26 de fevereiro de 2017

Coincidência? Conheça Alguns Casos Recentemente Divulgados Sobre "Criaturas Misteriosas" Encontradas na Inglaterra e nas Filipinas! (Atualizado 27/02)

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

Por Marco Faustino

Apesar de estarmos em uma época carnavalesca do ano, as notícias nunca param, assim como os casos de criaturas supostamente misteriosas ao redor do mundo. Raramente escrevo sobre esse tipo de assunto, visto que a mídia internacional e brasileira costumam ser bem sensacionalistas quando aparecem casos assim. Para vocês terem uma ideia, na última sexta-feira (24), o portal de notícias G1 publicou uma notícia com o seguinte título: "Criatura peluda misteriosa aparece em praia nas Filipinas e intriga moradores". Para completar era questionado se a "criatura peluda" seria uma baleia, um peixe-boi ou uma nova espécie. Vocês podem não notar o sensacionalismo no título, porém o texto é inteiramente copiado de uma notícia publicada pela BBC Brasil (devido a parceria que possuem nesse sentido), cujo título é: "Criatura misteriosa aparece em praia nas Filipinas e intriga moradores" (notaram a "pequena" diferença?). No corpo da notícia também é mencionado a palavra "peluda", porém o que é visto não é "pelo", mas fibras colágenas (uma espécie de "massa de colágeno"). O colágeno nada mais é do que uma proteína que dá sustentação ao tecido conjuntivo em seres humanos, assim como acontece com outros animais, inclusive marinhos. Aliás, o colágeno é uma das últimas coisas a se decompor em um corpo. Contudo, escrever que a criatura é "peluda" rende bem mais acesso, visto que estamos em um período em que a maioria das pessoas leem apenas o título, e acham que estão completamente informadas sobre o assunto.

Para ser bem sincero, poderíamos estar diante de algo chamado "globster" ou "blob", que nada mais é do que uma "massa orgânica não identificada", que pode surgir ao longo da costa de qualquer país, muito embora algumas dessas "massas" também sejam encontradas nas margens de lagos, rios ou até mesmo nos estômagos de baleias mortas. Se a "massa" for facilmente identificada como um animal conhecido, então não é um globster. Geralmente moradores de comunidades próximas as praias e pescadores quase sempre são os primeiros a encontrá-los. Essa terminologia foi cunhada por Ivan T. Sanderson, em 1962, para descrever uma carcaça disforme encontrada na Tasmânia dois anos antes, em 1960, que foi relatada por "aparentemente não possuir olhos, ter uma cabeça indefinida, e nenhuma estrutura óssea aparente". Sem um olhar mais experiente ou uma análise mais aprofundada dessa "massa", é plenamente passível que controvérsias e especulações sejam geradas. Apesar do termo ser recente, de acordo com a Wikipedia e um site sobre criptozoologia pertencente ao LCHR ("Library of the Collective Human Record"), que nada mais é do que uma espécie de biblioteca geral de registros, tais "massas" vêm sendo encontradas supostamente desde 1640, quando na ocasião essa espécie de "massa" teria sido encontrada por moradores de Santa Maria del Mar, em Oaxaca, no México. Ao longo do tempo também foram relatados casos como a "Besta de Stronsay", em 1808, o "Monstro de São Agostinho", em 1896, o "Trunko", em 1924, o "Monstro do Mar da Tasmânia", em 1960, entre diversos outros casos. Um dos mais recentes de que se tem notícia teria sido o "Blob Chileno", em 2003, e um outro caso que noticiamos no ano passado sobre uma "estranha criatura" encontrada na praia Bonfil, em Acapulco, no México (leia mais: Será que um "Monstro Marinho" de 4 Metros de Comprimento Foi Encontrado em uma Praia de Acapulco, no México?). Resumindo, isso não é algo rotineiro de ser encontrado, mas um evento considerado raro.

Entretanto, recentemente surgiram diversos casos envolvendo "criaturas misteriosas" tanto na Inglaterra quanto nas Filipinas, que chamaram a atenção justamente por terem sido divulgadas em um curto período de tempo, praticamente em menos de uma semana. Assim sendo, resolvi fazer essa postagem justamente para explicar esses casos de maneira sóbria e da forma mais correta possível para todas as dúvidas possam ser sanadas, e que vocês saiam bem informados. Aliás para que vocês também possam repassar o que aprenderam para amigos ou parentes, que por ventura acreditem que isso seja um sinal do "fim dos tempos" ou tenha sido influenciado negativamente perante uma postagem sensacionalista ou de caráter duvidoso. Vamos saber mais sobre esse assunto?

A Estranha "Criatura Misteriosa" Foi Encontrada em uma Praia das Ilhas de Dinagat, nas Filipinas


De acordo com o que vem sendo noticiado, uma "criatura misteriosa" e "peluda" teria sido encontrada em uma praia no distrito de Poblacion, no município de Cagdianao, nas Ilhas de Dinagat, nas Filipinas. Essa ilha se encontra a nordeste de Mindanao, que por sua vez é a segunda maior e mais importante ilha na região Sul das Filipinas. Já a cidade de Cagdianao, apesar de não termos muitas informações sobre a mesma, podemos dizer que ela tem pouco mais de 16 mil habitantes, pelo menos de acordo com o último censo realizado em 2015.

Imagens do Google Maps mostrando a distância das Ilhas Dinagat e Manila, a capital das Filipinas (à esquerda),
e a localização exata da cidade de Cagdianao (à direita)
Apesar de não termos muitas informações sobre a cidade de Cagdianao, podemos dizer que ela tem pouco mais de 16 mil habitantes, pelo menos de acordo com o último censo realizado em 2015
O caso começou a ser divulgado por volta do dia 22 de fevereiro, através das redes sociais, principalmente através do Facebook  Uma das postagens que ganhou maior destaque foi da usuária "Marjorie Cabatingan Aboy", que atualmente possui mais de 116 mil compartilhamentos.

Entretanto, quem também divulgou sobre isso foi a página do Gabinete de Informação Municipal de Cagdianao, também no Facebook, que no dia seguinte (23) explicou e detalhou qual seria a suposta "criatura". Segundo as primeiras informações, uma equipe de investigação composta por diversas autoridades, especialistas locais, e diferentes secretarias do município, conduziram uma análise no local onde a mesma foi encontrada.

Uma das postagens que ganhou maior destaque foi da usuária "Marjorie Cabatingan Aboy",
que atualmente possui mais de 116 mil compartilhamentos
Uma das imagens divulgadas da "criatura misteriosa" encontrada no distrito de Poblacion, no município de Cagdianao
Segundo as primeiras informações, uma equipe de investigação composta por diversas autoridades, especialistas locais, e diferentes secretarias do município, conduziram uma análise no local onde a mesma foi encontrada
No dia anterior, muitas pessoas estavam acreditando que a "criatura misteriosa" fosse uma vaca marinha ou um dugongo, mas a equipe de investigação foi unânime em dizer que era uma baleia em decomposição.

