21 de fevereiro de 2016

A Teoria da Terra Oca

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Eles são lançados primeiro lá, depois que vem pra cá :) Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

Teoria diz que interior de nosso planeta é oco e que lá dentro haveria um Sol que forneceria energia para uma civilização avançada que vive ali. Dois grandes buracos nos pólos dariam acesso a Terra Oca...

A teoria diz que na verdade a terra não tem seu núcleo composto por ferro e níquel. Diz que ao contrário do que todos acreditam na verdade a terra é oca e o seu centro é composto por uma estrela, que assim como o Sol, dá toda a energia e proteínas necessárias para a sobrevivência de várias espécies, inclusive a humana. As entradas para o interior estariam localizadas em gigantes aberturas nos pólos norte e sul.

Ao contrário do que dizem, a força da gravidade não nos puxa para o centro da terra e sim para o centro da crosta terrestre. No lado interno da crosta terrestre está a arte interna do nosso planeta que é chamada de Agartha. Dentro de Agartha existiriam várias cidades, sendo que a mais importante é a cidade sagrada de Shamballa.

Características do Mundo Interno

É uma teoria bem interessante que diz que o interior do nosso planeta é oco e habitável, e que ele seria acessível através de duas entradas, localizadas uma no pólo norte e outra no pólo sul, com um diâmetro de 1.250 quilômetros. Esse mundo interno teria as seguintes características:

- Existe um Sol central, com 960 quirômetros de diâmetro, que fornece a energia (portanto, no interior do planeta sempre é dia).
- Não seria um mundo gelado, mas sim um lugar quente, agradável (isso explicaria o porque o boi almiscarado emigra para o norte no inverno.
- Variedades desconhecidas de florestas e pássaros
- Lá viveriam animais extintos, como os mamutes, e isso explicaria porque alguns são encontrados em tão bom estado atualmente congelados em icebergs.
- Os habitantes seriam gigantes com quase 4 metros de altura!
- Essa civilização avançada seria a criadora dos discos voadores
- As auroras boreais e austrais seriam explicadas pela luz do Sol interno.

O vídeo abaixo vai mostrar certinho como seria a Terra Oca...



Histórico

Esse livro foi um dos grandes
responsáveis por disseminar a teoria
A primeira pessoa a propor que a terra era feita por camadas, ao contrário do que se acredita hoje foi o pai da astronomia Edmond Halley por volta do século XVII. Edmond propôs que um planeta na verdade é formado por camadas concêntricas e espaçadas entre si.

John Cleves Symmes propôs, em 10 de abril de 1818, em Saint Louis que a Terra era oca e habitável em seu interior, sendo formada por várias conchas esféricas concêntricas, com uma abertura no Polo de 12 ou 18 graus. Ele se dispôs a explorar esta abertura, mas não teve sucesso, nas duas vezes que pediu apoio ao Congresso dos Estados Unidos, em 1822 e 1823. Ele morreu em 1829, e em seu túmulo foi gravada uma imagem da terra oca, com a inscrição "Ele defendeu que a Terra é oca e habitável em seu interior".

Esta teoria serviu como base para o enredo de várias obras como o livro Viagem ao Centro da Terra de Júlio Verne, que ajudou a divulgar que dentro do nosso planeta viviam animais extintos, como os dinossauros.

Já em 1906, William Reed, tratou da teoria no livro Phantom of the Poles, e mais tarde foi ampliada por outro americano, Marshall B. Gardner, em 1920, no livro "A Journey to the Earth's Interior".

Até aqui ainda não haviam os registros do Almirante Byrd, que vamos detalhar mais abaixo, ocorridos em 1947 e 1956.

Os fatos relatadas pelo Almirante Byrd catapultaram a teoria, e foram descritos em 1959, por F. Amadeo Giannini que escreveu o primeiro livro sobre o assunto, “World Beyond the Poles”.

No mesmo ano, Ray Palmer, editor da revista Flying Soucers, ampliou a teoria, para favorecer uma explicação lógica para os discos voadores.

Em 1964, Raymond Bernard publica o livro A Terra Oca (The Hollow Earth), que foi baseado no seu outro livro Flying Saucers from the Earth's Interior.

