14 de outubro de 2016

O Caso Priscila Toribio: Jovem "Lacrimeja" Antes de Ser Enterrada e Causa Desespero em Seus Familiares, na República Dominicana


Por Marco Faustino

Foram dezenas de notícias ou matérias que publicamos ao longo dos últimos dois meses, e por mais que façamos um esforço muito grande para trazer casos considerandos estranhos, misteriosos ou até mesmo inusitados, sempre alguma notícia passa desapercebida. Entre essas notícias está um caso muito triste, mas que me lembrou parcialmente a história da jovem Nelsy Pérez, a garota que poderia ter sido enterrada viva em Honduras. Lembram desse caso? Contamos sua história, ou melhor, como teriam sido seus últimos momentos no fim de agosto do ano passado, muito embora a notícia tenha sido "requentada", por um site de notícias de cunho popular aqui do Brasil, em meados desse ano (leia mais: A História de Nelsy Pérez: A Garota Que Pode Ter Sido Enterrada Viva em Honduras).

Na época, Nelsy Pérez teria sofrido um acidente vascular cerebral (AVC), morrendo por insuficiência cardíaca e um edema pulmonar agudo. No dia seguinte de sua morte, David, seu namorado, foi visitar seu túmulo e começou a lamentar novamente a perda da sua amada, mas foi nesse momento que ele escutou algo como se fossem "batidas no interior de seu túmulo", bem como "alguns ruídos". Isso despertou um verdadeiro frenesi, no qual familiares, amigos e curiosos se aglomeraram pouco tempo depois, tiraram a jovem de seu caixão, praticamente invadiram um centro de saúde local, rezaram copiosamente por ela, mas os médicos atônitos com a situação só podiam dizer que a jovem estava realmente morta. Horas mais tarde, os familiares levaram Nelsy novamente ao cemitério para que a jovem fosse "sepultada pela segunda vez". Existem alguns detalhes daquela história, na qual me recordo até hoje, que me fazem crer que Nelsy não tenha "morrido por acidente" (se é que vocês me entendem), porém prefiro não dar uma opinião mais aprofundada, uma vez que não posso provar isso.

Dessa vez temos um estranho e triste caso que aconteceu no município de Villa Gonzalez, província de Santiago, na República Dominicana, no começo do mês passado. O caso é referente a uma adolescente de apenas 15 anos de idade chamada Priscila Toribio, que teria sido levado a um neurologista, após a mesma reclamar de dores de cabeça, e acabou descobrindo uma espécie de aneurisma. Então, a jovem foi encaminhada para um hospital pediátrico, onde aparentemente estava reagindo bem ao tratamento, quando subitamente veio a falecer. Os familiares, profundamente abalados, deram início aos preparativos para o seu funeral. Contudo, uma vez estando no cemitério, populares teriam visto lágrimas escorrendo dos olhos da menina, um braço teria se mexido sozinho, e começou todo um alvoroço. Resultado? Levaram a menina de volta para casa, onde acabaram velando-a por quase 60 horas, até que resolvessem admitir que a menina estava realmente morta. Curandeiros chegaram a ir até o local, mas tudo foi em vão. Uma médica chegou a visitar a família declarando mais uma vez que Priscila estava morta, mas a mãe, confusa com toda essa situação, e com receio que pudesse estar cometendo um erro ao enterrar uma filha, possivelmente viva, ainda assim duvidava de toda aquela situação. Vamos saber mais sobre esse assunto?

Como Tudo Começou a Ser Noticiado


Diversos sites de notícias da República Dominicana e da América Central começaram a publicar uma história muita estranha no começo do mês passado, ao repetirem sempre a mesma informação, a de que familiares de uma adolescente de 15 anos se recusavam a enterrar a menina por suspeitarem que a mesma estivesse viva. Evidentemente, que ao procurar por histórias interessantes para trazer para vocês, esse caso me chamou muita atenção, razão pela qual resolvi escrever sobre o mesmo.

A história começou a ser difundida entre os dias 6 e 7 de setembro, e relatava o caso envolvendo a jovem Priscila Toribio, 15 anos, estudante do sexto ano de uma escola do bairro La Lomita, no município de Villa Gonzalez, na República Dominicana, que teria morrido em decorrência de um derrame cerebral. Ela foi declarada como morta na noite do dia 4 de setembro, um domingo, no Hospital Regional Infantil Arturo Grullón, na cidade vizinha de Santiago de Los Caballeros, para o desespero, principalmente de sua mãe, Yajaira Toribio, 38 anos, que possuía três filhos, sendo que a Priscila era a mais velha.

