22 de janeiro de 2017

O Experimento Filadélfia

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Eles são lançados primeiro lá, depois que vem pra cá :) Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

Diz a lenda que em 1943 um experimento militar fez o destróier USS Eldridge desaparecer, se teletransportar em um local centenas de quilômetros distante e voltar, além de viajar 40 anos para o futuro e voltar! Venha conhecer um dos maiores mitos de século XX: O Experimento Filadélfia.

Fala Assombrados! Nesta postagem vou trazer para você um dos experimentos mais extraordinários do século XX: O Experimento Filadélfia. Se realmente aconteceu, foi algo incrível. Vamos conhecer toda a história...

Os U-Boats Fizeram Estrago na 2ª Guerra Mundial

Durante a 2ª Guerra Mundial, os EUA e os aliados perdiam muitos navios para os U-BOATs (submarinos) alemães. Estavam levando uma surra e isso estava prejudicando-os, pois muitos soldados, alimentos e principalmente materiais bélicos eram transportados de barcos dos EUA e Canadá para a Europa. Bombas magnéticas nazistas também estavam dizimando as embarcações dos aliados. Os ingleses tiveram algum sucesso em neutralizar as bombas magnéticas, mas os UBOATs alemães eram um problema a ser resolvido.

U-995, um típico U-boat alemão





Projeto Rainbow

Assim, a marinha americana cria uma operação secreta em 1943 chamada Projeto Rainbow (Projeto Arco-íris), com um objetivo bem simples: tornar os navios invisíveis aos radares inimigos. Veja bem, a radares, não visualmente. Uma das mentes que estavam por trás do projeto Rainbow era ninguém menos que Albert Einstein.

Na tentativa de ficar invisíveis aos radares inimigos, segundo a lenda, os pesquisadores do projeto usaram a Teoria de Campo Unificada, que é um tipo de teoria de campo que permite que todas as forças fundamentais entre partículas elementares sejam descritas em termos de um único campo. Não há ainda nenhuma teoria do campo unificado aceita, e este assunto permanece como um campo aberto para pesquisa. O termo foi criado por Albert Einstein que tentou unificar a teoria da relatividade geral com o eletromagnetismo.

Nos estaleiros navais da Filadélfia equiparam o destróier de escolta DE-173 Eldridge com um potente gerador e os testes começaram, tendo seu ápice no dia 28 de Outubro de 1943. Neste dia, o destróier simplesmente sumiu dos radares, da visão, se teletransportou para base naval de Norfolk no estado da Virgínia, há pouco mais de 346 km de distância e viajou no tempo, ficando alguns momentos no ano de 1983.


O Início de Tudo: Morris K. Jessup e Carl Allen

Morris K. Jessup
Talvez nós nunca tivéssemos ouvido falar do experimento Filadélfia se não fosse pela publicação de um livro sobre discos voadores publicado em 1955: "The expanding case for the UFO", escrito por Morris K Jessup, um astrônomo formado pela Universidade de Michigan, onde ele também palestrou por um tempo. O livro de Jessup nunca mencionou o experimento, mas chamou a atenção das pessoas, pois ele fez muitas palestras para promovê-lo.

Assim, em janeiro de 1956 Jessup recebeu uma carta que comentava sobre o que Jessup escrevera sobre os OVNIs e em certo ponto havia uma referência a um incidente incomum: em outubro de 1943 um experimento ultra-secreto foi conduzido pela Marinha dos EUA. O resultado da experiência foi a invisibilidade e teleporte de um destróier dos EUA, enquanto no mar.

A carta era assinada por um certo Carl Allen, que também usou o pseudônimo de Carlos Miguel Allende. De acordo com Allen o Experimento era de fato uma aplicação prática da Teoria de Campo Unificado de Einstein. Allende afirmava ter testemunhado a experiência enquanto estava a bordo de outro barco.

Jessup não estava convencido pelas alegações selvagens de Allen e pediu evidência mais substancial para o incidente. A resposta de Allen veio em 25 de maio de 1956, e não forneceu a evidência que Jessup esperava.

A Marinha Americana Entra no Caso

A última aparição de Allen registrada de forma confiável
foi em 1983, em uma entrevista a Linda Strand.
Acredita-se que Allen morreu em 1994 em Colorado,
de acordo com os registros da Previdência social.
Sem o conhecimento de Jessup, um exemplar de seu livro foi enviado ao Escritório de Pesquisas Navais da Marinha norte-americana e um ano depois, na primavera de 1957, Jessup recebeu um convite para uma reunião do Escritório da Marinha de Pesquisa Naval (ONR – Office of Naval Research). Foi-lhe apresentada uma cópia de seu livro repleta de anotações. As anotações estavam em três cores diferentes e aparentemente em três letras diferentes, assim de três pessoas.

