25 de outubro de 2016

Uma "Base Secreta" Nazista no Ártico Teria Sido Recentemente "Descoberta" Por Cientistas Russos?


Por Marco Faustino

Quando temos em uma única frase os termos "base secreta", "nazista", "descoberta" e "cientistas russos" quase sempre se torna uma receita de sucesso para os mais diversos veículos de comunicação ao redor do mundo. Afinal, pode ter sido justamente isso, que atraiu sua atenção para que viesse ler essa postagem, não é mesmo? No entanto, os eventuais mistérios e segredos da Alemanha Nazista, também conhecida como Terceiro Reich, sempre despertaram o interesse de muitas pessoas. Existem aqueles, que acreditam até hoje, que havia (ou ainda existe) uma base secreta nazista na Antártica, e que Hitler teria conseguido escapar através de um "unterseeboot" (também conhecido como "u-boat", "u-boot" ou simplesmente "submarino", em português), passando seus últimos dias no Polo Sul. Isso sem contar, é claro, as diversas versões propagadas por alguns sites um pouco mais conspiratórios, e que estariam relacionadas a uma suposta vida de Hitler no Brasil ou na Argentina. Ainda farei uma matéria especial, extremamente completa, sobre toda essa história, e mostrando a realidade sobre esse assunto. É apenas uma questão de tempo, visto que preciso parar, respirar fundo e começar a realizar as traduções a partir do russo, do alemão e do espanhol, do material que possuo em mãos, e que foi coletado algum tempo atrás. Não é algo difícil, porém demanda tempo, e espero que até o primeiro trimestre do ano que vem eu possa trazer esse especial para o conhecimento de vocês. Não é uma promessa, mas uma expectativa positiva, por assim dizer.

De qualquer forma, recentemente uma notícia sobre a descoberta de uma "base secreta nazista", no Ártico, começou a ecoar por todos os cantos do mundo, principalmente através de diversos sites de notícias europeus e brasileiros. Com certeza a notícia chamava a atenção, porque mencionava que os responsáveis por essa descoberta teriam sido alguns cientistas russos, que até sabiam da existência dessa base, mas não faziam ideia a respeito de sua localização. Um local que teria permanecido literalmente congelado no tempo, durante 72 anos, visto que a base teria sido desativada no ano de 1944, após ter sido subitamente evacuada após a tropa responsável pela mesma ter consumido carne de urso polar contaminada por parasitas. Para adicionar uma pitada de mistério, diversos sites mencionaram que o nome dessa base, que se chamava "Schatzgräber" ("O Caçador de Tesouros", em português), poderia ter uma conotação um pocuo diferente. Algumas pessoas acreditavam que a base destinava-se a uma operação secreta, possivelmente em busca de um tesouro lendário ou até mesmo de artefatos antigos. Será que toda essa história é realmente verdade? Vamos saber mais sobre esse assunto?

Como Essa História Vem Sendo Noticiada Pela Maioria dos Sites de Notícias


Não irei me alongar muito sobre como essa notícia está sendo veiculada na maioria dos casos, até mesmo porque o que vem sendo repercutido não é tão extenso assim. Como exemplo, vamos nos basear no texto publicado pelo tabloide britânico "The Sun", na sexta-feira passada (21), embora a história tenha ganhado força a partir do Daily Mail, cerca de um dia antes (20). A escolha pelo "The Sun" é muito simples, visto que ele, ao lado do Daily Mirror, são os principais responsáveis por disseminar conteúdos exóticos, curiosos, e muitas vezes sensacionalistas que são replicados de forma indiscriminada por sites de notícias populares aqui no Brasil, e que muitas vezes vocês acabam compartilhando em suas redes sociais.

Basicamente, a notícia conta que "uma base secreta nazista teria sido descoberta, nas "profundezas do Ártico", por cientistas russos após mais de 70 anos. Essa base "misteriosa" estava localizada em uma ilha remota no território russo, a cerca de 960 km do Polo Norte. O "posto militar avançado" teria sido criado em 1942, na ilha Alexandra, um ano após Adolf Hitler ter invadido a União Soviética, e foi batizado de "Schatzgräber" ("O Caçador de Tesouros", em português).

