13 de janeiro de 2017

Pé-Grande, Fantasma ou Pareidolia? Irlandesa Alega Ter Fotografado uma "Estranha Criatura" em Slieveanorra, na Irlanda do Norte


Por Marco Faustino

Talvez não fosse exagero dizer que esse ano de 2017 começou quente, mas não em termos de temperatura, mas por estar sendo noticiado praticamente de tudo, de tudo mesmo! Já tivemos a divulgação da filmagem de um suposto "OVNI" no Chile (muito embora tudo indica que seja apenas um avião de médio alcance), a reaparição na mídia internacional de uma vidente britânica, que alega poder prever o futuro através de aspargos (por mais que suas previsões se pareçam mais com os palpites de uma pessoa bem informada), e uma suposta "maldição" sobre a chamada "Cidade Perdida do Deus Macaco", em La Mosquitia, em Honduras (por mais que nada indique que ela realmente exista, e "maldição" seja referente a doenças meramente tropicais e conhecidas pelo cientistas). Até mesmo tivemos uma recente atualização onde duas mortes estariam sendo atribuídas a uma "doença misteriosa" que deixa a urina preta, na Bahia (embora ambas ainda estejam sendo investigadas pelas autoridades competentes). Acho que deu para perceber o quão movimentado está sendo essa primeira quinzena, não é mesmo?

Só faltava ser divulgado uma suposta foto de "Pé-Grande"! Quer dizer, não falta mais, visto que parte da imprensa britânica passou a divulgar um inusitado caso a respeito de uma irlandensa que estava passeando com seus cachorros em uma floresta da Irlanda do Norte, quando de repente eles sentiram algo em meio a vegetação. A mulher não conseguiu perceber nada de errado, mas ao rever as fotos em casa, notou que uma delas aparecia "o corpo de uma criatura", que poderia estar espreitando-a. No entanto, ao mostrar a foto para seus amigos, alguns deles disseram que poderia ser um "Pé-Grande", já outros alegaram que poderia ser um fantasma, uma vez que a floresta onde estava tinha uma "fama" de ser "mal-assombrada" devido a um desastre aéreo ocorrido no passado.

A princípio, todo esse enredo é bem interessante, mas como vocês sabem, sempre existe um porém. Todo o material divulgado sobre esse caso é da agência de notícias britânica Mercury Press and Media, que tem uma longa tradição de fornecer material (textos, fotos e vídeos) de assuntos sobrenaturais ou paranormais para os tabloides britânicos. A Mercury Press and Media afirma em seu site, por exemplo, que tem estado na vanguarda da cobertura de notícias tanto para a imprensa do Reino Unido quanto internacional, nos últimos 40 anos. No entanto, ela apenas coleta as informações, depoimentos, fotos e vídeos e monta um texto básico sobre o ocorrido, não há qualquer tipo de investigação e nenhuma preocupação se o conteúdo oferecido é falso ou não. O importante é tão somente lucrar com a informação, e esse efeito é sentido através dos tabloides britânicos, que também não costumam ir atrás da realidade dos fatos. Aliás, vocês lembram daquela recente postagem intitulada "A Foto de um Suposto "Fantasma" de um Menino de 12 Anos Poderia Solucionar um "Assassinato" Ocorrido há mais de 500 anos?" Pois bem, o conteúdo também partiu da Mercury Press and Media. De qualquer forma, vamos tentar não "julgar o livro pela capa", e conhecer melhor essa história para ver se realmente essa irlandesa conseguiu registrar algo sobrenatural, por mais improvável que seja, devido ao histórico dessa agência de notícias. Vamos saber mais sobre esse assunto?

Entenda Como Essa História Está Sendo Divulgada


Como referência para contar essa história para vocês, vamos nos basear no que foi apresentado ao público pelo site do tabloide britânico Daily Mail (DM), que é um dos principais disseminadores de notícias do mundo. Algumas são verdadeiras, outras são passíveis de confirmação ou questionamentos, e existem aquelas que possuem um viés muito forte de farsa, quase um desserviço e uma afronta a capacidade de pensamento das pessoas que acompanham as histórias que são contadas.

