26 de janeiro de 2016

Transplante de Cabeça: Sergio Canavero Diz Que Cientistas Chineses Transplantaram a Cabeça de um Macaco

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Eles são lançados primeiro lá, depois que vem pra cá :) Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

Por Marco Faustino

Desde o começo do ano passado o blog "AssombradO.com.br" é um dos poucos sites brasileiros que permanece atento as notícias que são divulgadas quando o o assunto é "transplante de cabeça". Em 2015, o mundo conheceu o Dr. Sergio Canavero, diretor do Grupo de Neuromodulação Avançada de Turim, anunciando que faria o primeiro transplante de cabeça humana dentro de 24 meses, ou seja, em 2017. Para isso ele tinha um voluntário, um homem de nacionalidade russa chamado Valery Spiridonov, que possui a doença de Werdnig-Hoffmann, também conhecida como atrofia muscular espinhal. Essa é uma condição debilitante, eventualmente fatal, que visivelmente havia tomado conta de boa parte do corpo do russo que hoje possui 31 anos de idade.

Tivemos uma sucessão de acontecimentos desde então. Para que vocês tenham uma ideia, essa é a quinta postagem que fazemos sobre esse assunto no blog, sendo que possuímos dois vídeos publicados no canal do Youtube. Em nossa última postagem comentamos que um cirurgião chinês chamado Xiaoping Ren, que alega ter feito mais de 1.000 transplantes de cabeça em ratos, havia se unido ao Dr. Sergio Canavero, com o objetivo de se prepararem para o que seria o primeiro transplante de cabeça humana do mundo. Agora, o neurocirurgião italiano divulgou um pequeno vídeo mostrando ratos se movimentando após terem suas medulas espinhais reconstituídas, e o mais espantoso: uma foto que seria da cabeça transplantada de um macaco, cujo procedimento teria sido feito por Xiaoping Ren, cujo estudo é financiado pelo governo chinês. Vamos saber mais sobre esse assunto?

Antes de começarmos a comentar sobre essa mais recente notícia relacionada aos "preparativos" para a suposta e futura tentativa de realizar o primeiro transplante de cabeça humana, precisamos informar a você, ainda que de forma resumida, os detalhes desse caso. Fazemos isso porque desde meados do ano passado, nossas redes sociais, assim como nosso blog, página no Facebook e canal no Youtube, tiveram um crescimento bem expressivo de público, logo muitas pessoas podem não estar familiarizadas sobre esse assunto e ficarem meio perdidas sem entender direito sobre o que estamos falando. Deixaremos também os respectivos links para caso vocês queiram saber mais detalhes. Certo?

Um "Resumão" Sobre Esse Caso Relacionado a Tentativa de Realizar o "Primeiro Transplante de Cabeça Humana"


Desde 2013, o Dr. Sergio Canavero, vinha dizendo que era possível fazer um transplante de cabeça humana que fosse bem-sucedido. Ninguém, nem mesmo a mídia, se importava muito com isso, afinal para muitos ele apenas um médico de ambições um tanto quanto pertubadoras, porém diante de um procedimento considerado muito pouco provável mesmo diante dos recursos que a medicina moderna nos oferece. Ele publicou alguns artigos em periódicos científicos explicando como seria esse procedimento, fez palestras em eventos chamados "TEDx", como por exemplo, em Limassol, no Chipre, em setembro de 2014, mas naquela época ainda não tinha chamado a atenção do mundo.

O Dr. Sergio Canavero durante sua palestra no TEDx em Limassol, no Chipre, em setembro de 2014
Tudo isso mudou em 25 de fevereiro de 2015, quando a prestigiada revista New Scientist publicou um artigo chamado "First human head transplant could happen in two years" ("Primeiro transplante de cabeça humana poderia acontecer em dois anos", em português). Isso despertou os mais diversos sentimentos na comunidade científica. Alguns ficaram maravilhados com essa possibilidade, porém muitos outros médicos e cientistas ficaram verdadeiramente apavorados e um tanto quanto céticos, uma vez que mesmo sendo possível, isso abriria as portas para uma série de dilemas éticos e legais. Em seguida, Canavero participou do TEDx Verona, no começo de março de 2015.