Uma base secreta nazista teria sido descoberta, nas "profundezas do Ártico", por cientistas russos após mais de 70 anos. Essa base "misteriosa" estava localizada em uma ilha remota no território russo, a cerca de 960 km do Polo Norte
A ilha era estrategicamente vital para ambos os lados durante a Segunda Guerra Mundial devido ao seu valor na geração de boletins meteorológicos. Assim sendo, a informação gerada pela mesma teria sido crucial para a movimentação de tropas e equipamentos, no norte gelado da União Soviética. Isso era especialmente verdadeiro, uma vez que houve a previsão de um rigoroso inverno naquele mesmo ano, e que fez com que o implacável avanço alemão acabasse sendo bloqueado pela neve.

A ilha era ainda mais importante, porque a maioria dos outros potenciais locais, que teriam capacidade para a geração de boletins meteorológicos na região, estavam nas mãos dos Aliados. Contudo, o nome dado à base sugeria, que os nazistas podem ter tido uma outra missão, bem mais secreta, possivelmente em busca de um tesouro lendário ou de artefatos antigos.

As imagens mostram munições enferrujadas, cápsulas de bombas e galões de combustível
espalhados pelo solo rochoso e congelado.
Contudo, o nome dado à base sugeria, que os nazistas podem ter tido uma outra missão, bem mais secreta,
possivelmente em busca de um tesouro lendário ou de artefatos antigos
Um destacamento de soldados foi deixado na ilha naquele ano, estabelecendo uma base na ilha árida e rochosa. Os homens eram reabastecidos através de aviões, que lançavam os suprimentos para esses homens, até que a base foi subitamente evacuada em 1944. Todos os habitantes do posto avançado foram envenenados naquele mesmo ano após comerem carne de urso polar contaminada com parasitas. Os sobreviventes teriam sido resgatados por um submarino alemão e a base abandonada.

A equipe também descobriu resquícios de "bunkers" e documentos que, mesmo após 70 anos de idade, estavam muito bem preservados devido ao frio intenso. No total, mais de 500 objetos foram recuperados no local
Desde então, não houve presença permanente na ilha até 1990, após a queda da União Soviética. No entanto, agora, mais de 70 anos depois, a localização da base nazista foi finalmente descoberta por cientistas russos. Confira o vídeo divulgado pela agência de notícias Ruptly sobre essa história:



As imagens mostram munições enferrujadas, cápsulas de bombas e galões de combustível espalhados pelo solo rochoso e congelado. A equipe também descobriu resquícios de "bunkers" e documentos que, mesmo após 70 anos de idade, estavam muito bem preservados devido ao frio intenso. No total, mais de 500 objetos foram recuperados no local.

Atualmente, a Rússia vem estabelecendo sua própria base militar na ilha Alexandra."

O conteúdo acima é o que está sendo basicamente divulgado pela imprensa, porém eis o momento em que mostro o "mapa da notícia" para que vocês tenham a noção exata de como toda essa história começou.

Conheça o Mapa da Notícia: Uma História Não Tão Antiga, Porém Não Tão Recente Assim


É importante que vocês saibam que toda essa história começou a partir de uma publicação realizada pela TASS, a maior agência de notícias da Rússia, e a quarta maior do mundo, atrás apenas da Reuters, Associated Press (AP) e Agence France-Presse (AFP). Apesar de possuir cerca de 68 escritórios espalhados pelo mundo, a TASS, como era de se esperar é subordinada ao governo da Rússia.

A notícia intitulada "Ученые в Арктике собрали 500 предметов с бывшей секретной нацистской метеостанции" ("Cientistas no Ártico recolhem 500 objetos de uma Antiga Estação Meteorológica Secreta Nazista", em português") foi publicada no dia 12 de agosto desse ano. O texto era assinado pela correspondente "Софья Ануфриева" ("Sophia Anufrieva"), na cidade de Arkhangelsk, localizada no chamado norte europeu da Rússia.