Aliás, devido ao avançado estágio de decomposição, amostras foram encaminhadas para Secretaria de Pesca e Recursos Aquáticos (BFAR), do departamento da Agricultura, em Manila, a capital das Filipinas, para que um exame laboratorial mais detalhado pudesse esclarecer qual era a espécie. A carcaça tinha cerca de 6.3 metros, excluindo a cauda, que não estava presente, e uma largura total de 2 metros da nadadeira dorsal até a peitoral. Além disso, foram publicadas dezenas de fotos e dois vídeos mostrando a "criatura misteriosa".

No dia anterior, muitas pessoas estavam acreditando que a "criatura misteriosa" fosse uma vaca marinha ou um dugongo, mas a equipe de investigação foi unânime em dizer que era uma baleia em decomposição
As autoridades municipais concordaram em preservar os ossos da baleia como uma espécie de recordação desse raro evento, que divulgou a cidade Cagdianao para praticamente o mundo inteiro. Confira abaixo esse vídeo mostrando a "criatura misteriosa", que foi publicado na página Gabinete de Informação Municipal de Cagdianao, no Facebook:



Assim como esse outro vídeo:



Quem aparentemente concordou com essa explicação foi Lucy Babey, chefe de Ciência e Conservação da "ORCA", uma organização que basicamente visa ajudar o governo do Reino Unido a estabelecer o estado de conservação das espécies de baleias, golfinhos e botos que frequentam as águas britânicas.

"Definitivamente é uma criatura marinha em avançado estágio de decomposição. A carcaça mede cerca de seis metros de comprimento, mas isso obviamente não é toda a carcaça. Não há cauda, ​​por isso o animal seria bem maior que aquilo. Isso sugere que provavelmente era uma baleia", disse Lucy Babey, ao site do programa Newsbeat, da BBC.

Lucy Babey (à direita), chefe de Ciência e Conservação da "ORCA", uma organização que basicamente vida ajudar o governo do Reino Unido a estabelecer estado de conservação das espécies de baleias, golfinhos e botos que frequentam as águas britânicas
"Eles têm numerosas espécies de baleias nas Filipinas, tais como a baleia azul, a baleia-comum e a baleia jubarte, assim como baleias menores, a exemplo da baleia minke. Contudo, eles também possuem peixes-boi, então poderia ser um espécime. Infelizmente, esse animal está em um estágio muito avançado de decomposição para se obter uma identificação confiável", continuou.

Ela explicou também que o "pelo", que muitas pessoas começaram a comentar, e que a própria mídia utilizou como principal detalhe para atrair a atenção dos leitores, muito provavelmente eram fibras musculares decorrentes do processo de decomposição.

As autoridades municipais concordaram em preservar os ossos da baleia como uma espécie de recordação desse raro evento, que divulgou a cidade Cagdianao para praticamente o mundo inteiro
Lucy Babey explicou que o "pelo", que muitas pessoas começaram a comentar, e que a própria mídia utilizou como principal detalhe para atrair a atenção dos leitores, muito provavelmente eram fibras musculares decorrentes do processo de decomposição
A carcaça tinha cerca de 6.3 metros, excluindo a cauda, que não estava presente,
e uma largura total de 2 metros da nadadeira dorsal até a peitoral
"Outras criaturas poderiam ter acelerado o processo de decomposição, mas parece uma carcaça em decomposição normal", explicou. Aliás, de acordo com a Lucy, apenas 10% das baleias e golfinhos que morrem em alto-mar acabam parando na costa.

"Existe uma quantidade impressionante desses animais que morrem e permanecem no mar. Eles podem acabar parando na costa por diversas razões, mas nesse caso é um animal que morreu há muito tempo, e pode ter sido levado até a costa devido a ondas de tempestade", acrescentou.

De acordo com a Lucy, apenas 10% das baleias e golfinhos que morrem em alto-mar acabam parando na costa
Curiosamente, um terremoto recente atingiu a região (comentaremos sobre isso daqui a pouco), mas isso não seria muito significativo, visto que as Filipinas fazem parte do chamado "Círculo de Fogo do Pacífico", uma área onde há um grande número de terremotos e uma forte atividade vulcânica. Esse "círculo" possui o formato de "ferradura", com 40.000 km de extensão e está associado com uma série quase contínua de "trincheiras oceânicas", arcos vulcânicos, couraças vulcânicas, cinturões de vulcões, e movimentos de placas tectônicas.

"O terremoto poderia ter causado uma pressão no fundo do mar, o que poderia trazer o animal para mais perto da superfície e da costa. O mesmo poderia ter deslocado a carcaça, e causado mudanças nas marés e na força das ondas, que poderiam tê-lo levado para a costa", completou.

As Filipinas fazem parte do chamado "Círculo de Fogo do Pacífico",
uma área onde há um grande número de terremotos e uma forte atividade vulcânica
A especialista alerta ainda alertou para o risco de contaminação, que as pessoas estavam expostas, sem saberem, é claro, ao se aproximarem de uma carcaça como a que foi vista nas Filipinas.

"Qualquer animal em decomposição será portador de doenças, então eles terão que descartá-lo com segurança. No Reino Unido, nós os colocamos em um aterro sanitário, mas eles também poderiam mover a carcaça para o alto-mar", finalizou.

A especialista alerta ainda alertou para o risco de contaminação, que as pessoas estavam expostas, sem saberem, é claro, ao se aproximarem de uma carcaça como a que foi vista nas Filipinas
"Outras criaturas poderiam ter acelerado o processo de decomposição,
mas parece uma carcaça em decomposição normal
", explicou Lucy Babey
Aliás, é interessante ressaltar que, quando uma baleia morre, seu corpo flutua na água e os predadores naturais, bem como microorganismos, em algum momento irão romper a grossa camada de tecido formado por gordura, colágeno e elastina. Devido a ação da gravidade, os ossos podem acabar saindo de seus corpos. Assim sendo, o corpo da baleia sem suas entranhas e seus ossos vão sofrendo uma lenta decomposição, e sendo fustigados pelas ondas oceânicas, assim como colidindo com eventuais rochas ao longo de sua trajetória. Por fim, quando a "carcaça da baleia" surge como se tivesse encalhada na areia de alguma praia, a mesma será muito semelhante a um "globster". Simples assim, e nada de misterioso. No máximo é algo apenas "curioso".

Não acredita? Bem, um outro "globster" foi encontrado em uma praia das Filipinas, em janeiro de 2014. Na época, a "criatura misteriosa" foi encontrada na costa de um vilarejo em Aparri, na província de Cagayan. Em uma entrevista por telefone, Leonarda Labugen, da Secretaria de Pesca e Recursos Aquáticos da Região II (BFAR) disse que a "criatura" estava em um avançado estágio de decomposição, sendo que o governo local e o próprio BFAR tiveram que enterrá-la. Confira um vídeo abaixo sobre a tal criatura, que foi publicado pelo canal GMA News, no YouTube, naquela mesma época:



Leonarda Labugen disse que não houve tempo para coletar amostras, embora um relatório técnico seria emitido dentro de uma semana. De qualquer forma, especulava-se que fosse apenas uma baleia em decomposição. Precisamos dizer mais alguma coisa?

A Estranha "Criatura Misteriosa" Encontrada em uma Praia de Charlestown, na Inglaterra


Também foi no dia 22 de fevereiro, que um site de notícias chamado "Cornwall Live" publicou uma notícia sobre um morador da cidade de St Austell, localizada na região da Cornualha, na Inglaterra, que se deparou com a carcaça de uma "criatura misteriosa" enquanto passeava por uma praia de Charlestown, que por sua vez é uma vilarejo e um porto na costa sul da Cornualha. Aliás, St Austell fica apenas a cerca de 3km de distância de Charlestown.

