9 de dezembro de 2016

Conheça uma Festividade Chamada "Queima do Diabo": Uma Polêmica Tradição Secular Muito Popular na Guatemala!


Por Marco Faustino

Continuando na busca incessante e infindável em trazer conteúdos que possam agregar conhecimento ou enriquecer culturalmente vocês, me deparei com um interessante festival que acontece todo o dia 7 de dezembro em diversos bairros da Cidade da Guatemala (além de algumas cidades vizinhas), capital do país de mesmo nome, que por sua vez é o terceiro maior país em extensão territorial da América Central, perdendo apenas para a Nicarágua e Honduras. O nome é um tanto quanto sugestivo, "Quema del Diablo", ou seja, a "Queima do Diabo", e acontece em uma data bem peculiar, visto que antecede as festividades relacionadas a Imaculada Conceição que é, segundo o dogma católico, a concepção da Virgem Maria sem a mácula do pecado original. Em bairros e praças de algumas cidades, muitos guatemaltecos, que são adeptos ou seguidores desse festival enraizado na cultura popular, ateiam fogo em bonecos que remetem à figura do diabo ou então representam personagens e situações que causam algum prejuízo aos cidadãos. Assim sendo, a "Queima do Diabo" serve basicamente para afastar os males, como a violência, a pobreza, o crime, a corrupção, e acaba culminando ao incendiarem bonecos representando personagens nefastos a nível nacional e internacional. Um detalhe interessante, no entanto, é que essa festividade não possui o aval da Igreja Católica e de nenhuma outra determinação religiosa, sendo que poderíamos dizer que é praticamente "exclusivo" da Guatemala, visto que não acontece em nenhum outro lugar do mundo (embora tenha uma leve semelhança com a nossa "Malhação do Judas" ou a "Queima de Judas", assim como outras celebrações envolvendo atos de purificação pelo fogo ao redor do mundo, inclusive no Brasil).

Particularmente, sempre gosto muito de abordar assuntos, sejam eles lendas, costumes ou tradições, que envolvam a América Latina, Central e o México, visto que temos uma cultura riquíssima e muitas vezes inexplorada "ao nosso redor". Por conta da globalização, acabamos involuntariamente importando valores e tradições sem nos darmos conta da importância que existe em noticiar e divulgar o que acontece culturalmente em nosso próprio país ou daqueles que compartilham o mesmo continente que o nosso. Recentemente, por exemplo, fizemos uma postagem relacionada ao "El Pombero" (também conhecido por Karai Pyharé), uma espécie de "duende" que habitaria as florestas de determinadas regiões da Argentina, do sul do Brasil e do Paraguai, cuja suposta origem viria da mitologia do povo Guarani. Apesar das histórias envolvendo o "El Pombero" serem um tanto quanto sombrias e possuírem características de outros seres igualmente lendários, as mesmas fazem parte de um conjunto bem interessante, e que com certeza valia a pena ser contado (leia mais: Um Jovem Encontrado Amarrado no Alto de uma Árvore Foi Atacado pela Lendário e Mitológico "El Pombero", no Paraguai?).

Nesse caso específico da Guatemala, existe um material muito interessante disponível sobre esse tema, que ao mesmo tempo se traduz em uma tradição que foi sendo construída ao longo dos séculos. Não é muita coisa, mas é possível notar a importância que a mídia local dá para essa festividade, e a forma como tentam tratar esse assunto. Então, acredito que também vale a pena vocês acompanharem conosco essa postagem em busca de entendermos um pouco mais sobre a festividade denominada "Queima do Diabo", sua origem, sua real intenção e a importância que isso possui para a vida de milhares de guatamaltecos. Vamos saber mais sobre esse assunto?

A Origem da "Queima do Diabo": Uma Tradição Que Ganhou Novas Conotações ao Longo dos Séculos, na Guatemala


De acordo com a antropóloga Ofelia Columba Déleon Meléndez, em seu estudo chamado "Fiestas Populares de Guatemala: Una aproximación Histórica y Etnográfica", o ciclo de festividades natalinas da Guatemala inclui uma celebração denominada "Quema del Diablo" ("Queima do Diabo", em português).
Essa manisfestação cultural é realizada anualmente em 7 de dezembro, pontualmente às 18h, principalmente em bairros "mais populares" (interpretem isso como sendo os bairros mais pobres) da capital do país, Nueva Guatemala de la Asunción, ou simplesmente Cidade da Guatemala. Tal manisfestação cultural também acontece em algumas cidades vizinhas da região metropolitana, assim como Antigua Guatemala.

