22 de maio de 2016

A China Estaria Exportando "Carne Humana" Para Países Africanos Por Falta de Espaço para Enterrar seus Mortos?

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Eles são lançados primeiro lá, depois que vem pra cá :) Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

Por Marco Faustino

Desde o início do mês, uma suposta "denúncia" e uma série de notícias publicadas em tabloides africanos, principalmente da Zambia e da África do Sul, e mais recentemente replicada em sites de notícias britânicos, vêm ganhando destaque na imprensa internacional. Essa "denúncia" seria referente a utilização de "carne humana" por parte de grandes fábricas de processamento de carnes e produção de enlatados na China. Uma suposta funcionária de uma dessas empresas teria dado esse alerta, que rapidamente começou a ser divulgado em sites de notícias bem controversos. A notícia passou a ser viralizada e compartilhada dezenas de milhares de vezes em redes sociais, tais como o Facebook e Twitter, até finalmente chegar até as páginas de tabloides africanos e britânicos, o que ajudou ainda mais a propagar essa "denúncia".

Essa mesma notícia dizia para as pessoas pararem de consumir carne enlatada, uma vez que até mesmo alimentos tais como atum e sardinha enlatados passariam por esse mesmo problema, pois as "carnes" provenientes de seres humanos estariam sendo misturadas a esses alimentos. A principal razão para essa utilização um tanto quanto macabra e criminosa? Devido a superpopulação da China, que atualmente supera a marca de 1,4 bilhão de habitantes, e que pode chegar a 10 bilhões em 2050, o país estaria sem nenhum lugar para enterrar os seus mortos. A alternativa seria "processar" a carne dessas pessoas e ao mesmo tempo tornar isso uma fonte extra de renda para as empresas do setor.

A notícia parece um tanto quanto surreal, não é mesmo? Soa ilógico que algum país iria se dispor a correr esse tipo de risco, visto que possuímos um mundo extremamente globalizado, onde a maioria das pessoas possui um celular com capacidade de tirar fotos a qualquer momento. Todos os países do mundo, querendo ou não, são afetados economicamente e diariamente em razão das notícias que vêm do mercado financeiro, das políticas econômicas ou dos escândalos envolvendo grandes corporações da China. Entretanto, essa história ganhou uma dimensão bem maior do que o esperado, e fez com que o embaixador da China na Zâmbia, Yang Youming, repudiasse e desmentisse tais acusações. O Ministro Adjunto de Defesa da Zâmbia, Christopher Mulenga, também prometeu que país iria investigar a origem do que ele denominou como "boato". Vamos saber mais sobre esse assunto?

P.S: Essa postagem possui imagens, que podem causar certo desconforto durante a leitura por parte de alguns leitores.

Como Toda Essa História Começou


Tudo isso começou quando sites e fóruns de discussão com reputações bem questionáveis, e que frequentemente espalham notícias sem qualquer tipo de verificação prévia (sendo que muitas vezes são meras farsas), passaram a divulgar que uma empresa chinesa estaria usando a "carne de pessoas mortas" na produção dos mais variados tipos de carnes enlatadas, e as exportando para países africanos. Sites como o Information Hood, Nairaland, e TuneZNG foram os principais responsáveis pelo início de toda essa polêmica. Aliás, acho importante comentar um pouco sobre esses três sites que acabamos de mencionar.

O "TuneZNG" não é bem um site de notícias ou tão pouco comprometido com a veracidade do que publica. É um site nigeriano onde existem publicações sobre os mais diversos temas, download de músicas e vídeos de forma ilegal, e notícias sobre celebridades. Já o "Nairaland" é uma espécie de comunidade online, um fórum de discussões nigeriano, que alega ter mais de 1.400.000 de contas registradas, e segundo o site Alexa.com, seria o oitavo site mais acessado na Nigéria.

Sites como oTuneZNG (canto superior esquerdo da imagem) Information Hood, (canto superior direito da imagem) e Nairaland (parte inferior da imagem) foram os principais responsáveis pelo início de toda essa polêmica
O destaque fica por conta do "Information Hood" por sua vez não estaria passando por uma situação muito boa, visto que os administradores do site recentemente disseram, mais precisamente no dia 15 de maio, que hackers chineses estariam tentando invadir o servidor onde o mesmo está hospedado, desde aquela data, com o objetivo de retirar a postagem sobre esse assunto do ar, valendo-se também de ataques DDoS (também conhecidos como ataques de negação de serviço, que é uma tentativa de fazer com que aconteça uma sobrecarga em um servidor ou computador comum para que recursos do sistema fiquem indisponíveis para seus utilizadores).