David Hatcher Childress, que ficou bastante conhecido por causa da série Alienígenas do Passado, também publicou um livro sobre o assunto, chamado Lost Continents and the Hollow Earth.


Segunda a teoria da Terra Oca, nos pólos ficariam imensa aberturas que nos levariam até o interior do planeta


O Almirante Richard E. Byrd

Almirante Richard E. Byrd
Richard Evelyn Byrd nasceu em Winchester (Virgínia) no dia 25 de Outrubro de 1888 e foi vice-almirante da marinha dos Estados Unidos. Era aviador e foi o primeiro explorador a explorar os polos terrestres sobrevoando o polo norte em 9 de Maio de 1926 e dirigindo numerosas expedições à Antártida, sobretudo um voo sobre o Polo Sul em 29 de novembro de 1929.

Richard também fez diversos experimentos meteorológicos e geológicos e descobriu as montanhas Edsel Forde e a Terra de Marie Byrd (homenagem a sua esposa).

O Contra-Almirante passou cinco meses sozinho em uma tenda a 198 quilômetros do sul da base Little America. Experiência esta que foi descrita posteriormente em seu livro Alone (Sozinho).

Byrd morreu 10 anos após sua primeira viagem ao centro da terra no dia 11 de março de 1957.

Portanto, podemos ver que o Almirante Byrd era um homem explorador e destemido. Mas não foi por isso que ele ficou famoso, mas sim por que ele foi um dos primeiros homens a entrar na Terra Oca! E isso foi descoberto graças as palavras escritas em seu diário.

O Diário do Almirante Byrd

Devo escrever este diário em segredo e na obscuridade. Trata-se de meu vôo sobre a região do Ártico do dia dezenove de fevereiro do ano de Mil Novecentos e Quarenta e Sete (19/02/1947). Chega um momento em que a racionalidade dos homens deve desaparecer na sua insignificância e é preciso aceitar a inevitabilidade da Verdade! Eu não tenho a liberdade de divulgar a seguinte documentação até o momento … talvez ela nunca verá a luz do escrutínio público, mas eu devo cumprir meu dever de escrever para que todos possam ler o seu conteúdo um dia. Em um mundo de ganância e exploração, a humanidade já não pode ou não tem o direito de suprimir aquilo que é verdade. 

Raymond Bernard, no livro A Terra Oca, diz que com base nas palavras do diário, em 1947, o Almirante Byrd em um dos seus voos, penetrou no interior da Terra e voou por cerca de 2.730 km! Em outra ocasião, em 1956, ele penetrou no pólo Sul e voou por cerca de 3.690 km!

O que ele viu foi um mundo novo, desconhecido, sem gelo e não registrado nos mapas, estendendo-se a partir das entradas que levam até o interior da Terra Oca, entradas essas que ficaram localizadas nos pólos e são tão grandes que podem ser vistos até do espaço.

Byrd relata através de um rádio que após algum tempo voando sobre os polos que o que viu a baixo não era gelo mas sim áreas de terra constituídas de montanhas, florestas, vegetação, lagos e rios e também viu na vegetação rasteira um estranho animal, parecido com um mamute encontrado congelado no ártico, porém, este estava vivo e caminhando. E mais, seu avião não respondia aos comandos, ele estava sendo guiado pelo povo do interior.

Porém, o mesmo foi impossibilitado de falar posteriormente sobre o caso, pois foi proibido pela Marinha dos Estados Unidos a tocar no assunto, sob pena de ser obliterado. Os habitantes do interior da terra seriam os atlantes, e também teriam feito o mesmo pedido ao Vice-Almirante, mas pediram também que ele repassasse o pedido dos Atlantes aos governos do mundo inteiro pedindo para que cessassem os testes nucleares, pois os mesmos abalavam a estrutura do interior da Terra.

No dia 11 de março 1947 diz o seguinte:

“Acabo de participar de uma reunião no Pentágono. Relatei integralmente o que descobri e a Mensagem que trouxe para os governantes do Mundo exterior. Tudo foi devidamente gravado. O Presidente dos EUA foi avisado. Fui detido por várias horas (seis horas e trinta e nove minutos para ser exato). Fui exaustivamente interrogado pelas Forças de Segurança Máxima e por uma equipa médica. Foi uma grande provação! Fui colocado sob estrita vigilância pelo Serviço de Segurança e ordenaram-me que permanecesse em silêncio quanto a tudo o que descobri. E lembraram-me de que sou um militar e que devo obedecer ás ordens”.

