27 de agosto de 2015

Conheça o Ídolo de Shigir, A Escultura de Madeira Mais Antiga do Mundo

Por Marco Faustino
 
O Ídolo de Shigir foi bem comentado no ano passado, porém ontem e hoje surgiram duas interessantes notícias sobre uma nova análise feita, no que os cientistas consideram como sendo o monumento de madeira mais antigo do mundo, e que poderia guardar alguns mistérios de civilizações antigas. O impressionante monumento repleto do que seriam "códigos criptografados" possui cerca de 11.000 anos de idade, ainda mais antigo do que se acreditava anteriormente. Vamos saber mais sobre o assunto?


Sobre o Ídolo de Shigir

O Grande Ídolo de Shigir é um dos maiores tesouros arqueológicos da Rússia. O monumento foi encontrado em uma turfeira próxima a Kirovgrad, na encosta leste dos Montes Urais, cerca de 100 km da cidade de Ekaterinburg, em 24 de janeiro de 1890. Ele foi protegido ao longo dos milênios por uma camada de quatro metros de turfeira em uma mina de ouro a céu aberto. A cabeça do monumento reproduz fielmente o que seria um rosto com os olhos, nariz e boca.

O Ídolo de Shigir em exposição
no Museu Regional de História de Sverdlovsk
O Ídolo de Shigir possui 2,8m de altura, mas originalmente tinha cerca de 5,3m de altura, ou seja quase tão alto quanto uma casa de dois andares. Quase dois metros do monumento (cerca de 195cm) desapareceu durante o turbulento cenário político russo no século 20 (principalmente durante a Segunda Guerra Mundial), muito embora o arqueólogo Vladimir Tolmachev tenha desenhado imagens de todas as partes da escultura em 1914.

Na época da URSS, o Ídolo de Shigir era guardado nos cofres do museu e era acessível apenas a pesquisadores. Essa situação mudou no verão de 2003 quando foi exibido ao público.

Entretanto devido as condições climáticas desfavoráreis, a exposição teve que ser interrompida. Assim sendo, foi criada uma uma grande caixa de vidro com gás inerte para sua devida conservação. Desde então o público pode contemplá-lo no Museu Regional de História de Sverdlovsk.

A primeira tentativa de datar o Ídolo de Shigir foi feita em 1997, cerca de 107 anos após a sua descoberta. As primeiras análises de radiocarbono apontavam que o monumento tinha entre 8.500 e 8.700 anos. Na época um fragmento tinha sido analisado pelo pesquisador G. I. Zajtseva do Instituto de História da Cultura Material de São Petersburgo, e dois fragmentos foram analisados pelo Instituto de Geologia da Academia de Ciências da Rússia. Ambos os resultados coincidiam e apontavam que o monumento era do período Mesolítico.

Em junho de 2014, o dendrólogo Uwe Hoysner, do Instituto Arqueológico de Berlim e o professor Mikhail Zhilin, principal pesquisador do Instituto de Arqueologia da Academia de Ciências da Rússia, retiraram amostras da parte interna do mesmo. Preliminarmente, Uwe Hoysner havia dito que o Ídolo de Shigir tinha sido feito a partir da madeira de um lariço (uma conífera natural da zona temperada setentrional, cuja madeira é resistente e elástica), e que tinha pelo menos 157 anos de idade. Isso seria possível de ser visto pelos anéis de crescimento presentes na madeira de uma das partes do monumento. Além disso ele comentou que os cortes sobre o tronco da árvore não deixavam dúvidas, que o monumento tinha sido esculpido utilizando-se ferramentas de pedra a partir de uma árvore recém-cortada.

Estima-se que originalmente o Ídolo de Shigir tivesse cerca de 5,3m de altura, ou seja, quase tão alto quanto uma casa de dois andares
Entretanto, Uwe e Mikhail identificaram que os equipamentos utilizados anteriormente para datar os fragmentos do Ídolo de Shigir estavam calibrados de uma forma errada e utilizando uma metodologia inadequada. Corrigindo os valores o monumento provavelmente teria por volta de 9.500 anos. Para eximir quaisquer dúvidas, e também como forma de comprovar e validar os resultados, foi tomada a decisão de usar as tecnologias mais modernas para datar o monumento novamente.

