1 de setembro de 2016

Uma Suposta "Ilha" Chamada de "O Olho" Estaria Escondendo uma "Base Alienígena", na Província de Buenos Aires, na Argentina?

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

Por Marco Faustino

Quando você pensa que já viu de tudo, bem sempre aparece algo para surpreender você, não é mesmo? Esse é o caso, por exemplo, de um projeto que foi iniciado no site Kickstarter, que basicamente é um dos maiores sites de financiamento coletivo do mundo, e que geralmente busca apoiar projetos inovadores. Contudo, esse projeto que iremos comentar ao longo dessa postagem é bem mais do "inovador", é um tanto quanto inusitado e questionável até certo ponto. O chamado "pano de fundo" de toda essa história é até bem simples de entender: um grupo de pessoas teria descoberto uma estranha "ilha" que se move sozinha na Argentina, que é cercada por uma série de história sobrenaturais, e que ninguém foi até o local para explorá-la. O custo para realizar essa expedição até o local e investigá-la? Basicamente, cerca de US$ 50.000 (aproximadamente R$ 160.000 pela cotação atual). Até o momento já foram arrecadados pouco mais de US$ 5.500 (algo em torno de R$ 17.000), porém a campanha ficará ativa até a tarde do dia 10 de outubro desse ano.

A promessa da campanha é realmente realizar uma espécie de expedição até esse "estranho local" para descobrir seus segredos e produzir um documentário completo para ser compartilhado com aqueles que patrocinarem a campanha. As pessoas por trás do projeto planejam levar até o "The Eye" ("O Olho", em português) uma equipe multidisciplinar de cientistas e pesquisadores especializados nas mais diversas áreas da ciência, assim como do campo da Ufologia e da percepção extrasensorial, ou seja, do mundo popularmente considerado como "paranormal". As descobertas de cada pesquisador serão apresentadas separadamente e os produtores dizem que não tomaram partido de nenhuma explicação fornecida pelos mesmos. Também dizem que o mais importante é que seus colaboradores possam ter a maior variedade possível de respostas para que tirem suas próprias conclusões. Aliás, eles planejam publicar todos os resultados de testes laboratoriais dos materiais eventualmente coletados. O documentário da expedição, incluindo os tais testes, serão disponibilizados exclusivamente para que patrocinar o projeto. Além disso, terão direito a explorar o material por cerca de 90 dias. A escolha do Kickstarter teria sido basicamente para assegurar a viabilidade técnica, e a veracidade de cada um dos componentes do projeto.

É mencionado que eles consultaram cientistas de diferentes áreas para determinar que tipo de testes eles deveriam realizar no local, para entender, do ponto de vista de cada um deles, o que deveriam esperar de encontrar no local. Devido a "grande quantidade de fenômenos sobrenaturais", que seriam relatados na região, eles também teriam decidido consultar "especialistas em OVNIs", e em "atividades paranormais". Antes de iniciar a investigação eles também coletaram testemunhos de pessoas, que teriam confirmado a existência de "fenômenos sobrenaturais" na região. Independentemente da pesquisa que fizerem, eles estavam confiantes que mais testemunhas iriam aparecer para contar suas respectivas experiências, a partir do momento que esse projeto começasse a se espalhar através das redes sociais, uma vez que essas pessoas se identificariam com as situações apresentadas. Por fim, eles fizerem questão de mencionar que já teriam dado início a uma investigação para reunir provas em relação as histórias que eram contadas. Sem dúvida alguma, essa seria a tarefa mais difícil que a equipe teria. Contudo, será mesmo que esse acidente geográfico é uma ilha? Será mesmo sobrenatural? Vamos saber mais sobre esse assunto?

A Campanha Iniciada do Kickstarter e o Vídeo de Apresentação do Projeto "The Eye"


A campanha no Kickstarter foi criada por Ricardo Petroni, que se identifica como um engenheiro hidráulico com um mestrado em Engenharia Ambiental pela M.I.T., contando com mais de 20 anos de experiência estudando "sistemas naturais de água". Ele disse que morava perto de onde o "The Eye" está localizado, cerca de apenas 16 km de distância, por muitos anos (aparentemente ele nunca teria visto tal formação), e após algum tempo se tornou amigo de Pablo Martinez e Sergio Neuspiller, duas outras pessoas que são parceiras do projeto em questão. Posteriormente, ele se mudou para os Estados Unidos, há cerca de 9 anos, e atualmente possui uma empresa de consultoria ambiental, assim como uma parceria com uma produtora chamada "Full Dimensional", que está envolvida no projeto "The Eye".

O primeiro vídeo publicado pelos responsáveis do projeto "The Eye" no Youtube, no dia 11 de agosto, é basicamente uma apresentação do projeto, que é descrito por um homem chamado Sergio Neuspiller, produtor e diretor de cinema, que mora na Argentina. Ele menciona que há cerca de 6 meses eles estavam trabalhando em uma pré-produção de um filme de terror baseado em "histórias de terror supostamente reais sobre OVNIs, luzes misteriosas, seres extraterrestres, fantasmas e outras histórias paranormais".

Assim sendo, eles começaram a coletar os depoimentos de moradores locais, que apesar das narrativas não estarem relacionadas umas com as outras, compartilhariam um detalhe muito peculiar: uma misteriosa "ilha", que eles teriam a descoberto ao identificar os locais onde ocorriam esses eventos "sobrenaturais", que eram contados pelos moradores. Todos esses eventos aconteceriam ao redor dessa suposta "ilha", que eles apelidaram de "The Eye". Confira esse primeiro vídeo publicado no Youtube (em inglês, com legendas em espanhol):



Basicamente, essa "ilha" seria uma "círculo de terra" rodeado por uma espécie de canal de água, com um diâmetro aproximado de 120 metros, sendo que no vídeo é apontado que esse acidente geográfico resultaria em "dois círculos perfeitos", algo que descartaria "qualquer hipótese de formação natural". Vocês podem ver essa ilha, no Google Maps ou Earth, através das seguintes coordenadas: 34° 15' 07.8'' S 58º 49' 47.4'' W. Cliquem aqui para acessar diretamente pela internet ou baixem o arquivo .KML do Google Earth.