O ciclo de festividades natalinas da Guatemala inclui uma celebração denominada "Quema del Diablo" ("Queima do Diabo", em português). Essa manisfestação cultural é realizada anualmente em 7 de dezembro, pontualmente às 18h em diversas localidades do país
Tal manisfestação cultural também acontece em algumas cidades vizinhas da região metropolitana,
assim como Antigua Guatemala
Sua origem está intimamente relacionada a festa da Virgem da Conceição (também conhecida como Nossa Senhora da Imaculada Conceição ou simplesmente Imaculada Conceição), visto que os guatemaltecos "queimam o diabo" primordialmente para purificar as ruas por onde passará a procissão em homenagem à Virgem da Conceição no dia seguinte (8). Vale lembrar que a Imaculada Conceição também é a padroeira de inúmeras cidades no Brasil, muito embora não tenhamos essa peculiar tradição por aqui.

Sua origem está intimamente relacionada a festa da Virgem da Conceição (também conhecida como Imaculada Conceição), visto que os guatemaltecos "queimam o diabo" primordialmente para purificar as ruas por onde passará a procissão em homenagem à Virgem da Conceição no dia seguinte (8)
Entretanto, para tentar compreender sua origem é necessário voltar um pouco no tempo. No século XVI, chegou até a Capitania Geral do Reino de Guatemala, na cidade de Santiago de los Caballeros, uma imagem de Nossa Senhora sob a égide da Imaculada Conceição. Essa imagem, também conhecida como Virgen de los Reyes, foi trazida da Espanha pelo Frei Antonio Tineo, e originalmente seria destinada para o Convento de São Francisco, no Vale de Almolonga, local atualmente conhecido como Cidade Velha.

Aquela era uma imagem tão bela que impressionou o religioso, que então decidiu deixá-la na Capela de São Francisco, O Grande, no Vale do Panchoy, um ato que ficou conhecido como "sequestro divino". Em 22 de setembro de 1617, a mesma se tornou padroeira da cidade de Santiago de los Caballeros, sendo que em 8 de novembro daquele mesmo ano, as autoridades locais autorizaram uma procissão anual em homenagem à Virgem, que seria realizada todo dia 8 de dezembro. Isso contribuiu e muito para o aumento da religiosidade e devoção da mesma na cidade.

Assim sendo, a partir de 1738, as autoridades passaram a ordernar para que fosse iluminado, através de velas, todo o trajeto pela qual a procissão iria passar, tanto no dia 7 quanto no dia 8 de dezembro. É importante ressaltar, é claro, que não havia energia elétrica naquela época, portanto velas eram muito úteis e comuns nesse sentido.

Plano diretor da cidade de na cidade de Santiago de los Caballeros pouco antes dos terremotos de 1773
Devido a destruição da cidade de Santiago de los Caballeros, que foi causada por uma séries de terremotos em 1773, as autoridades locais decidiram mudar a capital para outro local, não muito longe dali, e denominaram a nova cidade de Nueva Guatemala de la Asunción, fundada provisoriamente em 1º de janeiro de 1776 e, em última instância, por ordem real em 23 de maio do mesmo ano. Então, a imagem passou a ser considerada como a Virgem da Conceição de São Francisco, e se tornou a padroeira da nova cidade.

Atualmente a imagem da Virgem da Conceição encontra-se na Igreja de São Francisco, na Cidade da Guatemala
Já a cidade de Santiago de los Caballeros atualmente é a cidade conhecida como "Antigua Guatemala". A tradição de iluminar as ruas, no entanto, permaneceu em Nueva Guatemala de la Asunción, sendo que aos poucos seus moradores começaram a acender pequenas fogueiras em frente as suas casas para iluminar ainda mais o trajeto da procissão.