Assim sendo, na notícia publicada ontem (12) pelo DM, foi mencionado que uma irlandesa chamada Maxine Caulfield, 49 anos, estava passeando com seus cachorros em uma região florestal conhecida como Slieveanorra, no Condado de Antrim, na Irlanda do Norte, quando seus animais de estimação de repente pararam para observar algo atentamente, justamente aquilo que algumas pessoas passaram a dizer que seria um "Pé-Grande". Ainda de acordo com Maxine, seus cachorros usaram o "sexto sentido" deles para encontrar a estranha "criatura" entre as árvores.

Maxine Caulfield, 49 anos, estava passeando com seus cachorros em uma região florestal conhecida como Slieveanorra (na foto), no Condado de Antrim, na Irlanda do Norte, quando seus animais de estimação de repente pararam para observar atentamente, o que algumas pessoas passaram a dizer que seria um "Pé-Grande"
Entretanto, como sempre acontece nesses casos, foi somente ao chegar em casa e rever suas fotos, que Maxine e outras pessoas perceberam um "contorno assustador" semelhante a um "animal peludo" espreitando na floresta. Para piorar a situação, aparentemente a floresta tinha fama de ser mal-assombrada.

Entretanto, como sempre acontece nesses casos, foi somente ao chegar em casa e rever suas fotos, que Maxine (à direita) e outras pessoas perceberam um "contorno assustador" semelhante a um "animal peludo" (à esquerda) espreitando na floresta
Histórias de fantasmas sobre Slieveanorra vinham sendo contadas desde outubro de 1942, quando um bombardeiro B17, da Força Aérea dos Estados Unidos, caiu em uma montanha que fica "ao lado" dessa floresta. O desastre aéreo acabou resultando na morte de oito dos dez tripulantes da aeronave. Vale ressaltar que essa montanha tem o mesmo nome da floresta, ou seja, também é conhecida como Slieveanorra (antigamente chamada de Slieve-na-Aura), e possui cerca de 511 metros de altitude.

Em outubro de 1942, um bombardeiro B17 da Força Aérea dos Estados Unidos caiu em uma montanha, que fica ao lado dessa floresta. O desastre aéreo acabou resultando na morte de oito dos dez tripulantes da aeronave
"Não faço ideia do que seja, mas fiquei realmente assustada quando vi. Não é semelhante a nada que eu já tenha visto antes. Os cachorros normalmente estão cheios de energia e nunca param de correr, mas quando passamos por aquela parte da floresta, a gente parou e olhou na mesma direção. Era como se eles soubessem que havia algo ali. Não consegui ver nada naquela hora, mas quando cheguei em casa e mostrei as fotos para as pessoas foi assustador", disse Maxine.

"As pessoas estavam apontando para o rosto dele e dizendo que era o Pé-Grande. Sempre tive uma mente bem aberta em relação ao paranormal. Não duvido, e isso reforçou minha visão de que poderia haver alguma coisa por lá", continuou.

Maxine disse que passeia com seus cães - uma cadela da raça pastor alemã chamada Roxy, e um schnauzer miniatura chamado Charlie - semanalmente pela floresta, a cerca de sete quilômetros de sua casa no vilarejo de Clough Mills, que de acordo com o último censo realizado em 2011 possuía pouco mais de 1.300 moradores. Ela também teria descoberto uma misteriosa cruz de madeira fincada na floresta com a data de 31/03/76 gravada na mesma.

Maxine disse que passeia com seus cães - uma cadela da raça pastor alemã chamada Roxy (à esquerda), e um schnauzer miniatura chamado Charlie (à direita) - semanalmente pela floresta, a cerca de sete quilômetros de sua casa no vilarejo de Cloughmills
"Os cachorros estavam brincando na neve, mas as orelhas da minha cadela da raça pastor alemão levantaram quando ela passou por esse trecho. Isso não era normal. Quando você amplia a imagem parece o corpo de um animal. Isso faz você refletir ao considerar uma outra história e rumores sobre o lugar", acrescentou Maxine.

