3 de abril de 2014

Yellowstone: O supervulcão que pode destruir os EUA e mudar o mundo!

Debaixo do solo do Parque Nacional de Yellowstone nos EUA, está o maior supervulcão do mundo, que se entrar em erupção, arrasaria o país e afetaria todo o mundo que conhecemos, trazendo uma mini era do gelo e um consequente período de fome global. A raça humana estaria na corda bamba. É questão de tempo até a erupção ocorrer...

Quando fazia faculdade tive aulas de geologia e virei perito no assunto. Brincadeira... Na verdade, eu descobri o que era um supervulcão porque sempre fui fanático por documentários. Gravei durante 5 anos mais de 3 mil! E tenho tudo aqui guardadinho. É claro que fiz um site e cataloguei quase todos eles, e você pode visitar agora: Documentarios.Org. Então, um desses documentário era um episódio da série Mistério da Ciência exibido no NGC chamado Erupções Vulcânicas. Este documentário ficou na minha cabeça porque mostrava o que aconteceria com os Estados Unidos e depois com o mundo inteiro se o supervulcão de Yellowstone entrasse em erupção. É tenso o negócio. Agora com a notícia de que ele é 2,5 vezes maior, com um diâmetro de 90 quilômetros e cerca de 600 quilômetros cúbicos de rocha fundida pronta para sair à superfície. o que ruim acabou de ficar pior, pois a destruição também será bem maior.

O que é um supervulcão?

Mas Mateus, o que é um supervulcão? Um supervulcão refere-se a um vulcão que produz os maiores e mais volumosos tipos de erupções na Terra; são vulcões com potencial de gerar catástrofes globais e extinção em massa.

Uma única explosão de um supervulcão é 1 milhão de vezes maior do que Hiroshima, ejetam bilhões de fragmentos de rochas e cinzas e suas cinzas poderiam cobrir dois terços dos EUA. Mais de 20 erupções de supervulcões aconteceram ao longo do tempo, e mais da metade ocorreu na América do Norte. E é justamente na América do Norte que está localizado o maior supervulcão do mundo, logo abaixo do Parque Nacional de Yellowstone, famoso por seus gêiseres e fontes de água quente.

A última erupção de um supervulcão ocorreu 74 mil anos atrás e foi tão grande que quase eliminou a civilização: foi a erupção do lago Toba, no Indonésia.

A parte nordeste da Caldeira de Yellowstone, com o Rio Yellowstone que flui através do Vale Hayden e da caldeira.
Quando o supervulcão de Yellowstone vai entrar em erupção?

Lagos de água quente são provas da magma quente
 que está abaixo da superfície em Yellowstone
(Foto: AFP/BBC)
Então assombrados... na verdade ele está para entrar, segundo alguns cientistas. Para eles, o supervulcão entra em erupção a aproximadamente cada 700 mil anos. Eles chegaram a este número através das informações sobre três erupções passadas, ocorridas há 2,1 milhões, 1,3 milhão e 640 mil anos.

Agora você pensa: já faz 640 mil anos desde a última erupção. Como ele entra em erupção a cada 700 mil anos, faltam 60 mil anos para uma erupção ocorrer, nem vou me preocupar. Tá longe. Que nada, estes números são apenas estimativas, não números exatos. Elas variam de 100 mil anos para menos até 100 mil anos para mais. Então na verdade pode acontecer hoje a tarde ou daqui a 10 mil anos.

Entre 1923 e 1977 o centro da caldeira se elevou mais de 60 centímetros. Nos últimos 10 anos, novas pesquisas revelaram que o solo estava afundando entre 1995 e 2000. A caldeira está ativa. É um bomba relógio. Se entrar em erupção, será a maior explosão na história da humanidade, só isso...

O monitoramento para prever quando vai acontecer é intenso. Existem mais de 10 sismógrafos instalados dentro do parque e uma grande equipe monitora os resultados na Universidade de Utah. Se você quer ver as análises e o ritmo dos tremores no local, basta acessar esta página da Universidade de Utah.

Para acalmar, as análises mostram que não existe razão para se preocupar no momento.