Imagem do Google Maps mostrando a distância de Villa Gonzales
em relação a Santo Domingo, capital da República Dominicana

Toda a história começou a ser difundida entre os dias 6 e 7 de setembro, e relatava o caso envolvendo a jovem Priscila Toribio, 15 anos, estudante do sexto ano de uma escola do bairro La Lomita, no município de Villa Gonzalez, na República Dominicana
Apesar da dor natural da morte de um ente querido, ainda mais de uma filha adolescente, os preparativos para seu funeral começaram a ser realizados, e seu enterro estava previsto para acontecer na manhã do dia seguinte, uma segunda-feira (5). Priscila estava dentro de seu caixão, com a parte superior aberta, em pleno cemitério, e estava prestes a ser enterrada. É possível ver o desespero de sua mãe, que se debruçava sobre o corpo da filha, não aceitando a sua morte.

Também é possível ouvir alguns amigos da família e populares, que acompanhavam toda aquela situação, gritando que a menina estaria viva. Em um determinado momento teriam visto lágrimas escorrendo dos olhos da menina, e um braço inclusive teria se mexido involuntariamente. Assista ao vídeo publicado pelo usuário Tommy Taveras, morador de Villa Gonzalez e principal responsável por registrar as imagens mais relevantes sobre esse caso, em sua conta no YouTube, no dia 6 de setembro (em espanhol):



"Sei que você está viva... Você não está morta... Um médico precisa dizer isso... Vejam, pessoal, ela tem que estar viva", gritaravam parentes, amigos e curiosos, ao mesmo tempo que moviam o braço da adolescente para demonstrar a ausência de rigidez.

Diante de toda essa situação, resolveram levar a menina de volta para casa, onde a acomodaram sobre uma cama. Segundo familiares, apesar da jovem ter sido declarada morta, seu corpo não apresentava sinais de decomposição, não teria enrijecido em nenhum momento, e ainda estava "quente". De qualquer forma, a menina não estava respirando e permanecia estática. Assim como era de se esperar diante desses casos, uma multidão se aglomerou na frente da casa da jovem, mas os parentes impediram o acesso do público ao interior da residência.

Na comunidade, no entanto, diferentes versões passaram a circular em relação ao "misterioso caso", uma vez que alguns moradores passaram a dizer que a adolescente teria feito um suposto aborto, já outros diziam que ela teria ingerido uma substância desconhecida. O site de notícias "Despierta Dominicano" chegou a noticiar que curandeiros teriam visitado a casa da família, porque os parentes não acreditavam mais nos médicos.

Na comunidade, no entanto, diferentes versões passaram a circular em relação ao "misterioso caso", uma vez que alguns moradores passaram a dizer que a adolescente teria feito um suposto aborto, já outros diziam que ela teria ingerido uma substância desconhecida


Segundo familiares, apesar da jovem ter sido declarada morta, seu corpo não apresentava sinais de decomposição, não teria enrijecido em nenhum momento, e ainda estava "quente". De qualquer forma, a menina não estava respirando e permanecia estática
Yajaira Toribio, mãe da adolescente, disse que ela estava totalmente confusa, e que não sabia mais se sua filha estava viva ou morta, ela apenas queria respostas com medo de enterrar uma filha que pudesse estar viva de alguma forma. Algumas pessoas, que participaram do funeral na manhã daquela segunda-feira, ficaram assustados e espantados toda a situação que foi criada em torno do caso.

Um homem chamado José Alejandro Liranzo disse que nunca tinha visto uma situação semelhante ao longo dos seus 75 anos de vida. Já um outro homem chamado Ramón Ventura pedia que as autoridades do Ministério da Saúde e do Ministério Público, esclaressem o caso envolvendo a jovem Priscila Toribio, visto que estava deixando toda a comunidade bem apreensiva. As autoridades de saúde pública locais prometeram emitir uma nota sobre o caso na quarta-feira (7), porém, aparentemente, isso não aconteceu.

A Família Decide Enterrar o Corpo da Jovem Priscila Toribio


Entretanto, segundo o site de notícias "Diario Libre", a família perdeu as esperanças que Priscila Toribio estivesse viva na noite de terça-feira (6), quando o corpo da jovem teria começado a esfriar, e secreções teriam começado a sair pelo nariz e pela boca. Assim sendo, seus parentes decidiram enterrá-la na tarde do dia seguinte (7), no cemitério municipal de Villa Gonzalez, com a presença de dezenas de moradores, muitos dos quais participaram mais por curiosidade do que realmente para acompanhar a dor e o sofrimento dos parentes de Priscila.