Imagem do Google Maps mostrando o vilarejo de Charlestown, na região da Cornualha, na Inglaterra
Foto de uma praia do vilarejo de Charlestown, na região da Cornualha, na Inglaterra
Esse morador, o Chris Crane, teria encontrado a "estranha criatura", de 2,5 metros de comprimento, na segunda-feira passada (20) e "pediu ajuda à imprensa" para conseguir identificá-la. Ele disse que acreditava que a criatura já estivesse por lá há alguns dias, uma vez que estava começando a cheirar mal.

Até aquele momento, Chris "não teve sorte" em identificar a criatura apesar das "suposições" de que poderia ser apenas uma baleia-piloto. Outras pessoas, no entanto, sugeriram que a criatura pudesse ser a mítica serpente do mar chamada "Morgawr".

Foto tirada por Chris Crane da a "estranha criatura", de 2,5 metros de comprimento, que ele encontrou
enquanto passeava em uma praia de Charlestown, na região da Cornualha, na Inglaterra
Até aquele momento, Chris "não teve sorte" em identificar a criatura apesar das "suposições"
de que poderia ser apenas uma baleia-piloto
Outras pessoas, no entanto, sugeriram que a criatura pudesse ser a mítica serpente do mar chamada "Morgawr"
Chris Crane disse que acreditava que a criatura já estivesse por lá há alguns dias,
uma vez que estava começando a cheirar mal.
De acordo com o folclore local, a lendária serpente do mar chamada "Morgawr" teria aparecido primeiramente perto do ponto de Pendennis, em 1975, sendo descrita como tendo um tronco com um pescoço muito longo, e uma pele preta ou marrom.

Além disso, alguns pescadores locais de cavala acreditam que os avistamentos desse monstro, semelhante a um leão marinho, estão associados ao mau tempo e uma pescaria pouco produtiva.

De acordo com o folclore local, a lendária serpente do mar chamada "Morgawr" teria aparecido primeiramente perto do ponto de Pendennis, em 1975, sendo descrita como tendo um tronco com um pescoço muito longo, e uma pele preta ou marrom
Contudo, algumas pessoas acreditam que o monstro apareceu pela primeira vez depois que um submarino alemão torpedeou um navio mercante britânico durante a Primeira Guerra Mundial, e a descreveram como sendo uma criatura de 18 metros, no formato de um crocodilo, com quatro patas membranosas, e uma cauda poderosa. Enfim, é bom ressaltar que isso tudo não passa de uma lenda, mas será essa criatura poderia ser a tal "Morgawr"? Bem, a resposta é não. A tal criatura é apenas uma jovem baleia-piloto. E por qual razão podemos dizer isso? Basta fazer uma rápida pesquisa na internet.

Em julho de 2011, um casal descobriu uma "misteriosa carcaça" enquanto caminhava em uma praia de Aberdeen, a terceira cidade mais populosa da Escócia. Margaret e Nick Flippence relataram a descoberta a guarda costeira, que por sua vez chamou veterinários para investigar o caso.

Imagem do Google Maps mostrando a localização da cidade de Aberdeen, na Escócia
Em julho de 2011, um casal descobriu uma "misteriosa carcaça" enquanto caminhava em uma praia de Aberdeen,
a terceira cidade mais populosa da Escócia
Contudo, essa carcaça já havia sido relatada no mês de maio daquele mesmo ano, quando foi examinada pelo Dr. Andrew Brownlow, da Scottish Agricultural College (uma instituição de ensino superior e pesquisa especializada em agricultura da Escócia), que a identificou como sendo uma jovem baleia-piloto, com pelo menos cinco anos de idade.

"Eu especularia que era uma jovem baleira que se separou de seu grupo, e não conseguiu sobreviver por conta própria", disse o Dr. Andrew Brownlow, naquela época.

Contudo, essa carcaça (na foto) já havia sido relatada no mês de maio daquele mesmo ano, quando foi examinada pelo Dr. Andrew Brownlow, da Scottish Agricultural College (uma instituição de ensino superior e pesquisa especializada em agricultura da Escócia), que a identificou como sendo uma jovem baleia-piloto, com pelo menos cinco anos de idade
Quando foi relatada pela primeira vez, a carcaça estava deitada em uma posição diferente, e ainda tinha seu osso do maxilar unido. Desde então, a decomposição avançou ,e a mesma foi movida pela maré. O osso do maxilar acabou sendo carregado pelas águas e o palato duro (uma fina camada óssea do crânio) da baleia foi exposto, levando as pessoas a acreditar que a carcaça pudesse ser de uma "misteriosa criatura pré-histórica". Além disso, as baleias-piloto podem ser encontradas em grande número no Mar do Norte, e são uma das espécies mais comuns de serem encontradas encalhadas em praias.

Misteriosas "Serpentes Marinhas" Encontradas na Costa Norte da Ilha de Mindanao, nas Filipinas, Deixaram Moradores Locais em Pânico


Para encerrar essa postagem vamos voltar as Filipinas, visto que a descoberta de pelo menos três "serpentes marinhas" teriam deixado a população da costa norte da ilha de Mindanao em pânico, visto que isso poderia significar que um grande terremoto estivesse por vir. Contudo, será mesmo que é uma "serpente marinha"? Será que encontrar esses animais é um aviso que uma catástrofe está bem próxima de acontecer? É justamente sobre isso que você vai ficar sabendo a partir de agora.

De acordo com uma notícia publicada pelo site de notícias ABS-CBN, que por sua vez é o maior conglomerado de entretenimento e mídia das Filipinas, no dia 8 de fevereiro desse ano, um peixe-remo acabou sendo capturado por um pescador na região litorânea da cidade de Buenavista, na província de Agusan del Norte, na região de Caraga, da ilha de Mindanao, nas Filipinas.

Imagem do Google Maps mostrando a localização da cidade de Buenavista, na província de Agusan del Norte,
na região de Caraga, da ilha de Mindanao, nas Filipinas
O peixe tinha cerca de 3 metros de comprimento e foi imediatamente enterrado na costa de Buenavista, devido a uma ordem da Secretaria de Pesca e Recursos Aquáticos (BFAR). É interessante notar que a carne do peixe-remo é considerada gelatinosa e não é comestível.

De acordo com uma notícia publicada pelo site de notícias ABS-CBN, no dia 8 de fevereiro desse ano, um peixe-remo acabou sendo capturado por um pescador na região litorânea da cidade de Buenavista, na província de Agusan del Norte, na região de Caraga, da ilha de Mindanao, nas Filipinas
É interessante notar que a carne do peixe-remo é considerada gelatinosa e não é comestível
O peixe tinha cerca de 3 metros de comprimento e foi imediatamente enterrado na costa de Buenavista, devido a uma ordem da Secretaria de Pesca e Recursos Aquáticos (BFAR)
Vale a pena destacar nesse ponto, que o peixe-remo sempre foi um mistério para os cientistas, justamente por ser considerada uma criatura muito estranha. Acreditava-se que ele fosse uma espécie de "monstro marinho", sendo que os pesquisadores acreditam que o mesmo viva nas profundezas dos oceanos, em profundidades de até 1.000 metros.