O Dr. Sergio Canavero durante sua palestra no TEDx em Verona, na Itália, em março de 2015
Para o Dr. Sergio Canavero tudo era muito simples: bastaria resfriar o corpo e cabeça a serem transplantadas para que as células sobrevivessem sem oxigênio por mais tempo, cortar as terminações que ligam a cabeça à medula espinhal de maneira cuidadosa e limpa (segundo Canavero, um "corte elegante") e depois unir as extremidades da medula espinhal, borrifando uma substância chamada polietilenoglicol (PEG), que estimularia as células a se regenerarem, unindo assim os centros motores da medula espinhal, e reestabelecendo por completo a conexão da cabeça com o corpo.

Para o Dr. Sergio Canavero, uma substância chamada polietilenoglicol (PEG) estimularia as células a se regenerarem,
unindo assim os centros motores da medula espinhal, reestabelecendo por completo a conexão da cabeça com o corpo
Canavero disse à revista New Scientist que, ao acordar, a pessoa operada seria capaz de sentir o próprio rosto e falar com a mesma voz de sempre, porém a pessoa seria mantida em coma induzido por duas ou três semanas. Durante esse período, ela receberia pequenas descargas elétricas para estimular a criação de novas conexões nervosas, e com fisioterapia, dentro de 1 ano ela poderia voltar a andar. Ainda segundo Canavero, em estudos já previamente realizados, o polietilenoglicol teria estimulado o crescimento de células da medula espinhal em animais, logo isso seria muito promissor. Porém, tudo isso envolveria mais de 150 profissionais da saúde e o procedimento levaria cerca 36 horas ao custo de milhões de dólares.

Valery Spiridonov, programador russo de 31 anos de idade, morador da cidade de Vladimir,
a cerca de 190 km a leste de Moscou, na Rússia
O primeiro interessado, ou melhor voluntário, seria Valery Spiridonov, um programador russo de 31 anos de idade, morador da cidade de Vladimir, a cerca de 190 km a leste de Moscou, na Rússia, que possui a doença de Werdnig-Hoffmann, também conhecida como atrofia muscular espinhal, e que deu diversas declarações ao longo do ano passado dizendo que não lhe resta mais nenhuma esperança de cura, logo não teria absolutamente nada a perder, uma vez que ele mal consegue se movimentar em sua própria cadeira de rodas. Confira a matéria especial sobre esse assunto em vídeo:



Apesar da série de dilemas éticos, religiosos, políticos e legais envolvidos, surgiu na época uma teoria "conspiratória" muito interessante: isso tudo não passaria de uma campanha de Marketing para promover o jogo Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, que acabou sendo lançado no começo de setembro do ano passado. Existem diversas "coincidências" para os conhecedores da franquia do jogo "Metal Gear", que apontariam claramente que tudo isso não passa de uma propaganda, ainda que insana, da Konami, produtora do jogo.

A maior de todas as coincidências, ao menos para mim que nunca joguei, é a própria semelhança física de Canavero em relação ao Dr. Evangelos Constantinou, um cirurgião que aparece no jogo, e que trabalharia em um hospital no Chipre (lembrando que uma das palestras de Canavero aconteceu em uma cidade do Chipre).

O Dr. Sergio Canavero (foto superior) em comparação com o Dr. Evangelos Constantinou
do jogo Metal Gear Solid V: The Phantom Pain (imagem inferior), lançado em setembro de 2015
Ao assistir uma gameplay do canal do Youtube chamado BRKsEdu, pouco tempo depois que o jogo foi lançado, notei uma "coincidência" a mais. O Dr. Evangelos Constantinou informa ao personagem no jogo que ele está sendo perseguido, caçado, e diz que uma cirurgia plástica seria necessária com o objetivo de esconder sua verdadeira identidade. O mais interessante é que cabeças dos mais diversos tons de pele, formatos e características são oferecidas como opções ao jogador. A primeira impressão que se tem é muito semelhante a um verdadeiro transplante de cabeça.