Assim sendo, seus parentes decidiram enterrá-la na tarde do dia seguinte (7), no cemitério municipal de Villa Gonzalez, com a presença de dezenas de moradores, muitos dos quais participaram mais por curiosidade do que realmente para acompanhar a dor e o sofrimento dos parentes de Priscila
Assista ao vídeo publicado pelo usuário Tommy Taveras, em sua conta no YouTube, no dia 7 de setembro (em espanhol):



Assista também a uma reportagem publicada pelo canal "Endominicana.net", no YouTube, sobre esse caso, onde é possível notar a expressividade com que o apresentador relata o mesmo (em espanhol):



"Não creio que minha menininha esteja morta, ela era muito alegre e sempre brincava com as crianças da mesma idade e colegas da escola", disse Ramona Santos, uma tia de Priscilia.

A Versão dos Fatos Segundo Yajaira Toribio, Mãe de Priscila


Yajaira Toribio, mãe de Priscila ainda teve que vir a público explicar a história de um possível aborto que a jovem teria sofrido. Diante dos microfones de diversas emissoras de rádio e de televisão da República Dominicana, Yajaira mostrou o atestado de óbito da filha dizendo que a mesma teria morrido em virtude de um derrame cerebral após ter ficado quatro dias internada no Hospital Regional Infantil Arturo Grullón.

Segundo Yajaira, tudo teria começado com uma leve dor de cabeça, mas que ela pensou que era algo normal, visto que a jovem sofria de enxaqueca. Então, ela foi com sua filha visitar uma clínica local onde um médico recomendou uma série de exames e uma ressonância magnética para verificar o que estava acontecendo. Logo, ela foi encaminhada para o Hospital Regional Infantil Arturo Grullón, onde foi informada, de acordo com suas própria palavras, que a menina teria uma inflamação na cabeça, uma inflamação no cérebro e o sangue teria coagulado na cabeça. Assista ao vídeo publicado pelo usuário Tommy Taveras, em sua conta no YouTube, no dia 7 de setembro (em espanhol):



A médica que teria atendido Priscila, teria mencionado que tratariam primeiramente a inflamação, algo que teria sido feito com sucesso, sendo que uma enfermeira inclusive teria dito, que a menina estava respondendo muito bem ao tratamento e a medicação utilizada. Yajaira disse que ela e sua filha estavam felizes com essa notícia, e que sua filha estava bem esperançosa, mas Priscila viria a morrer na noite de domingo (4), e o hospital entregou seu corpo aos familiares na manhã do dia seguinte alegando derrame cerebral seguido de dois atarques cardíacos. Enfim, realmente uma situação muito delicada.

Entretanto, há uma pequena declaração de Yajaira, ainda no primeiro minuto de vídeo, que esclarece uma situação importante sobre a condição clínica do corpo de Priscila.

"Quando chegamos ao cemitério a menina começou a lacrimejar, ela não estava dura, tinha sido injetado formol, mas ela ainda estava intacta", disse Yajaira. Resumindo, não tinha como a menina estar viva diante dessa situação. Usado nos corpos embalsamados, o formol retarda o processo de putrefação. Isso acontece porque ele basicamente mata as bactérias do organismo. O tempo que um corpo vai levar para se decompor vai depender da quantidade de formol utilizada.

Rosa María Morel, diretora do Hospital Regional
Infantil Arturo Grullón
De qualquer forma, em uma rápida pesquisa é possível notar que o Hospital Regional Infantil Arturo Grullón vem tendo um ano bem complicado. Em janeiro, os familiares de uma bebezinha, que teria morrido pouco tempo após dar entrada no hospital, foram a imprensa dizer que a menina teria morrido por negligência médica. Na época, Rosa María Morel, diretora do hospital negou as acusações dizendo que os familiares não passaram as informações corretas a respeito do caso. O menina teria morrido devido a uma parada cardiorrespiratória, que teria sido causada por substâncias tóxicas contidas em uma bebida que os familiares deram para a criança, que por sua vez tinha sido preparada por uma espécie de curandeiro.