Eles também passaram a redirecionar o tráfego para um outro site, e alegaram na nova postagem, que desde que publicaram a notícia passaram a ser vítimas de ataques oriundos de IPs (números que identificam cada computador na internet) de origem chinesa. Para eles isso só prova que a notícia é real e não apenas um mero rumor, algo que serviria de alerta para que ninguém consumisse carne enlatada proveniente da China. Curiosamente, no entanto, nenhum outro site que mencionamos acima reportou tal situação.

Comentário do site "Information Hood" a respeito de supostos ataques oriundos de IPs chineses,
que estavam tentando retirar a respectiva postagem sobre o assunto do ar.
Esses e outros sites publicaram por volta do dia 22 de abril o seguinte texto (você pode conferir o texto em inglês, clicando aqui):

"Uma fonte no Facebook expôs o segredo de uma empresa chinesa, que está usando pessoas mortas na produção de carne enlatada e exportando-a para a África. A foto mostra claramente como eles fazem isso. De acordo com a fonte que relatou isso, a mesma pediu para cada pessoa alertasse as demais em seus países, para que evitassem comprar carne enlatada nesse momento, uma vez que as pessoas não seriam capazes de identificar qual teria vindo do China. Mesmo que o governo nigeriano tenha proibido a importação de tais produtos, eles ainda estão sendo estocados por parte de nossos importadores, que estão usando mecanismos ilegais para trazer esses produtos para o país sem que nossas autoridades percebam.

Por favor, mande isso para todos os seus contatos, é muito importante.
Os chineses começaram a produzir carne enlatada a partir de seus mortos, e estão enviando para a África. Por favor, fique longe da carne enlatada, independentemente da marca, principalmente de supermercados na África e de origem afro-asiática
."

Texto postado no fórum de discussões "Nairaland", em 22 de abril desse ano
O texto em inglês possui diversos erros gramaticais e de concordância, sendo algo escrito de forma realmente bem precária. Entretanto, o caso começou a gerar muita discussão na África, visto que a maioria das pessoas, independentemente da nacionalidade, tem um preconceito em virtude de muitos produtos chineses possuírem uma baixa qualidade de fabricação, assim como diversas fábricas chinesas frequentemente se envolverem nos mais variados escândalos, principalmente envolvendo as condições de trabalho de seus funcionários. Além disso, não é de hoje que a China está mergulhada em uma série de escândalos referentes a qualidade da carne que produzem (algo que comentaremos ao final dessa postagem).

Por ser redator do blog AssombradO.com.br, eu simplesmente adquiri uma veia jornalística muito expressiva ao longo de quase 1 ano escrevendo para vocês. Independentemente da história, é possível notar algumas características fundamentais para apontar que algo tenha um viés bem intenso apontando para uma mentira. Nesse caso, quem seria essa fonte? Qual o nome da empresa? As fotos divulgadas realmente pertencem a empresa? Quando elas foram tiradas? Enfim, como vocês podem perceber existe uma série de lacunas a serem preenchidas, porém, o furor e o espanto diante desse tipo de informação, ainda mais considerando a reputação da China nesse aspecto, levaram milhares de pessoas a reproduzir algo sem perceber esses detalhes. Assim sendo, não é difícil imaginar que essa notícia se espalharia com certa facilidade pelas redes sociais africanas.

A Notícia Sobre a China Estar Processando "Carne Humana" e a Exportando para a África se Espalha pelo Continente Africano


Não demorou muito tempo para essa notícia se espalhasse pelo continente africano, e nesse quesito ao menos três países tiveram um destaque bem peculiar em toda essa história. Começaremos pela usuária do Facebook chamada Barbara Akosua Aboagye, moradora da cidade de Accra, em Gana.

Na tarde do dia 3 de maio ela fez a seguinte postagem em sua conta no Facebook:

Postagem da usuária Barbara Akosua Aboagye em sua conta no Facebook, no dia 3 de maio
Texto da Postagem: "Por favor, mande isso para todos os seus contatos, é muito importante.
Os chineses começaram a produzir carne enlatada a partir de seus mortos, e estão enviando para a África. Por favor, fique longe da carne enlatada, independentemente da marca, principalmente de supermercados na África e de origem afro-asiática
".