Para aumentar o mistério, por assim dizer, ao utilizar o Google Earth, a equipe teria se surpreendido ao verificar que a "ilha" rotacionava ao longo do tempo, e mudava de posição. Algo que qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, poderia verificar com os próprios olhos.

Posteriormente, Sergio Neuspiller sobrevoou o local juntamente com uma equipe para conhecer o "The Eye" mais de perto, e assim decidiram realizar uma primeira expedição por terra. O local era de difícil acesso, com uma "vegetação impenetrável", pantanosa, e eles teriam conseguido chegar somente até a 800 metros do "The Eye". Eles ficaram exaustos, e o peso dos equipamentos que tinham levado teria contribuído para o fracasso da primeira expedição.

O local era de difícil acesso, com uma "vegetação impenetrável", pantanosa e eles, ao menos da primeira vez,
teriam conseguido chegar somente até a 800 metros do "The Eye"
Uma segunda tentativa, sem equipamentos e adentrando por outro ponto foi realizada. Dessa vez a equipe conseguiu chegar ao local, após 8 horas de caminhada por terrenos totalmente alagados, e teria se deparado com um cenário "assombroso" e "estranho". A água era clara e bem fria, algo totalmente diferente do ambiente que os cercava. O solo era duro, em contraste com os pântanos ao redor. Além disso, a parte central "flutuava". Eles não sabiam a razão para isso, mas flutuava.

Da segunda vez, a equipe conseguiu chegar ao local, após 8 horas de caminhada por terrenos totalmente alagados, e teria se deparado com um cenário "assombroso" e "estranho". A água era clara e bem fria, algo totalmente diferente do ambiente que os cercava
Assim sendo, uma vez que eles estavam mais intrigados do que nunca, resolveram abrir uma campanha no site Kickstarter para realizar uma expedição "científica" com equipamentos e toda uma estrutura que pudesse permirtir uma análise mais detalhada do local. A pretensão seria saber o que se encontrava debaixo do "The Eye", e sua possível relação com as histórias sobrenaturais dos moradores locais. Simples assim.

A "Opinião Supostamente Aleatória" de Algumas Pessoas Sobre o "The Eye"


O canal do projeto "The Eye", no Youtube, conta com vídeos das "opiniões supostamente aleatórias" de diversas pessoas sobre o local. As mesmas possuem, supostamente, as mais diversas profissões, sendo que a maioria seria de pessoas que moram na Argentina, e que acreditam que o local possa ser um fenômeno sobrenatural, e até mesmo de cunho ufológico.

Entretanto, não são fornecidas informações mais substanciais sobre cada pessoa para sabermos se existe algum parentesco ou afinidade com os produtores do projeto. Além disso, todas as opiniões parecem ser bem rasas, e praticamente roteirizadas. Enfim, separamos os vídeos de três pessoas distintas que deram suas "opiniões" sobre o "The Eye" para que vocês possam ter uma noção do que estamos falando.

Flor de Liz, Secretária, Moradora de Miami, nos Estados Unidos:




A mulher identificada por "Flor de Liz" disse que viu o vídeo sobre o "The Eye" (muito provavelmente o vídeo de apresentação do projeto que mostramos para vocês), e uma vez que ela acreditava no sobrenatural, ela sentia que estava diante de uma nova descoberta. Disse também que tinha começado a investigar, e ela não entendia como uma porção de terra poderia adquirir aquele formato, e ao mesmo tempo estar cercada por água. Flor de Liz também menciona que seria interessante que o caso fosse investigado. Na parte final ela meio que se contradiz, e diz que não sabia se era algo sobrenatural ou não, mas que seria bom saber como aquela formação tão singular teria se originado.

Carolina Bianco, Psicóloga, Moradora de Buenos Aires, na Argentina:




A mulher identificada como Carolina Biano disse que não conhecia nada sobre geologia, mas que sua primeira impressão era que o local era um ponto de aterrissagem de OVNIs. Ela disse que adoraria ir até o "The Eye", e que se tivesse a oportunidade de investigá-lo, primeiramente consultaria um geólogo para ver se era algo possível de se formar naturalmente, mas que também consultaria pessoas ligadas a Ufologia para saber sobre a marca que os OVNIs deixariam quando eles pousam. Ela também disse que apoiava o projeto, e o achava interessante.

Gilda Donio, Terapeuta Bioenergética, Moradora de Buenos Aires, na Argentina:




Sem dúvida alguma, um dos vídeos contendo opiniões mais longos dentre os que foram publicados no canal do projeto "The Eye", no Youtube, é o de uma mulher chamada Gilda Donio. Com a ajuda de um pêndulo ela faz uma série de perguntas para uma imagem, aparentemente extraída do Google Earth, em que mostra o "The Eye", e "recebe" uma série de respostas um tanto quanto peculiares. Para vocês terem uma noção, segundo ela, o "The Eye" não seria uma formação natural e não teria sido criado pelo homem, mas por uma inteligência superior. Além disso, seria algo paranormal, uma espécie de portal, e ao mesmo um vórtice energético.

De acordo com a "investigação" realizada pela Gilda, as histórias de experiências paranormais de moradores locais teriam relação com o "The Eye" e as energias que "habitam", sendo que essas energias no local seriam tanto benignas quanto malignas. Como se isso não bastasse, ainda viveriam espíritos no local. Por fim, o "The Eye" seria uma entidade com vida própria. Sim, isso mesmo que vocês leram.

A Opinião de Alguns "Investigadores" Sobre o "The Eye"


O canal do projeto "The Eye", no Youtube, também conta com vídeos de "investigadores" para comentar sobre o local em que se pretende explorar mais detalhadamente, e a razão pela qual a campanha do Kickstarter foi criada. Abaixo vamos conhecer dois desses vídeos para vocês tenham uma noção do foi comentado por essas pessoas.