Búfalos e bisões gravados fugindo do Parque de Yellowstone gravados em abril de 2014. Prelúdio de erupção?

O que aconteceria com os EUA?

O cartaz indica a entrada do
Parque Nacional de Yellowstone
Como o supervulcão está localizado nos EUA, ele seria o pais mais afetado. Vamos determinar o que aconteceria em intervalos de tempo.

1 hora após a erupção: Dentro de um radio de 100 quilômetros, 90 % das pessoas estariam mortas. A maioria morta pelo calor do fluxo piroclástico. Além disso, uma nuvem gigantesca de cinzas e detritos estaria por todo o estado de Wyoming. Estas cinzas são mortais para os humanos e eles precisariam de proteção para não respirá-las.

3 dias após a erupção: A nuvem de cinzas estaria cobrindo uma área de 800 quilômetros a favor do vento, chegando até Salt Lake City e Denver. A chuva de cinza, que é 6 vezes mais pesada que neve molhada, faria desabar várias estruturas e manteria aviões no chão no oeste dos EUA. O chão seria coberto por 90 cm de cinzas e seria impossível se mover, já que não veriam as estradas. Se for no inverno que isto acontecer, fica pior, pois a energia vai ser afetada com o peso da cinza molhada nos fios. Além disso, a chuva levaria as cinzas para os rios, criando gigantescos fluxos de lama que destruiriam tudo no seu caminho. Muitas pessoas ficariam sem água potável e ocorreriam centenas de focos de incêndio na área. O gado pode morrer por falta de vegetação e água. Até 10% da população ou 500 mil pessoas morreriam.

1 semana depois: O supervulcão poderia ainda estar expelindo cinzas pelo ar. A nuvem de cinza já se espalhou por 1600 quilômetros e atingiriam lugares como Santa Fé e Kansas City. Os humanos precisam se preocupar em não respirar a cinza dentro deste raio de 1600 quilômetros. O centro dos Estados Unidos estaria enterrado em uma espessa camada de cinzas. Dois terços do país estão profundamente afetados.

Seria muito difícil para os EUA voltarem a serem como eram. O país ficaria mutilado, destruído.

Mais de dois terços dos EUA seria afetados pela erupção.
O que aconteceria com o mundo?

Não só os EUA sofreria, mas o mundo todo. Isso porque por mais que as cinzas sejam perigosas, os gases que permanecem no ar são mais. Esses gases vão até a estratosfera terrestre e formam moléculas perigosas, que são levadas pelo vento, formando um véu por toda a Terra. Este véu reduziria os raios solares que atingem o solo, resfriando o planeta e criando uma mini-era do gelo. Isso afetaria a vegetação e a colheira, fazendo milhões de pessoas morrerem de fome.

.
Existem outros supervulcões?

Sim. Além de YellowStone, segundo a Wikipedia existem 26 supervulcões no mundo. Os 7 maiores são:
- Yellowstone, Long Valley, e Valley Grande no Estados Unidos ;
- Lago Toba em Sumatra, no Norte da Ilha da Indonésia ,
- O vulcão Taupo localizado na Ilha Norte da Nova Zelândia;
- O Caldera Aira dentro da área da Prefeitura de Kagoshima, na Ilha de Kyushu, no Japão e
- Os Siberian Trap, na Rússia.

Imagem de satélite do Lago Toba, Indonésia.
.
Fontes (Acessadas em 03/04/2014):
- Documentário Supervulcões série Mistérios da Ciência
- G1: Supervulcão de Yellowstone é 2,5 vezes maior que se pensava, diz estudo
- Thoth3126: Yellowstone, supervulcão pode destruir os EUA.
- O Globo: Risco de erupção em supervulcão nos Estados Unidos é maior do que se pensava, alertam cientistas
- Wikipedia.pt: Supervulcão
- Wikipedia.pt: Lago Toba
- Wikipedia.pt: Caldeira de Yellowstone
- Brasil247: YELLOWSTONE: UM MONSTRO SUBTERRÂNEO À ESPREITA
Comentários