O peixe-remo também é conhecido por regaleco, relangueiro ou rei-dos-arenques, porém a mídia e os populares costumam chamá-lo de "serpente marinha" ou "sanguessuga marinha", que são termos amplamente divulgados pela mídia, porque obviamente chamam a atenção. Muitas vezes também costumamos ler notícias o apontando também como "peixe-remo gigante".

Vale a pena destacar nesse ponto, que o peixe-remo sempre foi um mistério para os cientistas,
justamente por ser considerada uma criatura muito estranha
Acreditava-se que ele fosse uma espécie de "monstro marinho", sendo que os pesquisadores acreditam que o mesmo viva nas profundezas dos oceanos, em profundidades de até 1.000 metros
O peixe-remo também é conhecido por regaleco, relangueiro ou rei-dos-arenques, porém a mídia e os populares costumam chamá-lo de "serpente marinha" ou "sanguessuga marinha", que são termos amplamente divulgados pela mídia, porque obviamente chamam a atenção
Tenha em mente que serpentes marinhas são criaturas lendárias e mitológicas, apesar dos relatos de avistamentos atravesserem os séculos. Os mais céticos têm questionado a interpretação dos avistamentos de serpentes marinhas, sugerindo que tais relatos de serpentes são erros de identificação de animais como cetáceos (baleias e golfinhos), cobras marinhas, enguias, tubarões peregrinos, tubarões cobra, lulas gigantes etc.

Embora a maioria dos criptozoologistas reconheçam que pelo menos alguns relatos são simplesmente erros de identificação, alguns alegam que muitas dessas criaturas descritas por aqueles que as viram não se parecem com as espécies conhecidas apresentadas pelos céticos, e afirmam que certos relatos se destacam. Quem sabe um dia ainda falamos sobre isso? Tudo é possível!

Os Peixes-Remo (Amplamente Mencionados como "Serpentes Marinhas") Preveem a Ocorrência de Terremotos?


Apesar de ser raro capturar ou até mesmo encontrar um peixe-remo, a notícia anterior era bem curta e não apresentava qualquer teor alarmista. Porém, isso tudo mudou no dia 11 de fevereiro quando o site ABS-CBN publicou um artigo intitulado "Dead oarfish found in Mindanao sparks debate: Can animals predict earthquakes?" ("Peixe-Remo encontrado morto em Mindanao provoca debate: Animais podem prever terremotos?", em português).

A razão para isso é que houve um terremoto de 6,7 graus, que atingiu justamente a ilha de Mindanao, no dia anterior (10) às 22h (horário local), a 14 quilômetros da cidade de Surigao, e a 10 quilômetros de profundidade no mar. Essas informações foram fornecidas pela serviço sismológico filipino (PHILVOLCS), que não emitiu alerta de tsunami.

A razão para isso é que houve um terremoto de 6,7 graus, que atingiu justamente a ilha de Mindanao, no dia anterior (10) às 22h (horário local), a 14 quilômetros da cidade de Surigao, e a 10 quilômetros de profundidade no mar
O terremoto ocorrido em 10 de fevereiro provocou inúmeros estragos em Surigao, nas Filipinas
O terremoto provocou a morte de 8 pessoas e mais de 200 feridos foram atendidos nos hospitais locais. As autoridades declararam estado de calamidade em Surigao, onde vários edifícios e infraestruturas sofreram fortes danos, entre eles o capitólio provincial, um centro comercial e duas importantes pontes.

O terremoto provocou a morte de 8 pessoas e mais de 200 feridos foram atendidos nos hospitais locais
Para algumas pessoas, criaturas do fundo do mar, a exemplo do peixe-remo, e que acabam vindo para mais próximo da superfície do oceano, são bons em prever terremotos.

Assim sendo, para tentar criar um certo debate sobre o assunto, foram adicionadas as declarações de Rachel Grant, uma professora de biologia animal da Universidade Anglia Ruskin, em Cambridge, na Inglaterra, onde ela mencionou em uma notícia publicada pelo site de notícias britânico "Independent", em 2013, sobre dois casos semelhantes ocorrido no mês de outubro daquele ano, na Califórnia. Na época um peixe-remo tinha sido encontrado na ilha de Santa Catalina e posteriormente, poucos dias depois, um espécime foi encontrada em uma praia próxima a cidade de Oceanside, no condado de San Diego.

Primeiro peixe-remo encontrado no dia 13 de outubro de 2013, em uma praia de Santa Catalina, na Califórnia
Segundo peixe-remo encontrado em uma praia próxima a cidade de Oceanside,
no condado de San Diego, na Califórnia, em 18 de outubro de 2013
"É teoricamente possível, porque quando ocorre um terremoto pode haver um acúmulo de pressão nas rochas, que pode levar a cargas eletrostáticas, que causam íons carregados eletricamente a serem liberados na água. Isso pode levar à formação de peróxido de hidrogênio, que é um composto tóxico. Os íons carregados também podem oxidar a matéria orgânica que poderia matar os peixes ou forçá-los a deixar o oceano profundo e subir à superfície", disse Rachel Grant.

Rachel Grant, professora de biologia animal da Universidade Anglia Ruskin, em Cambridge, na Inglaterra
"Sabemos que não há um terremoto após cada avistamento de peixe-remo, mas vamos ver se existe um aumento na probabilidade de um peixe-remo ser avistado antes de um terremoto. Pode ser devido à atividade sísmica ou pode ser devido a outros fatores que não possuem conexão com os terremotos, como infrassons causados por atividades subaquáticas, tais como submarinos militares ou até mesmo poluição", completou.

O artigo também citou uma declaração de Kiyoshi Wadatsumi, um especialista em sismologia ecológica e diretor da organização sem fins lucrativos "e-PISCO", que estuda sinais de terremotos. Curiosamente, é bem complicado encontrar informações sobre o mesmo, visto que essa ONG aparentemente não muita expressão no cenário internacional.

"Os peixes de profundidade que vivem próximos ao fundo do mar são mais sensíveis aos movimentos de falhas ativas do que aqueles próximos da superfície do mar", disse Kiyoshi, em um artigo publicado pelo site de notícias Japan Times, em 6 de março de 2010. Aliás, apenas essa pequena declaração é a que mais vem repercutindo nas redes sociais das Filipinas ultimamente.

O artigo também citou uma declaração de Kiyoshi Wadatsumi, um especialista em sismologia ecológica e diretor da organização sem fins lucrativos "e-PISCO", que estuda sinais de terremotos
A razão da notícia é que um peixe-remo teria sido encontrado em uma praia em Kurobe, na Prefeitura de Toyama, em dezembro de 2009, seguido por um outro que teria ficado preso em redes colocadas em alto-mar, em Takaoka, e mais um nos arredores de Nyuzen, ambos na mesmo prefeitura, no início de 2010. Além disso, quatro teriam sido encontrados na praia de Chirihama, na província de Ishikawa, nos primeiros dois meses daquele ano, enquanto outros 10 foram descobertos em redes estacionárias durante o período de férias, em Miyazu, na Prefeitura de Kyoto. A questão é que não houve nenhum terremoto forte no Japão naquele período, apenas cerca de um ano depois, em 11 de março de 2011. Além disso, não encontrei nenhuma imagem desses peixes-remo que supostamente foram encontrados entre dezembro de 2009 e fevereiro de 2010.