Como vocês podem perceber, o texto utilizado por Barbara Akosua Aboagye é o mesmo usado nas notícias divulgadas pelos sites Information Hood, Nairaland, e TuneZNG, assim como algumas das imagens. Aliás, Barbara Aboagye é proprietária da "La Dolores Kollections", que vende roupas, calçados e bolsas pela internet, e não "aparentava ser uma mera adolescente" que adoraria passar informações falsas para os outros.

Barbara Akosua Aboagye, autora de uma postagem com mais de 26 mil compartilhamentos, e que foi deletada na manhã
deste domingo (22), sobre uma possível utilização de "carne humana" em carnes enlatadas de origem chinesa na África
Entretanto, a postagem de Barbara foi compartilhada mais de 26.000 vezes no Facebook, algo que despertou o interesse de diversos tabloides na África. No dia 7 de maio, sites de notícias como o Daily Post e o News Daily, ambos da África do Sul, passaram a divulgar essa informação, praticamente pedindo para que os usuários compartilhassem o conteúdo, e a notícia rapidamente viralizou pelo mundo.

O caso chegou ao conhecimento do site Snopes.com (uma espécie de E-farsas dos Estados Unidos), que fez uma postagem sobre o assunto no dia 10 de maio, dizendo que essa informação era falsa. O motivo? Bem, algumas das imagens utilizadas não eram realmente de um cadáver humano, mas sim de campanha de uma marketing de 2012, em virtude do lançamento do jogo "Resident Evil 6" naquela mesma época.

Algumas Fotos Divulgadas São de uma Campanha de Marketing para Promover o Lançamento do Jogo "Resident Evil 6" em 2012


Diversos usuários enviaram emails para o site "Snopes.com" questionando se a notícia que a China estaria usando carne humana, e a exportando em forma de carne enlatada para a África era ou não verdade. Na postagem que fizeram sobre o assunto, eles disseram que ao longo dos anos já existiram diferentes versões sobre o tema, acompanhadas das mais diversas horripilantes imagens, supostamente mostrando cadáveres sendo processados em forma de carne enlatada. Além disso, nenhum site que divulgou o caso realmente forneceu provas concretas que a China estaria exportando "carne humana", apenas publicaram fotos aleatórias.

Foi ressaltado ainda que fazer qualquer tipo de suposição ou generalização sobre a China e sua indústria de alimentos é algo complicado e até mesmo "sem sentido", visto que a própria FDA ("Food and Drug Administration") e o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos salientam que a China é um país enorme com uma gama muito diversificada de fornecedores e consumidores. Veja o que eles dizem:

"Fazer generalizações sobre a indústria de alimentos na China é algo difícil. Centenas de milhares de grandes empresas, multinacionais, conglomerados e fazendas utilizam os melhores, mais modernos e sofisticados equipamentos, e acabam operando juntamente com milhões de pequenas fazendas independentes, fábricas e comerciantes que utilizam equipamentos e técnicas rudimentares. 

Qualquer tipo de suposição ou generalização sobre a China e sua indústria de alimentos é algo complicado e até mesmo "sem sentido", visto que a própria FDA ("Food and Drug Administration") e o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos salientam que a China é um país enorme com uma gama muito diversificada de fornecedores e consumidores
A China possui cerca de 200 milhões de famílias que vivem a base da agricultura, sendo que cada fazenda possui em média entre 1 a 2 acres (entre 4.000 e 8.000 m²) e existem, pelo menos, 400.000 empresas de processamento de alimentos, sendo que a maioria possui 10 ou menos funcionários. Milhões de pessoas e empresas estão envolvidas no manuseio e transporte de alimentos que vão muito além das porteiras das fazendas. O grande número de fornecedores de alimentos aumenta o desafio de disseminar padrões, de acompanhar a produção, e rastrear os problemas até sua origem".

Vale mencionar que a FDA (Food and Drug Administration), é um órgão governamental dos Estados Unidos responsável pelo controle dos alimentos, suplementos alimentares, medicamentos, cosméticos, equipamentos médicos, materiais biológicos e produtos derivados do sangue humano. Enfim, fato que é algumas das fotos divulgadas sobre esse caso envolvendo a China já tinham sido publicadas anteriormente pelos sites Kontaku e Neatorama, no ano de 2012, mas por uma razão bem diferente.

