10 de dezembro de 2013

Contos Assombrados: Meus Sonhos



Enfim o sábado chegou, finalmente posso relaxar depois de uma semana tão difícil, eu só quero dormir até tarde, ficar jogado no sofá comendo porcarias e assistindo alguns filmes.

Aaaah... Não tem nada melhor do que isso... Só espero não ter aquele maldito pesadelo outra vez, MERDA!  Já vai para sete dias que não sei o que é dormir, se eu tiver o mesmo sonho outra vez,  vou enlouquecer!  Mas não vai acontecer de novo, eu sei disso!

Então resolvi  tomar um banho, antes coloquei uma musica bem alta mas logo tive que abaixar, essa é a parte chata de morar em apartamento, mas fazer o que. Saindo do banho, coloquei uma roupa qualquer para ir ao mercado. Chegando lá peguei refrigerantes, salgadinhos e doces e passando pelo caixa senti um desconforto, tive a sensação que todos estavam olhando para mim, comecei a rir logo que sai do mercado, devo estar ficando maluco ... mas... depois  daqueles sonhos HAHAHA. No caminho para casa passei em uma locadora, resolvi pegar só filmes de comédia, ahhh, esse sim era um final de semana perfeito!  Ainda na locadora, veio a mesma sensação de alguém me encarando, mas dessa vez era só um bebe, sorri para a criança, ignorei e fui embora.

Cheguei  em casa, coloquei o filme, roupas confortáveis e me joguei no sofá, a parte boa de assistir filmes de comédia, é que você esquece de tudo, depois de alguns filmes e porcarias, já estava cansado e decidi dormir. Quando olhei no relógio...  PORRA! Eram 4:02 da manhã. Nossa como a hora passou rápido, desliguei a TV e fui para meu quarto, amanhã eu arrumo a sala...

Abri a porta do meu quarto e fiquei paralisado. Meu corpo inteiro começou arrepiar, MEU DEUS, esta acontecendo de novo. Entrei em um quarto com paredes rosa, bonecas e palhaços pendurados na parede, mas dessa vez tinha algo a mais, um berço bem no meio do quarto.

Um berço branco, com algumas coisas escritas em preto, eu consegui ler, "i'll always be here for you" ( sempre estarei aqui por você ).

Meu medo era tanto que eu sentia meu corpo inteiro doendo com os arrepios, então um daqueles malditos brinquedos que ficam em cima do berço, começou a tocar uma canção de ninar.

Eu gritei: AAAAAAAAHH! O que era isso? Porque estão  acontecendo essas coisas comigo? Depois disso comecei a escutar uma risada, PORRA! Tinha uma criança dentro daquele berço macabro. Comecei andar em direção a ele, e quanto mais eu me aproximava, mais alta era a risada, nunca foi tão difícil dar dois ou três passos. Cheguei  perto do berço, estava com muito medo de olhar, mas eu precisava saber oque tinha ali.

Quando olhei a risada parou, tinha um pedaço de papel manchado de sangue, e nele estava escrito "stay here with me" (fique aqui comigo) quando terminei de ler, a risada voltou mais forte do que antes. Estava atrás de mim, eu precisava sair daquele quarto. Me virei rápido para correr, mas meu cérebro parou de funcionar quando vi aquela criança parada na porta.

Tinha um vestido preto e longo, ela segurava um ursinho de pelúcia, mas ele estava todo sujo de sangue, as unhas dela também. Ela era pálida, cabelos curtos. Olhos grandes e redondos, olhos muito grandes e sem pálpebras, e aquele sorriso macabro, dentes escuros e pontudos. A boca e os olhos dela eram muito grandes e para o resto do rosto. Tinha um olhar de prazer. Como se eu fosse um brinquedo, e não parava de rir, eu precisava passar por ela para sair do quarto, mas eu não conseguia nem me mexer, seria impossível.

Ela esticou os braços e começou andar em minha direção enquanto ria sem parar. eu não conseguia me mexer. Aquilo não era um sonho, eu estava indo para o quarto. O que esta acontecendo? Ela esta chegando perto, não tem mais o que fazer.

Acordei quando ela estava a 30 centímetros de mim. Fiquei aliviado, mas ao mesmo tempo eu não conseguia me mexer de tanto medo, meu corpo não parava de tremer, olhei para o relógio e ainda eram só 4:50 da manhã. Fiquei imóvel no sofá até a luz do sol clarear a sala, eu mal conseguia olhar para os lados de tanto medo.

Não conseguia tirar o rosto daquela menina da cabeça, sua boca e seus olhos eram tão grandes. Aquelas mãos cheias de sangue e também aquela risada... Eu estava muito cansado, mas não queria nem tentar dormir por medo desse sonho, eu precisava de ajuda.

