30 de março de 2015

Irlandesa Assassinada há 183 anos em Duffy's Cut vai ser Reenterrada na Irlanda


Os restos mortais de Catherine Burns, uma irlandesa assassinada há 183 anos no local de trabalho de Duffy's Cut na Pensilvânia, EUA, em breve será devolvida a sua terra natal no condado de Tyrone na Irlanda do Norte.

Duffy's Cut é o canteiro de obras da infame ferrovia onde cerca de 60 trabalhadores irlandeses foram mortos em 1832. Alguns sucumbiram a uma epidemia de cólera, mas acredita-se que muitos deles tenham sido sido massacrados em uma violenta tentativa de deter a propagação da doença.

Os organizadores da escavação do sítio de Duffy’s Cut
arrecadam fundos para enviar os restos de Catherine
Burns, de volta à sua terra natal na Irlanda do Norte.
O local e sua história foram trazidos à luz nos últimos 12 anos pelos irmãos William e Frank Watson, um um pastor luterano e um historiador da Immaculata University.

Os irmãos Watson, juntamente com o seu colega Earl Schandelmeier, fundaram em 2002, o projeto Duffy's Cut. Desde então a equipe trabalhou para escavar o local, identificar os restos, determinar as causas da morte, e assegurar o financiamento para que o projeto continue em andamento.

O trabalho de repatriação começou em 2013, quando o corpo do trabalhador de 18 anos de idade, John Ruddy foi identificado e devolvido à Ardara, condado de Donegal para um enterro apropriado. Catherine Burns, vai ser a segunda vítima de Duffy's Cut a ser enviada para casa na Irlanda.

Enterro de John Ruddy em Ardara,
Condado de Donegal. 
A triste jornada dos trabalhadores irlandeses assassinados começou com o navio britânico John Stamp, que partiu de Derry com destino a Filadélfia.

A maioria dos passageiros eram de Donegal, Derry e Tyrone, na Irlanda. Depois de dois meses no mar, chegaram na Filadélfia em 23 de junho de 1832. Lá, eles se reuniram com o empreiteiro irlandês Philip Duffy, que lhes ofereceu empregos.

Eles haviam sido contratados pelas empresas de ferrovias Philadelphia e Columbia para construir uma seção na faixa chamada Mile 59, que mais tarde se tornou conhecida como Duffy's Cut. Dentro de seis semanas, aquele 57 trabalhadores foram mortos. Entre eles estavam Catherine Burns, uma viúva de 29 anos de idade, e seu pai de 70 anos, John Burns.

Burns, foi facilmente identificada porque ela era uma espécie de anomalia entre os trabalhadores na sua maioria do sexo masculino. O Dr. Frank Watson disse que "Nós encontramos dois pequenos ossos que haviam sido cobertos de oxidação e no outono do ano passado, levamos a um dentista em Lancaster. Fomos capazes de verificar que eles eram os restos mortais de uma mulher de 30 anos de idade e usando protocolos genealógicos, fomos capazes de rastreá-los até Catherine Burns."

Restos descobertos em Duffy's Cut.
A causa de sua morte foi determinada como trauma contundente e ela foi uma das primeiras sete pessoas a morrer no local, disse o Dr. Frank Watson. A comunidade irlandesa da Philadelphia e os organizadores do o projeto Duffy's Cut, têm realizado festas beneficentes para obter dinheiro para o translado dos restos de Burns.

"Já demos lar a John Ruddy na República e seria adorável se Catherine pudesse ir para casa também," disse Watson. "E se nós pudermos encontrar John Burns, teríamos a intenção de repatriá-lo também. Tem sido um caso incomum para nós e nós sentimos que seria justiça histórica que Catherine seja levada de volta à Irlanda."

Tradução/Adaptação: rusmea.com & Mateus Fornazari

Fonte Fonte

Comentários