Em maio, o hospital sofreu uma inundação devido as fortes chuvas. Em junho foi noticiado uma série de denúncias envolvendo agressões a funcionários do hospital. Pessoas, moradores de outras localidades, e inclusive haitianos estavam ameaçando e depredando as instalações internas do hospital. A culpa foi colocada na falta de segurança, muito embora não foram fornecidas razões específicas sobre os ataques. Em agosto houve uma greve de médicos, porém aparentemente não afetou o Hospital Regional Infantil Arturo Grullón.

Em 19 de setembro desse ano, o site de notícias El Nuevo Diario, noticiou que Sandra Orsini, presidente da Sociedade Dominicana de Pediatria, anunciou um pacto para tentar reduzir a mortalidade infantil, considerada alarmante no país. Ela destacou que, apesar da precariedade com que trabalhava a maioria dos hospitais do país e a falta de recursos, o principal desafio que enfrentavam era a morte de recém-nascidos.

Entretanto, a morte em Villa Gonzalez, cuja economia é baseada primordialmente devido ao cultivo do tabaco, pode vir de outras formas, como por exemplo, através da violência urbana. É possível perceber um alto índice de crimes, principalmente de adolescentes, no município que conta com pouco mais de 70 mil habitantes. Mais recentemente, as autoridades locais prenderam um homem suspeito de matar uma jovem de 16 anos, que estava grávida de seis meses. O homem seria seu ex-namorado. Há dois anos atrás, em 2014, outra jovem, que também estava grávida, foi morta de forma extremamente violenta no município.

O Caso da Coroa de Flores que se "Movimentava Sozinha" Durante um Velório na República Dominicana


Quando percebi que o caso envolvendo a jovem Priscila Toribio tinha acontecido na República Dominicana, imediatamente lembrei de um outro caso que publicamos em abril desse ano, referente a um vídeo bem antigo, mas que um inscrito de nosso canal no YouTube havia enviado para nós. Segundo as primeiras informações repassadas, se tratava do velório de uma suposta "feiticeira latina", que havia se suicidado, e que de repente uma das coroas de flores começou a se movimentar como se tivesse "vida própia".

Aceitamos a sugestão, fomos atrás de maiores informações sobre esse vídeo, do que se tratava realmente esse caso, e descobrimos algumas coisas bem peculiares (leia mais: O Estranho Caso da Coroa de Flores que se "Movimenta Sozinha" Durante um Velório na República Dominicana). Confira o vídeo, que atualmente conta com mais de 16 milhões de visualizações (em espanhol):



O mais importante da postagem era mostrar que existiam diversas hipóteses para explicar esse caso, e sinceramente a menos plausível delas era o fator sobrenatural. Sempre gostei muito de trazer notícias da América Latina e Central para o blog AssombradO.com.br, e venho fazendo isso desde meados do ano passado, quando me tornei um colaborador do canal no YouTube, e posteriormente redator. Se tem uma coisa que eu aprendi nesse meio tempo, é que boa parte das notícias são carregadas de muitas crenças e supertições, sem contar, é claro, que quase sempre são notícias curtas, sem muitos detalhes ou alguma pesquisa jornalística.

Isso piora consideravelmente quando se trata de cidades do interior, então evidentemente faltam algumas lacunas para entendermos as verdadeiras circunstâncias a respeito da morte, por exemplo, de Priscila Toribio, porém tudo indica, que desde o começo dessa história, ela já se encontrava morta, e nenhum "curandeiro", não importa o que fizesse, não iria trazê-la de volta.

Comentários Finais


Quando se trata de América Latina ou Central os assuntos parecem se repetir, porém cada caso deve e merece ser tratado de forma individual. Existem muitas variáveis que não compreendemos ou então que não são divulgadas pelos familiares ou pela mídia. Casos como o de Priscila Toribio retratam bem essa situação, onde a exploração visual do caso é maior do que a morte de uma adolescente de apenas 15 anos, vítima de algo repentino, brutal, avassalador, após momentos de esperança e alegria no interior de um hospital pediátrico da região em que morava. Se sua morte aconteceu por imperícia, negligência, falta de atendimento médico anterior ou simplesmente por uma questão de "destino", isso já é outra história. No entanto, basta ver em uma das fotos dessa postagem, a quantidade de pessoas com celulares, máquinas fotográficas e até uma filmadora nas mãos. Tenho certeza que poucas ou praticamente nenhuma dessas pessoas eram familiares de Priscila, que provavelmente estavam mais preocupados em ter uma resposta, uma explicação do porquê algo assim aconteceu, do que registrar seu corpo em sua última morada. Afinal, a lembrança permanecerá eternizada em suas memórias, e dos momentos de convívio com a jovem.