Ontem (26) havia surgido a notícia que as pesquisas foram realizadas na cidade de Mannheim, na Alemanha, em um dos laboratórios mais avançados do mundo através de um método de espectrometria de massa com uso do acelerador de partículas. Foram analisadas sete minúsculas amostras de madeira (cada uma com cerca de 1cm de comprimento e pesando aproxidamente 2g). Os resultados foram surpreendentes. 

O Ídolo de Shigir é Mais Antigo Do Que Se Pensava Anteriormente?

A notícia publicada ontem pelo jornal Siberian Times antecipava o que poderia vir a ser divulgado em uma coletiva de imprensa no dia de hoje (27). Inclusive o jornal tinha obtido com exclusividade de uma fonte, que o monumento era mais antigo do que se pensava anteriormente.

Natalia Vetrova, diretora-geral
do Museu Regional de História de Sverdlovsk
As novas descobertas foram descritas como altamente significativas na compreensão do desenvolvimento cultural do homem primitivo. Elas apontavam ainda que o Ídolo de Shigir era 1.500 anos mais antigo do que se suspeitava.

"Podemos dizer que os resultados são sensacionais", disse uma fonte do Museu Regional de História de Sverdlovsk.

Hoje, durante a coletiva de imprensa, a diretora-geral do Museu Regional de História de Sverdlovsk, Natalia Vetrova, disse que alegações russas de que o monumento teria pelo menos 9.500 anos de idade, "não eram reconhecidas pela comunidade científica internacional".

Eles queriam ter certeza o quão antigo esse monumento era, e assim poder dizer ao mundo sobre ele. Como podem perceber uma das fontes citadas ontem pelo jornal era a própria Natalia Vetrova.

Thomas Terberger, professor do Departamento do Patrimônio Cultural da Baixa Saxônia, na Alemanha, um dos envolvidos neste processo para datar o Ídolo de Shigir, apenas confirmou o que a notícia do Siberian Times antecipava. "Os resultados superaram nossas expectativas. A idade do Ídolo de Shigir é de 11.000 anos", disse.

"Este é um dos dados de extrema importância para a comunidade científica internacional. É importante para a compreensão do desenvolvimento da civilização, da arte da Eurásia e da humanidade como um todo", continuou.

"Podemos dizer que naqueles tempos, há 11.000 anos, os caçadores e pescadores dos Montes Urais não eram menos desenvolvidos do que os agricultores do Oriente Médio", completou.

Coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira (27) sobre a nova análise realizada no Ídolo de Shigir
Tendo em vista os resultados das últimas análises, Thomas acredita que o Ídolo de Shigir terá um grande reconhecimento mundial, e irá mostrar que o centro de desenvolvimento cultural na Eurásia não era apenas o Oriente Médio, mas também acontecia nos Montes Urais.

Ontem o jornal Siberian Times citava os comentários de uma outra fonte, que deu a seguinte declaração abaixo:

"A pesquisa comprova que o Ídolo de Shigir é a mais antiga escultura de madeira do mundo, sendo portanto uma notável descoberta e uma chave para a compreensão da arte.

O Ídolo de Shigir tem por volta da mesma idade que as antropomórficas estelas de pedras encontradas no antigo sítio arqueológico de Gobekli Tepe, na atual Turquia. Isso confirma que os caçadores e pescadores localizados no Montes Urais criaram obras de arte tão desenvolvidas e monumentais quanto os antigos agricultores do Oriente Médio"

Acho que não precisamos dizer quem era o autor dessa declaração, não é mesmo? No entanto, você que se dispôs a ler esta notícia deve estar se perguntando: Qual a importância dessa escultura? É justamente nesse ponto que vamos comentar um pouco mais mais sobre o Ídolo de Shigir.

Os Mistérios Em Torno do Ídolo de Shigir

Especialistas vêm supondo que seus hieróglifos contêm informações codificadas sobre a "criação do mundo" do homem primitivo. O professor Mikhail Zhilin já havia declarado anteriormente que estavam estudando o monumento com um sentimento de profunda admiração. "Esta é uma obra-prima, que carrega uma gigantesca força e valor emocional. Uma escultura única. Não há nada igual a isso no mundo", disse.