É difícil dizer exatamente o momento pelo qual essa tradição de iluminar as ruas para a passagem da Virgem da Conceição, se transformou na celebração tal como conhecemos atualmente na Guatemala. Muitos historiadores e estudiosos de tradições populares da Guatemala dizem que essa celebração se tornou uma espécie de "ponto de partida" para outras festas natalinas no país, que culminam em sua máxima expressão no dia 24 de dezembro, véspera de Natal.

Assista também a uma matéria sobre a história da "Queima do Diabo", que foi realizada pelo canal de notícias TN23, da Radio Televisión Guatemala, que foi publicada na última quarta-feira (7), em seu próprio canal no YouTube (em espanhol):



De acordo com a tradição guatemalteca, que acabou ganhando novas conotações ao longo do tempo, "A Queima do Diabo" além de ser um ato de purificação pelo fogo, é um ato pelo qual a população rejeita o mal, e aguarda pelas festas da Virgem da Conceição. Essa tradição, repassada de geração em geração, considera que ao longo do ano, o Diabo se esconde entre as coisas velhas ou que não estão sendo mais utilizadas pelos moradores dentro de suas casas, logo tudo isso deve ser removido e queimado. Lembrando nesse ponto, que o fogo também simboliza a luz da Virgem e sua vitória sobre o Diabo.

Os guatemaltecos, principalmente as crianças, limpam suas casas de objetos em desuso, jornais e revistas velhas que foram acumuladas ao longo do ano, recolhem palha e galhos secos de árvores, e os empilham em pequenos, médios e grandes amontoados nas ruas
Os moradores aguardam ansiosamente pela noite de 7 de dezembro para incediar os amontoados de "coisas velhas"
de suas casas em um ato simbólico de "queimar o Diabo"
Assim sendo, dias antes dessa festividade, os guatemaltecos, principalmente as crianças, limpam suas casas de objetos em desuso, jornais e revistas velhas que foram acumuladas ao longo do ano, recolhem palha e galhos secos de árvores, e os empilham em pequenos, médios e grandes amontoados nas ruas, aguardando ansiosamente pelo dia 7 de dezembro para incendiá-los. Momentos antes de serem incediados, no entanto, muitas vezes os moradores acrescentam fogos de artifício, o que torna o ato praticamente um show pirotécnico para vizinhos e curiosos.

Momentos antes de serem incediados, no entanto, muitas vezes os moradores acrescentam fogos de artifício, o que torna o ato praticamente um show pirotécnico para vizinhos e curiosos
O comércio, é claro, não poderia ficar de fora de toda essa tradição. Nos últimos anos, se popularizou a queima de "diabinhos" confeccionados de papel crepom vermelho, e moldados em estruturas de arame tal como as icônicas piñatas (também conhecidas como "pichorras"), que são muito comuns em festas de aniversário no México, mais comumente sob a forma de uma estrela de cinco pontas (muito embora hoje em dia existam os mais diferentes modelos e estilos). As lojas ficam repletas dessas "pichorras diabólicas", que também possuem os mais diversos tamanhos e os mais variados preços, é claro.

Nos últimos anos, se popularizou a queima de "diabinhos" confeccionados de papel crepom vermelho, e moldados em estruturas de arame tal como as icônicas piñatas (também conhecidas como "pichorras")
Até mesmo tiaras ou arcos de cabelo com chifres incandescentes são vendidos para aqueles que desejam estar a caráter para acompanhar essa grande queima, que se espalha por todos os cantos da cidade
Além disso, muitas pessoas ultrapassam a arte de criar essas pichorras e criam grandes alegorias com a presença da figura do Diabo, retratado da forma mais comum do imaginário popular, e com tudo o tem direito: chifres, asas, garfos e um olhar amedrontador. Todo esse trabalho para que no fim tudo seja incediado em meio ao delírio da população. Até mesmo tiaras ou arcos de cabelo com chifres incandescentes são vendidos para aqueles que desejam estar a caráter para acompanhar essa grande queima, que se espalha por todos os cantos da cidade.