Em 30 de dezembro de 1956 Byrd fez sua última anotação em seu diário que dizia:

“Os últimos anos que passaram desde 1947 não foram bons... Faço agora a minha última anotação neste diário singular. Terminando, devo declarar que, fielmente, mantive o assunto em segredo, conforme ordenado, por todos estes anos. Foi completamente contra os meus princípios morais, mas agora parece-me pressentir a chegada da longa noite e esse segredo não morrerá comigo, mas, como deve ser com tudo o que é verdade, deverá esta triunfar.  Ele poderá ser a única esperança para a Espécie Humana. Eu vi a Verdade e ela vivificou o meu espírito e me libertou!  Cumpri com o meu dever para com o monstruoso complexo militar. Agora, a longa noite começa a aparecer mas não será um fim. Quando a longa noite do Ártico terminar, o Sol brilhante da Verdade voltará... e os que foram da escuridão cairão com a sua Luz... Pois eu vi aquela Terra além do Polo, aquele Centro do Grande Desconhecido”.

Em seu diário, Byrd diz algo sobre “aquele encantado continente no céu, terra de Eterno Mistério”. Provavelmente por se tratar do interior da terra onde a superfície é côncava e não convexa, se pode ver os outros continentes sobre sua cabeça, e não o céu. Porém existe uma ilusão nas terras polares observada por muitos exploradores onde o céu polar reflete em glóbulos de água a terra ou a água abaixo. Porém o espanto e admiração de um explorador tão experiente chamou a atenção de muitos que ouviram seu relato.

Nos anos 90 esse diário foi publicado num livro chamado The Missing Diary Of Admiral Richard E. Byrd, mas os céticos dizem que é tudo mentira o que está escrito ali...

Concepção artística de como seria o interior da Terra


Outros Relatos de Pessoas que Entraram no Interior da Terra

Algumas pessoas ao redor do planeta já disseram ter estado no interior da Terra Oca e falaram coisas bem parecidas, apesar de elas não se conhecerem...

O relato é de um paciente do Dr. Nephin Cottom, de Los Angeles:

“Vivia perto do Círculo Ártico, na Noruega. Num verão, eu e um amigo resolvemos fazer uma viagem de barco juntos, e ir tão longe quanto pudéssemos para o norte. Assim, armazenamos provisões de boca para um mês, num pequeno barco de pesca, e nos fizemos ao mar, com vela e também com um bom motor de popa”.

No fim de um mês tínhamos viajado bem longe, para o norte, além do polo e numa estranha e nova região. Ficamos muito espantados com o clima de lá. Quente, e às vezes as noites eram tão cálidas que quase não se podia dormir. (Segundo o texto de Raymond Bernard “exploradores árticos que foram ao norte longínquo têm feito narrativas semelhantes, de clima quente, às vezes o bastante para fazer com que tirem suas roupas mais pesadas).

“Depois vimos algo tão estranho que ficamos ambos assombrados. Em frente do mar aberto e quente, em que estávamos, vimos o que parecia uma grande montanha. Naquela montanha, num determinado ponto, o oceano parecia estar desembocando. Confusos, continuamos naquela direção de rios e nos encontramos navegando num vasto e profundo vale, que levava para o interior da terra. Continuamos navegando e vimos então o que nos surpreendeu ainda mais – um sol brilhando dentro da terra!

O oceano, que nos tinha levado para dentro do interior oco da terra, gradualmente transformou-se num rio. O rio ia, como descobrimos mais tarde, através de toda a superfície interna do mundo, de uma extremidade à outra. Ele pode ir, se se o segue toda a vida, do polo norte ao polo sul.

Vimos que a superfície interna da terra é constituída, como a outra o é, de terra e água. Há abundância de luz solar e muita vida, tanto animal quanto vegetal. Navegamos mais e mais, para dentro desta região fantástica. Fantástica porque tudo era de tamanho grande em comparação com as coisas do lado de fora. As plantas são grandes, as árvores enormes e, finalmente, chegamos até os GIGANTES.