De qualquer forma, é interessante ressaltar Kiyoshi Wadatsumi disse que os peixes de profundidade encontrados nas redes ou em praias não pareciam estar diretamente ligados a terremotos. Porém, essa declaração não foi destacada pela ABS-CBN. Tendencioso, não é mesmo? Naquele mesmo ano, em uma notícia publicada no site do britânico Daily Telegraph, Hiroshi Tajihi, então vice-diretor do "Centro de Terremotos de Kobe", disse que "nos tempos antigos, os japoneses acreditavam que os peixes alertavam sobre a iminência de terremotos, particularmente o bagre. Porém, eram apenas antigas superstições e não havia relação científica entre esses avistamentos e um terremoto".

Não encontrei nenhuma imagem desses peixes-remo que supostamente foram encontrados entre dezembro de 2009 e fevereiro de 2010.
Porém, na foto à esquerda mostra um funcionário do Aquário Uozu exibindo um peixe-remo de 2,8 metros encontrado um dia antes na praia de Omachi, em 17 de fevereiro de 2015, em Kurobe, na Prefeitura Toyama. Já na foto à direita temos um peixe-remo de 3,2 metros de comprimento encontrado na praia Wakamatsu em 19 de março de 2014, em Kitakyushu, na Prefeitura de Fukuoka.
O Daily Telegraph mencionou que, de acordo com a tradição japonesa, os peixes emergiam para a superfície e se encaminhavam por conta própria até as praias para avisar que um terremoto estaria prestes a ocorrer. Disse ainda que havia "teorias científicas", de que peixes de profundidade poderiam ser bem sensíveis em relação a movimentação das placas tectônicas. O site também fez questão de mencionar um terremoto ocorrido no Chile, de magnitude 8.8, em 27 de fevereiro de 2010, e um outro de magnitude 7.0, em 12 de janeiro de 2010, que devastou o Haiti. Contudo, é interessante notar que somente o Chile faz parte do chamado "Círculo de Fogo do Pacífico".

Em outubro de 2013, o site "Live Science" mencionou que o peixe-remo era conhecido no Japão como "Ryūgū-No-Tsukai" ou "mensageiro do palácio do deus do mar", e tentou fazer uma associação aos peixes-remo encontrados no Japão, com o terremoto ocorrido no Chile, por mais que houvesse uma distância de 17 mil quilômetros. Contudo, em uma entrevista concedida alguns meses antes, por Mark Benfield, um pesquisador da Universidade Estadual da Louisiana, nos Estados Unidos, o mesmo disse que pouco antes do terremoto de Tohoku e do tsunami de 2011, cerca de 20 peixes foram encontrados em praias japonesas, sugerindo que os peixes poderiam ter uma noção que o tremor estava próximo. Será que essa informação era referente ao que foi publicado e não documentado pelo Japan Times, em 2010? Ao procurar notícias envolvendo o peixe-remo no período de 1 de janeiro e 10 de março de 2011, não encontrei absolutamente nada.

De acordo com esse site, essas não teriam sido as primeiras ocasiões em que os pesquisadores sugeriram ligações entre o comportamento animal e terremotos. Na verdade, haveria uma longa história de relatos anedóticos de animais de estimação, animais de jardim zoológicos, e até mesmo de animais selvagens agindo muito estranhamente nos dias ou minutos antes de um tremor ser sentido pelos seres humanos. Um exemplo famoso é o que foi registrado na história de Helike, uma antiga cidade grega. Segundo o autor romano Aelianus, durante o inverno do ano 373 a.C, "todos os ratos e martas e cobras e centopéias e besouros e todas as outras criaturas desse tipo foram embora da cidade. Depois que essas criaturas partiram, um terremoto ocorreu durante a noite, e a cidade veio abaixo, uma onda imensa a inundou, e Helike desapareceu".

Mapa mostrando a antiga localização da cidade grega de Helike
As ruínas da antiga cidade grega de Helike, que foi devastada por um terremoto, seguido por um tsunami, em 373 a.C
Em 1975, um terremoto de magnitude 7.3 atingiu Haicheng, uma cidade atualmente com mais de 1 milhão de pessoas localizada na província chinesa de Liaoning, às 19h36 (horário local) do dia 4 de fevereiro daquele ano. Contudo, nas primeiras horas do dia 4 de fevereiro, autoridades municipais ordenaram uma evacuação parcialmente baseada em relatos de um comportamento animal bem estranho: cobras que hibernavam na região, por exemplo, abandonaram seus esconderijos de inverno meses antes do normal. A evacuação antecipada de Haicheng acabou salvando de milhares de vidas humanas.

Em 1975, um terremoto de magnitude 7.3 atingiu Haicheng, uma cidade atualmente com mais de 1 milhão de pessoas localizada na província chinesa de Liaoning, às 19h36 (horário local) do dia 4 de fevereiro daquele ano
A outra parte que não foi comentado no texto é que sismólogos enviaram uma série de avisos ao longo sobre esse terremoto e ordenaram evacuações. A previsão teria sido baseada em relatos de mudanças nas águas subterrâneas e da elevação do solo nos meses anteriores ao terremoto. Um alerta de baixo nível foi desencadeado por aumentos regionais na sismicidade pouco tempo antes do terremoto acontecer (mais tarde seriam conhecidos por "foreshocks" ou "pré-choques", abalos relativamente pequenos que podem sugerir que uma catástrofe se aproxima).

O problema é que não existe nada de essencialmente "pré" nos foreshocks: sua presença não prova necessariamente que uma terromoto vai atingir uma determinada a região.

O terremoto de 1975 causou inúmeros estragos em Haicheng, na China
Apesar da evacuação antecipada 2.041 pessoas morreram, mais de 27.000 ficaram feridas e milhares de edifícios entraram em colapso. No entanto, o número de mortos foi muito menor do que a estimativa de mais de 150.000 mortos que haveria se a evacuação não tivesse ocorrido.
Seguindo essa mesma linha, funcionários do Parque Zoológico Nacional Smithsoniano, em Washington, capital do Estados Unidos, por exemplo, relataram que muitos de seus animais procuraram abrigo ou ficaram agitados nos minutos que antecederam um terremoto de magnitude 5.8, que atingiu a região na tarde de 23 de agosto de 2010.

Enfim, entre os primeiros estudos científicos para documentar o comportamento animal antes de um terremoto, existe um estudo onde uma equipe de cientistas passou um mês investigando o comportamento de um grupo de sapos comuns (espécie Bufo bufo), em abril de 2009, na Itália. Os sapos tipicamente se reproduzem em charcos extensos relativamente rasos. Porém, a maioria dos sapos de um determinado local desapareceu de repente. Cerca de cinco dias depois, um forte terremoto atingiu uma região próxima. Os sapos retornaram ao charco após os últimos tremores secundários. Os pesquisadores publicaram suas descobertas no periódico "Journal of Zoology".