Opções de rosto que o jogo Metal Gear Solid V: The Phantom Pain dá aos jogadores
Cerca de 3 meses antes do lançamento do jogo, na tarde do dia 12 de junho, no Hotel Westin, na cidade de Annapolis, Maryland, nos EUA, juntamente com o voluntário (Valery Spiridonov) para o primeiro transplante de cabeça humana ao seu lado, o Dr. Sergio Canavero tentou recrutar cirurgiões dispostos a ajudá-lo a realizar o procedimento com uma plateia composta por seus colegas médicos na conferência anual da Academia Americana de Cirurgiões Neurológicos e Ortopédicos (AANOS).

Ao contrário do que muitos esperavam o Dr. Sergio Canavero tentou recrutar cirurgiões dispostos a ajudá-lo a realizar
o procedimento com uma plateia composta por seus colegas médicos na conferência anual
da Academia Americana de Cirurgiões Neurológicos e Ortopédicos (AANOS)
O evento era pequeno, talvez contando com mais ou menos 100 cirurgiões, e realizado em um hotel com uma aparência normal, porém a imprensa compareceu em bom número. De acordo com a organizadora do evento, Maggie Kearney, em 15 anos do evento ela nunca tinha visto tanta gente assim. Porém, a palestra de Canavero soou mais para um verdadeiro espetáculo teatral do que propriamente científico. Ele disse ainda que pretendia realizar o procedimento nos Estados Unidos ou na China.

A palestra de Canavero soou mais para um verdadeiro espetáculo teatral do que propriamente científico.
Ele disse ainda que pretendia realizar o procedimento nos Estados Unidos ou na China.

Valery Spiridonov que foi submetido a um verdadeiro interrogatório por parte da imprensa durante a AANOS
O destaque ficou realmente por conta de Valery Spiridonov que foi submetido a um verdadeiro interrogatório por parte da imprensa, que o questionou sobre diversos pontos tanto sobre a cirurgia quanto morais. A pergunta final direcionada a ele foi: "O que você diria para as pessoas que dizem que esta cirurgia não deve ser feita?" A resposta de Spiridonov foi curta e enfática: "Talvez eles devessem se imaginar em meu lugar.". Veja mais detalhes de como foi esta conferência em: Transplante de Cabeça: Sergio Canavero Tenta Recrutar Médicos em Recente Conferência nos EUA. Assista também:



Poucas semanas antes do lançamento do jogo Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, Valery Spiridonov disse que estava chovendo dinheiro para pagar pelo primeiro transplante de cabeça do mundo. Entretanto, ele se recusou a confirmar relatos de que patrocinadores anônimos tinham se comprometido a dar US$ 100 milhões (cerca de R$ 400 milhões) para a cirurgia pioneira, apelidada de "imprudente", por outros profissionais médicos.

"Isso pode ser real no futuro, mas é difícil falar sobre o transplante de cabeça antes que a regeneração da medula espinhal se torne possível", disse na época Anzor Khubutia, diretor do Hospital de Emergências Sklifosovsky, com sede em Moscou, na Rússia.

O Dr. Sergio Canavero, apelidado de Dr. Frankenstein, prometeu aturdir os céticos e os pessimistas ao alegar: "Eu vou provar que isso é totalmente possível. A cabeça de Valery será separada do seu corpo e transferida para outro em questão de segundos. O fluxo sanguíneo cerebral terá início em cerca de 15 minutos".

Entretanto, o interesse da mídia parecia não corresponder como antigamente. Canavero sempre se mostrou bem evasivo quanto aos procedimentos técnicos da operação e sempre foi muito mais "falastrão" do qualquer outra coisa. Aliás, a data de lançamento do jogo estava bem próxima. Veja mais detalhes aqui: Transplante de Cabeça: Valery Spiridonov Diz Que Está "Chovendo Dinheiro" Para Cirurgia Ser Realizada!