Imagem do Google Maps mostrando a localização da cidade de Arkhangelsk
em relação ao Arquipélago de Franz Josef Land, na Rússia
Basicamente, a notícia dizia que cerca de 500 objetos tinham sido recolhidos de uma antiga estação meteorológica alemã chamada "Schatzgräber" ("Кладоискатель", em russo), que funcionou de forma secreta entre os anos de 1943 e 1944 no arquipélago de Franz Josef Land ("Земля Франца-Иосифа", em russo ou "Terra de Francisco José", em português), um arquipélago polar russo, de origem vulcânica, entre o Mar de Barents, ao sul, e o Oceano Glacial Ártico, ao norte.

O arquipélago de Franz Josef Land ("Земля Франца-Иосифа", em russo ou "Terra de Francisco José", em português),
um arquipélago polar russo, de origem vulcânica, entre o Mar de Barents, ao sul, e o Oceano Glacial Ártico, ao norte.
Em destaque temos a ilha "Terra de Alexandra".
O local recebeu este nome em homenagem ao imperador Francisco José I da Áustria-Hungria.

O Material Estava Sendo Encaminhado para um Estudo Mais Aprofundado na Cidade de Arkhangelsk


O material coletado estava sendo preparado para transporte até a cidade de Arkhangelsk, para que fosse realizado um estudo mais aprofundado do mesmo e, em seguida, ser colocado em exposição no museu do Parque Nacional do Ártico Russo.

"Na antiga estação alemã 'Schatzgräber', que operou na ilha 'Terra de Alexandra' entre setembro 1943 e julho de 1944, foram recolhidos cerca de 500 objetos de valor histórico, incluindo cápsulas de munição, equipamento militares, utensílios domésticos, pertences pessoais  e peças de equipamentos meteorológicos", disse na época, Yulia Petrova, assessora de imprensa do Parque Nacional do Ártico Russo.

O material coletado estava sendo preparado para transporte até a cidade de Arkhangelsk, para que fosse realizado um estudo mais aprofundado do mesmo e, em seguida, ser colocado em exposição no museu do Parque Nacional do Ártico Russo
"Nesse momento, os objetos coletados estão sendo preparados para serem transportados até Arkhangelsk, para que seja realizado um estudo mais aprofundado, para serem catalogados, e utilizados em atividades educacionais do parque", completou.

Durante o trabalho de preservação do patrimônio histórico do arquipélago, a equipe do Parque Nacional do Ártico Russo buscou por objetos que tivessem inscrições ou datas que pudessem confirmar o nome da estação e seu período de operação. Todos os equipamentos que puderam ser datados remetiam aos anos de 1942-1943, sendo que num saco foram encontrados fragmentos de imagens datados de 1942, assim como objetos com o símbolo da Alemanha Nazista.

O Estado de Preservação dos Objetos e a Destruição de Mitos Referentes a Estação Meteorológica Schatzgräber


Conforme explicado pelo pesquisador sênior do parque nacional, Evgeny Ermolov, a estação meteorológica alemã foi deliberadamente destruída, o que explicava, em parte, a razão pela qual foram encontrados apenas destroços. O restante era explicado por algo bem simples: o severo clima do Ártico.

"Já tínhamos ouvido falar sobre o acúmulo de destroços, construções bem danificadas, e não estávamos almejando fazer grandes descobertas em relação a estação meteorológica, mas encontrar alguma coisa que pudesse ser preservada no museu. Porém, não esperávamos que fosse tanta coisa", disse Evgeny Ermolov.

"O clima em Franz Josef Land permitiu uma boa preservação do couro, da madeira, dos tecidos e do plástico, mas o mesmo não podemos dizer do que era feito de metal, que devido ao ambiente frio e úmido rapidamente oxidou e foi destruído", continuou.

"Já tínhamos ouvido falar sobre o acúmulo de destroços, construções bem danificadas, e não estávamos almejando fazer grandes descobertas em relação a estação meteorológica, mas encontrar alguma coisa que pudesse ser preservada no museu. Porém, não esperávamos que fosse tanta coisa", disse Evgeny Ermolov
"O clima em  Franz Josef Land permitiu uma boa preservação do couro, da madeira, dos tecidos e do plástico, mas o mesmo não podemos dizer do que era feito de metal, que devido ao ambiente frio e úmido rapidamente oxidou e foi destruído", continuou.
De acordo com ele, o estudo sobre a estação meteorológica, assim como das autênticas fontes históricas, estavam ajudando a acabar com alguns mitos sobre a presença dos alemães na ilha até o final da Segunda Guerra Mundial, particularmente em relação a eventuais bunkers secretos, e a existência de uma suposta base para o reparo de submarinos.