O site Kontaku noticiou em 28 de setembro de 2012, que a Capcom estava promovendo uma "instalação artística" na região de East London, na Inglaterra. A princípio isso soava comum, e até mesmo como algo inofensivo, no entanto, a instalação artística tinha sido montada no tradicional Smithfield Meat Market ("Mercado de Carnes de Smithfield", em português), sendo que a mesma possuía o nome de "Wesker & Son Resident Evil Human Butchery", uma espécie de "açougue" que estaria vendendo a carne e membros de seres humanos.

O Mercado de Carnes de Smithfield, em Londres, na Inglatera
Evidentemente, o local não estava vendendo carne humana de verdade, mas eles estavam realmente vendendo carnes, principalmente de porco, ainda que fosse um tanto quanto perturbador pelo formato que essas carnes tinham ao se assemelharem a braços e pernas de seres humanos. Juntamente com uma variedade de orelhas humanas, mãos, pés e cabeças, os consumidores mais corajosos também podiam comprar "dedos feitos de linguiça", cuidadosamente recriados, e até mesmo órgãos genitais masculinos. Como o próprio nome dizia, essa era uma ação para promover o jogo "Resident Evil 6" naquele mesmo ano.

O Neatorama havia publicado no mesmo dia que, uma vez estando no açougue, o público seria convidado a provar e comprar uma incrível variedade de membros humanos comestíveis, incluindo mãos, pés e uma cabeça humana, que estariam disponíveis para a compra diretamente no açougue. Todo o dinheiro arrecadado com a venda das carnes seria doado para a "Limbless Association", uma associação que presta informações e apoio para pessoas que perderam um ou mais membros do corpo pelos mais diversos motivos.

A notícia ainda apontava que o "açougue" ficaria aberto no dia seguinte, 29 de setembro, um sábado, sendo que o jogo "Resident Evil 6", seria lançado na terça-feira seguinte, 2 de outubro. Confira algumas imagens:

  A instalação artística tinha sido montada no tradicional Smithfield Meat Market ("Mercado de Carnes de Smithfield", em português), sendo que a mesma possuía o nome de "Wesker & Son Resident Evil Human Butchery", uma espécie de "açougue" que estaria vendendo carne e membros de seres humanos

Pedaços de carne pendurados em ganchos, e reconstruídos como se fossem de seres humanos de verdade

Pedaço de carne simulando o tronco de um ser humano

Todo o dinheiro arrecadado com a venda das carnes seria doado para a "Limbless Association", uma associação que presta informações e apoio para pessoas que perderam um ou mais membros do corpo pelos mais diversos motivos

Funcionário do "açougue" transportando o que seria um o corpo de um ser humano, que
na verdade era uma simulação totalmente constituída de carne de porco

Marcas de sangue podiam ser vistas em um dos vidros do "açougue" no Mercado de Carnes de Smithfield

Foto aproximada do que seria um "cadáver humano" cuja carne estaria sendo vendida no Mercado de Carnes de Smithfield.
O suposto "corpo" nada mais era do uma composição de carne de porco.

Tudo não passou de uma ação para promover o jogo "Resident Evil 6", que foi lançado em outubro de 2012

Pedaço de carne simulando uma mão humana, sendo que os dedos na verdade eram feitos de linguiças


Sensacional e macabro ao mesmo tempo, não é mesmo? De qualquer forma, a notícia divulgada sobre a China estar processando "carne humana" não procede, ou seja, diante do que foi divulgado, podemos concluir que é falsa.

O Embaixador Chinês na Zâmbia se Manifesta em Repúdio as Declarações que a China Estaria Exportando Carne Humana Enlatada


Apesar do site Snopes ter apresentado a origem de muitas imagens divulgadas sobre esse caso envolvendo a China, o rastro de pólvora deixado ainda era bem extenso e continuou sendo propagado por diversos países na África, chegando ao tabloides zambianos. E quando chegou por lá, o embaixador da China na Zâmbia, Yang Youming, emitiu um comunicado dizendo que os tabloides locais estavam espalhando um mero boato, aquele em que os chineses utilizariam carne humana para ser vendida na África.