Quando muitos acreditavam que toda a campanha publicitária da Konami seria revelada, poucos dias depois do lançamento do jogo "Metal Gear Solid V: The Phantom Pain", surgiu uma notícia na mídia bem mais pertubadora do que as anteriores. Um cirurgião chinês chamado Xiaoping Ren, que alegava ter feito mais de 1.000 transplantes de cabeça em ratos, tinha se unido ao neurocirurgião italiano, Sergio Canavero, para começarem os preparativos para o que seria o primeiro transplante de cabeça humana do mundo.

O Dr. Xiaoping Ren (à direita), 53 anos, da Universidade de Medicina de Harbin, na China, durante
um procedimento de transplante de cabeças em ratos
Durante uma recente conferência acadêmica chamada "Frontier Science", na província de Heilongjiang, região nordeste da China, o Dr. Sergio Canavero, disse que ele e seu novo parceiro, o Dr. Xiaoping Ren, estavam tentando criar uma equipe médica bem específica e renomada, para dar ao Valery Spiridonov um novo corpo. Aliás, em resposta a Xinhua, agência oficial de notícias da China, Canavero disse que o Dr. Xiaoping Ren seria a única pessoa no mundo capaz de liderar esse projeto que ele havia anteriormente apelidado de "HEAVEN" (HEad Anatomosis VENture).

O Dr. Sergio Canavero, que de acordo com esse mesmo jornal, já teria recebido mais de US$ 2 milhões (cerca de R$ 8 milhões) em financiamento acadêmico e "governamental", ainda disse que a equipe não iria desistir só porque sua pesquisa é "controversa". O ponto neuvrálgico daquela notícia era mesmo sobre o Dr. Xiaoping Ren, 53 anos, da Universidade de Medicina de Harbin, na China que desde 2013 alegava que ele e sua equipe já realizaram mais de 1.000 transplantes de cabeça em ratos, sendo que a primeira cirurgia demorou cerca de 10 horas.

Fotos de ratos com cabeças transplantadas divulgadas pela equipe do Dr. Xiaoping Ren
Essa não é a parte mais sombria, pois o Dr. Xiaoping Ren teria planos para realizar este tipo de operação em primatas ainda no ano de 2015. Sim, em macacos, algo que ele já havia declarado anteriormente alguns anos atrás, mas em outra ocasião. Veja mais detalhes aqui: Transplante de Cabeça: Canavero Terá Apoio de Xiaoping Ren, Que Já Fez Mais de 1000 Transplantes de Cabeça Em Ratos

O Suposto Transplante de Cabeça Realizado em Macaco e o Vídeo Divulgado pela New Scientist


Toda essa história que acabamos de resumir para vocês ganharia um outro contorno no dia 19 de janeiro (terça-feira) desse ano, quando novamente o site da revista New Scientist assumiu uma posição de destaque ao noticiar que Canavero disse que um transplante da cabeça de um macaco havia sido realizado por cirurgiões chineses.

De acordo com a New Scientist, o Dr. Sergio Canavero, que outrora havia causado um verdadeiro frenesi na mídia, mas que agora estava trabalhando com outros cientistas da China e Coréia do Sul, disse ter dado mais um passo adiante no objetivo de realizar o primeiro transplante de cabeça humana ao realizar uma série de experimentos em animais e cadáveres humanos. Sim, é isso mesmo que você leu.

O site da revista New Scientist assumiu posição de destaque ao noticiar que Canavero
disse que um transplante da cabeça de um macaco havia sido realizado por cirurgiões chineses
"Eu diria que temos um grande volume de dados para prosseguirmos. É importante que as pessoas parem de pensar que isso é impossível. Isto é absolutamente possível e estamos trabalhando para isso", disse Sergio Canavero.

Todos os procedimentos adotados serão explicados em sete artigos previstos para serem publicados nas revistas científicas "Surgery" e "CNS Neuroscience & Therapeutics" ao longo dos próximos meses. Porém, a New Scientist disse que não teve acesso prévio a esses artigos e que não tinha como atestar a veracidade sobre os mesmos. Em relação a publicação da "CNS Neuroscience & Therapeutics", o material será revisado por um dos colaboradores de Canavero.