"Baseando-se em autênticas fontes históricas, incluindo as memórias de um dos membros do grupo de meteorologistas alemães, foi realizado um estudo da estação, e agora somos capazes de reconstruir os eventos reais, e acabar de vez com os mitos. Após a evacuação da estação meteorológica na ilha de Alexandra, em julho de 1944, não existiram mais bases alemãs estacionárias regulares no arquipélago", completou.

A Utilidade da Estação Meteorológica Schatzgräber e o Parque Nacional do Ártico Russo


Durante a guerra, os alemães precisavam de uma estação meteorológica na região, o que ajudaria a garantira efetividade das incursões de navios e submarinos ao longo da "Rota do Mar do Norte". Assim sendo, em 1943, em uma operação supostamente chamada "Terra das Maravilhas" foi construída a estação meteorológica "Schatzgräber" na ilha Alexandra. Ela estava localizada a cerca de 500 metros da costa, a uma altura de 30 metros acima do nível do mar.

A estação meteorológica consistia em diversas edificações, bunkers e plataformas de artilharia. Até julho de 1944, mais de 700 boletins meteorológicos foram transmitidos a partir dessa estação. Em julho daquele mesmo ano, toda a equipe com da "Schatzgräber" foi subitamente evacuada devido a triquinose, uma infecção parasitária causada pela larva Trichinella spiralis, popularmente conhecida como lombriga, após a ingestão de carne de urso polar mal cozida.

O Parque Nacional do Ártico Russo foi fundado em 2009,
sendo provavelmente um dos mais interessantes espaços de reserva natural no país
Por fim, vale ressaltar que o Parque Nacional do Ártico Russo foi fundado em 2009, sendo provavelmente um dos mais interessantes espaços de reserva natural no país. Com sua beleza "áspera e congelante", esse parque teria como objetivo preservar a vida selvagem local, e a herança cultural ligada à história da descoberta e colonização da região. Portanto, o parque se tornou a região protegida mais ao norte na Eurásia.

A Notícia Publicada Pelo Parque Nacional do Ártico Russo no Fim do Mês de Agosto


Em uma espécie de notícia publicada no dia 23 de agosto, no site do Parque Nacional do Ártico Russo, mais alguns detalhes foram revelados a respeito da estação meteorológica "Schatzgräber". O texto assinado por Yulia Petrova, assessora de imprensa do parque nacional dizia que: "o que antes era conhecido apenas a partir de fontes escritas, passou a ter evidências reais de sua respectiva existência". Ela ainda acrescentou, que tinham sido encontradas caixas de munição, pedaços de tecido e baterias.

Apesar da área de exploração ser grande, a equipe liderada pelo pesquisador Evgeny Ermolov foi capaz de encontrar vestígios de um aeródromo temporário, no qual pousou um avião quadrimotor monoplano, um FW-200 Condor, utilizado na evacuação de emergência da estação meteorológica em julho de 1944. No local foram encontrado flares e embalagens de sinalizadores datados de 1941, bombas de fumaça, e tambores de combustível.

Em uma espécie de notícia publicada no dia 23 de agosto, no site do Parque Nacional do Ártico Russo, mais alguns detalhes foram revelados a respeito da estação meteorológica "Schatzgräber"
Segundo os pesquisadores, o complexo nazista era composto por uma estação meteorológica, uma rede de fortificações na costa leste da Baía Norte, um acampamento reserva em Cabo Nimrod e, finalmente uma espécie de aeródromo temporário em Kropotkin, que serviu tão somente para a evacuação de emergência.

"Agora podemos inserir esses dados em nossa pesquisa científica e, em relação as evidências encontradas, poderemos ampliar o nosso conhecimento e elucidar as operações do exército alemão na região ártica durante a Segunda Guerra Mundial", disse Evgeny Ermolov.