Leia o que foi publicado no site da agência de notícias Xinhua, agência oficial de notícias da República Popular da China, no dia 17 de maio:

"Uma autoridade chinesa do alto escalão, descartou nesta terça-feira, os relatos divulgados pela imprensa zambiana, de que a China estaria vendendo carne humana como alimento na África.

Relatos propagados pelas mídias sociais e um jornal local, citaram uma mulher da Zâmbia, cujo nome não foi divulgado, mas que viveria na China e estaria alertando as pessoas a parar de comprar carne enlatada de origem chinesa. A mulher alegou que empresas chinesas de carne bovina estavam recolhendo cadáveres humanos, marinando e os embalando em latas, rotulando os mesmos como "carne enlatada", e os exportando para a África.


O embaixador chinês na Zâmbia, Yang Youming, emitiu um comunicado expressando em como era lamentável, que pessoas com segundas intenções estivessem tentando destruir a parceria de longa data entre a Zâmbia e China.

O embaixador chinês na Zâmbia, Yang Youming, emitiu um comunicado expressando de como era lamentável, que pessoas com segundas intenções estavam tentando destruir a parceria de longa data entre a Zâmbia e China
'No dia de hoje, um tabloide local está espalhando publicamente um rumor, alegando que os chineses usam carne humana para produzir carne enlatada e vendendo-a para a África. Isso é uma difamação e uma calúnia maliciosa, na qual é absolutamente inaceitável para nós', disse Yang Youming.

'Viemos por meio deste comunicado expressar nossa profunda ira e condenar de forma veemente tal ato', acrescentou. 

Assim sendo, o embaixador solicitou que os departamentos governamentais na Zâmbia investigassem o tabloide e a fonte do rumor, com o objetivo de limpar o nome do povo chinês. O Ministro Adjunto de Defesa da Zâmbia, Christopher Mulenga, prometeu que o país irá investigar a origem dos relatos.

Christopher Mulenga, Ministro Adjunto de Defesa da Zâmbia
"O governo da Zâmbia lamenta o incidente tendo em vista as relações calorosas que existem entre Zâmbia e a China. Vamos nos certificar de que as autoridades governamentais competentes investiguem e deem uma resposta substancial", disse Christopher Mulenga."

Por que o Embaixador da China na Zâmbia Veio a Público Para Comentar Sobre Esse Assunto?


A razão principal pela qual o embaixador chinês Yang Youming veio a público para repudiar tais declarações sobre a venda de "carne humana enlatada" na Zâmbia é bem simples de compreender. Segundo uma notícia publicada pela BBC, a China financia grandes projetos de infraestrutura e na indústria de mineração na Zâmbia, em troca, é claro, de recursos naturais do país africano, e entre esses recursos podemos destacar o cobre.

Além disso, a Zâmbia tem uma grande comunidade de imigrantes chineses, que já constituíram empresas bem sucedidas tanto no comércio de uma forma geral, quanto no ramo da construção civil. Todo esse poderio econômico por parte dos chineses também teria gerado um certo ressentimento por parte da população local. Alguns funcionários acusam empresas chinesas de não tomarem as medidas necessárias para garantir a segurança dos trabalhadores africanos, e ainda de pagar salários extremamente baixos.

A China financia grandes projetos de infraestrutura e na indústria de mineração na Zâmbia, em troca, é claro,
de recursos naturais do país africano, e entre esses recusos podemos destacar o cobre.
A revista britânica "The Economist" também já teria apontado que a China já investiu cerca de 32 bilhões de dólares (cerca de 120 bilhões de reais) em países do continente africano entre 2005 e 2014 (segundo dados do Ministério do Comércio da China).

Após a declaração de Yang Youming diversos sites de notícias do Reino Unido, entre eles o "The Independent", o "Daily Mirror", o "Daily Telegraph", e até mesmo a BBC, começaram a repercutir o assunto. O jornal "The Independent" chegou a apontar que a crise econômica, que está afetando especificamente a indústria da mineração na Zâmbia, estaria fazendo com que diversas fábricas estivessem sendo fechadas ou tendo suas operações interrompidas, levando a milhares de desempregados naquele país.