Entre os primeiros estudos científicos para documentar o comportamento animal antes de um terremoto, existe um estudo onde uma equipe de cientistas passou um mês investigando o comportamento de um grupo de sapos comuns, em abril de 2009, na Itália
"É a primeira vez que algum estudo realmente documentou um comportamento incomum antes de um terremoto de forma científica e metódica. Fizemos de forma adequada e cientifica, e observamos consistentemente o comportamento dos animais", disse Rachel Grant, a mesma professora de biologia animal da Universidade Anglia Ruskin, em Cambridge, na Inglaterra, que na época da publicação do estudo (em 2010) pertencia a Universidade Aberta, também na Inglaterra.

No estudo envolvendo sapos, os pesquisadores perceberam que "a atividade dos sapos coincidiam com as perturbações pré-sísmicas na ionosfera, detectadas por ondas de rádio de frequência muito baixa (VLF)". No entanto, os cientistas não foram capazes de fazer quaisquer conclusões em suas pesquisas sobre o que poderia ter desencadeado o comportamento incomum dos sapos.

Imagem mostrando o epicentro do terremoto de L'Aquila, em 6 de abril de 2009.
A letra "A" mostra a localização aproximada do local de reprodução dos sapos comuns.
O número de pares de sapos "Bufo bufo" observados a cada dia durante o período de reprodução de 2009. A letra "A" representa a data do terremoto de magnitude 6.3 em L'Aquila, sendo que a letra "B" representa a data da lua cheia.
Em um estudo publicado nos periódicos "International Journal of Environmental Research" e "Public Health", em 2011, Rachel Grant e uma equipe de pesquisadores descobriram que os estresses tectônicos na crosta terrestre enviam "quantidades maciças de íons, principalmente positivos, para a porção mais baixa da atmosfera". Quando estes íons atingem um corpo de água, eles oxidam a água gerando peróxido de hidrogênio. Outras reações na interface água-rocha incluem a oxidação ou oxidação parcial de compostos orgânicos dissolvidos. Os compostos resultantes "podem ser irritantes ou toxinas para certas espécies de animais", possivelmente resultando na migração dos sapos de um lago.

Um grupo de físicos da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, ao investigar relatos de comportamento animal antes dos terremotos, descobriu que as rochas, quando esmagadas sob alta pressão, imitavam a força de um terremoto, emitindo altos níveis de gás ozônio.

"Mesmo a menor fratura de rocha produziu ozônio. A questão é, podemos detectá-lo no meio ambiente? E os animais podem detectar um aumento súbito do ozônio atmosférico?", disse a pesquisadora Catherine Dukes, para o site LiveScience, em uma entrevista anterior. Nenhuma dessas hipóteses, no entanto, está pronta para ser desenvolvida em um sistema de aviso prévio, que seja baseado em animais, para tremores de terra.

"Essa não é uma maneira de prever terremotos. É apenas uma maneira de alertar que a Terra está se movendo e algo - um terremoto, um deslizamento de terra ou qualquer outra coisa - pode está por vir", completou.

Voltando para as Filipinas: Mais Peixes-Remo (Amplamente Mencionados como "Serpentes Marinhas") Foram Encontrados!


Agora, vamos voltar aos rumores que começaram a ser propagados nas Filipinas, quando muitas pessoas, principalmente estimuladas por veículos de imprensa, começaram a explorar a hipótese de que peixes-remo pudessem prever terremotos. E isso ganhou ainda mais força, com o que aconteceria após alguns dias. No dia 14 de fevereiro desse ano, um outro peixe-remo, dessa vez com 3,5 metros, foi encontrado na região costeira do distrito de Rojales, na cidade de Carmen, na província de Agusan del Norte, na região de Caraga, na ilha de Mindanao.

Imagem do Google Maps mostrando a distância entre a localidade de Buenavista e Carmen, na ilha de Mindanao, nas Filipinas
No dia 14 de fevereiro desse ano, um outro peixe-remo, dessa vez com 3,5 metros, foi encontrado na região costeira do distrito de Rojales, na cidade de Carmen, na província de Agusan del Norte
Essa descoberta foi publicada pela ABS-CBN no dia seguinte (15), baseada nas fotos publicadas por uma usuária do Facebook chamada Elesa Rosé Jane Allocod. Em sua postagem, essa usuária pedia para que as pessoas rezassem pelas Filipinas, cogitando que isso poderia ser o aviso de grande terremoto.

Foto de um outro peixe-remo, dessa vez com 3,5 metros, foi encontrado na região costeira do distrito de Rojales, na cidade de Carmen, na província de Agusan del Norte
A descoberta foi publicada pela ABS-CBN no dia seguinte (15),
baseada nas fotos publicadas por uma usuária do Facebook chamada Elesa Rosé Jane Allocod
Em sua postagem, essa usuária pedia para que as pessoas rezassem pelas Filipinas,
cogitando que isso poderia ser o aviso de grande terremoto
Curiosamente, a notícia ainda dizia que aquele era o sexto peixe-remo encontrado desde janeiro, porém esse era apenas o segundo peixe-remo que a ABS-CBN noticiou desde o começo do ano, e sequer comentou quais teriam sido esses outros casos. Estranho, não é mesmo? O autor do texto, o jornalista Rodge Cultura, disse que acreditava que aquilo fosse algum indicativo sobre a iminência de um terremoto, e concluiu que o espécime tinha sido enterrado na praia.

Alguns dias depois, no dia 19 de fevereiro, a ABS-CBN voltou a noticiar que mais um peixe-remo foi encontrado em uma localidade chamada Gusa, na cidade de Cagayan de Oro, capital da província de Misamis Oriental, também na ilha de Mindanao, nas Filipinas.

Imagem do Google Maps mostrando a distância entre as cidades de Buenavista, Carmem e Gusa
na ilha de Mindanao, nas Filipinas
De acordo com um usuário no Facebook chamado Jude Cyril Roque Viernes, que postou as fotos em seu próprio perfil, no dia anterior (18), o peixe tinha cerca de 15 metros de comprimento, e foi encontrado vivo, mas morreu pouco tempo depois. Ele também escreveu que os moradores estavam com medo de que a descoberta significasse que um terremoto fosse atingir a cidade.

De acordo com um usuário no Facebook chamado Jude Cyril Roque Viernes, que postou as fotos em seu próprio perfil, no dia anterior (18), o peixe tinha cerca de 15 metros de comprimento, e foi encontrado vivo, mas morreu pouco tempo depois
Ele também escreveu que os moradores estavam com medo de que a descoberta significasse que um terremoto fosse atingir a cidade
Apesar da ABS-CBN ter divulgado anteriormente que seis peixes-remo tinham sido encontrados em praias das Filipinas, encontrei (na própria ABS-CBN) fotos apenas de três casos, portanto era difícil dizer que esse número maior realmente era verdadeiro ou se foi inventado para gerar repercussão e mais acessos ao site de notícias.

Ao pesquisar um pouco mais a fundo, encontrei apenas mais um caso em que moradores do distrito de Taboc looc, na cidade de Danao, na província de Cebu, em ilha de mesmo nome, nas Filipinas teriam encontrado um peixe-remo em 12 de janeiro desse ano, porém é mencionado que a fonte é "anônima". De qualquer forma, não chegaria a seis casos. Além disso, possível encontrar casos semelhantes, que foram divulgados pelas redes sociais, e que aconteceram nas Filipinas em 2015 (em julho) e 2016 (em março). Será que alguém fez alguma confusão nessa conta?