"Honestamente, não percebi o que estava lá naquele momento. Eu costumo tirar um monte de fotos quando eu saio com os cachorros, e dessa vez estou feliz que tenha registrado isso. Não conseguia ver o que os cachorros estavam olhando. Eu ficava pensando: 'Alguém está vindo? Estou segura aqui sozinha?'", continuou.

Ela também teria descoberto uma misteriosa cruz de madeira fincada na floresta
com a data de 31/03/76 gravada na mesma
"Eu tentei tirar isso da minha cabeça e não pensei mais no assunto, mas foi tão somente quando sentei e olhei com atenção é que eu notei que isso era um pouco estranho", completou.

"É uma região muito remota e existem algumas histórias relacionadas a antigos clãs irlandeses também. Há um memorial devido a um acidente aéreo, e encontrei uma cruz de madeira com uma data gravada nela. Tudo se resume a algumas coisas estranhas. Nunca havia visto um formato tal como naquela foto", finalizou.

Os Dados Facilmente Verificáveis e ou Mais Complicados de Serem Verificados em Relação a Notícia que Está Sendo Divulgada


Antes de comentarmos sobre a foto propriamente dita, é interessante que você saiba que algumas informações mencionadas na notícia são verdadeiras e facilmente verificáveis. Existe de fato um memorial em homenagem as vítimas da queda de um bombardeiro B17, da Força Aérea dos Estados Unidos, em uma montanha que fica "ao lado" dessa floresta. Esse memorial foi inaugurado em 10 de setembro de 2014, e foi muito comentado na mídia local, uma vez que a cerimônia contou com parentes de um dos sobreviventes, o cabo Leon Harrison (falecido em 1998), que era engenheiro de voo, assim como membros da Associação Norte-Americana de Aviadores de Slieveanorra.

O memorial foi inaugurado em 10 de setembro de 2014, e foi muito comentado na mídia local, uma vez que contou com parentes de um dos sobreviventes, o cabo Leon Harrison (falecido em 1998), que era engenheiro de voo, assim como membros da Associação Norte-Americana de Aviadores de Slieveanorra
Visão mais ampla do memorial e da placa que narra resumidamente o que aconteceu no local da queda do B17
pertencente a Força Aérea dos Estados Unidos
O memorial fica bem próximo do topo da montanha Slieveanorra
E qual a história sobre a queda dessa aeronave? Bem, resumidamente, esse aeronave pertencia ao 91º Grupo de Bombardeio Pesado, que era uma unidade do combate da Força Aérea dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial.

Essa unidade era composta por quatro esquadrões de aviões B17, que foram deslocados para a base da Força Aérea Real (RAF), em Bassingbourn, Cambridge, em outubro de 1942. No total eram cerca de 50 a 60 aeronaves e cerca de 2.000 oficiais envolvidos. O objetivo desse deslocamento era se juntar aos esquadrões da RAF para a realização de bombardeamentos concentrados sobre a Alemanha.

O objetivo desse deslocamento era se juntar aos esquadrões da RAF
para a realização de bombardeamentos concentrados sobre a Alemanha
A aeronave que caiu em Slieveanorra, identificada apenas pelo nº 124451, fazia parte de um grupo menor de outros sete B17 que partiram de Newfoundland, no Canadá, rumo ao Aeroporto de Prestwick, na Escócia, sendo que essa aeronave foi a única que não chegou ao seu destino final. A queda ocorreu as 11h10 (horário local) da manhã do dia 3 de outubro de 1942.

A aeronave que caiu em Slieveanorra, identificada apenas pelo nº 124451, fazia parte de um grupo menor de sete outros B17 que partiram de Newfoundland, no Canadá, rumo ao Aeroporto de Prestwick, na Escócia, sendo que essa aeronave foi a única que não chegou ao seu destino final. A foto mostra o local da queda da aeronave em Slieveanorra.
O local, ou seja, a região de Slieveanorra, também  foi cenário de uma batalha (conhecida como Batalha de Slieve-na-Aura ou Batalha de Aura) entre os clãs irlandeses dos Macquillans, O'Neills e MacDonnells, sendo que esse último se sagrou vencedor da batalha. O problema é que não existe consenso sobre quando exatamente essa batalha teria acontecido. O relato "tradicional" menciona que teria ocorrido em abril 1559, já o relato histórico menciona que teria sido em abril de 1583. Além disso, não se sabe quantas pessoas participaram dessa batalha, e nem mesmo o número de mortos.

