9 de março de 2015

Minha História Assombrada: Meu Amado Gato

Este será meu primeiro relato aqui no Sobrenatural.Org. Frequento esse site há vários meses, e depois de ler alguns contos sobre animais, em especial gatos, me senti à vontade para compartilhar algo lindo que aconteceu comigo há vários anos.

Desde que me entendo por gente, sempre morei com meu pai, pois minha mãe não teve condições de me dar uma boa vida depois do divórcio, quando eu ainda tinha por volta de seis meses, mas sempre tive contato com ela, que me visitava quase todos os dias e até mesmo alugou uma pequena casa em um conjunto não muito longe daqui. Costumávamos ir até lá durante as sextas-feiras depois da escola e passávamos o fim de semana inteiro juntas. Ela sempre foi uma mãe muito divertida e compartilhávamos muitos gostos em comum, entre eles o amor por gatos.

Um dia, minha mãe apareceu com um filhote de gato siamês, de olhos azuis e com todas as características da raça, que havia comprado para que o pudêssemos criá-lo. Demos a ele o nome de Ikki, que era o mesmo nome de um gato persa negro que minha mãe teve antes do meu nascimento, a quem ela era muito apegada. Passou-se um pouco mais de um ano, nós o criamos muito bem, ele sabia alguns truques como deitar, rolar, e roubar a comida da mesa quando não estávamos olhando, e nós o amávamos demais.

Um casal de idosos se mudou para a casa ao lado junto com seu gato, um persa branco e muito ativo que tinha por volta da mesma idade de Ikki, e eles logo tornaram-se amigos, era lindo vê-los brincando. Mas Ikki era muito travesso, por muitas vezes invadiu a casa da vizinha da frente, e ela simplesmente odiava gatos, eu sempre ia buscá-lo, mas teve um dia que ela simplesmente se cansou disso.

Em uma manhã, depois do café, procurei por Ikki, mas não o encontrei. O persa branco, como de costume, estava aguardando do lado de fora da nossa casa, mas parecia diferente, ele estava muito mais agitado e assim que me viu, correu na direção da ladeira que levava até a rua. Rapidamente o segui, e lá vi que o pior havia acontecido... Ikki estava caído no chão, já morto.

Corri de volta para a casa da minha mãe e chorei demais, disse o que havia acontecido e ela suspeitou da vizinha, que confirmou ter dado veneno para ele pois estava cansada de ver o gato entrando por sua janela. Voltei para minha casa inconsolável, e na sexta, quase uma semana depois da morte de Ikki, hesitei em ir para a casa da minha mãe, mas senti que deveria, para ao menos consolar o persa branco dos vizinhos que não tinha com quem brincar.

Chegada a noite, eu e minha mãe brincamos um pouco para então nos deitarmos, e como de costume ela me contava histórias, daquelas de atrair a atenção de qualquer criança. Mas horas depois, acordei com sede, me levantei com cuidado para não acordar minha mãe e saí do quarto, liguei a luz da sala, e o que vi me surpreendeu: Ikki estava ali, andando na direção da cozinha, eu sabia muito bem que era ele, tinha o mesmo olhar brincalhão, e quando me viu, parou de andar, balançou levemente a cauda e deu um longo e doce miado, antes de entrar na cozinha. Tentei seguí-lo, mas não havia ninguém na cozinha, e mesmo depois de uma busca rápida, não o encontrei. Levei um copo de água de volta para o quarto, bebi e me ajoelhei ao lado da cama, começando a orar para que o Ikki estivesse bem, e como toda criança, cheguei a pedir um gatinho novo que se pareça com ele, mesmo que não o substitua completamente. Minha mãe acordou e perguntou o que aconteceu, quando expliquei, ela sorriu e disse que ele voltou apenas para me dizer adeus, mostrar que não havia me esquecido.

Uma semana depois, quando retornei para a casa de minha mãe, soube que o gato persa dos vizinhos havia morrido na porta da nossa casa, provavelmente esperando por seu melhor amigo. Me entristeci, mas ao mesmo tempo pensei que ele estaria melhor agora, junto de Ikki.

Hoje eu tenho 15 anos, minha mãe vendeu a pequena casa onde morava antes, casou-se novamente e me deu um irmãozinho que atualmente tem apenas um mês de idade. Dois dias após do nascimento de meu irmão, um filhote de siamês apareceu na frente do portão da casa deles, machucado e miando bastante. Minha mãe, mesmo já tendo uma gata sem raça, adulta e um pouco rabugenta, acolheu o gato a quem deu o nome de Julius. Me surpreendi que, com o passar do tempo, Julius apresentou a mesma personalidade de Ikki, tendo até mesmo o hábito de roubar comida, o que deixa minha mãe muito furiosa, mas ainda assim, é muito carinhoso, e sempre que eu visito minha mãe, ele é o primeiro a correr na minha direção, miar e me observar com seus lindos olhos azuis.

História assombrada enviada por Lili

Inscreva-se no canal clicando no botão abaixo:
.
Gostou? Então inscreva-se no canal para acompanhar os novos vídeos que for lançando. Eles são lançados primeiro lá, depois que vem pra cá :) Basta clicar neste link: http://goo.gl/CWAIes

* Minha História Assombrada trás para você relatos assustadores vividos por usuário do site AssombradO.com.br e Sobrenatural.Org - Veja com estes relatos que o mundo sobrenatural está a nossa volta e pode acontecer algo estranho com qualquer um! Tem algum caso e deseja que ele seja publicado? Clique aqui. Toda quarta-feira as histórias aprovadas são publicadas!
Comentários