11 de março de 2014

Contos Assombrados: Eu não devia ter jogado o jogo do copo


Sabe aquele dia em que você não tem nada para fazer? Neste conto, para passar o tempo, resolveram fazer a brincadeira do copo pois achavam que tudo não passada de bobeira... 

A tarde estava chata, chuvosa, sem chance para um passeio, estávamos eu e uma colega de aula chamada Julia, sem nada para fazer, a programação da televisão estava um lixo.

Resolvemos nos distrair fazendo a brincadeira do copo, sem credibilidade, apenas para passar o tempo, nem sabia ao certo como se montava a mesa. Acabamos montando a esmo, com o alfabeto em círculo e o sim e o não.

Sentamos frente a frente na mesa da cozinha e iniciamos o ritual com uma oração e invocamos algum espírito para que se fizesse presente. Tão logo iniciamos o copo tremeu sobre a mesa, nos olhamos com um sorriso de canto de boca achando que teria sido o outro a mexer no copo, ninguém falou nada, ou seja, eu achei que tinha sido ela e ela achou que tinha sido eu.

Fizemos a primeira pergunta: Há alguém entre nós? O copo direcionou-se para o sim instantaneamente. Gelamos. Pedimos, ou melhor, suplicamos se poderíamos parar naquele instante, pois vimos que não deveríamos nem ter começado aquela brincadeira. O copo dirigiu-se até o centro do círculo e a gaveta que estava há uns dois metros de nós abriu sozinha.

Um arrepio subiu por nossas espinhas. Julia me olhou chorando, parecia não acreditar no que estava vendo e sabia que a partir daquele momento nossas vidas estavam sob o comando dele ou deles.

Havia louça na pia por lavar, uma xícara com água estourou e os cacos foram parar dentro dela, quando nos aproximamos para ver, os cacos pareciam em ebulição, quando nos afastávamos eles cessavam.

Corremos em direção à sala para telefonarmos para um amigo nosso que tinha o sonho de se tornar padre e pedimos que viesse imediatamente ter o seu primeiro testemunho do lado oculto da vida. Lógico que aguardamos sua chegada na varanda da casa, não ficaríamos lá dentro vulneráveis, de forma alguma.

Apenas escutávamos a cada instante objetos sendo arremessados contra a parede e longas batidas na porta, mesmo estando do lado de fora da casa, nos arrepiávamos de pavor. Aqueles cinco minutos até a chegada do Alberto demoraram uma eternidade.

Logo que Alberto chegou incrédulo, o levamos para dentro de casa, que a essa altura já estava toda bagunçada, cacos de vidro pelo chão, meus discos haviam sido arremessados e muitos se partiram com a violência que se chocavam contra as paredes.

Alberto iniciou uma prece logo ao pisar na sala e um silêncio se notou na casa. No encaminhamos para a cozinha e da sala podemos observar o copo intacto sobre a mesa. Ao entrar na cozinha, uma surpresa, o nome de Alberto com as letras lado a lado, ele sorriu e nos falou:

- Poxa, vocês armaram um circo legal, tua mãe vai ficar maluca quando chegar em casa e vir a bagunça que vocês fizeram para tentar me impressio...

A boca do fogão que ficava à direita de Alberto se acendeu, ele virou a cabeça instantaneamente e presenciou o fato, logo eu e Julia estávamos atrás dele à esquerda.

- Como vocês fizeram isso?

- Como ele fez isso – retruquei.

Alberto estremeceu, achara que tínhamos preparado o cenário para assusta-lo. Contamos a ele sobre o jogo do copo e antes de iniciar suas rezas ele nos deu um sermão pior que uma surra, mesmo com o sonho de ser padre ele se preparara para
os assuntos espirituais que a igreja convencional tanto debate.

Após minutos de silêncio e orações, descobriu ser um espírito “brincalhão”, que não tinha a intenção de nos machucar, mas teria feito tudo aquilo para nos assustar, pois o despertamos de um descanso com um jogo do copo.

Arrumamos toda a bagunça, Alberto foi “amigo” em nos ajudar a varrer e recolher os cacos espalhados pela casa.

Ficou conosco até a chegada de minha mãe, que havia comprado um lanche para nós e uma surpresinha para o fim da noite... Uma tábua ouija.

Apenas nos olhamos os três...

- Sem chance mãe!!!

FIM

Conto enviado por Lucas S. Machado. Envie o seu também!

CLIQUE AQUI para ler "Resultado da Ouija"
CLIQUE AQUI para ler "10 Relatos da Brincadeira do Copo"
Comentários