8 de dezembro de 2015

Milagre Eucarístico? Uma Hóstia Consagrada Teria Começado a "Sangrar" nos Estados Unidos? (Atualizado em 18/12)

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Eles são lançados primeiro lá, depois que vem pra cá :) Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

Por Marco Faustino

Um estranho caso está agitando a comunidade católica de Utah, principalmente entre os fiéis da Igreja de São Francisco Xavier, localizada no distrito de Kearns, no Condado de Salt Lake em Utah, nos Estados Unidos. A alegação é que uma hóstia consagrada no início do mês passado, teria sido devolvida ao padre que celebrava a missa, e por seguinte deixada em um copo com água para que se dissolvesse. Entretanto, após 3 dias a hóstia permanecia inteira e com uma coloração avermelhada em sua superfície. Para muitos católicos esse seria mais um milagre eucarístico dentre centenas já reportados ao longo da história, porém para outros poderia ser um mero fungo, como foi constatado em um caso anterior. Vamos saber mais sobre esse assunto?

Não há muito para falar sobre o distrito de Kearns (uma comunidade suburbana localizada a cerca de 25 km a sudoeste de Salt Lake City), que de acordo com o último censo realizado em 2010, tinha pouco mais de 35.000 habitantes. Apesar do pequena distrito com pouco mais de 12 km² abrigar o "Utah Olympic Oval", um circuito oval de patinação no gelo criado para as Olimpíadas de Inverno de 2002, a mesma ficaria famosa recentemente pelo que muitos estão chamado como "milagre eucarístico". O "fenômeno" teria acontecido na Igreja de São Francisco Xavier, localizada na cidade, no início de novembro. Porém, antes de continuarmos com essa notícia precisamos situar você sobre o que estamos tratando nesta postagem.

Imagem do Google Maps mostrando a localização do distrito de Kearns em relação a Salt Lake City,
em Utah, nos Estados Unidos
No Cristianismo, particularmente no Catolicismo, um milagre eucarístico é um milagre envolvendo a Eucaristia, que por sua vez é uma palavra grega que significa "dar graças" ou "agradecer". Esta palavra ganhou um significado novo e profundo quando os cristãos passaram a chamar de "Eucaristia", a Última Ceia celebrada por Jesus. Isto aconteceu porque nesta ceia, Jesus "deu graças a Deus", e se entregou total e gratuitamente por amor à humanidade.

Na Ceia Eucarística, Jesus transformou o pão e o vinho em seu corpo e seu sangue dizendo: "Isto é o meu corpo… Isto é o meu sangue". Além disso, ele deu aos apóstolos o poder de perpetuarem este milagre dizendo: "Fazei isto em memória de mim". Por isso, a Eucaristia tornou-se "sacramento", isto é, um meio pelo qual Deus se faz real e eficazmente presente entre os cristãos.

Representação artística da última ceia de Jesus Cristo
Para receber a Eucaristia (também conhecida como Comunhão), é necessário fazer a catequese, que são encontros onde as pessoas aprendem sobre Deus, a Bíblia, e fazem uma reflexão sobre o Catolicismo. Somente após a catequese, que a pessoa estaria preparada para fazer a primeira comunhão, que por sua vez é a primeiro momento onde "o Corpo e o sangue de Jesus Cristo" são comungados. A pessoa então recebe uma hóstia embebida em vinho, que se transforma no corpo e no sangue de Jesus. Porém, para isso acontecer existe uma doutrina chamada "Transubstanciação".

Exemplo de recipiente de ablução
A "Transubstanciação" é a conjunção de duas palavras latinas: trans (além de) e substantia (substância). Isso significa a mudança da substância do pão e do vinho, na substância do Corpo e Sangue de Jesus Cristo, no ato da Consagração.

Essa doutrina defende e acredita na presença real de Cristo na Eucaristia, sendo que é adotada pela Igreja Católica. A Igreja Ortodoxa, por exemplo, crê na presença real, mas não na transubstanciação. A crença da transubstanciação se opõe à da consubstanciação, que prega que o pão e o vinho se mantêm inalterados, ou seja, continuam sendo apenas pão e vinho.