Além disso, muitas pessoas ultrapassam a arte de criar essas pichorras e criam grandes alegorias com a presença da figura do Diabo, retratado da forma mais comum do imaginário popular, e com tudo o tem direito: chifres, asas, garfos e um olhar amedrontador
Todo esse trabalho para que no fim tudo seja incediado em meio ao delírio da população
Evidentemente, uma celebração com uma proporção e uma taxa de aceitação tão alta não passaria desapercebida, e seria alvo de questionamentos por parte das autoridades locais, da mídia, e por parte da própria população, que passou a ver a tradição como uma adoração ao diabo. Até mesmo de grupos de preservação ambiental veem com muita preocupação as consequências que a queima generalizada de papéis, plásticos e outros materiais podem gerar para o meio ambiente e para a própria população. É justamente isso que vocês vão conferir a seguir.

O Lado Polêmico e Negativo da "Queima do Diabo"


Atualmente, a "Queima do Diabo" tornou-se um assunto que gera discórdia entre a população, devido a ação de alguns grupos mais radicais que exigem o fim da tradição. Um dos principais questionamentos gira em torno do efeito prejudicial que a queima dos materiais utilizados durante essa celebração pode causar na saúde da população como um todo. Apesar de muitos apontarem que é muito importante manter uma certa tolerância em virtude da preservação da identidade cultural da Guatemala, outros dizem que isso precisa vir acompanhado do bem-estar daqueles que não participam da mesma. A queima de objetos de plástico, pneus e outros materiais sintéticos resultam na poluição do ar, partículas de fuligem, cádmio, arsênio, chumbo e zinco.

De acordo com o site deGUATE.com, o plástico produz dioxinas, que estão entre os produtos mais tóxicos que o homem já produziu, provocando câncer, alteração das defesas do corpo e afetam o sistema reprodutor. O zinco e cádmio são metais pesados persistentes no meio ambiente e, caso sejam absorvidos pelo corpo humano, podem permanecer durante décadas antes de serem excretados. Nos seres humanos, a exposição prolongada está associada com mau funcionamento dos rins. Também podem causar doenças pulmonares (inclusive câncer de pulmão) e pode causar osteoporose em seres humanos e animais.

Atualmente, a "Queima do Diabo" tornou-se um assunto que gera discórdia entre a população, devido a ação de alguns grupos mais radicais que exigem o fim da tradição
Ainda segundo o site, a exposição ao chumbo pode causar os mais diferentes efeitos nos seres humanos, uma vez que pode afetar a formação da hemoglobina, a função renal, o trato gastrointestinal, as articulações e o sistema nervoso. Já a exposição ao arsênio pode ocorrer através dos alimentos, da água e do ar. Pode causar inúmeros efeitos sobre a saúde, resultando na irritação do estômago e do intestino, diminuição da produção de glóbulos vermelhos e brancos, alterações da pele e irritação dos pulmões.

Um outro elemento a ser considerado é a queima de fogos, uma vez que a pólvora ao ser queimada faz com que o enxofre, um dos seus componentes, reaja com o ar para produzir gases tóxicos, tal como o óxido de enxofre, que provoca alterações na circulação sanguínea, problemas cardíacos, danos aos olhos, distúrbios estomacais e afetam o sistema reprodutor.

A Comissão Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) da Guatemala, assim como grupos ambientais, realizam campanhas no rádio e televisão, nos dias que antecedem essa celebração, pedindo a população para não queimar borracha, plásticos e outros combustíveis, que possam causar níveis ainda mais elevados de poluição. As chamadas também são destinadas a prevenção de acidentes, visto que muitos incêndios são registrados na Guatemala no dia 7 de dezembro.

No dia 7 de dezembro os bombeiros de diversas cidades da Guatemala costumam
ficar de prontidão para apagar o fogo da queima de alegorias e entulho da população.

Geralmente, muitos incêndios são registrados na Guatemala no dia 7 de dezembro
O Ministério da Saúde da Guatemala também costuma emitir boletins contendo uma série de recomendações para lidar com situações de emergência em caso de queimaduras, e até mesmo de prevenção para todos aqueles que vendem ou compram fogos de artifício.

Matéria publicada no jornal Nuestro Diário de 2009
alertando a população sobre os perigos da "Queima do Diabo"
De qualquer forma, é interessante ressaltar que o Acordo Ministerial nº 332-2004, de 24 de junho de 2004, proíbe a queima indiscriminada de pneus e rodas de veículos em qualquer local público ou particular. A infração é punível com multas entre 1.000 e 5.000 quetzales (entre R$ 450 e R$ 2.250 pela cotação atual e oficial) , sendo que tais valores que podem ser duplicados em caso de reincidência.