Todos os procedimentos adotados serão explicados em sete artigos previstos para serem publicados
nas revistas científicas "Surgery" e "CNS Neuroscience & Therapeutics" ao longo dos próximos meses
O problema é que isso passou a ser considerado um tanto quanto suspeito, uma vez que é incomum que cientistas venham a público antes mesmo que seus artigos científicos sejam publicados.

"Isso é ciência por meio de relações públicas. Quando isso for publicado em um periódico revisado por especialistas da área, vou levar em consideração. Acho que o restante é besteira", disse Arthur Caplan, chefe da Divisão de Ética Médica da Escola de Medicina da Universidade Nova Iorque, nos Estados Unidos, para a revista New Scientist.

Arthur Caplan ainda disse que Canavero deveria estudar a regeneração do nervo com o PEG, em pessoas com lesão medular, antes mesmo de tentar um transplante de cabeça.

"Há centenas de milhares de pessoas que poderiam se beneficiar de algo que iria regenerar a medula espinhal. É como dizer que eu quero voar para a próxima galáxia, ao passo que seria bom criar primeiro uma colônia em Marte, e eu considero essas mesmas probabilidades", completou. Entretanto, Canavero acredita que o transplante de cabeça é o único tratamento que irá funcionar em pacientes paralíticos.

Arthur Caplan, chefe da Divisão de Ética Médica da Escola de Medicina da Universidade Nova Iorque, nos Estados Unidos
"A terapia genética tem falhado. Ainda estamos à espera das células-tronco. Mesmo se funcionassem agora, para esses pacientes, não há esperança. Tetraplegia só pode ser curada dessa forma. A longo prazo, o corpo enfraquece, os orgãos entram em falência. Você precisa dar a eles um novo corpo, porque mesmo que você resolva a questão da medula, não vai adiantar em nada", disse Canavero.

Thomas Cochrane, um neurologista do Centro de Bioética Escola de Medicina de Harvard, concordou que a divulgação prematura de Canavero é heterodoxa.

"Isso é desaprovado por uma boa razão. Gera entusiamo antes que a emoção seja garantida. Isso distrai as pessoas de um trabalho real, onde todos possam concordar que tenha um fundamento válido. Até onde sei essa operação tem sido voltada mais para a publicidade do que para a realização de um trabalho científico sério", disse Cochrane.

A New Scientist disse, no entanto, que apesar de não ter acesso prévio aos artigos para verificá-los, eles puderam ver as imagens e vídeos de alguns dos procedimentos que Canavero descreveu. Entre o material visualizado por eles, estaria um vídeo de ratos farejando e movendo suas patas, aparentemente após algumas semanas de terem suas medulas espinhais e seus pescoços cortados e então reconectados. O vídeo gerou muita polêmica, pois muitos usuários opinaram que o vídeo não mostra nenhum progresso efetivo nesses ratos e nem mesmo atesta que foram submetidos as operações descritas. Seria apenas assistir a ratos se contorcendo em uma situação totalmente degrandante e sádica.



Entretanto, C-Yoon Kim, da Escola de Medicina da Universidade de Konkuk, na Coréia do Sul, responsável por realizar o procedimento, disse que sua equipe demonstrou a recuperação da função motora nos membros anteriores e posteriores dos animais.

"Portanto, eu acho que é possível reconectar a medula espinhal após seu total e completo rompimento", disse C-Yoon Kim.

Canavero disse que o trabalho de Kim mostra que a medula espinhal pode reconectada, se for "cortada" de forma limpa na presença do polietilenoglicol (PEG), um produto químico que preservaria as membranas das células nervosas.

"Esses experimentos provam de uma vez por todas, que ao simplesmente utilizar o PEG, você pode notar uma recuperação parcial", disse Canavero. Assim como a utilização de PEG, o procedimento que Canavero descreveria nos artigos incluiria técnicas para ajudar à recuperação, tais como a estimulação da medula espinhal e o uso de um dispositivo de pressão negativa para criar um vácuo com o objetivo de estimular os nervos a se fundirem.