Jessup viu que o estilo de escrita não deixava dúvidas: a cópia com anotações do livro de Jessup que a marinha estava investigando tão a fundo era obra de Carlos Allende!

Ele então explicou isso para a Marinha, que quis ver as cartas de Allende.

Em uma atitude inusitada, o Escritório da Marinha publicou um livro com as anotações e cartas de Allende! Foram impressas de 10 a 130 exemplares com as anotações. Três unidades ficaram com Jessup e os outros foram distribuídos a funcionários. Esta versão do livro de Jessup ficou conhecida como a "Edição da Varo", nome da companhia que lidou com a publicação. (assombrados, nem adianta ir procurar porque não tenho na minha humilde loja virtual para vender... mas se tivesse, acho que custaria uma pequena fortuna!!!!)

Enfrentando problemas pessoais, Jessup se suicidou dois anos depois, em abril de 1959. Ele foi encontrado morto dentro do seu carro, asfixia. Jessup foi encotnrado morto no seu Chevrolet branco. O motor estava ligado e um cabo conectado ao cano de escape entrava por uma janela traseira. Jessup não parecia estar disposta a se matar e algumas pessoas contestam a tese de suicídio. Hum... estranho.

Capa do livro de 1955 "The Case for the UFO" de Jessup (esquerda). Livro posterior (centro) e finalmente a edição definitiva, com as cartas recebidas por Allende e a edição VARO do livro. Deve ser baratinho comprar estas edições :))))


O Experimento Filadélfia

Mas o que as cartas que Allen enviou para Jessup diziam? O que foi que ele testemunhou? Segundo Allen, ele presenciou experiências feitas com o destróier USS Eldridge. Ele teria sido equipado com os equipamentos exigidos nos estaleiros navais da Filadélfia, como um potente gerador, e seguindo a Teoria de Campo Unificado de Einstein, tentaram deixá-lo invisível, tanto ao radar como aos olhos humanos!

No dia 22 de julho daquele ano, o Eldridge ficou quase totalmente invisível, enquanto algumas testemunhas afirmaram ter visto uma espécie de “névoa esverdeada” envolvendo-o. Após o experimento, porém, alguns tripulantes se queixaram de náuseas. Então o comando do experimento dá a ordem do navio ficar invisível somente ao radar, e não ao olho humano.

Um novo teste foi feito no dia 28 de outubro de 1943. O equipamento não foi calibrado direito e algo surreal aconteceu. Dessa vez, o Eldridge teria não só se tornado totalmente invisível a olho nu, mas desaparecido de seu local em um flash de luz azul. De acordo com algumas notas, a base naval de Norfolk, no estado da Virgínia, a pouco mais de 346 km de distância, teria relatado o avistamento do Eldridge em alto-mar. Em seguida, a embarcação teria desaparecido de vista e reaparecido na Filadélfia, no local que tinha originalmente ocupado, em aparente caso de teletransporte.

Só que algo terrível havia acontecido: Quando o USS Eldridge ficou visível novamente, constatou se vários de seus tripulantes estavam simplesmente loucos! Eles sofreram profundos efeitos fisiológicos, e alguns até terríveis enjoos e problemas mentais desencadeados pela experiência. O mais impressionante foi que alguns dos tripulantes teriam se fundido com a estrutura metálica do navio! E mais, algum tripulantes desapareceram como uma névoa na frente das pessoas...

Horrorizados com esses resultados, oficiais da marinha tiveram que cancelar imediatamente o experimento. Todos os sobreviventes da tripulação envolvidos sofreram lavagem cerebral na tentativa de fazer os mesmos perderem memória a respeito de detalhes da experiência.

Caramba, é uma história e tanto que o Sr. Allen presenciou.

Em um dos testes o navio ficou envolto em uma névoa verde e quase desapareceu

Cena do filme "Projeto Filadélfia" mostrando os corpos fundidos


O navio USS Eldridge.


A História virou Filme!

Charles Berlitz é o cara! Ele foi o responsável por tornar mundialmente famoso o Triângulo das Bermudas com a publicação em 1974 do livro "O Triângulo das Bermudas". Também foi o responsável por tornar conhecido no ocidente o Triângulo do Dragão, com a publicação em 1989 do livro "Dragon´s Triangle" (O Triângulo do Dragão). Não é que ele também que foi o responsável por difundir o experimento Fidalélfia com o livro "The Philadelphia Experiment" de 1979, escrito junto com William L. Moore?