A "Queima do Diabo" Realizada Neste Ano de 2016


Apesar da procissão realizada na capital da Guatemala, e em outras cidades do país, em homenagem à Virgem da Conceição estar em uma das mais antigas das Américas e ter sido declarada Patrimônio Cultural Imaterial da Nação pelo Ministério da Cultura em 2012, o evento que a antecede a passagem da imagem pela principais ruas e praças do centro histórico continua sendo motivos de discussões ano após ans. Grupos ambientes insistem em tentar proibir a "Queima do Diabo", alegando que o ato causa prejuízos irreversíveis ao ar, que é respirado por toda a população da cidade.

No entanto, ao menos neste ano de 2016, a campanha pela conscientização ambiental parece ter surtido efeito, visto que a maioria da população adotou muito mais as piñatas e as alegorias confeccionadas em papel machê, do que jornais, entulho e objetos antigos de suas casas. Além disso, de acordo com o site de notícias Pensa Libre, as celebrações tiveram um "saldo branco", ou seja, não foram reportados incidentes relacionados a "Queima do Diabo" desse ano.

No entanto, ao menos neste ano de 2016, a campanha pela conscientização ambiental parece ter surtido efeito, visto que a maioria da população adotou muito mais as piñatas e as alegorias confeccionadas em papel machê, do que jornais, entulho e objetos antigos de suas casas
Além disso, de acordo com o site de notícias Pensa Libre, as celebrações tiveram um "saldo branco", ou seja, não foram reportados incidentes relacionados a "Queima do Diabo" desse ano
Curiosamente, um determinado personagem chamou a atenção de todos esse ano. Ele tinha a "pele" bem branca, cabelo loiro, estava usando um terno escuro, e estava pendurando em meio a centenas de diabinhos vermelhos. Conseguem adivinhar quem era esse personagem? Acertou quem disse Donald Trump! Sua piñata foi vendida entre 50 e 1.500 quetzales (entre R$ 20 e R$ 750 aproximadamente).

Curiosamente, um determinado personagem chamou a atenção de todos esse ano. Ele tinha a "pele" bem branca, cabelo loiro, estava usando um terno escuro, e estava pendurando em meio a centenas de diabinhos vermelhos. Ninguém menos que Donald Trump!

A piñata de Donald Trump foi vendida entre 50 e 1.500 quetzales (entre R$ 20 e R$ 750 aproximadamente)

Segundo um especialista, o papel do presidente eleito dos Estados Unidos nessa tradição era simplesmente um "modiismo comercial", muito embora essa não fosse a opinião de muitos comerciantes e moradores.

"São modismos comerciais. No ano passado aconteceu o mesmo com a ex-vice-presidente Roxana Baldetti. E agora está acontecendo com o Trump. É uma prática comercial tão somente para vender pinãtas", disse Carlos René García Escobar, antropólogo e escritor especializado em costumes e danças guatemaltecas.

Segundo um especialista, o papel do presidente eleito dos Estados Unidos nessa tradição era simplesmente um "modiismo comercial", mas nem todos tinham essa mesma opinião
Contudo, não se enganem diante das explicações comerciais para a presença da figura do Donald Trump em meio a essa tradição. As autoridades da Guatemala já expressaram preocupação sobre a política de imigração adotada pelo novo presidente dos Estados Unidos, especialmente depois de anunciar a sua intenção de expulsar cerca de três milhões de imigrantes ilegais. Essa preocupação tem um motivo muito claro para a economia do país.

Confira uma entrevista realizada pelo Prensa Libre TV, que foi publicada em sua própria conta no YouTube, com uma moradora da Cidade da Guatemala chamada Astrid Soto, que explica justamente essa situação de preocupação e indignação por parte da população da Guatemala (em espanhol):



Estima-se que as remessas este ano serão superiores a US$ 7 bilhões, que são enviados por cerca de 1,7 milhões de guatemaltecos que vivem nos Estados Unidos, a maioria em situação irregular. Para vocês terem uma ideia, as remessas em dinheiro dos guatemaltecos que moram e trabalham nos Estados Unidos superam o que o país arrecada com o turismo e as exportações de produtos tradicionais como o café e o açúcar. Se as ameaças de Donald Trump se concretizarem tais como deportações em massa, construção de um muro ao longo da fronteira com o México para conter a imigração ilegal e cobrar impostos dessas remessas, milhares de famílias guatemaltecas serão afetadas.

