26 de novembro de 2014

O Avião não caiu...

Desde as 7h desta quarta-feira (26), o vidente Jucelino Nóbrega da Luz circula pelas imediações da Avenida Paulista, na região central de São Paulo, próximo ao local onde acreditava que poderia cair um avião da companhia TAM.

A aeronave, que saiu do Aeroporto de Congonhas com destino a Brasília, bateria em um prédio comercial na Alameda Campinas. Nóbrega explicou que essa previsão apareceu para ele durante um sonho premonitório em julho de 2005

O autointitulado premonitor afirmou que registrou no 8º Cartório de Títulos e Documentos de São Paulo, em 24 de outubro de 2014, um documento em que alertava sobre a possibilidade de o voo TAM JJ 3720 Congonhas-Brasília apresentar problemas em uma das turbinas e chocar-se contra um prédio da Avenida Paulista às 9h do dia 26 de novembro de 2014. No dia 20,  a companhia alterou o número do voo.

Nobrega alega que está no local para “ajudar” as pessoas, uma vez que o acidente já não ocorreu. “Meu sentimento é de mais tranquilidade. São coisas que envolvem tanto a empresa quanto as pessoas. Meu interesse não é prejudicar a empresa, muito menos as pessoas. Meu propósito é salvar vidas.”

O vidente diz que não alterou sua versão dos fatos, mas já sabia que o avião chegaria a Brasilia sem maiores problemas. “Não mudei minha previsão, aliás, não foi um previsão, foi um sonho. Não tem como mudar.” Segundo ele, a TAM fez alterações que evitaram a tragédia.

“A empresa tirou o voo, mudaram a aeronave. Eu sou categórico em afirmar: me ligaram, mudaram o número e a aeronave. É lógico que o avião não vai cair. “Eu acredito que Deus salvou vidas. Graças a Deus [o sonho] foi um instrumento para que evitasse uma calamidade.”

O vice-presidente de Operações e Manutenção da TAM, Ruy Amparo, embarcou na manhã desta quarta-feira (26) no voo citado na premonição. "Tudo relativo ao voo está na minha responsabilidade. Por isso que estou indo junto. Acho que é uma demonstração de confiança", disse ainda no Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo.

Por conta da divulgação do caso, a companhia deixou de usar, na escala válida para 26 de novembro, o número JJ 3720 para o voo. Na data e horário, o mesmo voo tem o número JJ 4732. "Mudamos o número para não atrair muito sensacionalismo, não criar uma marca. Você vê que a gente não está escondendo. Mas a gente mudou para não ficar atraindo muita atenção porque infelizmente, nessa hora, a gente respeita quem tem superstição", disse Amparo.

Nobrega acredita que o Amparo só embarcou na aeronave após a “conscientização da empresa”. “Se o diretor foi na aeronave é porque ele tem a certeza absoluta que não é a mesma aeronave. Qualquer pessoa de bom senso entenderia isso.”

Antes de embarcar, o diretor não esclareceu se a aeronave prevista inicialmente para o voo foi trocada. "Ele já era um [Airbus] 319. Nós temos 27 desses na frota e com dois dias de antecedência você não sabe nem qual prefixo é porque a malha é muito dinâmica. Ontem [terça] nós tivemos chuvarada no Brasil inteiro, então o avião que foi alocado dois dias atrás foi mudando. O piloto é o mesmo porque a escala é mantida. Às vezes muda por causa da chuva, mas não é o caso."

O vidente garante que a aeronave foi substituída e contesta a declaração do diretor da companhia. “É a opinião dele, contradiz o meu entendimento. Eu respeito a dele. Eu tinha até o nome do piloto, o número da aeronave e o prefixo.” Nobrega afirma que não teme críticas ao seu oficio. Acredita ter sido um instrumento da vontade “divina”. “Se eu fiz errado ou certo, quem julga é Deus. Quero que as pessoas se tranquilizem.”

Descobri isso enquanto assombrava o G1
Comentários