Este livro trouxe uma entrevista feita por Berlitz com Allen, que em 1969 procurou o escritório da Marinha Americana para dizer que inventou toda a história, mas voltou atrás em sua confissão.

Com o sucesso do livro de Berlitz publicado em 1979, Hollywood não perdeu tempo e em 1984 lançou o filme The Philadelphia Experiment (Projeto Filadélfia no Brasil - Um Passo para o Futuro no SBT) com direção de Stewart Raffill. Segue sinopse:

No ano de 1943, a marinha americana está pronta para executar o ambicioso Projeto Filadélfia, onde sofisticadas técnicas são empregadas na tentativa de evitar a detecção de sinais por radar. Um erro faz com que David Herdeg (Michael Paré) e Jim Paker (Bobby Di Cicco), membros da tripulação do destroyer Eldridge, viajem pelo tempo sofrendo os efeitos terríveis e letais causados pela alteração de eletro-energias e são perseguidos pelos que não crêem em sua versão fantástica dos fatos. Tentando mudar o rumo da história e do tempo, o Dr. Longstreet (Eric Christmas) tenta salvar o universo ameaçado pelo audacioso projeto científico.

Eu assisti este filme nos anos 80 e lembro que adorei. Fiquei realmente impressionado com a história, as cenas das pessoas enlouquecendo e presas as ferragens...


...
O Enigma Al Bielek

Al Bielek falando sobre o Experimento Filadélfia
Acha que acabou. O Experimento Filadélfia ficou mais intrigante ainda!

Em 1988 surge um homem misterioso: Al Bielek. Com Ph. D. em física por Harvard, afirma que estava a bordo do navio USS Eldridge durante o Experimento Filadélfia. Ele alega que sofreu lavagem cerebral para esquecer tudo, e que suas recordações só voltaram depois de assistir ao filme "The Philadelphia Experiment".

Al Bielek tem um meio-irmão por parte de pai, Duncan Cameron Jr., também tem Ph.D. em física pela Universidade de Edimburgo, e que afirma também estar a bordo do navio.

Os irmãos teriam desembarcado em 1983 na sede do Projeto Mountak, co-reponsável pelo túnel temporal que o Eldridge atravessara. Então o navio além de ter desaparecido e se teletransportado, também teria viajado no tempo!

Bielek sustentou sua história apaixonadamente através de uma série de conferências, livros, entrevistas, e até mesmo vídeos, incluindo vários detalhes científicos (seu Ph.D. em Física sendo-lhe muito útil).

No livro Conspirações de Edson Aran (Geração Editorial), é possível ler a verdadeira história dos últimos cem anos segundo Bielek:
1.Os nazistas estabeleceram um pacto com os alienígenas pleiadianos nos anos 40. Essa cooperação teria permitido aos alemães pousarem na Lua em 1947. OK, blogueiro esperto: nós sabemos que a Alemanha era uma montanha de escombros nessa época e que os principais cientistas do país já haviam sido adotados pelos russos e americanos. Mas as histórias que envolvem o Experimento Filadélfia e o Projeto Montauk são contraditórias e confusas assim mesmo. 
2.Os americanos também fizeram um pacto com extraterrestres nos anos 40/50, mas preferiram se aliar aos GREYS, pois os pleiadianos exigiam a desativação de todas as armas nucleares do país. 
3.Uma expedição russo-americana conquistou a Lua em 1962. O pouso oficial da Apollo 11 em 1969 é só uma versão pública de fachada. 
4.Marte foi conquistado pelos russos e americanos em 1969. Bielek diz que ele próprio visitou o planeta nos anos 70, usando os túneis espaço-temporais do Montauk. Ele afirma ter descoberto vestígios de uma civilização marciana desaparecida a milhares de anos. 
5.O cientista também teria conhecido diversos universos paralelos. Em um deles, uma idéia clássica da ficção científica parece ter virado realidade: a Segunda Guerra Mundial foi vencida pela Alemanha e pelo Japão. 
6.O Projeto Montauk e o Experimento Filadélfia eram monitorados por um consórcio de alienígenas originários dos sistemas estelares de Orion, SÍRIUS e Alfa Centauro. Mas os extraterrestres não eram confiáveis. Bielek acredita que as fendas temporais foram criadas não para ajudar o progresso científico da humanidade, mas sim para permitir a entrada dos discos voadores em nossa dimensão, possibilitando uma invasão. 
7.O Montauk foi desmontado em 1983, depois de um acidente provocado por Duncan Cameron Jr. Al Bielek adverte, contudo, que a desativação pode ter sido uma farsa. O Projeto Montauk talvez ainda esteja na ativa em algum lugar secreto. Deste mundo ou de um outro qualquer.
Al Bielek faleceu no dia 10 de outubro 2011 as 6:30hs em Guadalajara, México. Ele tinha 84 anos e foi enterrado em um cemitério em Guadalajara. Visite seu site!

