobre os nervos.

P:  O que você consideraria um sucesso? Se o paciente vivesse por horas, dias ou anos?
R: Se ele vivesse tanto quanto pudesse sendo um paciente tendo um órgão transplantado. Horas ou dias não seria um sucesso, mas um período substancialmente maior seria.

P: Qual foi o fator decisivo para realizar o primeiro transplante de cabeça na China?
R: As condições na China são ideais para tornar a operação um sucesso. Havia um certo número de opções em jogo, mas com Harbin, nós escolhemos o melhor.

P: Você conhece o hospital?
R: Claro. A Universidade de Harbin até me nomeou como professor 'honoris causa'. A China irá fornecer o hospital e equipe do Dr. Xiaoping Ren conduzirá a operação. Vou ajudar, e o primeiro paciente será chinês. Ao se tornar o primeiro país a transplantar uma cabeça humana, a China vai provar que tem uma posição de liderança na medicina. A China ganhará o Prêmio Nobel. O país já garantiu seu status em ciência e tecnologia e agora vai reivindicar o status de ser uma superpotência na medicina também.

"As condições na China são ideais para tornar a operação um sucesso. Havia um certo número de opções em jogo, mas com Harbin, nós escolhemos o melhor", disse Sergio Canavero
P: Como você vai se preparar para o transplante de cabeça?
R: Aprendi chinês há cinco anos, mergulhei na maneira chinesa de pensar, e descobri que os chineses são inteiramente diferentes de nós em todos os aspectos. A China vai nos mostrar que não somos capazes de realizar tal procedimento no mundo ocidental.

P: Ao falar do país, o que você associa com a "China"?
R: Meu primeiro pensamento é o Dr. Xiaoping Ren. Nós somos bons amigos. No entanto, Xiaoping Ren não é o Xiaoping Ren como pessoa. Xiaoping Ren é a China. Há autoridades locais, há o governo, e há a liderança do Estado. A China tem a tecnologia e todos os recursos necessários para realizar a operação. É por isso que vamos realizar o procedimento na China. Estou grato à China, porque o país compreendeu imediatamente a dimensão desse empreendimento.

P: O seu transplante de cabeça pode fornecer respostas para a questão da vida eterna ou o que acontece após a morte? Se existe um paraíso ou não?
R: Em poucos meses, vamos separar um corpo de sua cabeça em um procedimento médico sem precedentes. Nessa fase, não há atividade de vida - nem no cérebro, nem em qualquer outro lugar do corpo. O paciente está morto, clinicamente morto. Se nós trouxermos essa pessoa de volta à vida, nós receberemos o primeiro relato real do que acontece realmente após a morte. O transplante de cabeça nos dá a primeira visão sobre a existência de uma vida após a morte, um paraíso, um futuro, seja o que for que você quiser chamar, ou se a morte é simplesmente apertar um interruptor de luz.

"Se nós trouxermos essa pessoa de volta à vida, nós receberemos o primeiro relato real do que acontece realmente após a morte. O transplante de cabeça nos dá a primeira visão sobre a existência de uma vida após a morte, um paraíso, um futuro, seja o que for que você quiser chamar, ou se a morte é simplesmente apertar um interruptor de luz", disse Sergio Canavero
P: Isso pode abalar toda a nossa concepção do mundo.
R: Estou também realizando esta operação para provar ou refutar, que nossa consciência é criada pelo cérebro. Se formos capazes de provar que nosso cérebro não cria a consciência, duas coisas acontecerão: as religiões serão varridas para sempre. Elas não serão mais necessárias, já que os humanos não precisarão mais ter medo da morte. Eles saberão como um fato científico, que nossa consciência - ou seja o que for - sobrevive à morte. Não precisaremos mais de uma Igreja Católica, nem de Judaísmo, nem do Islã, porque as religiões em geral serão obsoletas. Em segundo lugar, vamos nos perguntar qual é o significado da vida. Eu nasci, vivi, e morri, e durante esse tempo, envelheci e adoeci. Qual é o propósito da minha vida? Se tirarmos a esperança da equação humana da vida, então, o que resta?

P: Uma visão negativa...
R: Penso muito nisso. Será um momento significativo, uma virada na história humana, quando finalmente seremos capazes de provar o que especulamos, o que discutimos e questionamos durante séculos. Sou em prol da vida, acredito na vida.

A Reveladora Entrevista Concedida Pelo "Professor" Kim C-Yoon


Algo que poucos sabem, no entanto, é que justamente ontem (27), no mesmo dia que a revista eletrônica "OOOM" publicou a entrevista com Sergio Canavero, um site de notícias chamado "Korea Biomedical Review" (criado em meados do ano passado) publicou uma outra entrevista, mas dessa vez com Kim C-Yoon, uma das incógnitas dessa equação.

"Meu trabalho provou que poderíamos reunir a medula espinhal se for cortada de forma limpa, com o auxílio de polietilenoglicol (PEG), um adesivo químico que preserva as membranas das células nervosas", disse o Kim C-Yoon, "professor" da Universidade de Konkuk, em entrevista para a Korea Biomedical Review. No texto é mencionado que o professor Xiaoping Ren havia publicado dois artigos em 2014, após realizar 1.000 transplantes de cabeça em camundongos e macacos (algo que já havíamos comentado).

"O Professor Ren realizou transplantes de cabeça nesses animais, reconectando os vasos sanguíneos, enquanto eu restabelecia a medula espinhal gravemente danificada em camundongos e num cão. Ambas as pesquisas foram necessárias para realizar o primeiro transplante de corpo inteiro humano para o projeto 'HEAVEN'", continuou.