Ao pesquisar um pouco mais a fundo, encontrei apenas mais um caso em que moradores do distrito de Taboc looc, na cidade de Danao, na província de Cebu, em ilha de mesmo nome, nas Filipinas teriam encontrado um peixe-remo em 12 de janeiro desse ano
Para não ser injusto encontrei um outro caso, cuja descoberta não foi datada e novamente anônima, que foi publicado no dia 20 de fevereiro, na página Cebu Flash Report, no Facebook, onde dois peixes-remo teriam sido encontrados no distrito de Kawayanan, na cidade de Libagon, província de Southern Leyte, nas Filipinas. Uma vez que não foi informado quando esses peixes foram encontrados é difícil dizer se a conta realizada pela ABS-CBN estaria realmente certa, mas tudo indica que não, visto que a página do "Cebu Flash Report" aparentemente é atualizada rapidamente e constantemente.
Para não ser injusto encontrei um outro caso, cuja descoberta não foi datada, que foi publicado no dia 20 de fevereiro, na página Cebu Flash Report, no Facebook, onde dois peixes-remo teriam sido encontrados no distrito de Kawayanan, na cidade de Libagon, província de Southern Leyte, nas Filipinas
Vale a pena ressaltar nesse ponto, que um cachalote-anão, uma das três espécies de baleias denominadas cachalotes, foi encontrada morta na região costeira de Cagayan de Oro, na última quinta-feira (23). A baleia tinha cerca de 2,2 metros de comprimento, pesava aproximadamente 200 quilos, mas não ganhou tanta notoriedade quanto o peixe-remo. Interessante, não é mesmo?

A baleia tinha cerca de 2,2 metros de comprimento, pesava aproximadamente 200 quilos,
mas não ganhou tanta notoriedade quanto o peixe-remo
De acordo com o analista de laboratório John Roy Obsine, da Secretaria de Pesca e Recursos Aquáticos da Região 10, a baleia morta pode ter sofrido de estresse e foi vítima de um ataque de tubarão. Ela possuía diversos ferimentos de formatos arredondados, o que poderia indicar que ela tivesse sido atacada por um tubarão "cookiecutter" conhecido também como tubarão-charuto ou tubarão "cortador de biscoitos", em alusão ao hábito da espécie de se alimentar de nacos arredondados cortados por goivagem ("abertura de sulcos"), como se tivessem sido feitas por um cortador de biscoitos, nos flancos de animais maiores. Os tubarões "cookiecutter" podem ser encontrados ao redor do mundo, inclusive no Oceano Pacífico.

A baleia possuía diversos ferimentos de formatos arredondados, o que poderia indicar que ela tivesse sido atacada por um tubarão "cookiecutter" conhecido também como tubarão-charuto ou tubarão "cortador de biscoitos"
Imagem de uma outra baleia com ferimentos provocados por um tubarão "cookiecutter"
conhecido também como tubarão-charuto ou tubarão "cortador de biscoitos"
Enfim, na tentativa de solucionar de vez o mistério sobre o peixe-remo "vidente" também foi publicado um texto no site da revista "National Geographic", no dia 17 de fevereiro, justamente sobre esse assunto.

O texto dizia que o peixe-remo surgia ocasionalmente em regiões temperadas e tropicais rasas ao redor do mundo, geralmente dois ou três espécimes, em um curto período de tempo. Embora muito pouco se saiba sobre o porquê isso acontece, alguns cientistas sugerem que as espécies de peixes de profundidade - que normalmente vivem na chamada zona mesopelágica, entre 200 a 1.000 metros abaixo da superfície - às vezes são empurradas para cima, em direção a plataforma continental, por fortes correntes.

A chamada zona mesopelágica, entre 200 a 1.000 metros abaixo da superfície
"Independentemente dos fenômenos oceanográficos que empurram esses animais para a costa, eles provavelmente estão em uma escala suficientemente grande para afetar mais de um peixe-remo", disse Mark Benfield, agora identificado como oceanógrafo e ecologista da Universidade Estadual da Louisiana, nos Estados Unidos.

De acordo com Karla Heidelberg, uma bióloga marinha da Universidade do Sul da Califórnia, uma vez em águas rasas, é pouco provável que o peixe-remo encontre pequenos crustáceos e outros invertebrados como o krill, dos quais se alimentam, mas é provável que sofram danos devido a forte oscilação das ondas marítimas. Não surpreendentemente, todos os peixes-remo avistados próximos da costa estão morrendo ou já estão mortos, momento no qual sua coloração vibrante, uma mistura de roxo, azul e vermelho, rapidamente desaparece.

O site do National Geographic ainda entrou na questão na grande discussão gerada nas redes sociais sobre os aparentes poderes divinatórios do peixe-remo, porém para Mark Benfield é necessária muita cautela sobre isso.

De acordo com Karla Heidelberg, uma bióloga marinha da Universidade do Sul da Califórnia, uma vez em águas rasas, é pouco provável que o peixe-remo encontre pequenos crustáceos e outros invertebrados como o krill, dos quais se alimentam, mas é provável que sofram danos devido a forte oscilação das ondas marítimas
"É difícil imaginar que tipo de fenômeno ocorreria antes de um terremoto, que faria com que esses peixes-remo saíssem da zona mesopelágica para se moverem em direção a costa e encalharem nas praias", disse Mark Benfield.

Como vocês viram anteriormente, existem alegações de que atividades sísmicas profundas causariam a fuga dos peixes-remo, porém os mesmos não vivem perto do fundo do oceano onde tal atividade ocorre e, se tal teoria fosse verdadeira, o peixe-remo não seria a única espécie avistada antes um terremoto. A ausência de uma explicação substancial serve apenas como um lembrete do quão pouco se sabe sobre este animal único.

Avistado pela primeira vez em 1772, os peixes-remo são os peixes ósseos mais longos do mundo, alcançando até 10 metros de comprimento. Embora não seja um réptil, acredita-se que esse peixe tenha servido de inspiração para as lendas de serpentes marinhas supostamente encontradas ao redor do mundo. Para uma espécie que é tão pouco conhecida, ela passa por uma abundância irônica de nomes: em Palau, é chamado de peixe-galo, devido as barbatanas vermelhas espinhosas eriçadas de sua cabeça, e seu brilho prateado levou outras pessoas a chamá-lo de "rei dos arenques".

Mark Benfield, oceanógrafo e ecologista da Universidade Estadual da Louisiana, nos Estados Unidos
Uma vez que os peixes-remo normalmente vivem em uma profundidade que os seres humanos ainda lutam para explorar, pouquíssima pesquisa foi feita sobre eles. São poucos espécimes e distantes entre si que, além da raridade dos avistamentos, os pescadores que acidentalmente capturam o peixe-remo, geralmente os devolvem ao oceano, visto que são incapazes de vender a carne "flácida e pegajosa" no mercado. E quando os espécimes são coletados, geralmente há pouquíssima informação coletada: espécimes mortos fornecem informações escassas em comparação com a observação de animais vivos em seu habitat natural.

"Uma das melhores maneiras de aprender mais sobre o peixe-remo é usando usando submersíveis, que nos permitem potencialmente capturar em vídeo, comportamentos mais naturais desses animais", disse Mark Benfield.