Depois que vi a luz do sol, troquei de roupa e sai de casa para tentar ocupar minha cabeça. Andei bastante, passei na casa de uns amigos e fomos para o cinema, depois nos divertimos bastante, e acabei me esquecendo do pesadelo . Eu cheguei tao cansado em casa que só tomei um banho e apaguei.

Acordei super bem, me arrumei e fui para o trabalho. Aaah... estou tao feliz por não ter tido aquele sonho que nada vai tirar meu animo hoje. Cheguei ao escritório e achei muito estranho a princípio, estava todo mundo muito quieto, fui para minha mesa sorrindo e pensando: o chefe deve estar bravo.

Sentei em minha mesa e comecei meus relatórios, aquele silêncio já estava começando me deixar inquieto então decido perguntar para o colega da mesa ao lado o porquê do silencio e quando me virei, comecei a ouvir um barulho, mas não dava pra entender o que era então fui atrás desse barulho, no caminho perguntei a uma colega se ela também estava ouvindo...ela não respondeu... dei alguns passos e comecei reconhecer, isso não pode estar acontecendo, PORRA estou acordado! Era a mesma canção de ninar daquele quarto maldito.

Eu me virei e comecei correr para fora do escritório e a musica ia aumentando a cada passo, abri a porta de saída e vi tudo rosa mais uma vez, estou acordado! Isso não é real! Comecei ouvir aquela risada e estava ficando mais alta a cada segundo. O berço estava no meio do quarto, mas eu sabia que ela não estava lá, a risada vinha de fora do quarto, olhei dentro do berço e vi um gato morto deitado no colo do ursinho de pelúcia que aquela menina segurava. Fui correr para fora do quarto e a porta se fechou, nisso eu acordei.

Eu estava deitado na minha cama com a roupa do trabalho e com as mãos sujas de sangue, entrei em panico. Peguei meu carro e fui para casa dos meus pais, esqueci emprego, amigos, vida. Eu precisava de paz.

Meus pais moravam em uma fazenda, nada melhor pra relaxar e colocar a cabeça no lugar. Chegando lá, fui recebido com muito carinho, preparamos um churrasco, apenas eu e meus pais. Foi um dia perfeito, colocamos o papo em dia, fazia meses que não via meus velhos.

Na hora de dormir foi um problema, expliquei para minha mãe oque estava acontecendo, ela disse que ia ficar tudo bem porque era só stress do trabalho, mesmo assim eu fui para o quarto com medo. Tive uma ótima noite de sono, acordei com café na cama e tudo que tinha direito, e assim foram os próximos seis dias, tudo uma maravilha.

Domingo à tarde, preciso voltar pra cidade e dar uma boa desculpa para meu sumiço no trampo. Conversando com meus pais acabei me esquecendo da hora, eles insistiram muito pra eu posar lá, mas me despedi e peguei a estrada... Já era muito tarde e com medo de dormir fui direto para o trabalho. Acabei cochilando dentro do carro.

Acordei assustado com o sol no rosto, meio amarrotado fui logo dar uma explicação para meu chefe, contei que não estava bem e precisava de um tempo, ele me deu uma bronca, mas disse que entendia e me mandou ir atrás do tempo perdido, tive um dia cansativo e muito bom, conversei bastante e dei muitas risadas, só que não tirava aquela menina da cabeça, eu sabia que não teria mais aqueles sonhos de novo, eu estava muito bem, tinha tirado uns dias de folga e agora estava tudo bem... tudo bem...

Aleluia, hora de ir para casa descansar... Já estava com saudade da minha casa e do emprego. Entrei no prédio e fui para meu apartamento, procurando as chaves para abrir a porta, quando escutei o choro de uma criança, eu fiquei paralisado na hora, nisso minha vizinha me chamou, quem estava chorando era o filho dela... Ela me perguntou se eu não tinha visto o gatinho dele, já estava sumido há uma semana. Na hora fiquei tão aliviado, disse que estava viajando, mais ela me olhava de uma forma tão estranha... Entrei no meu apartamento, joguei minha bolsa cheia de roupas no sofá e fui tomar uma água, minha boca estava seca depois de um susto desses, mas eu estava sorrindo... Pensei em como estava sendo bobo com tudo aquilo. Coloquei a garrafa de água na mesa... Uma sensação estranha... Fui pegar a bolsa do sofá para arrumar a roupa, quando chego na sala, vejo um ursinho de pelúcia todo sujo de sangue em cima da minha bolsa e escuto uma risada baixinha vinda do meu quarto...

FIM

Conto gentilmente enviado por Danielle Quadros. Envie o seu também!
Comentários