"Agora podemos inserir esses dados em nossa pesquisa científica e, em relação as evidências encontradas,
poderemos ampliar o nosso conhecimento e elucidar as operações do exército alemão na região ártica
durante a Segunda Guerra Mundial
", disse Evgeny Ermolov (à direita na imagem)
Essa notícia publicada pelo Parque Nacional do Ártico Russo também revelou um detalhe histórico bem interessante: "Na primavera de 1944, a equipe da estação meteorológica Schatzgräber contraiu triquinose após comer carne de urso polar mal cozida. Para tentar resolver essa situação, um médico foi enviado até a Ilha Alexandra, sendo que o mesmo deveria chegar até a estação saltando de paraquedas, mas o piloto decidiu pousar o avião, uma vez que ele tinha encontrado uma espécie de ponto de aterrissagem na ilha. Contudo, a aparência do solo teria enganado o piloto, e ao pousar teria danificado completamente o trem de pouso. O equipamento para reparo e substituição do que havia sido danificado foi enviado e lançado na ilha através de um avião alemão. Depois de reparar a aeronave e preparar a pista de decolagem, a aeronave com meteorologistas adoecidos conseguiu decolar e a base foi abadonada".

Interessante, não é mesmo? No entanto, por qual razão a mídia resolveu propagar essa história somente no fim do mês do Outubro? É exatamente isso que iremos comentar a partir de agora.

A Viralização da História no Fim do Mês de Outubro


Apesar de toda essa história ter sido divulgada pela imprensa russa em agosto desse ano, a mídia "ocidental", por assim dizer, começou a propagar o caso, destoando do contexto original, e com um "ar" bem sensacionalista somente no fim de outubro.

Aparentemente, esse caso tomou uma proporção muito maior do que devia, em razão de um vídeo publicado pela agência de notícias Ruptly, em sua própria conta no YouTube (Ruptly TV), no dia 12 de outubro, com a seguinte legenda: "O Parque Nacional do Ártico Russo divulgou um vídeo nesta quarta-feira, mostrando o que acreditam que sejam os restos de estação meteorológica nazista, da Segunda Guerra Mundial, chamada Schatzgräber".

Nesse ponto, vale ressaltar que a Ruptly é uma agência de notícias financiada pelo governo russo. Essa agência é especializada em "vídeo sob demanda", e pertence a rede de televisão russa "RT" (também de propriedade do governo russo), com sede em Berlim, na Alemanha. Ela foi fundada em 2013, e possui mais de 22 escritórios espalhados pelo mundo.

Mesmo assim, a mídia europeia, pelo menos a parte ocidental, não tinha dado muita importância ao caso. Para vocês terem uma ideia, em meados de outubro, somente o site de notícias "Observador", de Portugal, tinha noticiado essa história, e ainda por cima dando destaque ao vídeo da revista eletrônica "Polit Russia", que foi publicado no dia seguinte (13), em sua própria conta no YouTube:



Somente com a entrada em cena dos tabloides britânicos é que esse assunto começou a circular pelo mundo, sendo inclusive divulgado nas mais diversas versões pela imprensa brasileira. Entre as notícias "mais completas" e "menos erradas" que foram divulgadas até então, podemos destacar o que foi publicado ontem (24) pelo site do jornal "O Globo".

Enfim, agora que você possui todas essas informações, o que será que existe de verdade ou mentira em toda essa história? Será que a "base secreta nazista" foi realmente utilizada para outras finalidades?

Uma Dose de Realidade em Relação a Estação Meteorológica Schatzgräber


Sinceramente? Dizer que a estação meteorológica "Schatzgräber", desde sua criação, continuava sendo uma base "secreta" nazista é um tanto quanto exagerado, e por um simples motivo: a base era de conhecimento popular, pelo menos desde 1954, considerando a publicação do livro "Wettertrupp Haudegen - Eine deutsche Arktisexpedition 1944/45", de Wilhelm Dege, um pedagogo, geógrafo, geólogo e professor universitário alemão, considerado um dos "últimos soldados nazistas a se render na Segunda Guerra Mundial". Sua função basicamente consistia na coleta de dados meteorológicos para a Alemanha Nazista.