Uma vez que a hóstia é consagrada, ou seja, se torna sagrada através das mãos e dos dizeres de um padre, caso ela precise ser descartada por algum motivo, geralmente ela é deixada em um cálice ou copo com água para que se dissolva, conhecido como recipiente de ablução.

Esse processo de dissolução é geralmente bem rápido, demorando por volta de apenas um dia. A água resultante desse processo normalmente é descartada em depósito especial, que conduz a mesma diretamente para o solo, ao invés de simplesmente ser despejada na rede de esgoto, o que seria algo muito errado a ser feito.

Agora que você sabe um pouco mais deste processo, continuemos com a notícia principal desta postagem.

Essa história começa no dia 8 de novembro deste ano (um domingo) durante a Sagrada Comunhão, que estava sendo realizada na Igreja de São Francisco Xavier, na cidade de Kearns, nos Estados Unidos. Foi nesse momento que um jovem paroquiano, membro da congregação, devolveu para o padre que estava celebrando a missa, uma hóstia que não havia sido consumida. Isso porque a mesma tinha sido dada a uma criança que não tinha recebido a sua primeira comunhão. Assim sendo, o padre colocou a hóstia em um recipiente de ablução (neste caso foi uma espécie de copo de vidro) para que se dissolvesse.

Visão do interior da Igreja de São Francisco Xavier, em Kearns, Utah, nos Estados Unidos
Após três dias a hóstia ainda não havia sido dissolvida, mantendo sua integridade e passou a ter uma aparência avermelhada. Por esse mesmo motivo que fiéis católicos em Utah disseram que a mesma parecia estar "sangrando". Isso causou um verdadeiro frenesi na comunidade católica local e nacional, e por seguinte o caso ganhou uma repercussão internacional. A notícia se espalhou rapidamente. A igreja ficou completamente lotada de fiéis de todas as partes do estado, e a hóstia chegou a ficar por um curto período de tempo em exposição. Veja uma reportagem feita pelo canal FOX13 clicando aqui ou assistindo logo abaixo em um vídeo postado no Youtube por um canal alternativo (em inglês):



A exposição da hóstia terminou quando entrou em cena a Diocese de Salt Lake City. O administrador da diocese, o Monsenhor Colin F. Bircumshaw, devido aos rumores que passaram a ser o principal assunto da comunidade católica local, decidiu criar uma comissão para investigar o incidente. Essa comissão está sendo presidida pelo Monsenhor M. Francis Mannion, que emitiu um comunicado no dia 21 de novembro:

Monsenhor M. Francis Mannion, presidente da comissão criada
para investigar o caso ocorrido na igreja em Kearns, em Utah.
"Recentemente, relatos de uma hóstia sangrando na Igreja de São Francisco Xavier, em Kearns, têm circulado dentro da diocese. O Monsenhor Colin F. Bircumshaw, Administrador da Diocese, nomeou uma comissão de pessoas com as mais diversões formações acadêmicas com o objetivo de investigar o assunto. O trabalho da comissão está em andamento. Os resultados serão tornados públicos.

A hóstia está agora sob custódia do Administrador da Diocese. Ao contrário dos rumores, não há planos atuais para que ela seja exposta publicamente ou para ser venerada.

Seja qual for o resultado da investigação, podemos usar esse tempo para renovar a nossa fé e devoção em um milagre maior - a presença real de Jesus Cristo que acontece em cada Missa.

Monsenhor M. Francis Mannion

Presidente da Comissão"

Segundo informações recentes publicadas pelo site de notícias National Catholic Register, a Diocese de Salt Lake City está um tanto cautelosa e considerando a hipótese de ser apenas um fenômeno natural.

"A hóstia ficou lá por vários dias e não se dissolveu. No final da semana o padre notou uma mudança na aparência e então notificou outras pessoas na paróquia", disse Susan Dennin, porta-voz da Diocese de Salt Lake City.

"A Igreja não presume causas sobrenaturais para coisas que podem ter uma explicação natural. Apesar de reconhecer que Deus possa agir de formas extraordinárias, a Igreja presume que Deus normalmente age através do Ministério da Igreja e através das leis naturais", completou Susan, em uma recente declaração a Agência de Notícias Católicas (CNA), no dia 30 de novembro (última segunda-feira).