Andrea Perez Simondini, Pesquisadora do Fenômeno OVNI e Diretora da CEFORA (Comissão de Estudos do Fenômeno OVNI da República Argentina):


Andrea disse que ficou muito impressionada com o viu a respeito do "The Eye", porque além da estranheza em si, era um local onde vinha ocorrendo o avistamentos de OVNIs, de criaturas extraterrestres e de luzes estranhas desde a década de 80. Aliás, teria havido um grande número de casos entre 1982 e 1989, onde teriam sido coletados os melhores depoimentos.

Ela disse que nunca havia visto uma formação tão estranha quanto aquela, e que valeria a pena realizar uma investigação mais aprofundada sobre a mesma. Confira o vídeo do seu depoimento, no Youtube (em espanhol, com legendas em inglês):



Primeiramente, ela disse que faria testes relacionados a possíveis campos eletromagnéticos, e demais testes em caráter preliminar, que pudessem fornecer maiores informações para a realização de uma pesquisa mais aprofundada. Deveria haver um exaustivo monitoramento do local ao longo dos meses, assim como o registro de todos os atencedentes do local. Também deveria ser pesquisado se algo havia sido construído no local anteriormente ou se realmente se tratava de uma obra da natureza.

Segundo Andrea, deveria ser montado uma espécie de centro de monitoramento, com diversas câmeras, além da realização de uma exploração submarina. Basicamente, na parte final do vídeo, Andrea acreditava que o "The Eye" fosse uma consequência de outros fatores, considerando o depoimento de moradores locais a respeito do avistamento de OVNIs, seres extraterrestres e até mesmo fantasmas.

Ariel López, Investigador Paranormal:


Um homem chamado Ariel López, apresentado como "investigador paranormal" disse que o círculo era um símbolo que sempre representava "Deus", e que um círculo dentro de outro círculo representava "Deus na Terra". Ele mencionou que a região tinha muitos pontos de atividades energéticas, e que isso atraía ou concentrava um grande número de fenômenos paranormais. Confira o vídeo do seu depoimento, no Youtube (em espanhol, com legendas em inglês):



Ariel também mencionou que começaria a investigar em busca de um eventual campo eletromagnético, registrando todos esses pontos energéticos. Segundo ele, a melhor forma de investigação era realmente estando no local, com os equipamentos apropriados para registrar possíveis mudanças de luz, de energia e de temperatura, na tentativa de encontrar a localização de um vórtice energético.

Ironicamente, não existe a opinião pública de nenhum geólogo ou cientista renomado sobre a "misteriosa ilha". Isso é um tanto quanto estranho, não é mesmo? Não faz muito sentido colocar a "opinião supostamente aleatória" de pessoas desconhecidas, e ao mesmo tempo consultar "especialistas", se nenhum deles possuem um conhecimento científico credível. É no mínimo questionável, para não dizer tendencioso.

O motivo do "pública" ter sido destacado? Bem, é possível encontrar a opinião de alguns "cientistas" em vídeos não listados publicamente no canal "The Eye", no Youtube, porém as opiniões são extremamente superficiais e os vídeos extremamente editados. De qualquer forma, acho que vale a pena conhecermos as supostas "atividades sobrenaturais" da região.

As Supostas Atividades Sobrenaturais da Região do "The Eye"


Conforme mencionamos anteriormente, a região do "The Eye" seria marcada por uma série de relatos de experiências sobrenaturais por parte dos moradores da região. Assim sendo, vamos fazer questão de contar para vocês todos os relatos que foram publicados no canal do projeto "The Eye", no Youtube, até o momento do fechamento dessa matéria. Eles não são muito longos, assim como os demais vídeos, que não passam de cinco minutos de duração. Vale lembrar que discutiremos posteriormente a respeito da veracidade de tais vídeos, combinado?

Um Suposto Cemitério Indígena em Las Vizcacheras:


O primeiro vídeo sobre as supostas atividades sobrenaturais da região conta a história de um suposto cemitério indígena, que ficaria a sudeste do "The Eye", nas proximidades do rio Luján (cerca de 4 km de distância). Nesse local ocorreria diversas manifestações fantasmagóricas, e a presença lendária da "luz mala", conhecida também como "luz fantasma". Esse misterioso fenômeno estaria presente em todo o território argentino, especialmente em regiões úmidas ou locais próximos a cemitérios e animais mortos.

De acordo com a lenda, a "luz fantasma" representaria a alma dos mortos, que saem dos seus túmulos e perambulam entre os vivos, buscando vingança por terem morrido de maneira trágica. Ela é descrita com uma luz que flutua no ar de maneira silenciosa. Algumas vezes ela é estática, porém em outras vezes ela é descrita por perseguir a pessoa que a avista.

A equipe do projeto "The Eye" chegou a visitar o referido local, porém não conseguiu ver muita coisa, visto que não é permitir escavar ou coletar amostras do local. A equipe, no entanto, teria confirmado que aquele era um dos poucos locais onde o terreno não era pantanoso, mas um terreno elevado, e com um solo de boa qualidade. Confira o vídeo a respeito do "cemitério indígena", no Youtube (em inglês, com legendas em espanhol):



A existência desse cemitério estaria documentada em uma série de expedições científicas, sendo que a primeira expedição ao local datava de 1925, e teria sido liderada por Samuel Kirkland Lothrop, um respeitado arqueólogo e antropólogo norte-americano, que era especialista em estudos relacionados a América Central e do Sul (talvez vocês se lembrem desse nome, ele foi mencionado na postagem do "Estranho Caso Sobre a Suposta 'Esfera Misteriosa' Encontrada em uma Floresta na Bósnia"). A maioria dos ossos humanos, e vasos relacionados aos funerais estariam preservados no Museu Nacional do Índio Americano, nos Estados Unidos.