Confira também como foram os preparativos para a celebração desse ano, através de uma reportagem publicada pelo Canal 3 Guatemala, em seu próprio canal do YouTube (em espanhol):



Assim como todos os principais detalhes sobre essa celebração que chegou a receber uma cobertura ao vivo de diversas localidades do país, principalmente da capital e da cidade de "Antigua Guatemala" (em espanhol):



Interessante, não é mesmo? Acho que dificilmente essa tradição acabaria na Guatemala, visto que chega a ser um erro grotesco, do ponto de vista cultural, extinguí-la. Acredito que, assim como aconteceu ao longo dos séculos e das últimas décadas, aos poucos essa manisfestação ganhe novas conotações, outros simbolismos e outras formas de praticá-la que não sejam tão arriscadas ou perigosas para a saúde da população.

Essa não é apenas uma questão de ser ou não politicamente correto, de se preocupar ou não com a natureza. É muito maior do que isso. É compreender o anseio do povo, principalmente dos mais pobres, que tentam se livrar de tudo aquilo que lhes fizeram mal ou os prejudicaram ao longo dos anos. Uma espécie de exteriorização de uma raiva silenciosa, uma purificação pelo fogo, uma crença que lhes permita acreditar que ao menos o Natal e o fim de ano possa ser salvo, que as batalhas diárias tenham sido realmente vencidas e que todo o sacríficio e esforço que fizeram para sobreviver ao descaso das autoridades tenha algum sentido. Podemos até não concordar em determinados pontos, mas não podemos tirar o mérito da causa.

Até a próxima, AssombradOs!

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://cnnespanol.cnn.com/2016/12/08/la-espectacular-quema-del-diablo-en-guatemala/
http://elperiodico.com.gt/pais/2016/12/07/guatemaltecos-queman-al-diablo/
http://www.chapintv.com/actualidad/repasamos-la-historia-de-la-quema-del-diablo-75516
http://www.deguate.com/artman/publish/comunidad_cosasguate/La_tradici_n_de_la_quema_del_diablo_5634.shtml#.WEmwKUBvB0o
http://www.deguate.com/artman/publish/especiales_navidad/La_Quema_del_Diablo_1584.shtml#.WEmwLUBvB0o
http://www.efe.com/efe/america/sociedad/guatemala-quema-al-diablo-para-limpiar-sus-impurezas-e-iniciar-la-navidad/20000013-3119148
http://www.estrategiaynegocios.net/ocio/1024374-330/trump-arderá-hoy-en-guatemala
http://www.notimerica.com/cultura/noticia-quema-diablo-tradicion-guatemala-genera-divisiones-20141208172316.html
http://www.perceptivetravel.com/issues/0210/guatemala.html
http://www.prensalibre.com/guatemala/comunitario/guatemaltecos-cumplen-con-quema-del-diablo
http://www.prensalibre.com/guatemala/comunitario/trump-la-nueva-moda-en-la-quema-del-diablo
http://www.prensalibre.com/hemeroteca/el-angel-caido-en-la-tradicion-guatemalteca
http://www.sexenio.com.mx/df/articulo.php?id=8340
http://www.soy502.com/articulo/cientos-de-guatemaltecos-dan-vida-la-tradicional-quema-del-diablo
http://www.telemundo40.com/noticias/mundo/Guatemala-queman-al-diablo-para-limpiar-impurezas-comienzo-Navidad-405370645.html
https://en.wikipedia.org/wiki/Santiago_de_los_Caballeros_de_Guatemala
https://entretenimiento.terra.com/guatemaltecos-quemaran-figura-de-trump-en-festejo-popular-y-religioso,6b05fb4ac2645d9358992b692ce194d06d65sgo2.html
https://es.wikipedia.org/wiki/Virgen_de_los_Reyes,_la_Inmaculada_Concepción
Comentários