Eles viviam em lares e cidades, da mesma maneira como o fazemos na superfície da Terra. Usavam um tipo de condução elétrica, semelhante a um monotrilho para transportar as pessoas. Corria ao longo das margens do rio, de cidade para cidade.

Vários dos habitantes do interior da Terra – gigantes enormes – Descobriram nosso barco no rio e ficaram muito surpresos. Entretanto, foram bastante amistosos. Fomos convidados a jantar com eles, nos seus lares, e assim separei-me do meu companheiro, seguindo ele com um gigante para o lar deste, e eu indo para a casa de outro gigante. Meu amigo gigantesco me levou para a sua casa, apresentou-me a sua família, e fiquei completamente aterrorizado ao ver o tamanho enorme de todos os objetos do seu lar. A mesa de refeições era colossal. Foi posto na minha frente um prato com uma quantidade tão grande de comida que poderia me alimentar, abundantemente, por uma semana. O gigante me ofereceu um cacho de uvas e cada uva do tamanho de um dos nossos pêssegos. Provei uma e achei bem mais doce do que qualquer uma que tivesse comido ‘do lado de fora’. No interior da terra, todos os frutos e hortaliças são bem mais gostosos e saborosos do que os que temos na superfície externa da terra.

Permanecemos um ano com os gigantes, apreciando tanto o seu companheirismo quanto apreciavam nos conhecer. Observamos muitas coisas estranhas e fora do comum, durante nossa visita a esse povo notável e ficávamos continuamente assombrados diante de seu progresso científico e das suas invenções. Durante todo o tempo, jamais foram inamistosos para conosco, e permitiram que retornássemos para os nossos próprios lares, do mesmo modo que fomos – de fato, ofereceram-nos cortesmente proteção em caso de a necessitarmos, na viagem de regresso.”

Segundo o autor do texto, estes gigantes eram membros da raça antediluviana dos Atlantes, que estabeleceram residência no interior da terra, antes do dilúvio histórico, que submergiu Atlântida.

O Relato de Olaf Jansen

Outro relato foi feito por um norueguês chamado Olaf Jansen que após ter sido taxado de louco por anos teve sua história registrada no livro “The Smoky God” (O Deus Enfumaçado) pelo escritor americano Willis George Emersonm, publicado em 1908.

O título, The Smoky God, se refere ao sol central do interior oco da terra, que sendo menos brilhante e menor do que o nosso sol, aparece como “esfumaçado”. O livro conta a experiência de um pai e filho escandinavos que, com o seu pequeno barco de pesca e ilimitada coragem, tentam encontrar a “terra além dos ventos do norte”, de uma beleza e calor tinham ouvido falar.

Uma tempestade de vento extraordinária os leva pela maior parte da viagem, através da abertura polar para o interior oco da Terra. Ficaram por lá dois anos e regressaram pela abertura polar sul. O pai perdeu a vida, quando um iceberg se quebrou e destruiu o seu barco. O filho foi salvo e depois passou 24 anos preso, como louco, por haver contado a história das suas experiências a pessoas incrédulas. Quando foi finalmente solto não contou mais a história a niguém. Depois de 26 anos como pescador, economizou dinheiro bastante para ir para os Estados Unidos e se estabeleceu no Illinois e mais tarde a Califórnia. Aos noventa anos de idade, acidentalmente, o novelista Willis George Emerson o ajudou e ele lhe contou a história. Quando morreu, o velho homem deixou-lhe os mapas e o manuscrito descrevendo suas experiências. Recusou-se a mostrá-los a quem quer que fosse enquanto estava vivo, devido a sua experiência passada, em que as pessoas não o acreditavam e o consideravam louco se mencionasse o assunto.

Segundo Olaf, estas pessoas viviam de 400 a 800 anos e eram muito avançadas cientificamente. Podiam transmitir seus pensamentos de um para o outro por uma espécie de radiação. Estas pessoas possuem uma fonte de energia maiores do que a nossa eletricidade e são os criadores dos discos voadores, que funcionam por meio desta energia superior que é obtida a partir do eletromagnetismo da atmosfera. Olaf também conta que essas pessoas tem 3,6 metros de altura ou até mais.