Imagem da hóstia manchada de vermelho dentro de seu respectivo recipiente de ablução
Susan Dennis ainda disse que houve casos semelhantes e que foram devidamente documentados, onde um hóstia simplesmente caiu no chão e foi colocada em seguida em um recipiente de ablução. Através de uma análise microscópica se descobriu que a mesma estava contaminada com bolor ou fungos comuns do trigo - seja a Neurospora crassa ou a bactéria Serratia marcescens.

Um dos casos citados por ela, aconteceu da Igreja de Santo Agostinho, na pequena cidade de South St. Paul, Condado de Dakota em Minnesota, nos Estados Unidos, em julho de 2011. É justamente sobre esse caso, que iremos comentar a seguir.

Um Outro Caso "Semelhante" Aconteceu na Igreja de Santo Agostinho, em Minnesota, em Julho de 2011


Em julho de 2011, um caso "semelhante" aconteceu na Igreja de Santo Agostinho, na pequena cidade de South St. Paul, nos Estados Unidos. Todo o mistério girava em torno de uma hóstia consagrada, que o Reverendo John Echert disse ter caído no chão no mês anterior (junho de 2011) durante a Sagrada Comunhão. A mesma havia se tornado "vermelha como sangue", após ter sido colocada em um copo cheio de água. Aliás, a hóstia também não tinha sido inteiramente dissolvida.

Parte externa da Igreja de Santo Agostinho, na pequena cidade de South St. Paul, nos Estados Unidos

O Reverendo John Echert disse na época, que um dos membros da congregação que havia sido designado para ajudar os padres na distribuição de hóstias, deixou uma delas cair no chão durante a Comunhão da Missa das 7h, em 19 de junho (um domingo), dia da Festa da Santíssima Trindade. A mesma foi colocada em um cibório, um recipiente para a Eucaristia, o que seria uma prática comum daquela igreja, para que se dissolvesse e fosse descartada com os devidos cuidados.

Quando o Reverendo Robert Grabner, vigário paroquial da igreja, foi olhar o recipiente no domingo seguinte (26 de junho), Echert disse que ele observou uma coloração avermelhada no cibório. Segundo ele, a hóstia deveria se dissolver rapidamente, dentro de um ou dois dias, mas ela ainda não tinha sido dissolvida, mesmo após uma semana.

"Foi notável o suficiente para que, claramente, seja algum fenômeno e não a maneira usual em que uma hóstia se dissolveria... assim como estamos familiarizados", disse John Echert na época.

Foto tirada na época pelo Reverendo John Echert, um dos membros da congregação da Igreja de Santo Agostinho
"Não faço nenhuma alegação, e a arquidiocese não faz nenhuma alegação quanto à probabilidade disso ser algo sobrenatural. Entretanto, é um fenômeno bem expressivo ou incomum, de modo que vamos continuar analisando essa hóstia", completou.

"Nunca em meus 24 anos como padre eu havia visto ou tido conhecimento de um fenômeno, em que uma hóstia consagrada colocada em água, ficasse com essa coloração avermelhada tão vívida, e que continua o que eu chamaria de 'vermelho-sangue'", finalizou.

"Foi notável o suficiente para que, claramente, seja algum fenômeno e não a maneira usual em que uma hóstia se dissolveria...
assim como estamos familiarizados
", disse John Echert (foto)
A arquidiocese de St. Paul (nome atribuído ao apóstolo Paulo de Tarso, o São Paulo em português) e Minneapolis passou a investigar o incidente, sendo que a hóstia ficou sob custódia da própria arquidiocese, cujo porta-voz, Dennis McGrath disse que a mesma estava tendo uma postura "muito cautelosa" sobre o caso.

Na mesma época o assunto provocou muitas discussões em sites e blogs católicos onde muitos diziam que a hóstia assemelhava-se a carne e o sangue de Jesus Cristo. Outros, no entanto, sugeriam que uma bactéria pudesse ser a causa do "fenômeno". De acordo com essa última hipótese, a responsável pelo "fenômeno" seria uma colônia de bactérias avermelhadas denominadas "Serratia marcescens".