De acordo com Canavero, pesquisadores liderados por Xiaoping Ren, também realizaram um transplante de cabeça em um macaco. Eles conectaram o fornecimento de sangue entre a cabeça e o novo corpo, mas não tentaram reconectar a medula espinhal. Canavero disse que o experimento, que repete o trabalho de Robert White em 1970, nos Estados Unidos, demonstra que, se a cabeça é arrefecida (resfriada) a -15 °C, um macaco pode sobreviver ao procedimento sem sofrer lesão cerebral.

Foto divulgada da cabeça transplantada de um macaco, após uma cirurgia realizada pelo Dr. Xiaoping Ren
"O macaco sobreviveu totalmente o processo sem nenhuma lesão neurológica de qualquer espécie", disse Canavero, acrescentando que o macaco foi mantido vivo por apenas 20 horas após o procedimento por "razões éticas". A New Scientist, no entanto, também não foi capaz de obter mais detalhes sobre esse experimento. Muitos usuários questionaram a razão para ser divulgada apenas uma foto. Não existe nenhum vídeo mostrando o procedimento? Por que não tentarem reconectar a medula espinhal? Talvez porque sabiam que daria errado?

"Nós fizemos um estudo piloto para testar algumas ideias sobre como evitar lesões", disse Xiaoping Ren, cujo trabalho é financiado pelo governo chinês, como suspeitava-se anteriormente. Acrescentou ainda que ele e sua equipe também realizaram experimentos em cadáveres humanos em preparação para a realização da cirurgia.

Canavero está ávido em busca de recursos financeiros para custear a cirurgia, que a princípio será realizada em Valery Spiridonov. Ele vem dizendo desde o ano passado que pretende fazer um apelo para Mark Zuckerberg, presidente, diretor executivo e co-fundador da rede social Facebook para o obter o dinheiro necessário para seu projeto. Na semana retrasada, Trinh Hong Son, diretor do Hospital Vietnam-Germany em Hanói, no Vietnã, se ofereceu para sediar o procedimento.

"Se o chamado transplante de cabeça funcionar, isso vai abrir toda uma nova ciência em relação a reconstrução pós-traumática da medula espinhal", disse Michael Sarr, editor da revista Surgery, e cirurgião da Clínica Mayo, em Rochester, Minnesota, nos Estados Unidos.

Michael Sarr, editor da revista Surgery, e cirurgião da Clínica Mayo, em Rochester, Minnesota, nos Estados Unidos
"Estamos mais interessados na reconstrução da medula espinhal usando o transplante de cabeça como uma prova de princípio. Nossa revista não apoia necessariamente o transplante de cabeça devido a diversas questões éticas, considerações de consentimento informado e da possibilidade de conseqüências negativas de um transplante de cabeça", disse Michael Sarr.

Em uma matéria publicada pelo Daily Mail no último dia 23 (sábado), o Dr. Sérgio Canavero ainda deu algumas outras declarações sobre esse assunto.

"A notícia não é bem sobre o transplante realizado em um macaco. Todo mundo na mídia está dizendo: 'Ei, pessoal, isso é o transplante de cabeça em um macaco' - mas isso já foi feito há 40 anos", disse Canavero.

"A notícia importante aqui é que os críticos deste novo método foram totalmente refutados", completou, acrescentando que depois dessa operação o mundo nunca mais seria o mesmo. Disse ainda que o cérebro necessita de ser ligado ao corpo por apenas 10 a 20% dos nervos da medula espinhal, para que seja viável. Será mesmo Canavero?

Comentários Finais


Não posso vir aqui e escrever sobre esse assunto sem começar dizendo que não podemos ser hipócritas. A vida de muitos ativistas que lutam pelos direitos dos animais, bem como de seus pais e avós, podem ter sido salvas ou continuam sendo salvas devido algum medicamento, que só conseguiu ser comercializado após estudos que foram ligados diretamente ou indiretamente a experimentos em animais. Algumas pessoas tentam viver utilizando produtos naturais ou de laboratórios e empresas, que se comprometeram a não realizar testes em seres indefesos ou não, que façam parte de nosso planeta. Porém, para a maioria que está lendo agora, talvez até mesmo você que não apoia nada disso, utilizou hoje ou continuará utilizando produtos de higiene pessoal, cosméticos, medicamentos entre outros, que foram testados previamente em animais, por mais que isso não tenha sido divulgado ou que não seja do seu conhecimento prévio.