Página 81 do livro A Terra Oca de Raymond Bernard


Entradas para o Mundo Interior

Como dissemos anteriormente, no pólo Norte e Sul estão duas grandes entradas para o interior da Terra, sendo estas as entradas principais. Mas existem entradas secundárias, que são cavernas no planeta que também levam até o interior como podemos ver no mapa abaixo.

Vemos uma caverna existente nos Estados Unidos, no Parque Nacional Caverna de Mammoth no estado do Kentucky. Mais abaixo do lado esquerdo da ilustração, vemos mais três entradas, sendo as três em território brasileiro. A primeira situando-se em Manaus, outra situando-se em Mato Grosso, na Serra do Roncador, e uma terceira nas grandes cataratas de Foz do Iguaçu.




Usuários usando o programa Google Earth conseguiram descobrir 2 grandes aberturas na Antártica que levariam ao interior da Terra. Elas teriam 30 metros de altura e 90 de largura e estão distantes apenas 8 quilômetros uma da outra. O interessante foi que o derretimento do gelo possibilitou encontrar as entradas.

Você pode ver agora as entradas. Basta acessar o Google Maps, e digitar na busca:
66°36'14.70"S, 99°43'11.11"E ou  66°33'13.75"S, 99°50'24.84"E

O vídeo abaixo detalha a descoberta.

.
No ano de 2015 foi expalhada pela internet uma filmagem feita Estação Espacial Internacional, ISS, do que seria uma das entradas para a Terra Oca.


.
Algumas histórias contam até que Hitler teria enviado expedições ao redor do mundo a fim de encontrar alguma entrada para o centro da terra sendo fortemente influenciado pelo livro “Vril – The Power of the Coming Race” (Vril – O Poder da Raça Futura) Escrito por Sir Edward Bulwer - Lytton.

São lendárias as histórias sobre nazistas explorando os extremos sul do planeta e inclusive plantando bases em Neuschwabenland (Nova Suábia). Alguns também falam sobre a "Operação High Jump" e o desentendimento do Almirante Byrd com supostas forças germanas que utilizavam surpreendentes naves voadoras.

Hitler estava obcecado com o misticismo e o inexplicável, e muitos de seus seguidores sabiam disso. O Führer era também conhecido por "remover" pessoas as quais sentia que não podiam segui-lo ou que ameaçavam suas crenças. É possível que os documentos apresentados neste artigo sejam genuínos, embora também exista a possibilidade de que tenham sido meramente forjados por pessoas interessadas apenas em transmutar fantasias e obsessões nazistas a realidades épicas.

Não faz muito tempo, saiu à luz um mapa do Terceiro Reich no qual figura em detalhes, as passagens utilizadas pelos submarinos U-boats alemães para acederem a misteriosos domínios subterrâneos, como também, um completo mapa de ambos hemisférios incluindo o mítico reino de Agharta.

Instruções de como chegar a Agartha. 


Tradução das instruções de como chegar a Agartha:

Descida, no ponto com as coordenadas; Intersecção exata: 64 ° de latitude sul e 1 ° de longitude leste, a uma profundidade de 400 metros.

A instrução precisa ser rigorosamente seguida!

01. Descenso, do ponto de descida com metade da velocidade, um ângulo de declinação de estibordo de 5 °. Distância 188 sm. Dada a profundidade - 500 metros. (Por causa do movimento dentro do corredor a pressão sobre o corpo da nau durante a manobra é insignificante)

02. Ascensão, em plena carga, com uma guarnição de popa, ângulo de 23 ° com ascensão em declinação de porto de 22 °. 190 metros para cima. Distância 75,5 sm.

03. Manobra difícil! Ascensão com velocidade máxima com uma guarnição de popa, ângulo de ascensão 41 °. Siga em frente. 110 metros para cima, distância 21,5. Depois declinação à estibordo 8 ° até a subida para a superfície em uma distância de 81 sm.