Segundo o Microbe Zoo, um site desenvolvido pelo Centro de Ecologia Microbiana da Universidade do Estado de Michigan, nos Estados Unidos, esse tipo de bactéria pode crescer no pão e também em hóstias utilizadas na Comunhão, que foram previamente armazenadas em local úmido. O site vai mais além, chegando ao ponto de sugerir que a "Serratia marcescens" fosse a provável causa da substância vermelha como sangue, que um padre descobriu no pão utilizado na Comunhão em 1263, que ficou conhecido como "O Milagre de Bolsena".

Visão aproximada de diversas culturas de bactérias "Serratia marcescens"

Uma colônia de bactérias "Serratia marcescens" crescendo em um pedaço de pão


O caso ocorrido na Igreja de Santo Agostinho ressurgiu em meados de dezembro de 2011. Assim sendo, cerca de 6 meses depois, a Arquidiocese de Saint Paul e Minneapolis emitiu um comunicado dizendo que um fungo, e não um milagre tinha feito com que uma hóstia consagrada ficasse com uma coloração avermelhada.

"Este incidente foi o resultado de causas naturais biológicas e não deve ser considerada de nenhuma outra forma", disse Dennis McGrath.

"É importante ter certeza quando há uma questão como essa. Não podemos presumir nada, uma vez que requer uma investigação. Você não pode simplesmente fazer uma suposição, que dizer... isso não está além da esfera da probabilidade de uma fé que acredita em milagres", completou McGrath.

Aliás, ele disse que não iria citar especificamente qual era o fungo que tinha causado tal transformação na hóstia, uma vez que ele não tinha visto o exame do laboratório. O Reverendo John Echert também se recusou a comentar sobre os resultados do laboratório. Estranho, não é?

Entretanto, H. Corby Kistler, micetologista e professor adjunto da Universidade de Minnesota, disse na ocasião que o "Fusarium fungus" poderia ter causado um pigmento vermelho na hóstia da Igreja de Santo Agostinho.

"Espécies de Fusarium são contaminantes ambientais comuns e muitas vezes infestam o trigo e seus derivados", disse Kistler. De qualquer forma, aparentemente, o caso da Igreja de Santo Agostinho estava solucionado.

O Mais Antigo Caso Registrado de Milagre Eucarístico e "O Milagre de Bolsena"


O Milagre Eucarístico de Lanciano ocorrido no século VIII, na cidade italiana de Lanciano, antigamente chamada de "Anciano", é considerado por muitos até hoje como a inexplicável e extraordinária transformação da hóstia em carne humana e do vinho em sangue humano, durante uma celebração litúrgica católica. O evento inclusive foi reconhecido como milagre pela Igreja Católica Apostólica Romana.

As relíquias do que é considerado o mais antigo milagre
eucarístico da história da Igreja Católica
Era uma manhã comum, provavelmente de domingo, na cidade italiana de Lanciano, no mosteiro de São Legoziano, onde viviam os Monges de São Basílio, por volta do ano 700 d.C (com base em algumas evidências, podemos assumir uma data entre 730 e 750 d.C).

Entre os monges havia um que se destacava mais por sua cultura mundana do que pelo conhecimento das coisas divinas. Sua fé parecia vacilante, e ele era perseguido todos os dias pela dúvida de que a hóstia consagrada fosse o verdadeiro corpo de Jesus Cristo e o vinho o seu verdadeiro sangue. Resumindo, ele se sentia atormentado pela dúvida na crença católica da transubstanciação, que já comentamos anteriormente aqui. Apesar disso ele orava diariamente para que essa sufocante e espinhosa dúvida saísse de seu coração.

Foi nesta mesma manhã que ao celebrar uma missa na pequena igreja da cidade, dedicada a São Longino, o soldado que transpassou o coração de Cristo com uma lança quando ele estava na cruz, e após proferir as palavras da Consagração, eque le viu a hóstia converter-se em carne viva e o vinho em sangue vivo.

Ele se sentiu confuso e dominado pelo temor diante de tão espantoso milagre, permanecendo um longo tempo transportado a um êxtase verdadeiramente sobrenatural.