Visão de um trecho de uma das principais rotas de acesso a montanha Slieveanorra,
em meio a floresta de coníferas
Imagem de satélite de uma das principais rotas de acesso ao topo da montanha Slieveanorra
Conforme vocês podem perceber, esses dois pontos da notícia, apesar de algumas ressalvas, são verdadeiros. No entanto, o que podemos verificar em termos de informação se limita tão somente a isso. A notícia possui diversas lacunas a serem preenchidas, e que costumam denotar uma farsa. Entre elas podemos citar:
  • Não é informado exatamente onde, quando e o horário em que a foto foi tirada;
  • Não é fornecida a imagem original ou com uma melhor qualidade para ser analisada;
  • Não há qualquer outra imagem do local sendo vista do mesmo ponto ou de outro ângulo;
  • Não menciona qualquer informação ou qualquer pesquisa que possa esclarecer a cruz encontrada. Afinal de contas, apenas encontrar uma cruz e uma data em um local isolado não indica muita coisa, visto que é necessário ir atrás de possíveis informações ou cruzar dados.
Como se isso não bastasse, aparentemente as pessoas não estavam tão divididas assim entre "Pé-Grande" ou "Fantasma", pelo contrário. A absoluta maioria dos comentários dos leitores do Daily Mail acharam a história totalmente estranha, e acreditavam que Maxine tinha fotografado apenas um toco de árvore coberto de musgo e neve. Houve também quem comentasse que pudesse ser uma pessoa vestindo uma roupa camuflada. Não podemos negar que a possibilidade de ser apenas uma pareidolia (fenômeno psicológico conhecido por fazer as pessoas reconhecerem imagens de rostos humanos ou animais em objetos, sombras, formações de luzes e em qualquer outro estímulo visual aleatório) é muito forte.

Se retirarmos alguns elementos que podem confundir a nossa interpretação diante dessa imagem, fica bem evidente a fortíssima possibilidade de ser apenas um toco de árvore conforme a maioria das pessoas vêm comentando. Além disso, a posição do que seria a "perna da criatura" soa totalmente incoerente e não aparenta pertencer ao que está sendo considerado como o "corpo" da mesma. Confira essas duas imagens abaixo, no qual isolamos as partes mais importantes:

Se retirarmos alguns elementos que podem confundir a nossa interpretação diante dessa imagem, fica bem evidente a fortíssima possibilidade de ser apenas um toco de árvore conforme a maioria das pessoas vêm comentando. Basta tampar com a sua mão bem acima da da linha inclinada superior (na imagem da esquerda), para notar que seria o toco de uma árvore.
Vale lembrar que apesar de ser retratada como uma região "muito remota" e ao mesmo tempo ser uma grande floresta de coníferas, Slieveanorra recebe muitos turistas durante o verão, e muitas espécies de plantas e animais vivem naquela área. Aparentemente, é comum que os moradores locais, ou seja, de cidades próximas, também levam seus animais de estimação para passearem no local, conforme podemos ver em alguns vídeos de terceiros e anteriormente publicados no YouTube.

Outro detalhe que chama a atenção é que aos pesquisarmos sobre possíveis relatos de fantasmas ou avistamentos de "Pé-Grande" naquela região da Irlanda do Norte, existem pouquíssimos e raros relatos nesse sentido (o mesmo vale para demais localidades do Reino Unido). Uma vez que não existe muito material disponível sobre esses rumores, é possível, por exemplo, na melhor das hipóteses, que seja algo mais local, e transmitido de forma oral ao longo das gerações. Resumindo? Apesar dos locais onde ocorrem tragédias serem comumente noticiados como mal-assombrados, não temos nenhum indicativo que a foto tirada por Maxine represente um "fantasma" ou até mesmo um "Pé-Grande".