As Casas Abandonadas:


De acordo com o canal do "The Eye", no Youtube, diversas casas abandonadas estariam localizadas um pouco distantes (cerca de 4,4 km de distância), mas a leste do "The Eye". Os moradores locais relatavam histórias de aparições, espectros e acontecimentos estranhos em casas abandonadas em um mesmo local, identificado como canal "Las Rosas".

Considerando todas as histórias, havia uma que seria a mais assustadora de todas, e que teria acontecido na chamada "casa da árvore gigante". A equipe do projeto, inclusive, foi até o local para verificar. Confira o vídeo no Youtube (em inglês, com legendas em espanhol):



Contam que naquela casa, um casal se hospedou, sem nenhuma autorização para tal, durante um fim de semana, e acabaram vivendo o maior pesadelo de suas vidas. Por algum motivo que não foi explicado, eles ficaram aterrorizados e acabaram fugindo da casa na calada da noite, porém acabaram deixando o filho deles, de apenas 6 meses de idade, que eles tinham levado, para trás. Ao perceberem o erro que cometeram, eles voltaram, porém o bebê não estava mais dentro da casa.

No local ainda se encontrava o carrinho do bebê supostamente deixado pelo casal, que aliás seria o único objeto que permanecia intacto, ano após ano, mesmo que a casa estivesse praticamente em ruínas. Quem navega pelo rio assegura que o carrinho aparece em diferentes locais ao redor da casa. Já os pescadores dizem que as risadas e o choro de um bebê ainda podem ser escutados durante a noite, vindos da direção da casa.

A Aparição da "Virgem Maria":


Aparentemente, os moradores locais relatam a aparição da "Virgem Maria" na interseção do Rio Luján e o canal "Las Rosas", a sudeste do "The Eye" (cerca de 6,6 km de distância). Dizem que construíram um altar no local para venerá-la, e desde então as aparições começaram a ser cada vez mais frequentes.

Entretanto, um dia, a aparição ficou mais próxima do que o habitual em relação as pessoas, que entraram em pânico. O motivo? A aparição não era da "Virgem Maria", mas de um "espectro macabro". Confira o vídeo no Youtube (em inglês, com legendas em espanhol):



A história também conta que apareceram dezenas de cachorros nas margens do rio, que latiam e rosnavam enlouquecidamente em direção a "figura", que estava flutuando acima do rio. Repentinamente, todas as velas se apagaram como se tivessem sido sopradas, e o vidro que protegia a Virgem Maria se estilhaçou em mil pedaços, provocando cortes em seus fiéis. As pessoas que estiveram presentes naquela noite nunca mais regressaram ao local. Aliás, a equipe do projeto "The Eye" teria ido até o local, e teria encontrado o pedestal do antigo altar, um monumento silencioso que simbolizava o que teria acontecido naquela noite.

O "Cemitério de Barcos":


Esse "cemitério de barcos" estaria localizado a apenas 2 km do "The Eye". É questionado inicialmente que os barcos seriam muito grandes para navegar pelo local onde se encontram, e que a forma pela qual chegaram até o local seria um grande mistério.

A equipe do projeto "The Eye" teria descoberto em 2011, a existência de quatro círculos no solo, ao redor desse "cemitério de barcos", e que seriam muito semelhantes ao próprio "The Eye", e que acabaram sendo cobertos pela vegetação ao longo do tempo. Confira o vídeo no Youtube (em inglês, com legendas em espanhol):



Assim sendo, a equipe também foi ao local para conferir de perto o tamanho desses barcos. Foi escolhido um dia em que as águas do rio estavam um pouco mais elevadas, para evitar que a lancha ficasse presa devido a baixa profundidade do rio. A época escolhida era o final do outono, onde esperavam que houvesse uma quantidade menor de vegetação na região. Conforme a equipe avançava, a navegação se tornava cada vez mais difícil. A lancha chegava a tocar por diversos momentos no fundo, e nas "margens" do rio. Foi necessário, inclusive, acender lanternas, uma vez que a noite estava chegando.

Algum tempo depois eles se depararam com a primeira embarcação. É mencionado que a lancha parecia um brinquedo perante as embarcações que ali estavam, sendo que uma delas tinha ao menos 37 metros de comprimento. Então, segundo a equipe, era possível notar que navegar com aqueles barcos ou levá-los até o local seria praticamente impossível. A razão pela qual os barcos foram deixados ali, completamente abandonados, seria um mistério, que com certeza valeria a pena ser investigado.

O que as Pessoas Ganham ao Contribuir Financeiramente com o Projeto "The Eye"?


Assim como acontece na maioria dos sites de financiamento coletivo, as pessoas que contribuem para um determinado projeto recebem uma espécie de recompensa, que depende intrisicamente do valor que "doam". Isso é algo absolutamente normal. A questão é que "as recompensas nem sempre compensam".

No caso desse projeto, as doações entre US$ 1 (por volta de R$ 3,20) e US$ 10 (por volta de R$ 32) basicamente ganham papéis de parede virtuais do "The Eye", e um livro em formato .PDF da expedição ao "The Eye" (lembrando que o livro será apenas disponibilizado em doações acima de US$ 5, visto que com US$ 1 a pessoa recebe apenas um "agradecimento"). As recompensas também são cumulativas, ou seja, tudo que está sendo oferecido a valores mais baixos, também será oferecido a quem colaborar com valores mais altos.

Acima de US$ 30 (por volta de R$ 100) a pessoa ganha uma cópia em qualidade HD do documentário que será realizado. Acima de US$ 55 (por volta de R$ 175) a pessoa ganha uma "caneca exclusiva". Acima de US$ 100 (por volta de R$ 320) a pessoa ganha "acesso exclusivo a uma transmissão ao vivo", que será realizada diretamente do "The Eye". A lista de valores e recompensas aumenta gradativamente, passando pela inserção do nome dos colaboradores nos créditos do documentários até o direito da pessoa opinar sobre o que estaria acontecendo no local, cuja opinião seria inserida no documentário.