O pequeno monge que outrora duvidara da presença real de Cristo na Eucaristia então pediu perdão a Deus - e à comunidade presente - por sua falta de fé: "Ó bem-aventuradas testemunhas diante de quem, para confundir a minha incredulidade, o Santo Deus quis desvendar-se neste Santíssimo Sacramento e tornar-se visível aos vossos olhos. Vinde, irmãos, e admirai o nosso Deus que se aproximou de nós. Eis aqui a Carne e o Sangue do nosso Cristo muito amado!", teria dito o monge.

Em séculos posteriores, a Igreja dos Santos Legonziano e Domiciano passou aos monges bizantinos beneditinos, depois para a franciscanos, até que em 1252 começou a construção de uma nova igreja dedicada a São Francisco, sobre outra já existente. Eles viveram lá até o tempo de Napoleão, quando foram expulsos. Cerca de 150 anos mais tarde, eles regressaram e vivem lá até os dias de hoje.

As relíquias permanecem na Igreja do Milagre, que desde 1252 passou a se chamar Igreja de São Francisco (à direita)
A chamada "hóstia-carne" permaneceu conservada, apresentando uma coloração ligeiramente escura, tornado-se rósea se iluminada pelo lado oposto, com uma aparência fibrosa; o sangue-vinho era de cor terrosa, entre amarelo e o ocre, coagulado em cinco fragmentos de formas e tamanhos diferentes. Inicialmente essas relíquias foram conservadas em um tabernáculo de marfim. Em 1713 as mesmas foram transferidas para uma custódia de prata e um cálice de cristal, onde se encontram até hoje, na Igreja de São Francisco.

Visão do interior da Igreja de São Francisco, em Lanciano, na Itália
Aos reconhecimentos eclesiásticos do "Milagre", a partir de 1574, veio juntar-se o pronunciamento da Ciência moderna através de "minuciosos e rigorosos exames de laboratório". Entretanto, foi somente novembro de 1970, por iniciativa do arcebispo de Lanciano, Dom Pacífico Perantoni, e do ministro provincial dos Conventuais de Abruzzo, contando com a autorização de Roma, que os Franciscanos de Lanciano decidiram submeter as relíquias a um exame científico.

A análise foi confiada ao Dr. Odoardo Linoli, ex-chefe do Laboratório de Anatomia Patológica no Hospital de Arezzo e professor de Anatomia e Histologia Patológica, de Química e de Microscopia Clínica. O professor Ruggero Bertelli, anatomista e professor da Universidade de Siena no fim dos anos 60, ajudou o professor Odoardo Linoli em sua análise.

Reconhecimento científico de 18 de novembro de 1970, e outro de 4 de março de 1971.
Em 4 de março de 1971 a equipe apresentou os resultados, sendo que estes evidenciavam que a carne e o sangue eram com certeza de natureza humana. A carne era inequivocamente tecido cardíaco (do endocárdio), e o sangue era verdadeiramente de homem pertencendo ao grupo AB, que seria do mesmo grupo sanguíneo do homem do Santo Sudário de Turim. Veja mais detalhes aqui, aqui e aqui.

Muitos dizem que esse resultado não é válido e apontam o que seriam uma série de questionamentos sobre os procedimentos adotados, mas não é nosso objetivo nessa postagem entrar em maiores detalhes. Aliás, somente esse assunto, daria um especial a parte. De qualquer forma, vamos finalizar essa postagem comentando rapidamente sobre "O Milagre de Bolsena".

O Milagre Eucarístico de Bolsena


Este talvez seja o milagre eucarístico mais conhecido de todos. Conta-se que Pedro de Praga, um sacerdote da região da Boêmia (atualmente território pertencente a República Checa), homem de grandíssima piedade e retidão moral, duvidava da presença real de Cristo sob as aparências sensíveis do pão e do vinho. Ele tinha ido ter uma audiência com o Papa Urbano IV que, no verão de 1264, estava na cidade de Orvieto, acompanhado de Tomás de Aquino e vários outros teólogos e cardeais.

Representação artística do "Milagre de Bolsena"
Depois da audiência com o Papa, o sacerdote regressou à Boêmia. Porém, no meio do caminho, parou em Bolsena e celebrou uma Missa na igreja dedicada a Santa Cristina.