Outro detalhe que chama a atenção é que aos pesquisarmos sobre possíveis relatos de fantasmas ou avistamentos de "Pé-Grande" naquela região da Irlanda do Norte, existem pouquíssimos e raros relatos nesse sentido (o mesmo vale para o restante do Reino Unido)
Por outro lado, saber se Maxine vendeu essa história com propósito meramente financeiro - aproveitando-se da indústria do paranormal na mídia britânica, que paga razoáveis quantias por asssuntos assim - ou se realmente ela percebeu algo estranho, e acreditou que essa imagem pudesse de alguma forma refletir o que ela vivenciou, é bem complicado. Estaríamos julgando o caráter de Maxine, e nesse ponto isso seria totalmente subjetivo, exceto que tivéssemos mais evidências do seu objetivo, algo que que não temos.

É importante ressaltar que o problema não é a análise que mostro a vocês, mas o material e o índice de credibilidade de informação repassada por terceiros, que supostamente presenciaram algo. Isso me lembra um recente caso de uma "banhista" que havia tirado uma selfie e registrado um "OVNI" no Amapá, cujo caso foi publicado por um site chamado "Seles Nafes". Na notícia era mencionado que a mulher havia percebido algo estranho na foto, imediatamente tirou outra selfie num ângulo próximo do original, mas dessa vez priorizando o céu. Para sua decepção, objeto não aparecia mais na foto. A mulher garantiu que não se tratava de montagem, e que não sabia manipular imagens. Até mesmo "especialistas" consultados tinham tido que não havia indícios de manipulação. Resultado? Bem, o "OVNI" era um carimbo de celular, de um aplicativo chamado UFO Camera, de uma empresa chamada Camera 360, que você pode conferir clicando aqui. Isso não se aplica apenas a "OVNIs", mas assim como fotos e vídeos de "Pé-Grande", "lobisomens", "fantasmas" etc. Requer sempre muito cuidado e atenção ao divulgarmos algo desse gênero pelo imenso número de farsas que estão espalhadas, e que infelizmente muitos acreditam cegamente, possivelmente por não ter uma base maior para análise. Espero que postagens como essa possam elevar o senso crítico de vocês nesse sentido, uma vez que são importantes para que vocês tentem separar o joio do trigo.

Apesar de não acreditar no material apresentado por ela, percebi que muitas pessoas a julgaram por sua aparência, que não indicaria de uma pessoa confiável, inclusive dizendo que ela própria seria o "Pé-Grande". Isso, sem dúvida alguma, é extremamente condenável, visto que uma coisa é você questionar a história e oferecer aspectos significativos que apontem uma mera pareidolia, por exemplo. Já outra completamente diferente é você ofender alguém, e desqualificá-la por sua aparência, por possuir tatuagens ou gostar de usar roupas pretas. Isso é algo que vocês devem evitar de fazer ao máximo. Reflitam antes de atirarem a primeira pedra nesse sentido, e sempre foquem na capacidade técnica das pessoas envolvidas, reputação, envolvimento com farsas etc. Não se deve colocar na balança a aparência física ou preferências pessoais, entendem? Enfim, e vocês, no que acreditam? É realmente alguma criatura? Um ser sobrenatural? Tudo isso não passa de tocos de árvores cobertos por musgo e neve? Deixem sua opinião sobre o assunto!

Até a próxima, AssombradOs!

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://g4isj.blogspot.com.br/2015/03/sota-slieveanorra-giah-003.html
http://www.91stbombgroup.com/memorials/ireland_memorial.html
http://www.coasttocoastam.com/article/bigfoot-photographed-in-northern-ireland/
http://www.dailymail.co.uk/news/article-4112540/Is-picture-BIGFOOT-Northern-Ireland-Mother-walking-dogs-snaps-sasquatch-woods.html
http://www.grandforksherald.com/news/region/3752059-hilltop-monument-pays-tribute-airmen-who-crashed-northern-ireland
https://en.wikipedia.org/wiki/Slieve-na-Aura
https://www.youtube.com/watch?v=dHilxXhX2f0
Comentários