04. Proceder pm a superfície dentro da gruta com uma declinação de estibordo de 8 °, Distância 286 sm.

05. Seis manobras difíceis! Descida. Com uma declinação arco-peso 45 ° a uma profundidade de 240 metros, Distância 60 sm. Depois com uma declinação de porto de 20 °, no qual, a descida para 310 metros até a entrada para o corredor continua - após a marca de 310 metros, a descida  de proa brusca precisa ser continuada. Ângulo de descida 7 ° até 360 metros, distância 70 sm. Além disso, declinação de estibordo de 31 ° a uma profundidade de 380 metros.

06. Descida em arco brusco, ângulo de subida de 22 °, 100 metros para cima com uma declinação de 26 ° porto. Distância 70 sm.

07. Ascensão, guarnição de popa, ângulo de subida de 45 °, em frente até alcançar a superfície de Agartha Distância 70 sm.

08. Prossiga para Agartha, velocidade máxima. Continuar em frente até nova luz pode ser vista. Mudança de pólos magnéticos, as mudanças de agulha da bússola e instrumentos devem ser desconsideradas

(Outras instruções no pacote número 3, abrir somente quando chegar em Agartha)

Rodney Cluff tem em seu site dedicado à teoria da Terra Oca, a cópia de uma carta supostamente enviada por Karl Unger, quem estava a bordo do U-boat 209 (sob o comando de Heinrich Brodda), onde dizia que havia alcançado o interior da terra e não pensavam em regressar.

No entanto, durante a Segunda Guerra Mundial, o submarino alemão mais preparado podia ser submergido somente até os 850 pés (aprox. 259 metros) de profundidade, com um raio de 385 milhas (aprox. 619 quilômetros) de alcance submergido e funcionando com baterias à carga completa. A distância mais curta a partir do oceano aberto até o Pólo Sul geográfico é cerca de duas vezes esse raio de alcance (supondo que a rota inteira seja marítima) sob de uma milha de gelo; portanto, as possibilidades de que um submarino alemão pudesse fazer essa viagem são muito poucas.

Por outro lado, a profundidade do Oceano Ártico no Pólo Norte é cerca de quatro vezes o que o melhor submarino alemão era capaz de suportar. Sendo assim, a tripulação estaria disposta a fazer só a viagem de ida em busca das míticas cidades intra-terrenas e hipoteticamente poderiam ter conseguido sacrificando o seu regresso à casa.



Suposta carta de Karl Unger.



Mapa nazista de caverna subterrânea na Antártida. Publicado em 14 de outubro de 2013
Cadê as Entradas para a Terra Oca Então?

Estão ocultas! O motivo para tal acobertamento seria evitar que o povo da superfície tenha contato com o povo do interior. Uma vez que o povo do interior é mais avançado intelectual e tecnologicamente, eles poderiam abrir a mente da nossa civilização e assim os governantes da superfície teriam mais dificuldade em nos manipular. Porém, segundo o próprio Richard Byrd, tanto a Marinha dos EUA quanto o povo do centro da terra pediram para que ele se mantivesse calado a respeito do assunto. Contudo, o povo do centro da terra pediu para que o Contra-Almirante repassasse o pedido para os governantes da superfície para que parassem com os testes nucleares pois estes afetavam a estrutura interna do planeta terra.

Diz-se também que o Governo dos EUA receou que algum outro governo pudesse ficar sabendo das descobertas de Byrd e fizesse voos semelhantes, indo muito além do que Byrd foi e talvez reivindicando estas áreas de terra para si.



Principais Autores que Falam Sobre Os Reinos Subterrâneos

Dentre várias religiões e estudiosos, várias outras pessoas também abordaram o tema como o nada famoso Platão e também Gilgamesh, e mais:

Francis Bacon,  na Nova Atlântida  fala-nos da Ilha Branca, Morada dos Bem-Aventurados, que teria existido na superfície terrestre mas cujo povo se transferiu para o Interior da Terra aquando da grande catástrofe diluviana há milhares de anos.

- Thomas Moore:  no seu livro Utopia  faz menção a uma região desconhecida com uma Sociedade altamente organizada e liderada pelo Rei Utopos, que bem pode ser o “Rei do Mundo” cuja morada é Shamballah;

- Tommaso Campanella: no seu livro a Cidade do Sol  aborda temas muito semelhantes aos referidos na Utopia de Thomas Moore;

- Júlio Verne: o conhecido autor da Viagem ao Centro da Terra  também  fala-nos duma aventura vivida através de uma rede de túneis que levam a lugares desconhecidos no interior do Planeta onde existem espécies vegetais e animais que se julgavam extintos.