Os maiores valores possíveis de serem doados para a campanha"The Eye"  iniciada no Kickstarter
Agora, se alguém colaborar com "módicos" US$ 6.500 (por volta de R$ 21.000), a pessoa terá direito a passar uma noite no "The Eye" juntamente com a equipe do projeto. No entanto, com uma mera colaboração de US$ 10.000 (por volta de R$ 32.000), a mais alta listada, a pessoa terá direito terá direito de fazer parte da primeira expedição, e aparecer no documentário com o restante da equipe. Não é informado se o projeto bancaria as desespesas com a viagem dessas pessoas, que podem ser de qualquer parte do mundo até o local combinado, mas muito provavelmente não.

Os Riscos e Desafios em Explorar o "The Eye" de Acordo com a Própria Equipe do Projeto


De acordo com a equipe do projeto "The Eye", essa produção não é considerada arriscada para os membros da expedição. Eles dizem que já sabem como chegar ao local, que possuem as coordenadas de GPS de viagens anteriores, e todos os locais dos chamados "POI" ("Point of Interest", ou "Ponto de Interesse", em português) registrados. Também dizem que já conhecem as complexidades do território, e que já identificaram os locais para o pouso de helicópteros, as áreas de apoio para fotografar e para auxiliar nas tarefas das equipes científicas. Além disso, mencionam que já possuem as devidas autorizações para investigar, acampanhar, filmar, coletar amostras e realizar experimentos no "The Eye" e nas regiões próximas.

A produção audiovisual estará a cargo da Full Dimensional Entertainment S.A. (http://www.fulldimensional.com/). De acordo com a página da campanha, a Full Dimensional possui uma vasta experiência em filmes, em televisão e documentários, tanto em formato 2D, quanto 3D. Além disso, possuiria uma equipe permanente para trabalhar neste de projeto de maneira adequada e cumprindo todos os prazos preestabelecidos. Sergio Neuspiller, proprietário da empresa, uma das pessoas que estão promovendo esse projeto, será o diretor do documentário.

Sergio Neuspiller, proprietário da empresa Full Dimensional Entertainment S.A. (http://www.fulldimensional.com/), uma das pessoas que estão promovendo esse projeto, será o diretor do documentário.
Quanto a questão financeira e contábil, os orçamentos para cada área foram acompanhados detalhadamente. Além disso, os prestadores de serviço terceirizados selecionados estão comprometidos a entregar o serviço a preço fixo, mesmo que o trabalho se faça necessário mais tempo do que o mencionado ou possua mais dificuldade do que o previsto. A gestão de negócios está a cargo de Ricardo Petroni, chefe da campanha no Kickstarter, e proprietário da empresa Specialized Environmental Modeling, LLC.

A gestão virtual, pela internet, ficará a cargo do "ISP Canopus" (http://www.canopus.net.ar), uma empresa que presta serviços de datacenter, e supostamente possui cerca de 20 anos de experiência no desenvolvimento de projetos de internet. A equipe mencionou que a eficácia, entusiasmo e seriedade diante este projeto reflete-se nas amostras audiovisuais produzidas com a finalidade de apresentar o projeto, que estará disponível tanto em língua inglesa quanto espanhola. A equipe do projeto também citou que é bem difícil chegar ao "The Eye". Mesmo que fosse perto de localidades com edificações, o mesmo está localizado no meio de uma "ilha pantanosa".

Quanto a questão financeira e contábil, os orçamentos para cada área foram acompanhados detalhadamente. Além disso, os prestadores de serviço terceirizados selecionados estão comprometidos a entregar o serviço a preço fixo, mesmo que o trabalho se faça necessário mais tempo do que o mencionado ou possua mais dificuldade do que o previsto
Primeiramente, eles deveriam navegar até o chamado "perímetro da ilha" e, em seguida, caminhar em direção ao centro da ilha, passando por canais de água, capim tussock, colinas com amoras espinhosas e áreas pantanosas. Nem os veículos a motor, nem mesmo cavalos poderiam ser utilizados para acessar o olho; no caso destes últimos, uma vez que eles fiquem presos na lama, eles tendem a ficar inquietos, e não iriam prosseguir. Isso tornaria as coisas mais complexas, ao mesmo tempo que aumentaria o custo dos serviços a serem executados, desde a montagem da infraestrutura mínima para a transferência de pessoas e transporte dos equipamentos (equipamentos pesados, tais como: equipamentos de mergulho, geradores de energia, detectores de metal, entre outras coisas que seriam transferidas de helicóptero).

A transmissão ao vivo, diretamente do "The Eye" necessitará de um sistema complexo, com até doze chips 4G trabalhando em conjunto para transmitir o vídeo em tempo real para os apoiadores do projeto.

Cientistas e especialistas que participarem da expedição devem estar fisicamente aptos e dispostos a entrar em pântanos, e passar por canais de água. De qualquer forma, eles terão assistência médica permanente para ajudar qualquer membro da expedição em caso de acidente ou enfermidade devido ao cansaço, insolação etc. Aliás, a preservação da região onde os testes forem realizados, assim como o cuidado para que as amostras não sofram qualquer tipo de contaminação ou não sejam danificadas por qualquer outro especialista também seriam fatores muito importantes a serem considerados.

Os Supostos Eventos "Sobrenaturais" Teriam Relação Direta com o "The Eye"? 


Finalmente chegamos na última parte dessa postagem, e provavelmente a mais derradeira delas, uma vez que iremos tentar explicar para vocês o que realmente está sendo exibido, e tentar entender se todos os eventos sobrenaturais supostamente descritos por "moradores locais" fazem ou não algum sentido diante de uma suposta paranormalidade do que está sendo chamado por "The Eye". Vamos começar pelos "casos misteriosos", que foram relatados em vídeo.