"É muito vívido e complexo ao mesmo tempo. Ele é repleto de informações criptografadas. As pessoas estavam transmitindo conhecimento com a ajuda do monumento", completou.

Ao mesmo tempo que as mensagens permanecem "um mistério absoluto para o homem moderno", o acadêmico russo disse que seus criadores "viviam em total harmonia com o mundo, tinham um desenvolvimento intelectual avançado e um mundo espiritual complexo".

Imagem mais aproximada das marcas feitas no Ídolo de Shigir.
Svetlana Savchenko, pesquisadora responsável pelo Ídolo de Shigir, também declarou anteriormente que: "uma linha reta poderia denotar terra, ou horizonte - o limite entre a terra e o céu, a água e o céu ou a fronteira entre os mundos".

"Uma linha ondulada ou em zigue-zague simbolizava um elemento aquático, uma cobra, um lagarto ou uma determinada fronteira. Além disso, o zigue-zague poderia representar perigo, um sinal de alguma ameaça", completou.

"Uma cruz, um losango, um quadrado ou um círculo representariam o fogo ou o sol, e assim por diante", finalizou. Svetlana acredita que o monumento conta sobre a "criação do mundo" na visão do homem mesolítico.

Entretanto essas marcas poderiam ter vários significados para seus antigos criadores, que deram ao Ídolo de Shigir, um total de sete faces, das quais apenas uma é tridimensional. Clique aqui para ver a imagem.

"Se estas são imagens de espíritos que habitavam o mundo humano em tempos antigos, a posição vertical das figuras provavelmente se relacionam com a sua hierarquia", disse P. M. Zolin, autor do livro "História e Ideologia do Povo Russo", ao citar o trabalho científico feito por Savchenko e Zhilin.

"As imagens planas na frente e na parte de trás do Ídolo de Shigir possivelmente indicariam que eles pertenciam a mundos diferentes, e os ornamentos podem ser sinais especiais que marcam algo bem significativo", completou.

Enquanto Isso o Governo da Rússia...

Os resultados da análise alemã são impressionantes em termos científicos, mas as condições sob as quais tudo isso vem sendo analisado, têm causado uma certa controvérsia política na Rússia. Um processo criminal foi aberto em julho deste ano, pelo Escritório da Procuradoria do Comitê de Investigação da Rússia, por estarem "danificando a mais antiga estátua de madeira do mundo" em meio a alegações que as amostras utilizadas para os testes foram "obtidas ilegalmente".

Em outubro de 2014, a polícia da região de Sverdlovsk chegou a receber uma queixa do vice-ministro da Cultura da Federação Russa, chamado Grigory Pirumova, que por sua vez acusou o Museu Regional de História de Sverdlovsk e a pesquisa que estava sendo realizada, de violarem a integridade do patrimônio cultural russo, e por não terem a permissão do Ministério da Cultura.

Curiosamente ontem, o jornal Siberian Times dizia que uma fonte do Ministério da Cultura da Rússia havia declarado que a Natalia Vetrova, diretora-geral do Museu Regional de História de Sverdlovsk, também não tinha sido informada sobre os métodos que tinham sido empregados para obter tais amostras. A coletiva de imprensa de hoje, no entanto, aparentemente contradiz essa declaração.

Tradução/Adaptação: Marco Faustino

Fontes:
http://siberiantimes.com/other/others/news/n0376-shigir-idol-is-oldest-wooden-sculpture-monument-in-the-world-say-scientists/
http://siberiantimes.com/science/casestudy/features/n0379-revelations-on-shigir-idol-change-our-understanding-of-ancient-civilisations/
http://siberiantimes.com/science/casestudy/features/is-this-the-worlds-oldest-secret-code/
http://www.ancient-code.com/shigir-idol-wooden-statue-twice-old-pyramids-egypt/
http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-3212829/World-s-oldest-wooden-statue-TWICE-old-pyramids-New-analysis-reveals-Shigir-Idol-ancient-thought.html
http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2802962/what-world-s-oldest-wooden-statue-trying-tell-etchings-haunting-seven-faced-shigir-idol-hold-message-modern-man.html
http://www.museumandpolitics.ru/en/pgs/places/ebg/museum.php
http://www.uole-museum.ru/
Comentários