18 de setembro de 2014

Cientista envia mensagem telepática a mais de oito mil quilômetros de distância

Quem disse que telepatia não era possível? Esse poder sobrenatural que algumas pessoas possuem agora está ficando mais próximo de uma pessoa normal, pois um cientista conseguiu enviar uma mensagem telepática da Índia para a França!

Segue notícia publicada na página do History:

O avanço da tecnologia permitiu que um cientista indiano enviasse uma mensagem pela internet a outro colega de trabalho, na França, utilizando somente o poder da mente. 

O trabalho conjunto de uma equipe internacional de cientistas conseguiu fazer o envio dessa mensagem, através da internet, a mais de oito mil quilômetros de distância, usando ondas cerebrais. 

Para isso, os especialistas utilizaram fones de ouvido de eletroencefalografia (EEG), o que permitiu registrar a atividade elétrica neuronal do cérebro emissor e transformar as palavras “olá” e “adeus” aos impulsos equivalentes do código binário.

Baseando-se na natureza particular da atividade cerebral com palavras específicas, os cientistas conseguiram conectar, várias vezes, diferentes interfaces ao cérebro através do EEG. 

O primeiro voluntário, de Trivandrum, capital do estado indiano de Kerala, escolheu uma palavra e enviou o pensamento em forma de mensagem a outro voluntário, localizado em Estrasburgo, na França. 

Enquanto isso, um programa traduziu as ondas cerebrais do emissor ao código binário e transmitiu o resultado, pela internet, até um dispositivo que estimulou eletricamente o cérebro do receptor, traduzindo, ao mesmo tempo, o código binário para ondas cerebrais. 

A mensagem final apareceu na extremidade de um dos olhos do receptor, em forma de um flash de luz. A intensidade de frequência com que foi visualizado permitiu ao sujeito decifrar a informação recebida.

Essa tecnologia é resultado de um desenvolvimento conjunto de um projeto entre a Universidade de Barcelona, a empresa francesa Axilum Robotic, a faculdade de medicina de Harvard e a empresa espanhola Starlab Barcelona.
Comentários