Posteriormente, esse mesmo livro foi traduzido para o inglês, com o título de "War North of 80: The Last German Arctic Weather Station of World War II". O livro basicamente conta a história do próprio Wilhelm Dege, que era responsável pela última estação meteorológica da Alemanha Nazista durante a Segunda Guerra Mundial, que se denominava "Operação Haudegen". A parte interessante, é que nesse mesmo livro é revelada a história de uma estação meteorológica chamada "Schatzgräber". Confira algumas páginas desse livro, que estão relacionadas a essa estação em questão:

Página 22 do livro "War North of 80: The Last German Arctic Weather Station of World War II"
Página 23 do livro "War North of 80: The Last German Arctic Weather Station of World War II"
Página 24 do livro "War North of 80: The Last German Arctic Weather Station of World War II"
Página 25 do livro "War North of 80: The Last German Arctic Weather Station of World War II"
Página 26 do livro "War North of 80: The Last German Arctic Weather Station of World War II"
Para que não fique cansativo e repetitivo para vocês, o livro de Wilhelm Dege, publicado originalmente em alemão em 1954, também relatava a evacuação de emergência relacionada a triquinose contraída por cerca de 9 membros da estação meteorológica "Schatzgräber", de um número total de 10 membros, exceto um deles, visto que o mesmo não tinha se alimentado da carne do urso polar. Para evitar que um médico chamado Rolf Wendt tivesse que saltar de paraquedas, eles tinham que construir uma pista de pouso improvisada de pelo menos 1.600 metros. Porém, devido ao estado que se encontravam, só conseguiram construir cerca de 650 metros.

O piloto da aeronave FW-200 "Condor" decidiu arriscar o pouso nesse curto espaço de pista, e acabou danificando o trem de pouso, ou seja, eles tiveram que esperar ainda mais tempo pelo equipamento e pelas peças de reposição. Enquanto isso, eles ainda conseguiram "arrumar", por assim dizer, cerca de 550 metros da pista. Eles ainda enfrentaram um "pequeno" problema relacionado a um dos membros, que estava alucinando e agredindo os demais devido ao seu estado de saúde. Porém, a situação foi resolvida, a aeronave conseguiu decolar, e os levou para um atendimento médico na Noruega. A estação, é claro, foi abandonada e deixada para trás.

Exemplo de aeronave FW-200 "Condor"
A parte mais relevante em relação a essa postagem é que em nenhum momento é mencionado que a base serviria para procurar por tesouros lendários ou artefatos antigos, sendo que sua localização já era conhecida desde 1954.

A questão é que aparentemente ninguém teve muito interesse em explorar a ilha Alexandra desde então, mas isso não significa que sua localização não era conhecida. O livro é bem detalhado nesse aspecto, inclusive dando referências cruciais sobre a exata localização da estação. Portanto, essa desculpa que só era conhecida nos livros, mas que somente após "muito esforço ela foi descoberta", não funciona nesse caso.

Se Todo Mundo Sabia Onde a Estação Meteorológica Schatzgräber Estava Localizada, Qual Seria a Razão Para Tanto Alarde?


Já em relação ao motivo pelo qual os pesquisadores resolveram explorar essa ilha recentemente, vocês podem especular livremente sobre o que vocês quiserem, ao contrário do que a mídia tentou fazer em relação a uma eventual possibilidade da estação "Schatzgräber" supostamente servir para uma finalidade "mais secreta".

Voltando um pouco no tempo, nos deparamos com uma notícia publicada pela DW, em 20 de outubro do ano passado, intitulada: "Russia nears completion of Arctic military base on Alexandra Land for 150 troops" ("Rússia bem próxima da conclusão da base militar no Ártico, na ilha Alexandra, para 150 soldados", em português). Naquela época, a notícia mencionava que a Rússia estava bem próxima de concluir um complexo militar permanente ao norte da ilha Alexandra. A base poderia "confortavelmente" abrigar cerca de 150 soldados com suprimentos suficientes para 18 meses.

As equipes responsáveis teriam construído estradas por toda a ilha, sendo que a principal construção do complexo estava com 97% das obras concluídas. Uma vez terminada, a base permitiria "acomodações confortáveis para o cumprimento dos deveres militares de um grupo de 150 soldados". Os soldados seriam capazes de se locomover entre os setores da base, sem precisar sair e enfrentar o frio de -47ºC durante o inverno na região. Os militares também teriam construído um posto de abastecimento, para bombear o combustível oriundo de navios-tanques.