Existe um site na internet que desvenda e diz que tudo em Al Bielek é uma farsa. Leia aqui!
.
.
Projeto Montauk

Em 1992 foi publicado o livro "The Montauk Project: Experiments in Time" de Preston B. Nichols e Peter Moon. Eles revelaram que o governo americano criou em 1943 um comitê de pesquisa para tentar entender o que aconteceu ao USS Eldridge, chamado Projeto Fênix, comandado por John Von Neumann. As pesquisas continuaram e, para afasta-las do público, em 1971 o projeto foi transferido para uma base da Aeronáutica em Montauk, Nova York, e rebatizado como Projeto Montauk

Então em 12 de agosto de 1983 um novo experimento foi posto em prática e acabou abrindo um túnel temporal, causando um looping temporal e trazendo o USS Eldridge para o futuro.

Estação de radar abandonada em Montauk Point



Uma Possível Explicação

Para a Marinha dos EUA nunca existiu Experimento Fidadélfia. Allen (o homem que enviou as cartas a Jessup) confundiu conversas que ouviu e tratavam do degaussiamento [degaussing] de navios para protegê-los contra minas e torpedos magnéticos (torná-los "invisíveis" a dispositivos ativados por magnetismo). Talvez Allen também tenha interpretado mal, intencionalmente ou não, outros dispositivos experimentais, mas não exóticos, que estavam na ocasião montados em navios, como parafusos de novos tipos, novos sonares, etc.

Na realidade o procedimento de degaussiamento, falando tecnicamente, se assemelha muito às descrições de Allen. É alcançado por um campo eletromagnético criado por fios correndo ao longo do corpo principal do navio.

A técnica foi empregada na Segunda Guerra Mundial pela Grã-Bretanha e é uma tecnologia militar ainda em uso atualmente. Embora o degaussing proteja barcos contra torpedos, ele não tem efeitos sobre o radar.

Uma História Inventada?

O autor e pesquisador William Moore pesquisou a fundo o assunto, encontrando o verdadeiro Carlos Allende (várias pessoas na época diziam que eram Carlos Allende), que lhe disse que  testemunhou o experimento enquanto trabalhava no navio Andrew Furuseth. Allende disse que o experimento ocorreu em alto mar.

Só que após pesquisar, Moore descobriu que a única vez que estes dois navios, o Andrew Furuseth e o Eldridge se encontraram foi no Atlântico, em um comboio com destino a África, um local nada provavel para se fazer um experimento desse.

Outra coisa descoberta por Morre foi que o USS Eldridge nunca esteve nos estaleiros da Fildadélfia....

E mais, todo o dinheiro e experimentos possíveis foram desviados para o Experimento Manhattan em 1943, que culminou no desenvolvimento da Bomba Atômica.

O máximo que aconteceu, segundo Moore, foram testes de camuflagem eletrônica realizados em maquetes.

Que fim levou o USS Eldridge?

O USS Eldridge foi colocado fora de serviço (reserva) em 17 de Junho de 1946. Em 15 de Janeiro de 1951, foi transferido para o Programa de Assistência de Defesa Mútua da Grécia , foi rebatizado como HS Leon (D-54) . Leon foi desmantelado em 5 de Novembro de 1992, e em 11 de Novembro de 1999, foi vendido como sucata para a empresa V & J Scrapmetal Trading Ltd.

Um fim nada glorioso para um navio que é responsável por uma das maiores lendas urbanas do século XX.

.

Fontes (Acessadas em 17/03/2014):
- Ceticismo Aberto: O Experimento Filadélfia: História e Mito
- Revista UFO: O Experimento Filadélfia teria levado um navio de guerra à invisibilidade
- Wikipedia.pt: Experimento Filadélfia
- Livro Conspirações, Edson Aran. Páginas: 27-29  e 97-99
- Jovem Nerd: O EXPERIMENTO FILADÉLFIA
Comentários