A grande questão é que a China tem uma péssima reputação em relação a manipulação de alimentos. Em 2008, um tribunal chinês condenou dois homens à pena morte e condenou o presidente de uma empresa chamada Sanlu, à prisão perpétua, por atuarem na produção e na venda de leite contaminado por melamina (substância usada na fabricação de plásticos e fertilizantes), que matou pelo menos seis crianças e deixou outras 300.000 doentes. Porém, o mais notável, sem dúvida alguma, é quando o assunto está relacionado ao processamento de carnes, visto que esse tipo de indústria é constantemente vítima de empresários inescrupulosos, que visam apenas a obtenção de lucro fácil.

Em 2008, um tribunal chinês condenou dois homens à pena morte e condenou o presidente de uma empresa chamada Sanlu, à prisão perpétua, por atuarem na produção e na venda de leite contaminado por melamina (substância usada na fabricação de plásticos e fertilizantes), que matou pelo menos seis crianças e deixou outras 300.000 doentes
No ano de 2011, centenas de chineses ficaram doentes ao consumirem carne de porco contaminada com "clembuterol", uma substância química que, segundo o Centro Nacional de Informações de Biotecnologia dos Estados Unidos, pode causar tremores, náuseas e dores de cabeça.  Usada para fazer os porcos crescerem mais rápido e serem mais magros, os criadores chineses começaram a adicionar essa substância na alimentação de suínos no final da década de 80. Devido aos riscos para a saúde descobertos anos mais tarde, a substância foi proibida em 2002, mas alguns criadores continuaram a usar a droga ilegalmente para obter uma maior lucratividade, visto que esse tipo de carne é altamente apreciada na China.

A Administração Geral de Esportes da China emitiu um comunicado urgente em 2012, dizendo que seus atletas olímpicos não deveriam comer carne, justamente pelo receio que acabassem consumindo o "clembuterol", substância que era proibida justamente por "melhorar" o desempenho de atletas. O anúncio veio depois que o campeão olímpico judô, o chinês Tong Wen, foi condenado a uma suspensão de dois anos pela presença de vestígios do "clembuterol" em seu sangue.

  O campeão olímpico judô, o chinês Tong Wen, foi condenado a uma suspensão de dois anos
pela presença de vestígios do "clembuterol" em seu sangue
No início de 2013, como parte de uma ofensiva em âmbito nacional relacionada a segurança alimentar, as autoridades chinesas prenderam cerca 63 pessoas em razão do processamento da carne de raposas, ratos e outros pequenos mamíferos, acrescidas de aditivos perigosos, que seriam vendidas como se fossem "carne de cordeiro", em mercados da província de Jiangsu e Xangai. Durante a investigação, os oficiais prenderam mais de 900 suspeitos por produzir e vender carne contaminada ou falsificada, e apreenderam mais de 20 toneladas de carne no geral.

Ainda em 2013, a polícia chinesa identificou uma rede de venda de carne e pedaços de frango, que eram armazenados sem as condições sanitárias adequadas, sendo que diversos pacotes estavam
vencidos há 40 anos. A operação policial foi realizada na cidade de Nanning, sul da China, onde 20 toneladas de pés de frango congelados foram apreendidos, grande parte em péssimas condições de armazenamento. Algumas peças, por exemplo, traziam datas de validade da década de 60. Algumas das peças de frango eram conservadas em peróxido de hidrogênio, um aditivo ilegal. A descoberta foi muito comentada nas redes sociais chinesas, e acompanhada de fortes críticas à falta de controle dos alimentos no país.

Em meados de 2014, um programa de notícias de uma emissora local de TV em Xangai exibiu imagens de uma câmera escondida gravadas por um repórter chinês. As imagens mostravam funcionários de uma fábrica da "Shanghai Husi Food", uma subsidiária do grupo norte-americano OSI, que estavam processando carne bovina e de frango vencidas, e que seriam distribuídas para lojas do McDonalds (que possui mais de 2.000 lanchonetes na China), da KFC da Pizza Hut, do Subway, entre outras na China. Os funcionários misturavam as carnes vencidas com carnes em bom estado de conservação sem a utilização de luvas. Eles até mesmo pegavam as carnes que caíam no chão e colocavam de volta para serem processadas. Veja alguns trechos desse vídeo em um canal de terceiros no Youtube:



As autoridades locais acabaram encontrando milhares de produtos que tinham sido reempacotados com uma nova data de validade, e isso fez com que o governo local fechasse imediatamente a fábrica. O vídeo levou a um "recall" de produtos, que envolviam quaisquer tipos de carne. As cadeias de fast food na China foram obrigadas a anunciar que não utilizariam mais os produtos da "Shanghai Husi Food", e por não terem mais nenhum alimento a base de carne bovina ou de frango para serem vendidos, durante semanas tiveram que vender lanches com sanduíches a base de peixe e batata-frita.