No momento da Oração Eucarística, quando pronunciou as palavras da Consagração, teria ocorrido o "Milagre" cuja descrição está gravada numa lápide da igreja: "De repente, naquela hóstia apareceu claramente uma carne verdadeira banhada em sangue, exceto a pequena parte que estava entre os dedos do sacerdote: o que não ocorreu sem mistério, mas para que fosse mais evidente a todos que a carne era realmente aquela hóstia elevada acima do cálice pelas mãos do celebrante".

Da hóstia consagrada teriam caído gotas de sangue que mancharam o corporal (tecido de formato quadrangular, geralmente uma toalha branca de linho, que é assim chamado, porque se coloca sobre ele o "Corpo do Senhor" que está na âmbula e no cálice), sua roupa e também sobre a pedra de mármore do altar. O sacerdote levou as peças manchadas de "sangue" para sacristia e tratou de avisar as autoridades eclesiásticas

A notícia difundiu-se rapidamente. O Papa e Tomás de Aquino, que não estavam muito longe de Bolsena, puderam ver imediatamente o "Milagre". Ele havia pedido aos bispos para que trouxessem a hóstia e o corporal até Orviedo. Então, ele mesmo, acompanhado de sua corte e do povo, foi receber o bispo que estava trazendo os objetos milagrosos pela ponte do Rio Claro, na entrada da cidade. Daquela ponte, o cortejo seguiu em procissão para a Catedral de Santa Prisca. Algum tempo depois, depois de um "exame minucioso" (ao menos para a época), Urbano IV aprovou a sua autenticidade e decidiu que o Santíssimo Corpo do Senhor deveria ser adorado através de uma festa particular e exclusiva.

O papa já tinha conhecimento de que na Diocese de Liège, Bélgica, já era celebrada uma festa em homenagem ao Corpo e Sangue de Cristo. A festa de Liège acontecia por causa das visões da freira Juliana de Cornion. Nas visões, estudadas e reconhecidas pelo bispo, Jesus pedia que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque. Vale destacar nesse ponto, que na Basílica de Santa Cristina, em Bolsena, na Itália, está preservada uma parte das relíquias do milagre eucarístico de Bolsena, sendo que a outra parte encontra-se na Catedral de Orvieto, que foi construída em 1290, sendo chamada de "Lírio das Catedrais".

Foto da parte interna da Catedral de Orvieto, na Itália, onde está preservada uma parte das relíquias do Milagre de Bolsena

Imagem de uma parte das relíquias do Milagre de Bolsena, preservadas na  Basílica de Santa Cristina, na Itália
Assim sendo, o Papa Urbano IV viu no milagre de Bolsena a confirmação do pedido de Jesus feito em Liège. Por isso, em 1264, ele decretou que a Solenidade de "Corpus Christi" fosse estendida para toda a Igreja através da Bula "Transiturus de hoc mundo ad Patrem" ("Passagem deste mundo para o Pai", em português). O Papa também pediu a Tomás de Aquino que preparasse as leituras e escrevesse a liturgia que acompanharia a solenidade.

A festa de Corpus Christi foi marcada para a primeira quinta feira após o domingo da Santíssima Trindade. Este, por sua vez, é o primeiro domingo após a festa de Pentecostes. A quinta-feira foi escolhida porque foi em uma quinta-feira santa que Jesus teria instituído o Sacramento da Eucaristia.

O "Corpus Christi" tornou-se feriado nacional no Brasil a partir de 1961. Nesse dia ocorrem diversas missas festivas e as ruas são enfeitadas para a passagem do Santíssimo Sacramento, que é conduzido, em procissão, pelo Bispo, ou pelo pároco local. As multidões de fiéis acompanham com devoção essa solenidade da Igreja Católica.

Enfim, espero que vocês tenham gostado dessa postagem e caso tenhamos alguma atualização sobre o caso da hóstia da Igreja de São Francisco Xavier, em Kearns, nos Estados Unidos, tentaremos manter vocês informados ao atualizar essa mesma postagem, combinado?