Começando pela ordem em que apresentamos para vocês, temos o suposto cemitério indígena, que ficaria a sudeste do "The Eye", nas proximidades do rio Luján (cerca de 4 km de distância), em uma região conhecidas como Las Vizcacheras. No vídeo foi apresentado o que seria o site oficial do município de Escobar, na Argentina, não é mesmo? Porém, é importante ter em mente, que a página é um blog da Direção Municipal de Pesquisa e Acervo Histórico do Município de "Partido de Escobar".

O "Partido de Escobar" é basicamente uma das 135 divisões territoriais, que compõe a Província de Buenos Aires, e que constitucionalmente são chamados de "partidos"
A página apresentada no vídeo é de um blog
da Direção Municipal de Pesquisa e Acervo Histórico do Município de "Partido de Escobar"
O "Partido de Escobar" é basicamente uma das 135 divisões territoriais, que compõe a Província de Buenos Aires, e que constitucionalmente são chamados de "partidos". Além disso, "Las Vizcacheras" é considerado praticamente como se fosse um "sítio arqueológico", no qual mencionam uma lenda urbana sobre a existência de um antigo cemitério indígena onde se podia avistar a chamada "luz fantasma", porém não é mencionado a presença de ossos humanos.

No vídeo também é mencionado que o arqueólogo e antropólogo Samuel Kirkland Lothrop teria realizado escavações no local, no ano de 1925, tendo coletado ossos humanos e vasos relacionados aos funerais, que estariam preservados no Museu Nacional do Índio Americano, nos Estados Unidos. Pois bem, em uma rápida pesquisa sobre o assunto, é possível verificar que realmente o Samuel Kirkland esteve naquela região da Argentina, e naquele mesmo ano. Aliás, ele era um dos poucos exploradores estrangeiros que tinham autorização para conduzir escavações em solo argentino. A questão era saber se realmente todo o material realmente condizia com um "cemitério indígena".

Bem, nesse caso, um artigo chamado "El Contexto Sociohistórico De Las Investigaciones De Samuel K. Lothrop En El Delta Del Paraná, Argentina" ("O Contexto Sócio-Histórico das Investigações de Samuel K. Lothrop no Delta do Paraná, Argentina", em português), escrito pelos pesquisadores Mariano Bonomo e Máximo Farro, da Faculdade de Ciências Naturais e do Museu, da Universidade Nacional de La Plata, na Argentina, ajudam a tentar esclarecer um pouco essa parte. No mesmo é mencionado que, segundo o caderno de anotações de Samuel K., as escavações aconteceram entre os dias 6 de abril e 11 de junho de 1925, e foram criados, por assim dizer, três sítios arqueológicos na região denominados de "Arroyo Malo", "El Cerrillo" e "Arroyo Sarandi".

Mapas mostrando a localização dos sítios arqueológicos de "El Cerrillo", "Arroyo Malo" e "Arroyo Sarandi", comparando com o local onde é mencionado que havia um cemitério indígena em "Las Vizcacheras"
Todos ficam relativamente próximos ao "The Eye", porém nenhum desses sítios está localizado no ponto identificado no mapa pela equipe do projeto "The Eye". Estão próximos, mas não é possível dizer que teria sido realizada uma escavação conduzida por Samuel K. exatamente no local indicado.

O local mais próximo do que foi indicado teria sido o sítio arqueológico de "Arroyo Malo", e o mesmo foi classificado por Samuel K. como uma vilarejo pertencente ao povo Guarani, grupos de agricultores de origem amazônica, que chegaram ao Delta do Paraná cerca de dois séculos antes dos conquistadores europeus. Essa atribuição é válida até os dias de hoje, e foi baseada na presença de urnas, machados de pedra polida, pratos, tigelas, panelas e frigideiras de cerâmica policromada ondulada. Outra parte questionável são as fotos mostradas no vídeo, que basicamente correspondem as escavações realizadas por Samuel K. no sítio arqueológico de "El Cerrillo", que ficaria bem mais ao norte do "The Eye", e bem diferente da localização indicada no vídeo.

As fotos utilizadas no vídeo pertencem as escavações realizadas por Samuel K. no sítio arqueológico de "El Ceriillo", que é consideravelmente distante do ponto identificado como "Las Vizcacheras"
Enfim, é bem possível que a localidade de "Las Vizcacheras" tenha sido palco de assentamentos indígenas, assim com todo o restante da região. Contudo, em relação ao que foi mencionado em vídeo, sobre a existência de um cemitério indígena naquele ponto, torna toda a história um tanto quanto questionável. Aliás, quantos prédios e casas não teríamos na América Latina, e que foram igualmente construídos sobre assentamentos indígenas?

Em seguida temos a questão das casas abandonadas e do altar supostamente dedicado a "Virgem Maria". Bem, é muito complicado considerar relatos ou lendas urbanas como verdades absolutas. O fato de uma pessoa ou um grupo de pessoas ter vivenciado algo, e que não conseguiu qualquer outra explicação para racionalizar o evento, não quer dizer que o mesmo seja "sobrenatural". Parte muito mais da crença de cada pessoa, do que necessariamente algo que não seja desse mundo. Aliás, não tivemos maiores detalhes dos locais, porque convenientemente todos as gravações apresentadas foram realizadas durante a noite, onde havia uma limitação muito grande de luminosidade, e vimos apenas o que os produtores quiseram mostrar. Seria necessário um registro muito mais confiável e credível do que simplesmente mostrar um carrinho de bebê e um pedestal pichado.

Em relação ao "cemitério de barcos" a história não é tão sem explicação assim. Existe até mesmo o comentário de um usuário no Youtube, naquele mesmo vídeo, mostrando que na década de 1920 houve um estaleiro chamado Astilleros Argentinos Río de La Plata S.A. (mais conhecido como Astarsa), localizado na cidade de Tigre, ao norte da Grande Buenos Aires, no rio Luján. Em seu auge, a companhia chegou a empregar 1.500 trabalhadores navais e metalúrgicos.