Em 2015, a CNN noticiou que cerca de 800 toneladas de carne congelada contrabandeadas foram apreendidas pelas autoridades chinesas, sendo que um lote datava da década de 70. De acordo com a agência de notícias Xinhua, a carne seria vendida para restaurantes, varejistas e supermercados da província de Hunan, onde foi encontrada, assim como outras províncias chinesas e demais cidades.

Em 2015, a CNN noticiou que cerca de 800 toneladas de carne congelada contrabandeadas foram apreendidas
pelas autoridades chinesas, sendo que um lote datava da década de 70
Ironicamente, no começo desse mês, o site norte-americano da ESPN publicou que jogadores da NFL (Liga Nacional de Futebol Americano) estavam sendo alertados contra o consumo de carne de países como o México ou China, devido a possível contaminação das carnes com "clembuterol". O consumo de grandes quantidades de carnes por parte dos atletas que atuam na NFL, mas que participam de eventos ou ligas internacionais nesses países específicos, poderia resultar em um resultado positivo para substâncias proibidas, visto que é o clembuterol é proibido pela NFL. Alguns jogadores norte-americanos foram flagrados no exame anti-dopping, justamente após consumirem carne bovina durante suas estadias em território mexicano, muito embora estivessem no país em virtude de jogos realizados na Cidade do México.

Comentários Finais


Sinceramente, é muito fácil criticar a China pela baixa qualidade da produção de seus produtos, e até mesmo dos seus alimentos. Porém, vocês conseguem dizer quais foram os produtos que vocês compraram nos últimos 12 meses, das consideradas grandes marcas que temos em nosso país, que foram fabricados quase totalmente na China? Muitas dessas empresas, e sem avisar previamente vocês, importam praticamente todas as peças da China, com suas respectivas logomarcas já estampadas nas peças, apenas montando os produtos finais em nosso país. Apesar da imensa carga tributária no Brasil, qualquer país do mundo adora ou adoraria fabricar seus componentes ou "processar seus alimentos" na China. Afinal, foi essa mesma "fórmula" agressiva de crescimento, que despontou o "gigante asiático" como a principal potência do nosso planeta, superando inclusive os Estados Unidos.

Entretanto, sempre existe um preço a ser pago por isso. Atualmente pagamos extremamente caro por ventiladores, televisores ou quaisquer outros eletroeletrônicos ou eletrodomésticos, nos quais um mero componente, que custaria meros centavos, é produzido com baixa qualidade, e faz com que todo um investimento, ao custo de algumas dezenas ou milhares de reais, seja jogado no lixo após um ano. Até mesmo bichinhos de pelúcia ou utensílios domésticos coloridos e fabricados em território chinês podem estar contaminados por altas concentrações de chumbo, mas são livremente vendidos pelas lojas e pelos mais diversos preços em nosso país. A questão é: Você realmente se sente seguro(a) ao comprar um produto da China? Ao comentar esse assunto com uma amiga, ela me indagou: "Nossa, a China chegou a esse ponto?" Pois é, costumamos escutar ou ler muita bobagem em nosso cotidiano, mas a frase que ouvi da minha amiga reflete bem a motivação pela qual a Barbara Aboagye postou aquele "alerta" em sua conta no Facebook contra a carne de origem chinesa. Mesmo sendo uma empresária em Gana, ela acreditou nessa possibilidade.

A questão vai muito além da China, visto que no Brasil já tivemos episódios de leite adulterado, que chegou até a mesa dos consumidores, mas ninguém foi executado ou sentenciado à pena de prisão perpétua por isso. E se fosse sua mãe, avó, irmã ou filha que bebesse leite contaminado com soda cáustica, água oxigenada, salmonela e até mesmo a bactéria que causa meningite? Se fôssemos considerar apenas os casos envolvendo supermercados brasileiros vendendo carne vencida, então perderíamos as contas. Basta fazer uma pesquisa no Google ao digitar "carne vencida supermercado", que vocês terão uma dimensão do problema. Acredito fielmente que a grande maioria dos chineses, e até mesmos dos imigrantes chineses em nosso país não tenham nenhuma responsabilidade, e não podem ser penalizados pelo egoísmo de grandes empresários, que fazem de tudo para obter lucro fácil. Um povo jamais pode ser responsabilizado pela atitude de algumas pessoas, ainda que sejam muitas.