É sempre muito triste dar esse tipo de notícia, principalmente porque há uma forte negação inicial por parte de familiares, principalmente de regiões mais humildes, que ainda recorrem a curandeiros ou até mesmo a chamada "magia negra" para tentar solucionar os problemas de seus filhos ou parentes, visto que o poder público não consegue resolver. Se o sistema de saúde pública fosse eficiente, houvesse recursos e mais boa vontade em tratar a população com mais dignidade, não somente na República Dominicana, mas assim como inúmeros países das Américas, provavelmente essas crendices, que muitas vezes resultam na morte ou não passam de "efeito placebo" diminuiriam, assim como o sofrimento e vídeos claramente sensacionalistas, tal como aquele da "coroa de flores se movendo sozinha". Contudo, falar de atendimento médico nesses países, assim como acontece no Brasil, soa utopia. Isso acaba resultando em um terreno fértil para que sempre vejamos casos onde o fervor popular durante um velório ou um funeral provoque uma verdadeira confusão mental nos parentes. Eles não confiam nos médicos, e com razão, e acabam buscando conforto em palavras de alento da comunidade local, que tenta se mostrar prestativa, ainda que não conheça muito bem a pessoa em questão. Uma carreata da esperança se forma, porém a falta de conhecimento e má qualidade do atendimento médico, gera ainda mais sofrimento ao ter que sepultar a esperança que outrora era sinônimo de vida.

Enfim, AssombradOs, esse é um caso bem delicado, mas aquela pequena declaração da mãe da Priscila a respeito da utilização de formol deixava claro que seria impossível que sua filha pudesse de alguma forma estar viva. Em meio a comoção popular, a razão foi perdendo espaço e acabou gerando toda essa confusão, que felizmente, no final, o bom senso prevaleceu. Uma médica visitou a família, declarou novamente que a menina estava morta, seu corpo começou a apresentar sinais claros que não possuía mais vida, e o duelo finalmente havia chegado ao seu desfecho. Muitas vezes fico me perguntando qual será a próxima história, e qual será o próximo nome, visto que com certeza daqui alguns meses algum caso semelhante irá acontecer. Talvez seja uma situação ainda mais triste ou então que inspire desconfiança em torno da verdadeira causa da morte. Contudo, seria tão mais fácil que houvesse uma saúde pública com um pouco mais de qualidade, com médicos que tivessem capacitação, consideração e respeito por parentes e familiares, mas isso ainda é uma realidade muito distante. A realidade é que a mídia comemora, a população chora, o governo ignora, e tudo o que podemos fazer aqui é não deixar que essas pessoas façam parte apenas de uma sombria estatística. Fazer com que você entenda os casos, e que as mesmas sejam lembradas com carinho ainda que saibamos apenas muito pouco de suas histórias.

Até a próxima, AssombradOs.

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://despiertadominicano.com/nuevos-detalles-la-joven-no-la-quieren-sepultar-supuestamente-esta-viva/
http://elsiglo.com/internacional/entierran-adolescente-afirmaban-estaba-viva-nunca-puso-tiesa/23960295
http://t33.entravision.com/2016/09/07/video-se-niegan-a-sepultar-a-menor-por-creer-que-esta-viva/
http://www.debate.com.mx/mundo/Se-niega-a-enterrar-a-su-hija-insiste-en-que-esta-viva-20160907-0087.html
http://despiertadominicano.com/familiares-se-niegan-sepultar-cuerpo-menor-tienen-la-esperanza-esta-viva/
http://despiertadominicano.com/nuevos-detalles-la-joven-no-la-quieren-sepultar-supuestamente-esta-viva/
http://despiertadominicano.com/deciden-sepultar-adolescente-pensaban-estaba-viva-villa-gonzalez/

http://www.diariolibre.com/noticias/sucesos/parientes-se-niegan-a-sepultar-cuerpo-de-menor-porque-tienen-la-esperanza-de-que-esta-viva-KH4876185
http://www.diariolibre.com/noticias/sucesos/sepultan-adolescente-cuyo-cuerpo-no-se-puso-rigido-FA4882412
http://www.excelsior.com.mx/global/2016/09/07/1115552
http://www.zocalo.com.mx/seccion/articulo/video-se-niega-a-enterrar-a-su-hija-insiste-en-que-esta-viva-1473286709
https://www.youtube.com/watch?v=5G48szVf8H4
https://www.youtube.com/watch?v=77tl_fWUb-Q
https://www.youtube.com/watch?v=rBVSV_OmgGI
Comentários