Na década de 1920 houve um estaleiro chamado Astilleros Argentinos Río de La Plata S.A. (mais conhecido como Astarsa), localizado na cidade de Tigre, ao norte da Grande Buenos Aires, no rio Luján

Em seu auge, a companhia chegou a empregar 1.500 trabalhadores navais e metalúrgicos

Entretanto, a diminuição da marinha mercante argentina desde a década de 1980, e o processo de privatização que foi iniciado na década de 1990 acabaram resultando na falência da Astarsa. As embarcações produzidas, inclusive, eram de um porta considerável, muito maiores do que uma mera lancha.

Outro detalhe que se deve levar em consideração, é que a navegabilidade atual dos rios da região não pode ser comparada com aquela que provavelmente havia no início e meados do século XX, uma vez que o progresso muito provavelmente gerou um maior assoreamento dos rios da região, e uma série de danos ambientais que não existiam anteriormente. Além disso, a chamada "cheia dos rios" pode mover tais embarcações para diversas localidades, ou seja, nem sempre poderão ser encontradas em um mesmo local. Resumindo, nada soa "sobrenatural", e muito menos relacionado a uma "ilha flutuante".

Será Verdade que o "The Eye" é Realmente uma "Ilha"?


Por falar em "ilha", chegou o momento de comentar sobre a mesma. Será mesmo que a suposta "ilha" é uma mesmo "ilha" ou tem algo de errado e bem mais mundano em toda essa história? Bem, a definição em qualquer dicionário é bem clara: uma ilha é uma área de terra cercada de água por todos os lados". Se formos considerar essa definição, bem, o "The Eye" seria uma "ilha", porém talvez não seja bem assim. O que estamos vendo, muito provavelmente é o que se chama de "ilha flutuante". Certamente não tem um nome muito pomposo, porém é interessante conhecer sua definição.

De acordo com o Centro de Plantas Aquáticas e Invasivas, da Universidade de Flórida, algumas vezes o que parece ser uma "ilha" que flutua sobre a água, na verdade é um produto derivado de massas de turfa, lama, e plantas. Em casos extremos, estas "ilhas", que variam em tamanho, desde centímetros até centenas de acres, podem conter árvores de mais de 15 metros de altura e de 20 a 30 centímetros de diâmetro. Aliás, esse fenômenos acontecem no mundo inteiro, assim como na Argentina, Austrália, Finlândia, Índia, Japão, Quênia e Papua Nova Guiné.

As "ilhas flutuantes" variam em tamanho, desde centímetros até centenas de acres, podem conter árvores de mais de 15 metros de altura e de 20 a 30 centímetros de diâmetro. Aliás, esse fenômenos acontecem no mundo inteiro, assim como na Argentina, Austrália, Finlândia, Índia, Japão, Quênia e Papua Nova Guiné
No caso da Flórida, nos Estados Unidos, essas "ilhas flutuantes" são um produto do processo de envelhecimento natural dos corpos de água e, provavelmente, sempre fizeram parte dos lagos pouco profundos da Flórida. Historicamente, a ocorrência dessas ilhas era naturalmente controlada por secas periódicas e incêndios, que as mantinham dentro das margens de lagos ou através de inundações ocasionais, que as depositavam nas terras mais altas ou nos pântanos rio abaixo. Atualmente, os níveis de água na maioria dos lagos públicos da Flórida são controlados por estruturas tais como açudes, barragens ou diques. Estas interferências eliminam os eventos extremos de águas altas e baixas, que historicamente evitavam a formação das "ilhas flutuantes".

Essas "ilhas flutuantes" são compostas de plantas aquáticas e, por vezes de plantas pertencentes as terras mais altas, assim como herbáceas, e plantas lenhosas. O principal é que elas são caracterizadas por massas suspensas de depósitos orgânicos como turfa e lama. Em alguns casos, os sedimentos são tão compactos ou tão fibrosos, que as plantas emergentes, cujas raízes estão entrelaçadas nos sedimentos, "puxam" uma grande quantidade de material orgânico juntamente com elas para a superfície. Em lagos com alto teor de matéria orgânica nos sedimentos, gases podem acumular-se e levantar pequenas áreas de decomposição de material fibroso e turfa para a superfície. Quando os leitos dos lagos com depósitos elevados de material orgânico (especialmente de turfa) são expostos por períodos prolongados, os sedimentos acabam secando. Essas ilhas podem, inclusive, se "movimentar" devido a ação de eventuais correntezas ainda que imperceptíveis, e também pela ação dos ventos.

Essas "ilhas flutuantes" são compostas de plantas aquáticas e, por vezes de plantas pertencentes as terras mais altas, assim como herbáceas, e plantas lenhosas. O principal é que elas são caracterizadas por massas suspensas de depósitos orgânicos como turfa e lama
Enfim, eu poderia continuar escrever por um bom tempo somente sobre "ilhas flutuantes" e "tussocks" para vocês, porém acredito que não haja necessidade, e que a explicação fornecida seja mais do que suficiente para demonstrar que muito provavelmente não existe nada de "sobrenatural" no "The Eye", é tão somente um acidente geográfico natural. Vocês também podem saber mais detalhes sobre essas ilhas flutuantes, no Delta do Paraná, ao clicar aqui.

Ilhas flutuantes de Esteros de Ibera, na região nordeste da Argentina
Aliás, apesar de não ter nenhuma relação com esse caso, o mesmo me lembrou um outro fenômeno registrado por um homem chamado George Loegering, um engenheiro aposentado que morava em Dakota do Norte, nos Estados Unidos, em novembro de 2013. Um grande pedaço de gelo inteiramente circular se desfragmentou da costa de um rio e ficou rodopiando sozinho, constantemente. O mais curioso era que o formato do gelo era perfeitamente redondo. Confira o vídeo:



Na época, os meteorologistas Allen Schlag e Greg Gust do Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos disseram que a formação provavelmente ocorreu devido à combinação do ar frio e denso com um pequeno redemoinho dentro do rio. Gust disse que o ar gelado dos dias anteriores transformou a superfície do rio em gelo; porém, como as águas estavam relativamente quentes, o congelamento não ocorreu por completo. Enfim, será que se tívessemos supostos avistamentos de "OVNIs" naquela região, as pessoas também diriam que aquele seria um ponto para o pouso de naves extraterrestres ou um vórtice energético?