Por outro lado não podemos negar que a evolução da sociedade humana nos permitiu avançar nas mais diversas áreas, inclusive no âmbito tecnológico, ao ponto de nos aproximarmos muito da tecnologia ideal que nos permita predizer, com certa margem de segurança, sendo algumas vezes muito superiores a métodos tradicionais, se um produto é adequado ou não para que seja utilizado pela população. Além disso, nossa consciência de coletividade, por mais que nos mantenha de certa forma isolados ao invés de realmente conectados, ampliou o horizonte nas últimas décadas. Nos preocupamos mais com os animais e nossa relação com eles se estreitou ao ponto de movimentar um mercado maior do que muitas indústrias jamais sonharam. A maioria das pessoas quer dar conforto aos animais e não maltratá-los ou utilizá-los em experimentos dos quais eles não têm chance alguma de escolha ou defesa. A pior parte disso é que a maioria dos medicamentos para animais domésticos continuam sendo testados das piores formas possíveis nas mesmas espécies que você eventualmente possui dentro da sua casa.

Uma das matérias mais difícies que escrevi para o blog AssombradO.com.br foi sobre o assunto dizendo que cientistas russos estavam treinando macacos para viajarem até o planeta Marte em 2017. A terceira parte daquela matéria falava sobre o envio da cadela Laika ao espaço em 1957, e sinceramente doía em traduzir e escrever cada parágrafo. Dava para sentir a dor e a agonia que a Laika passou a cada palavra. A vida de Laika era tão importante quanto de uma pessoa, e a única família que ela conhecia a condenou a morte, sob condições infernais, sendo que este é o melhor termo que consigo pensar nesse momento. Da mesma forma não acho certo fazer isso com um macaco ou qualquer outro animal. Aliás, muitos experimentos são imorais, não levam a lugar algum, não acrescentam nenhum benefício real que justificasse a mutilação e a dor desses mesmos animais. Não é um assunto fácil, pelo contrário, é muito complicado, afinal estamos no campo da ética médica e veterinária.

Sinceramente, eu espero que tudo isso não passe de uma mera propaganda que precisou ser continuada para não ficar tão óbvio assim, fazendo com que as pessoas esquecessem de um determinado jogo para depois poder ser revelada com mais calma. Entretanto, é inegável que algo muito grave está acontecendo no mundo. Estamos diante de países que continuarão lucrando com a indústria de baixo custo de testes com animais, e que não possuem quaisquer limitações, legislações ou senso ético em pelo menos discutir o assunto com sua sociedade. Nem ao menos para definir o que é ou não passível de contextualizar com nossa existência. Isso é realmente necessário? Não existe outra forma de avançarmos sem precisar pisar em nosso próprio senso moral? Será que nos tornamos tão superiores como espécie que temos o direito de subjulgar quaisquer outras? Sinceramente, não sei dizer a você que está lendo. Afinal, continuo preferindo ser apenas Michelangelo, não aquele que tenta tocar o dedo de Deus.

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://gizmodo.com/scientists-claim-to-perform-head-transplant-on-monkey-1753832758
https://www.newscientist.com/article/2073923-head-transplant-carried-out-on-monkey-claims-maverick-surgeon/
http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-3408400/Surgeon-claims-carried-HEAD-transplant-live-monkey-Controversial-trial-lead-procedure-humans.html

http://www.dailymail.co.uk/news/article-3412928/The-real-life-Doctor-Frankenstein-plotting-human-HEAD-transplants-Controversial-neurosurgeon-wants-paralysed-patient-new-body.html
http://www.assombrado.com.br/2015/05/transplante-de-cabeca-revolucao.html
http://www.assombrado.com.br/2015/06/transplante-de-cabeca-sergio-canavero.html
http://www.assombrado.com.br/2015/08/transplante-de-cabeca-valery-spiridonov.html
http://www.assombrado.com.br/2015/09/transplante-de-cabeca-canavero-tera.html
Comentários