Atualização em 18/12/2015 - 13:10


A Diocese de Salt Lake City emitiu anteontem (16) um comunicado revelando o resultado das investigações conduzidas pelo Monsenhor M. Francis Mannion. Apesar da euforia de alguns grupos católicos em torno do suposto milagre eucarístico, foi detectado apenas uma espécie de bolor avermelhado. Isso é algo que já prevíamos tanto aqui no blog, quanto em vídeo publicado no canal AssombradO.com.br. Além disso, a diocese reafirmou a natureza milagrosa de cada Missa e sublinhou a necessidade para que os católicos evitem especular a respeito de "reivindicações milagrosas".

"Na história da Igreja, pela Divina Providência, milagres ocorreram. O único propósito de um milagre é trazer a tona a bondade", disse o Monsenhor M. Francis Mannion.

"Alegações falsas de milagres, por outro lado, trazem prejuízos aos fiéis e prejudicam a credibilidade da Igreja. Embora não se descarte a possibilidade de milagre, é necessário compreender a extensão do prejuízo causado aos fíéis, leigos e ao clero quando se tira conclusões precipitadas, deve-se agir com prudência", completou.

O administrador diocesano, Monsenhor Colin F. Bircumshaw, havia nomeado uma comissão para investigar o assunto. Os membros dessa comissão incluíam peritos em teologia católica, de direito canônico, biologia molecular, e também o ministério. A comissão considerou os eventos ocorridos na paróquia, e inclusive ouviu diversos paroquianos.

O Monsenhor M. Francis Mannion disse que foi determinante e crucial, que a hóstia tivesse sido deixada "sem proteção e sem vigilância em um recipiente de água" por cerca de uma semana. A comissão incluiu um cientista capaz realizar testes controlados na hóstia, tomando muito cuidado para garantir o seu tratamento respeitoso. O cientista concluiu que a mudança poderia ser satisfatoriamente explicada por causas naturais, tais como o crescimento de bolor avermelhado típico em pães. A comissão concluiu, por unanimidade, o mesmo.

Por fim, a comissão constatou a necessidade de determinar protocolos adequados para o clero que venha a lidar com situações semelhantes no futuro. A exposição do caso por parte da Igreja de São Francisco Xavier, localizada no distrito de Kearns, foi considerada inadequada, porém a rápida resposta para o caso foi essencial para reestabelecer a credibilidade da Igreja.

Criação/Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://blog.cancaonova.com/felipeaquino/2013/09/20/o-que-e-a-transubstanciacao/
http://commtechlab.msu.edu/sites/dlc-me/zoo/microbes/serratia.html
http://fox13now.com/2015/11/25/catholic-diocese-of-salt-lake-city-investigating-after-wafer-appears-to-bleed-three-days-after-communion/
http://oracoesemilagresmedievais.blogspot.com.br/2013/09/o-milagre-eucaristico-de-bolsena.html
http://projetosantaluizademarillac.blogspot.com.br/2012/01/o-milagre-eucaristico-de-bolsena-italia_23.html
http://www.christianpost.com/news/bleeding-communion-wafer-is-miracle-utah-churchgoers-believe-151245/
http://www.dailymail.co.uk/news/article-3338563/Catholic-Diocese-investigate-bleeding-communion-wafer-hailed-miracle-Utah-church.html
http://www.fundacaofraternidade.org.br/index.php/formacao-espiritual/177-milagre-de-lanciano-qdesafiando-a-acao-do-tempo-e-toda-a-logica-da-ciencia-humanaq
http://www.sfxkearns.org/
http://www.twincities.com/ci_18480905
http://www.twincities.com/ci_19546770
http://www.usnews.com/news/articles/2015/12/01/bleeding-communion-wafer-in-utah-a-miracle
https://en.wikipedia.org/wiki/Eucharistic_miracle
https://padrepauloricardo.org/blog/lanciano-a-missa-que-nao-acabou
https://pt.wikipedia.org/wiki/Milagre_eucarístico_de_Lanciano
https://pt.wikipedia.org/wiki/Transubstanciação
https://www.ncregister.com/daily-news/eucharistic-miracle-salt-lake-city-diocese-investigates-bleeding-host/
https://www.rs21.com.br/site/jesusestanomeiodenos/origem-corpus-christi/
Comentários