- Bulwer Lytton: escreve em  “A Raça futura”  um romance entre um homem da superfície com uma entidade feminina dos mundos subterrâneos que lhe mostra como está organizada a sua Sociedade onde vive com um nível social, tecnológico e espiritual bastante avançada em relação a nós;
James Hilton, no livro Horizonte Perdido, fala-nos de uma região inóspita nos Himalaias que se denomina Shangri-Lá onde impera a harmonia dos seus habitantes que supostamente teriam descoberto há muito o “elixir da longa vida”...

- Helena P. Blavatsky: a grande teosofista , escreve inúmeras obras nas quais Ísis Sem Véu  e A Doutrina Secreta,  que falam de um lugar onde se encontram os Santos Sábios no Governo Oculto do Mundo.

- Saint-Yves d´Alveydre:  na sua obra Missão da Índia  fala-nos minuciosamente de um reino de Agharta e todos os seus aspectos  hierárquicos, filosóficos, sociológicos, políticos e tecnológicos, duma grande Sociedade que se localiza no interior da Terra;

- Ferdinand Ossendowski: na sua obra sobre  Animais, Homens e Deuses,  fala-nos das suas viagens pelo Oriente e dos relatos antigos relacionadas com os Mundos Subterrâneos e o enigma do Rei do Mundo e das suas profecias;

- Alice Bailey: fala-nos de Shamballah, Lugar Sagrado no Centro do Mundo onde se situa um “Sol Central” (com 960 Km de diâmetro),  cuja luz origina as chamadas Auroras Boreais e Austrais através dos Polos, e não o Sol a 150 milhões de Km da Terra;

- René Guénon: em o Rei do Mundo, fala-nos das inúmeras tradições em todo o planeta que descrevem a existência de Agharta e de Shamballah, assim como das cavernas e túneis subterrâneos que se perdem nas profundezas da Terra, Gaia ou Urântia, como também é conhecida;

- Raymond Bernard, Nicholas Roerich e Alexandra David-Neel: esses autores deram o melhor contributo em prol da divulgação dos Mundos Subterrâneos e bem assim Henrique José de Souza (JHS), no seu livro 'O Verdadeiro Caminho da Iniciação', onde fala abertamente de um País Maravilhoso com suas 7 cidades no interior da Terra, conhecido por Agharta (AG – Fogo; HARTA - Coração) havendo outros dois reinos mais à superfície conhecidos por  Badagas e Duat.

O que a Ciência diz

Sobre a constituição do planeta Terra, basicamente, a ciência que que ele tem três camadas:

Crosta: Camada superficial sólida que envolve a Terra. Tem, em média, de 30 a 40 km de espessura, mas pode ser bem mais fina ou chegar a até 70km.

Manto: Camada viscosa logo abaixo da crosta. É formada por vários tipos de rochas siliciosas ricas em ferro e magnésio, que, devido às altas temperaturas, encontram-se em um estado complexo que mistura materiais fundidos e sólidos e recebe o nome de magma. Vai até os 2900 km de profundidade.

Núcleo: É a parte central do planeta. Acredita-se que seja formado por metais como ferro e níquel em altíssimas temperaturas. Possui duas partes:
Núcleo externo: Líquido – de 2900 a 5150 km.
Núcleo interno: Sólido, devido à altíssima pressão – até 6371 km.




Agora o vídeo feito pela ISS não mostra a entrada para a Terra Oca. É interessante observar que assim como a maioria de vídeos desse gênero, não divulgaram quando e o local onde a ISS estava orbitando. Bem, pesquisando se consegue encontrar a informação que a órbita da ISS não é considerada polar, visto que alcança até 52 graus ao Norte a ao Sul. Ela circula perpendicularmente, inclinada em relação ao Equador Terrestre passando 2 vezes sobre ele em cada órbita. Logo, não estariamos falando sobre nenhum polo terrestre.