"Meu trabalho provou que poderíamos reunir a medula espinhal se for cortada de forma limpa, com o auxílio de polietilenoglicol (PEG), um adesivo químico que preserva as membranas das células nervosas", disse o Kim C-Yoon (na foto), "professor" da Universidade de Konkuk, em entrevista para a Korea Biomedical Review
Agora, vejam que interessante. Questionado sobre o motivo pelo qual o processo cirúrgico permanece muito lento, Kim citou problemas financeiros que acompanham essa complexa operação.

"Quase todos os países proíbem esse controverso processo cirúrgico; Portanto, ainda estamos tentando encontrar um lugar para realizar essa cirurgia. Muitas pessoas entendem isso da forma errada, acreditam que estamos buscando dinheiro ou fama com essa operação, mas isso está longe de ser verdade", disse Kim, citando um transplante duplo de mão, em 2015, que foi realizado nos Estados Unidos, em um menino de 8 anos chamado Zion, que havia sofrido sepse. Somente a cirurgia custou US$ 60 milhões, exigiu 50 médicos e levou 11 horas para terminar. O transplante de corpo inteiro custará US$ 178 milhões, requer 150 médicos, e levará aproximadamente 36 horas.

Kim C-Yoon é apontado como "professor" da Universidade de Konkuk (na foto), na Coreia do Sul
Na opinião de Kim, o propósito do primeiro transplante de corpo inteiro será um passo mais próximo do tratamento de mais pacientes com lesão medular, na recuperação da paralisia. Contudo, seus estudos estão enfrentando uma reação intensa, particularmente do grupo sul-coreano em defesa dos direitos dos animais (KARA), justamente devido aos seus experimentos com animais.

"Fico assustado sempre que as pessoas se concentram apenas nas questões éticas do transplante de corpo inteiro. O principal ponto é sobre como ajudar os doentes paralisados ​​a ter a oportunidade de andar novamente. Todo mundo tem o desejo de viver mais e mais saudável", acrescentou, citando o caso do Hospital W, em na cidade de Daegu, que recentemente realizou, com sucesso, o primeiro transplante de mão da Coreia do Sul. Graças à operação, a Coreia tornou-se um país que pode realizar transplantes de órgãos complexos.

Questionado sobre as semelhanças e dissimilaridades entre o transplante de corpo inteiro e transplante de mão, Kim respondeu que são quase idênticos. Na verdade, ele tentou compartilhar os resultados de suas pesquisas com os médicos responsáveis. No entanto, cientes da imagem negativa em torno de Kim, devido ao seu conturbado relacionamento com a KARA, os médicos disseram que não queriam se envolver nessa controvérsia.

Os estudos de Kim C-Yoon estão enfrentando uma reação intensa, particularmente do grupo sul-coreano em defesa dos direitos dos animais (KARA), justamente devido aos seus experimentos com animais
"É um desperdício de recursos. A Coreia do Sul possui uma das melhores tecnologias médicas do mundo, mas nenhum médico ou clínico se atreve a ser o primeiro a desafiar a moral convencional da sociedade", continuou.

Kim também expressou seus desejos de seguir o exemplo das empresas americanas e russas de criogenia, tais como a Alcor e KrioRus, para armazenar corpos (ou cérebros). Essas empresas internacionais usam a preservação em baixa temperatura (a -196 ° C) em nitrogênio líquido em pessoas que não podem ser mantidas vivas pela medicina contemporânea, com a esperança de que a reanimação e a restauração da saúde plena possam ser possíveis no futuro. Kim disse que enviou pedidos para que sua pesquisa fosse subsidiada, mas foi rejeitado quase que imediatamente. No momento, ele está colaborando com a Universidade de Rice, nos Estados Unidos para aproveitar ao máximo seu equipamento, topo de linha, com grafeno e outros materiais biocompatíveis.

Enfim, AssombradOs, acho que ficou claro que ainda existe muita névoa nessa história, e o Sergio Canavero parece bem mais um animador de auditório do qualquer outra coisa. Aparentemente, apesar das declarações, ele ainda não tem dinheiro e nem mesmo recursos tecnológicos suficientes para levar isso adiante, se é que ele realmente pretende fazer isso. Caso apareçam estudos científicos nesse sentido, provavelmente serão publicados pelo periódico com baixa expressividade. Vamos ver realmente o que acontecerá nos próximos meses, e se realmente o Dr. Xiaoping Ren, o único que aparentemente demonstra ter real capacidade médica nessa história, aparecerá em público e anunciará definitivamente uma data e que ele está realmente responsável por tal operação. Manteremos vocês informados tão logo seja possível.

Até a próxima, AssombradOs.

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
https://www.ooom.com/digital/sergio-canavero-a-revolution-in-medicine/
http://www.koreabiomed.com/news/articleView.html?idxno=513
http://www.newsweek.com/rat-head-transplant-sergio-canavero-xiaoping-ren-590925
http://www.assombrado.com.br/2016/11/transplante-de-cabeca-sergio-canavero.html
http://www.assombrado.com.br/2016/09/transplante-de-cabeca-video-de-cachorro.html
http://www.assombrado.com.br/2016/05/transplante-de-cabeca-as-ultimas.html
http://www.assombrado.com.br/2016/01/transplante-de-cabeca-sergio-canavero.html
http://www.assombrado.com.br/2015/09/transplante-de-cabeca-canavero-tera.html
http://www.assombrado.com.br/2015/09/transplante-de-cabeca-canavero-tera.html
http://www.assombrado.com.br/2015/08/transplante-de-cabeca-valery-spiridonov.html
http://www.assombrado.com.br/2015/06/transplante-de-cabeca-sergio-canavero.html
Comentários