Comentários Finais


Sinceramente, soa bem absurdo considerar que a "ilha misteriosa" seja o ponto central para uma série de atividades "sobrenaturais" totalmente questionáveis. Criar uma campanha em qualquer site de financiamento coletivo, não é sinônimo de segurança ou veracidade do que está sendo apresentado. Aliás, até mesmo contribuições realizadas por sistemas como o "Patreon" não significam que você esteja apoiando um conteúdo ou um trabalho que tenha compromisso com a verdade. É necessário ter muito cuidado ao contribuir financeiramente com determinados projetos ou propostas, uma vez que eles podem estar muito abaixo da sua expectativa inicial. Não basta gostar e admirar quando o que está em jogo é o seu dinheiro. É necessário avaliar bem a proposta, conhecer adequadamente as formas de pagamento, saber se haverá algum tipo de estorno caso o objeto da campanha ou do trabalho mude de uma hora para outra, e você acabe sendo enganado por pessoas, que outrora você confiava ou ao menos tinha uma certa credibilidade. Então, se alguém pretender contribuir com o projeto "The Eye", ao menos no meu entendimento, e sempre assino o que escrevo, porque não tenho receio de expor a verdade sobre os fatos, assim o faça tendo em mente um eventual filme de terror tipo "B" ou um documentário interessante sobre os relatos de moradores daquela localidade da província de Buenos Aires. Contudo, se você pensar em contribuir visando a descoberta de algo surpreendente, pode esquecer, a "ilha" muito provavelmente é tão somente algo natural.

É muito importante que eu forneça uma opinião séria e contudente em relação ao que escrevo, porque ao menos as pessoas que acompanham o meu trabalho neste blog, sabem que tenho um compromisso ferrenho com a verdade, que não tenho medo de trabalho ou de pesquisar sobre cada assunto que me disponho a escrever, até mesmo porque trabalho edifica. Então, acredito que as pessoas esperam que eu forneça todas as explicações possíveis para que elas possam compreender e assimilar adequadamente o assunto que estão lendo. Além disso, ter uma base de apoio, a opinião, ou o comentário final de uma pessoa que elas sabem que não irá enganá-las em troca de visualizações, e que terá realizado uma ampla pesquisa antes que elas desfrutem de um material, que dificilmente encontrarão explanado de forma tão ampla, irrestrita e ilimitada, é fundamental. Assim sendo, o projeto "The Eye" soa muito mais a promoção e a colaboração em prol da criação de um filme de terror, do que um documentário científico (esperamos, é claro, que não venha a ser um mockumentário, ou seja, um documentário inverídico como "Dytalov Pass", "Sereias" entre outros). É muito ruim compactuar com mockumentários, porém eles fazem sucesso devido a falta de conhecimento das pessoas, e a boa fé que elas depositam em grandes veículos de comunicação.

Por fim, é interessante notar que os relatos sobre supostos eventos sobrenaturais são até interessantes, divertidos, intrigantes, mas envolver ciência nesse meio talvez não tenha sido a melhor ideia para o filme ou documentário. É claro que era necessário uma "base científica" para tentar justificar e convencer as pessoas a doarem dinheiro, mas acredito que até poderiam arrecadar mais se adicionassem uma base maior de mistério. Porém, ao adicionar mais mistério ou mais conteúdo "sobrenatural" correriam o risco de tratar de um assunto inexistente ou que fosse dificilmente provado, partindo mais para o charlatanismo do que necessariamente explorando o lado científico do assunto. Enfim, de qualquer forma é um roteiro razoável e interessante. Eu até contribuiria pensando que seria divertido imaginar todas as situações, mas acho muito caro receber em troca alguns papéis de parede e uma caneca "exclusiva" por mais de R$ 170,00. Acho que qualquer pessoa concordaria que ir ao cinema no Brasil, tendo uma bela companhia ao seu lado, ainda que para assistir ao pior filme de terror de todos os tempos, sairia muito mais barato.

Até a próxima, AssombradOs!

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://historiadelpartidodescobar.blogspot.com.br/2009/06/las-vizcacheras.html
http://mysteriousuniverse.org/2016/08/the-search-for-the-mysterious-round-island-that-moves/
http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-3764027/Is-mysterious-eye-island-near-Argentina-hiding-alien-base-Kickstarter-campaign-investigate-bizarre-rotating-island-launched.html
http://www.elojoproject.com/
http://www.fulldimensional.com.ar/EN/index-FDe-EN.html
http://www.inquisitr.com/3467101/ufo-base-in-argentina-mysterious-eye-island-revealed-on-google-has-opening-large-enough-for-100-meter-ufo/
http://www.megacurioso.com.br/fenomenos-da-natureza/40190-formacao-circular-de-gelo-e-encontrada-rodopiando-em-rio-dos-eua.htm
http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0717-73562014000100008
http://www.stuff.co.nz/world/americas/83744335/mysterious-rotating-island-in-swamp-near-buenos-aires--surely-it-must-be-an-alien-base
https://en.wikipedia.org/wiki/Astarsa
https://www.kickstarter.com/projects/24388034/the-eye-an-expedition-to-a-unexplored-enigmatic-is?ref=city
https://www.youtube.com/watch?list=PLQHhnYkAZ-QJzZ0OJrYJ3x62694bANB1l&v=0tx10Y4TD2k
https://www.youtube.com/watch?v=xxox8VIjE6k
Comentários