Entretanto, com a informação sobre a órbita da ISS, não dá para considerar nenhum dos polos, visto que o campo da ISS é 52º para cima ou para baixo em relação ao Equador. Considerando ainda a data do vídeo e sabendo que vídeos de canais assim não demoram muito tempo para serem publicados depois do ocorrido, então estamos falando de algo que provavelmente aconteceu no primeiro trimestre de 2015.

Se considerarmos isso e que a gravação seja original, bem, o que mais se encaixa nesse caso e estimando o local onde a ISS poderia estar, poderia ser o Ciclone Pam, um ciclone tropical categoria 5 formado em março de 2015, que foi considerado o pior desastre natural na história de Vanuatu...

Muitas das imagens que mostram "entradas para a Terra Oca" são na verdade o olho de furacões visto do espaço.


Conclusão

Antigamente não haviam satélites nos céus, rastreando cada centímetro de nosso solo. Foi nessa época que a teoria da Terra Oca ganhou força. Como não podíamos ver, muitos defenderam que havia gigantescas entradas nos pólos do planeta que levavam ao seu interior.

Relatos extraordinários surgiram, dizendo que havia um Sol dentro da Terra, e além disso, a gravidade invertida possibilitava uma raça avançada existir lá, com natureza exuberante.

Após colocarmos os satélites em órbita e vermos que não existem esses gigantescos buracos, a teoria acabou sofrendo um forte golpe, que foi contornado dizendo que o governo manipula as imagens e que os buracos estão lá sim, camuflados.

Agora, existem culturas, como o budismo e o hinduísmo, que acreditam que existe um mundo interior chamado Agartha, é que esse reino abriga populações de continentes extintos, como os Atlantes, onde um líder sagrado chamado Melquisedeque comandava o mundo. Este rei conhecia todas as forças da terra, lia todas as almas e conhecia todos os destinos. Aqui entra o aspecto religioso, e não discutir essa crença religiosa.

Para mim, a teoria da Terra Oca é infundada e neste caso estou 100% com a explicação da ciência, que diz que o que tem no interior de nosso planeta é um bola líquida e outra sólida de metal.

Mas não vamos nos esquecer, que por mais que esta teoria pareça sem sentido, é válido lembrar que Galileu teve que prestar contas a Santa Inquisição por dizer que a terra na verdade era esférica enquanto todos diziam que na verdade ela era achatada.

Tradução/Adaptação: Mateus Fornazari, Everton Marchi, Rusmea.com

Fontes (acessadas em 20/02/2016):
http://despiertaalfuturo.blogspot.com.br/2012/12/hitler-en-busca-del-reino-subterraneo.html
http://www.eusouluz.iet.pro.br/melki.htm
http://thoth3126.com.br/aghartha-o-reino-da-terra-interior/
http://www.infoescola.com/geografia/teoria-da-terra-oca/
http://www.mortesubita.org/ufologia/textos-ufologicos/terra-oca/a-terra-oca-capitulo-i-a-descoberta-momentosa-do-almirante-byrd
http://www.mortesubita.org/sociedades-secretas-e-conspiracoes/textos-conspiracionais/nazi-esoterismo-crencas-e-magia-no-reich-de-hitler/vril-o-poder-da-raca-futura
http://pt.wikipedia.org/wiki/Agartha
http://www.telegraph.co.uk/culture/books/10961412/Hollow-Earth-conspiracy-theories-the-hole-truth.html
http://www.wyomingtalesandtrails.com/encampemerson.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Richard_Byrd
http://averdadenomundo.blogspot.com.br/2012/10/a-teoria-da-terra-oca-e-agharta.html
http://www.sobrenatural.org/materia/detalhar/4105/teoria_da_terra_oca/
http://filosofiaimortal.blogspot.com.br/2014/03/a-terra-oca.html
https://alternativetruths.wordpress.com/
http://www.ourhollowearth.com/GermanU-209.htm
https://pt.wikipedia.org/wiki/Estrutura_interna_da_Terra
http://thoth3126.com.br/agharta-e-o-almirante-richard-e-byrd/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Terra_oca
http://www.riodejaneiroaqui.com/pt/mapa-terra-oca.html
http://thoth3126.com.br/antartica-estranhas-aberturas-e-base-nazista-neuschwabenland/
http://www.twisst.nl/invisible-iss
http://www.k3as.com/ISS_tracking.html
Comentários