As equipes responsáveis teriam construído estradas por toda a ilha, sendo que a principal construção do complexo estava com 97% das obras concluídas. Uma vez terminada, a base permitiria "acomodações confortáveis para o cumprimento dos deveres militares de um grupo de 150 soldados"
Vale lembrar que naquela época, a Rússia aumentou sua presença militar no extremo norte, reconhecendo a importância estratégica do Ártico, assim como dos seus recursos naturais. No início do ano passado, a Rússia entrou com uma ação na ONU reivindicando uma vasta região, incluíndo o Polo Norte. De acordo com as estimativas do governo russo, o território possuiria cerca de 4,9 bilhões de toneladas de combustível fóssil. A marinha russa também passou a realizar exercícios militares no extremo norte.

Os Estados Unidos, a Dinamarca, a Noruega e o Canadá também fizeram suas próprias reivindicações em relação a região do Ártico, visto que o derretimento do gelo começou a facilitar o acesso aos recursos energéticos da região.

Assim sendo, qual seria a melhor resposta para esse dilema? A Rússia querendo mostrar presença em uma região, cuja camada de gelo está derretendo e facilitando a exploração dos recursos naturais ou então fortificar militarmente a região para a tão comentada "Terceira Guerra Mundial", que segundo algumas pessoas já estaria acontecendo? Vale lembrar que essa história de "WW III" vem se arrastando há um bom tempo, porém o simples fato da imprensa russa ser controlada pelo governo e exibir um patriotismo exacerbado/provocações na TV, não significa que o "mundo" esteja em guerra.

Enfim, de qualquer forma, não sinto a necessidade de fazer nenhum tipo de comentário final, uma vez que essa "descoberta" não foi exatamente da forma como está sendo propagada. A região se tornou uma área de interesse da Rússia, e a existência de um contexto histórico, que reforce sua reivindicação por territórios alegando a preservação de patrimônio histórico, ainda mais dizendo que sua população teria o direito de conhecer uma parte de sua própria história, com certeza ajudaria nesse sentido.

Resumindo, a notícia foi bem distorcida, principalmente pelos tabloides britânicos, em relação ao seu real contexto. Por outro lado, não seria de se estranhar que ao longo do tempo aparecesse algum pseudoaqueólogo ou ufólogo dizendo que conseguiu acesso a supostos artefatos antigos de "bases secretas nazistas do Ártico", que provariam o contato com civilizações extraterrestres. Bem, se isso acontecer, estarei aqui novamente para fornecer uma dose de realidade, independentemente do que for noticiado, para vocês.

Até a próxima, AssombradOs!

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://bigthink.com/paul-ratner/secret-nazi-base-discovered-in-the-arctic-by-researchers
http://observador.pt/2016/10/14/encontrada-base-secreta-nazi-no-artico-veja-as-imagens/
http://oglobo.globo.com/sociedade/historia/base-secreta-nazista-descoberta-em-ilha-no-artico-20344183
http://tass.ru/obschestvo/3533039
http://www.dailymail.co.uk/news/article-3856700/Russian-scientists-Nazi-base-evacuated-staff-ate-infected-polar-bear-meat.html
http://www.dw.com/en/russia-nears-completion-of-arctic-military-base-on-alexandra-land-for-150-troops/a-18794339
http://www.inquisitr.com/3628205/secret-nazi-base-on-alexandra-land-really-discovered-on-wikipedia-page/
http://www.inquisitr.com/3630813/hitlers-secret-nazi-base-was-discovered/
http://www.rus-arc.ru/ru/news/Details/0983e0c1-5ef3-41fa-8b70-672bc1fc2e42
https://books.google.com.br/books?id=Mlis66NJoxgC&pg=PT387&lpg=PT387&dq=%22War+north+of+80%22&source=bl&ots=99HBqFwvHk&sig=EX_SCS19sgSxS8w-Q1JY_ffZYgk&hl=en&sa=X&ved=0ahUKEwjHo8aAlvXPAhWCjZAKHaQnD-cQ6AEITzAJ#v=onepage&q=%22War%20north%20of%2080%22&f=false
https://www.thesun.co.uk/news/2020632/secret-nazi-treasure-hunter-base-arctic-found-abandoned-poisoned-polar-bears/
Comentários