10 de março de 2014

Lenda do Carro de Som Fantasma (Interior Pernambuco)

Créditos
Apresento a vocês um macabro costume de pequenas cidades de Pernambuco. Quando morre alguém muito conhecido na cidade (um comerciante, um militar, etc), a família contrata um carro de som para anunciar por toda a cidade a morte da pessoa, informando nome, apelido, ocupação e horário do enterro. Essas mensagens sempre terminam com a mesma frase: "A família enlutada agradece a todos que comparecerem a este ato de fé e caridade cristã".

Um amigo de meu pai, seu Tobias, contou-lhe que certa vez, quando morava em Vitória de Santo Antão, interior de Pernambuco, era constantemente incomodado por esses carros de som que insistiam em passar em frente de sua casa a todo volume, acordando o bebê e assustando todos os animais da casa. Sem saber o que estava fazendo, seu Tobias sempre xingava e amaldiçoava os carros de som:

- Arreda diabo! Por que não vão fazer barulho no ouvido do morto!?

Certa vez seu Tobias estava circulando pela cidade quando escutou ao longe um carro de som anunciando outro enterro, e então ouviu um nome que chamou sua atenção para a mensagem. Prestou mais atenção e ouviu o seguinte:

- Faleceu hoje, o Sr. Tobias Oliveira, o "tuba dos cachorros". O velório se realizará na residência do falecido, de onde sairá o enterro para o cemitério municipal. A FAMÍLIA ENLUTADA AGRADECE A TODOS QUE VIEREM CANTAR NO OUVIDO DO MORTO!

Inicialmente o seu Tobias pensou tratar-se de uma brincadeira de seus amigos ou dos donos de carros de som, já que "cantar no ouvido do morto" é uma expressão usada na cidade quando morre alguém muito ruim, de quem ninguém vai sentir falta, mas após investigar todas as possibilidades, só recebeu negativas, e o misterioso carro não era conhecido na cidade.

Seu Tobias passou o dia inteiro perseguindo o carro fantasma, mas nunca conseguia alcançá-lo. As pessoas por onde ele passava davam sua descrição: preto, grande, velho, soltando muita fumaça negra, conduzido por um homem magro, de mãos finas com dedos longos e chapéu preto.

Quando seu Tobias se identificava, as pessoas faziam o sinal da cruz, se benziam e tratavam de se afastar.

Seu Tobias se esgotou completamente, voltou para casa, mas continuou a escutar, às vezes longe, às vezes bem perto, a funesta mensagem. Com o chegar da noite seu Tobias começou a se desesperar, chorou, pediu perdão a Deus e custou a dormir.

A partir deste dia seu Tobias parou de amaldiçoar os carros de som que anunciavam o falecimento das pessoas e pediu a sua mulher que caso morresse não contratasse o tal serviço.

Até hoje ninguém da cidade esclareceu o caso do carro de som fantasma.

Encontrei esta lenda lá meu outro site, o Sobrenatural.Org :)
Comentários