4 de junho de 2014

Crítica de Filme: O Iluminado (The Shining) – 1980

* Crítica escrita por Andrea Carvalho

Filmaço baseado na obra do grande Stephen King. O livro, de 1977, conta a história de uma família que foi contratada para cuidar de um hotel – o Overlook, que fica fechado durante o inverno. O pai da família, Jack Torrance, apesar de ser escritor aceita os serviços de zelador para usufruir do hotel e escrever com tranquilidade. E o papel da mãe Wendy é manter o lugar limpo e arrumado. O filho Daniel, Danny, se diverte passeando pelos corredores. Como tem muita neve eles ficam isolados do mundo. O pai acaba sentindo as influências de fantasmas do passado e pira o cabeção. O filho é o iluminado, ou seja, ele vê coisas que ninguém vê. Como o passado e os fantasmas. E a mãe faz de tudo para proteger o filho do pai. Em resumo, resumo, resumo, é isso.

Na direção do longa, nada menos que o genial Stanley Kubrik. Será que precisa de referência? Basta dizer que ele dirigiu "Laranja Mecânica", "2001: Uma Odisseia no Espaço" e "De Olhos Bem Fechados".

Já li e ouvi de tudo por ai a respeito do filme, entre algumas curiosidades a de que o Stephen King não teria gostado da versão do Kubrick, e muito menos da atuação do Jack Nicholson. Também ouvi falar que o diretor obrigou o elenco a assistir filmes como "O Bebê de Rosemary" e "O Exorcista" para dar o clima nas gravações. Outra ótima: no livro o quarto proibido é o 217, no filme é o 237 . Eles fizeram essa mudança porque o dono do hotel que serviu de locação para o Overlook Hotel ficou com medo de ninguém querer se hospedar no quarto 217. O 237 não existe. São tantas curiosidades sobre o filme que fica até difícil falar de todas.

São muitas teorias da conspiração em volta do filme. Mas de fato, o Kubrick colocou uns elementos que não estavam no livro, deu interpretações pessoais ao roteiro e alimentou a eterna briga livro x filme, que a gente sabe quem ganha no final.

Independentemente da comparação com o livro, o filme é bom sim.

No elenco, Jack Nicholson faz o insano Jack Torrance, o pai da família. Shelley Duvall faz uma interpretação sofrível da mãe do garoto Danny, vivido por Danny Lloyd.

O garotinho Danny tinha seis anos na época das filmagens e foi escolhido entre cinco mil candidatos. Ele nem sabia que estava fazendo um filme de terror, só foi saber ao ver a versão completa do filme quando tinha 17 anos. Em sua carreira no cinema, fez só mais outro filme e sumiu. Hoje é professor de biologia.

A mãe Shelley Duvall, na minha opinião, foi um equívoco. Interpretação nada convincente, eternamente enlouquecida, estranhíssima, burra e no limite do intolerável. Não gostei mesmo. Dizem que o diretor a fez repetir 127 vezes a cena da porta do banheiro até ficar a contento. Acredito. De qualquer forma é uma atriz premiada e fez outros personagens estranhos por ai.

Jack Nicholson é por si só insano, né? Justamente isso que o Stephen King não teria gostado. Tem muita gente que até hoje faz coro a suas criticas. Eu sou fã e adorei. Nicholson fez várias cenas de improviso que deram o toque especial, como a frase "Heeeere´s Johnny" , durante a cena da perseguição.

As cenas de "O Iluminado" são tão marcantes que são quase impossíveis de esquecer. Mesmo quem ainda não assistiu ao filme já deve ter visto muitas por ai: como a cena das meninas no corredor; o sangue que sai da porta do elevador; Jack Nicholson quebrando a porta do banheiro para caçar o filho e a esposa; o menino Danny falando Redrum. São realmente cenas notáveis. Muitas se repetiram em outros filmes, serviram inspiração, referência e foram parar até nos "Simpsons".

Cena do elevador e o rio de sangue
Cena das garotinhas no corredor
Cena de Jack Nicholson quebrando a porta do banheiro para caçar o filho e a esposa
Menino Danny e o Redrum (Murder = assassinato em inglês)
A trilha sonora ajuda e muito nos momentos de suspense.

Retomando o assunto das curiosidades, lembrei de mais: O filme "Blade Runner" tem cenas externas, da neve, que foram feitas para o "O Iluminado", mas não foram aproveitadas por Kubrick.

Você já viu o clipe da música "The Kill"? Da banda 30 Seconds To Mars? O clip é baseado no filme. E mostra bem a sequencia deles chegando num hotel igual ao Overlook, o quarto proibido, o corredor do medo... A música "Spit It Out", da banda Slipknot também tem influência do filme, só que aqui eles refizeram as cenas mais importantes do filme dando um toque mais pessoal.

Em 1997, filmaram uma minissérie baseada no livro e no filme. Pra ser honesta, eu vi os capítulos da série todos juntos, como se fosse um filme, e a única cena tão boa quanto ao do Kubrick foi a cena do sangue no elevador, o resto, mais do mesmo e desnecessário. (Tem 5 horas livres? Clique aqui para assistir)

Por que dar nota excelente ao filme? Porque o filme tem tudo. É recheado de sustos, suspense e medo. Mistura um pouco de fantasmas, alucinações, predestinação e uma enlouquecida fuga e perseguição. Tem de tudo pra todos.


.
CLIQUE AQUI para ler "10 Filmes sobre Casas Mal-Assombradas"
Comentários