De vez em quando ainda temos operações em larga escala na China, que visam mostrar ao mundo que estão tentando fazer alguma coisa para fiscalizar centenas de milhares de agricultores e criadores de gado. No Brasil, ainda contamos com os esforços de pessoas que ganham muito menos do que mereciam, sendo que muitas ainda fiscalizam sob a tutela de um coronelismo disfarçado para nos proteger. Ser vegetariano, apenas por definição, também não significaria muita coisa, visto que consumimos um carga de agrotóxicos muito maior do que imaginamos. A base de tudo é realmente termos o cuidado em saber a procedência de nossos alimentos, sejam eles quais forem, para que tenhamos o mínimo de segurança sobre o que ingerimos. É visível que a China ainda não consegue lidar com seus produtores agrícolas, mas por outro lado ainda faltam punições justas e adequadas para crimes hediondos, verdadeiros atentados contra a vida das crianças e da população em geral em nosso país. Por mais incrível que pareça, soa "confortante" saber que ainda existe uma severa punição na China para esse tipo de crime, embora nem sempre seja aplicada. O mesmo, no entanto, não é possível ser dito em relação ao nosso país.

Até a próxima, AssombradOs!

Criação/Adaptação/Tradução: Marco Faustino

Fontes:
http://actualidad.rt.com/ultima_hora/207873-china-africa-carne-humana
http://dailypost.co.za/shocking-the-chinese-are-sending-canned-human-meat-to-africa-read-and-share/
http://espn.go.com/nfl/story/_/id/15454487/nfl-warns-eating-too-much-meat-mexico-china-result-positive-test
http://kotaku.com/5947404/resident-evil-6-meat-stunt-might-make-you-lose-your-lunch
http://news.xinhuanet.com/english/2016-05/18/c_135367773.htm
http://noticias.terra.com.br/mundo/asia/china-nega-exportar-carne-humana-para-paises-africanos,2e958f4845db17056144c1444aab3b01oyf7gtlw.html
http://qz.com/675946/eating-meat-from-china-or-mexico-could-make-you-fail-your-drug-test-the-nfl-warns-players/
http://revistamarieclaire.globo.com/Noticias/noticia/2016/05/china-diz-ser-inaceitavel-boato-de-exportacao-de-carne-humana-africa.html
http://www.bbc.co.uk/newsbeat/article/36341367/china-denies-selling-human-flesh-as-tinned-corned-beef-in-zambia-in-africa
http://www.bbc.com/mundo/noticias/2016/05/160519_china_carne_escandalo_am
http://www.dailymail.co.uk/news/article-2699623/McDonalds-KFC-China-face-new-food-scandal.html
http://www.forbes.com/sites/greatspeculations/2014/09/11/mcdonalds-faces-declining-sales-in-asia-after-china-food-scandal/#60bf1f3a561e
http://www.ibtimes.com.au/china-denies-selling-canned-human-flesh-african-supermarkets-1516289
http://www.independent.co.uk/news/world/africa/china-denies-exporting-cans-of-human-meat-to-african-supermarkets-a7039306.html
http://www.informationhood.com/china-produce-corned-beef-with-dead-people/
http://www.mirror.co.uk/news/world-news/china-denies-shipping-marinated-human-8011122
http://www.nairaland.com/3063326/chinese-now-producing-corned-beef
http://www.neatorama.com/2012/09/28/Wesker-Son-Resident-Evil-Human-Butchery/
http://www.parana-online.com.br/editoria/mundo/news/955502/?noticia=JORNAL+ACUSA+CHINA+DE+ENVIAR+CARNE+HUMANA+A+PAISES+AFRICANOS
http://www.snopes.com/china-corned-beef-dead-bodies/
http://www.telegraph.co.uk/news/2016/05/20/china-denies-exporting-human-meat-to-african-supermarkets/
http://www.theepochtimes.com/n3/1473141-5-chinese-meat-scandals-that-will-make-you-cringe/

http://www.tracysophia.com/2016/05/chinese-making-with-their-human-dead.html
Comentários