26 de outubro de 2015

Astrônomos Descobrem Asteroide que Esta Liberando Álcool Etílico e Açúcar no Espaço


Por Marco Faustino
 
Um cometa apelidado de "Lovejoy" ("Alegria e Amor", em português) está fazendo jus ao seu nome devido a liberação de grandes quantidades de álcool e açúcar no espaço. Essa é a primeira vez que álcool etílico, o mesmo que você encontraria em uma taça de Martini, é registrado a partir de um cometa. Isso acrescenta e muito a possibilidade que os cometas poderiam ter sido uma fonte de moléculas complexas necessárias para o surgimento da vida na Terra. Vamos saber mais sobre o assunto?

"Descobrimos que cometa Lovejoy estava liberando uma quantidade de álcool que seria equivalente a pelo menos 500 garrafas de vinho a cada segundo durante seu pico de atividade", disse Nicolas Biver do Observatório de Paris, na França.

No total, a equipe encontrou 21 moléculas orgânicas diferentes no gás emitido pelo cometa, incluindo álcool etílico e glicolaldeído, um açúcar simples. O estudo aponta que estas moléculas orgânicas complexas podem ser parte do material rochoso a partir do qual os planetas são formados.

Os cometas são resquícios congelados da formação do nosso sistema solar. Os cientistas estão interessados neles, porque eles são relativamente intocados, e portanto podem preservar pistas sobre como o sistema solar foi gerado. A maioria orbita em zonas geladas, longe do sol. No entanto, às vezes, uma perturbação gravitacional faz com que um cometa se aproxime do Sol, onde se aquece e libera gases, permitindo aos cientistas descobrirem sua composição.

Outras moléculas orgânicas já foram descobertas em cometas, mais recentemente, no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. O módulo Philae da Agência Espacial Europeia (ESA) tem encontrado várias moléculas orgânicas no 67P, incluindo quatro não detectadas antes em um cometa.

Os cometas são resquícios congelados da formação do nosso sistema solar. Os cientistas estão interessados neles, porque eles são
relativamente intocados, e portanto podem preservar pistas sobre como o sistema solar foi gerado
Por mais que o último estudo não tenha força para encerrar o debate sobre se os cometas caíram e semearam os componentes necessários para a vida na Terra, o mesmo acrescenta algo ao nosso conhecimento.

"A presença de uma grande molécula orgânica complexa na composição de um cometa é um passo essencial para uma melhor compreensão das condições que prevaleciam no momento em que a vida surgiu em nosso planeta", Dominique Bockelée-Morvan, co-autora do estudo, do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França.

Ainda segundo o estudo o cometa Lovejoy é de particular interesse para os cientistas, porque "é um dos cometas mais ativos na vizinhança orbitária da Terra". Ele é um dos cometas mais brilhantes e mais ativos desde cometa Hale-Bopp em 1997.

O Lovejoy atingiu seu ponto mais próximo do sol em 30 de janeiro deste ano, quando liberou água em uma quantidade equivalente a 20 toneladas por segundo. Assim sendo, a equipe observou a atmosfera do cometa por volta desta época em que ele estava mais brilhante e mais ativo.

Para isso eles utilizaram um radiotelescópio localizado no Pico Veleta, nas montanhas de Sierra Nevada, na Espanha, e que possui cerca de 30 metros de diâmetro. A luz solar energiza as moléculas na atmosfera do cometa, fazendo com que brilhem em freqüências de microondas específicas. Cada tipo de molécula brilha em uma freqüência específica, possui uma assinatura própria, permitindo que a equipe identifique-as ao utilizar os detectores do telescópio.

Radiotelescópio localizado no Pico Veleta, nas montanhas de Sierra Nevada, na Espanha
"O resultado definitivamente promove a ideia de que os cometas carregam uma química muito complexa", disse Stefanie Milam, do Centro Aeroespacial Goddard da NASA, em Greenbelt, Maryland, nos Estados Unidos.

"Durante o 'Último Grande Bombardeamento', a cerca de 3,8 bilhões de anos atrás, quando muitos cometas e asteroides estavam impactando na Terra e estávamos gerando nossos primeiros oceanos, a vida não começou com apenas moléculas simples, como água, monóxido de carbono e nitrogênio", disse Dominique Bockele-Morvan.

"Em vez disso, a vida tinha algo que era muito mais sofisticado em um nível molecular. Estamos descobrindo moléculas com múltiplos átomos de carbono. Então, agora você pode ver onde açúcares começam a se formar, bem como compostos orgânicos mais complexos, tais como aminoácidos - os blocos de construção das proteínas - ou nucleobases, os blocos de construção do DNA", completou.

"Eles podem começar a se formar mais facilmente do que começando com moléculas de apenas dois ou três átomos. O próximo passo é ver se o material orgânico que está sendo encontrado em cometas veio a partir da nuvem primordial, que se formou o sistema solar ou se ele foi criado mais tarde, no interior do disco protoplanetário que rodeava o jovem sol", finalizou.

Com certeza o Dr. Chandra Wickramasinghe, um dos principais responsáveis pela teoria da panspermia, que diz justamente que a vida veio do espaço, vai gostar e muito dessa notícia.

Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fonte:
http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-3287004/It-s-happy-hour-comet-Lovejoy-Nasa-discovers-space-rock-releasing-alcohol-500-bottles-wine-second.html
Comentários