É nesse ponto que os ROVs (abreviatura de "Remotely Operated Vehicles" ou "Veículos Operados Remotamente", em uma tradução literal em nosso idioma) entram em ação. Esses veículos operados remotamente ocasionalmente marcaram raros e fascinantes encontros com o peixe-remo no mar profundo, incluindo esse vídeo abaixo, de 2011, registrado pelo Mark Benfield, no Golfo do México, que mostra que o peixe-remo nadando verticalmente, como se fossem "longas facas no agua":



Assim como essa outra gravação, também gerada pelo Mark Benfield:



"Sua postura ascendente pode ser uma estratégia de alimentação, visto que ao olhar para cima, a silhueta deles ficará praticamente invisível para a sua presa, devido a luz que vem de cima, e também minimizarão sua seção transversal a qualquer predador que possa estar procurando por eles", continuou.

A comunidade acadêmica norte-americana possui apenas 12 ROVs capazes de suportar a pressão e a escuridão da zona mesopelágica. Por isso existe um projeto chamado "SERPENT", uma iniciativa global que permite que os pesquisadores aproveitem a frota de alta tecnologia da indústria de petróleo e gás em suas tentativas de aprender mais sobre a "Zona do Crepúsculo" e seus habitantes. Mark Benfield faz parte desse projeto e costuma operar no Golfo do México.

"Não acredito que o peixe-remo seja incomum. Acredito que não passamos muito tempo procurando por eles. Não temos olhos suficientes no oceano", completou.

Enfim, AssombradOs, após esse longo texto espero que tenhamos transmitido boas informações para vocês sobre o que realmente foi encontrado no município de Cagdianao, nas Filipinas, assim como sobre a "misteriosa carcaça" encontrada na região da Cornualha, na Inglaterra. Além disso, acredito que tenha ficado claro que a "vidência" do peixe-remo ou sua sensibilidade é tão somente uma especulação, e isso não deve ser levado em consideração, visto que apenas traz pânico a população local. Desde o terremoto de magnitude 6.7, em 10 de fevereiro desse ano, houve uma série de tremores secundários de média intensidade nas Filipinas, mas desde o dia 18 ou 20, mais nenhum peixe-remo foi encontrado. Apesar de ser uma estranha coincidência, temos que levar em consideração que existem inúmeros casos, que constituem como a absoluta maioria, em que o mesmo não representa nenhum aviso prévio sobre terremotos em uma determinada região. Talvez um dia haja algum estudo e alguma prova científica sobre isso, mas por enquanto é apenas mera especulação.

Atualização Bônus #1 - 27/02 as 14h25: A "Misteriosa Criatura" Encontrada na Praia da Cidade de Fremantle, na Austrália


Seguindo a onda de "criaturas misteriosas" ao redor do mundo, o britânico Daily Mail publicou hoje (27), que uma misteriosa criatura marinha em uma praia da cidade de Fremantle, no estado da Austrália Ocidental, na Austrália, é claro, deixou os internautas "estupefatos". As imagens teriam sido divulgadas pelas redes sociais, e rapidamente fez com que os usuários discutissem sobre qual animal poderia ser. Aliás, a criatura tinha um grande corpo cinzento e uma "barriga" branca.

As imagens teriam sido divulgadas pelas redes sociais que rapidamente fez com que os usuários discutissem sobre qual animal poderia ser. Aliás, a criatura tinha um grande corpo cinzento e uma "barriga" branca
O texto carece de inúmeras informações, tais como: quem tirou as fotos? quando as fotos foram tiradas? existe o depoimento de alguma autoridade sobre o assunto? Pois bem, talvez o autor do artigo não se preocupou em entrar nesses detalhes, talvez porque no próprio texto havia a fortíssima probabilidade do que poderia ser, ou seja, uma arraia-águia do sul (Myliobatis australis), em avançado estágio de decomposição. Confiram algumas imagens dessa espécie:
O autor do artigo não se preocupou em entrar nesses detalhes, porque no próprio texto havia a fortíssima probabilidade do que poderia ser, ou seja, uma arraia-águia do sul (Myliobatis australis), em avançado estágio de decomposição
A imagem acima mostra o corpo de uma arraia em estado avançado de decomposição
Essa espécie de arraia costuma habitar o Oceano Índico Oriental, ou seja, na Austrália Meridional, a partir da Austrália Ocidental até Queensland. Ela pode chegar até 1,2 m de comprimento, e pesar mais de 50 quilos. Novamente, nada inexplicável por aqui!

Até a próxima, AssombradOs!

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://news.abs-cbn.com/classified-odd/02/08/17/dambuhalang-oarfish-nalambat-sa-agusan
http://news.abs-cbn.com/news/02/11/17/dead-oarfish-found-in-mindanao-sparks-debate-can-animals-predict-earthquakes
http://news.abs-cbn.com/news/02/15/17/tingnan-oarfish-muling-natagpuan-sa-agusan-del-norte
http://news.abs-cbn.com/trending/02/22/17/sea-monster-animal-remains-in-dinagat-islands-worry-locals
http://news.nationalgeographic.com/2017/02/pictures-oarfish-philippines/
http://strangesounds.org/2017/02/3-oarfish-philippines-fear-large-earthquake-pictures.html#
http://super.abril.com.br/ciencia/prever-terremotos-a-ciencia-do-impossivel/
http://www.bbc.co.uk/newsbeat/article/39076311/what-is-the-hairy-blob-or-globster-found-on-the-philippines-shore
http://www.cornwalllive.com/mysterious-sea-creature-washes-up-on-charlestown-beach-near-st-austell-and-no-one-knows-what-it-is/story-30154678-detail/story.html

http://www.dailymail.co.uk/news/article-4262988/Strange-mystery-sea-creature-washes-Fremantle-Beach.html
http://www.independent.co.uk/news/science/oarfish-mystery-earthquake-rumours-over-beached-giant-snake-like-fish-in-california-8897016.html
http://www.japantimes.co.jp/news/2010/03/06/news/sea-serpents-arrival-puzzling-or-portentous/#.WLICJEBvAo-
http://www.livescience.com/40628-animals-predict-earthquakes-oarfish.html

http://www.nature.com/news/oarfish-s-misfortune-is-scientists-boon-1.14040
http://www.sciencealert.com/locals-are-freaking-out-over-the-massive-creatures-that-are-washing-up-in-the-phillipines
http://www.stuff.co.nz/nelson-mail/news/88858597/Monster-deep-sea-oarfish-washes-up-on-Abel-Tasmans-Waiharakeke-Beach
http://www.telegraph.co.uk/news/2017/02/24/mysterious-white-creature-found-beach/
http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/asia/japan/7365076/Oarfish-omen-spells-earthquake-disaster-for-Japan.html
https://noticias.terra.com.br/ciencia/animais/submarino-faz-raro-registro-do-maior-peixe-osseo-do-mundo,d8df124b50f2f310VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html
https://skeptoid.com/episodes/4152
https://stv.tv/news/north/263148-mystery-carcass-is-pilot-whale/
https://www.facebook.com/ayisha.hyierin/posts/1224912494270831
https://www.facebook.com/lungsod.cagdianao
https://www.rt.com/viral/377849-oarfish-earthquake-philippines-fish/
Comentários