20 de dezembro de 2013

10 Relatos de Possessão Demoníaca (Parte 01)



Ao longo dos 13 anos do meu outro site, o Sobrenatural.Org, recebi mais de 9.000 relatos enviados pelos leitores, contando seus mais diversos casos. Alguns desses relatos falam de possessão demoníaca, e selecionei 10 desses para vocês. 



10. O Exorcismo que deu errado
Enviado por Carlos
Fonte

O relato que eu vou contar não é um relato que aconteceu comigo, mas sim com o meu tio-avô, já falecido, e envolvendo as misteriosas circunstâncias de sua morte.

Antes de eu ser nascido, e quando nem mesmo o meu pai havia nascido ainda, meu avô tinha um irmão, que foi "destinado" a ser padre desde que era pequeno, por causa de uma promessa (nesses tempos era muito comum as pessoas prometerem coisas como essas, as vezes até por problemas de fertilidade e coisa e tal).

Pois bem, meu tio-avô cresceu, e se tornou mesmo um padre. E não apenas um padre, mas também um exorcista. Além de realizar os trabalhos de exorcismo de pessoas, ele também fazia o exorcismo de casas e outros lugares, como casarões.

Pois bem, um dia, ele foi chamado para fazer um trabalho de exorcismo em uma casa. Como era costume, ele se trancava dentro da casa, e passava o dia nela, para fazer o exorcismo do lugar (embora o costume seja de que para o exorcismo de um lugar, haja mais de uma pessoa, ele jamais trazia outras pessoas para dentro da casa em si, para os rituais para ajudar, talvez por medo de prejudicar alguém caso algo desse errado, talvez por orgulho...)

Nessa casa, as pessoas diziam que ouviam vultos e gemidos, e ruídos de passos constantes. Realmente acreditava-se que ela estava assombrada. Porém o que aconteceu no outro dia, ao que meu tio-avo adentrou a casa, para exorcizar a mesmo, nunca foi explicado, nem mesmo pela polícia da época...

No dia seguinte, um rapaz, que vinha trazer comida e água ao meu tio-avô (esse era o único momento em que ele admitia, durante o tempo de exorcismo, que alguém adentra-se o lugar que estava sendo exorcizado), entrou na casa, e se deparou com algo inexplicado...

O corpo de meu tio-avô, morto na sala, agarrado à um crucifixo, e com o rosto contorcido, com um aspecto não-humano, parecendo que ele havia sofrido um colapso nervoso extremo. E o mais estranho... parecia que parte do seu sangue havia virado água...

Nem investigadores nem a polícia da época conseguiram explicar o caso. Alguns acreditam que ele tenha sofrido uma parada cardíaca causada por um susto, ou algo parecido... mas o que o teria assustado? E o sangue? O que teria feito com que o sangue se tornasse parcialmente água em tão pouco tempo?

Essa é um relato passada por dentro da minha família, e que praticamente todo mundo nela conhece. Não sei se é verdadeira ou não. Mas é uma dos muitos episódios estranhos que eu já ouvi da minha família. Fica a critério de cada um julgar ser verdadeira ou não, a mim apenas cabe relatar.

Bom, agradeço a atenção, e tenham um bom dia... ou uma boa noite.




09. Presenciando uma possessão espiritual
Enviado por Guilherme "Guith"
Fonte

O relato a seguir, aconteceu em uma sexta-feira, no dia 13 de Abril de 2012, e usufruindo da ética, irei alterar os nomes das pessoas aqui apresentadas.

Era noite, e alguns dos meus parentes, e eu, decidimos ir à pastelaria mais próxima, para ter algum momento de descontração, no caminho encontramos um morador de rua, ele nos olhou e gritou: "Temam por aqueles que já se foram, pois um dos que partiram, hoje atormentará aquele de pouca fé", todos nós rimos e continuamos à caminhar.

Então, chegamos, fizemos nossos pedidos e em pouco tempo o lazer se transformou em confusão e desentendimento, ninguém naquela noite havia tomado nenhuma bebida alcoólica, mas uma parente minha que chamaremos de Vítima, estava agindo de forma inquieta, olhando pra cima, e por um momento juro ter visto seus olhos brancos. Na hora da volta pagamos a conta, nos levantamos, e em alguns passos a Vítima, se pos a chorar. Eu estava na frente e pude ouvir os soluços de longe, estranhamos, perguntamos o motivo, mas ela não respondia.

Chegando na minha casa, a Vítima deitou na escadaria de cabeça pra baixo, e chorava muito, sentei à seu lado tentando puxá-la para baixo, para que ela entrasse na casa, mas ela me puxou pra cima e colocou sua boca bem perto da minha orelha e cochichou com uma voz diferente: "Essa noite será longa minha criança, seja forte", e enfim dois dos homens que eram meus parentes a puxaram carregada pra baixo, pela escadaria.

Colocaram-na em cima de minha cama, e ela sorria e chorava em intervalos curtos de tempo, eu já não reconhecia suas feições e sua face, senti um medo dentro de mim e comecei a chorar. Passaram-se 26 minutos e ela levantou e urinou no chão, rindo para nós, e se sentou em cima da própria urina.

Após isso, fui correndo chamar uma vizinha nossa, que era curandeira/benzedeira, que chamaremos de "A Salvadora". Ela veio com uma sacola de camurça, a abriu e colocou o conteúdo em cima da mesa da cozinha, pude ver algumas imagens de santos católicos, um crucifixo de madeira, alguns papéis, ervas e plantas, e água benta. Ela caminhou para o meu quarto e quando pôs o pé na porta, a Vítima começou a gritar para ela sair, a morder a própria língua e a se arranhar. A Salvadora pediu para que amarrássemos ela com cadarços na cama, e então saiu. Já na sala ela disse para meus parentes e para mim que a Vítima estava sofrendo uma possessão espiritual, e que precisavam chamar uma ambulância do SAMU. Não entendi o por quê, então ela me explicou que possessões assim são interrompidas quanto a pessoa que está sendo perturbada, aflita e possuída pelo espírito, dorme. Então ligamos e voltamos para o quarto.

A Salvadora olhou para a Vítima e passou nela as plantas e ervas, e falava baixinho algumas frases piscando os olhos rapidamente. Todos rezamos e o quarto se silenciou. A Salvadora perguntou: "Qual seu nome?", e ouvimos uma resposta violenta: "LUÍS, LUÍS", senti um arrepio e gritei para aquilo parar, e para aquele espírito ir embora, mas ouvi insultos e o espírito chamado Luís, disse: "Me respeite, ou será castigado!", e fui puxado pela Salvadora para fora do quarto, ela me fez perguntas, mas a única que ficou na minha cabeça foi a que ela me perguntou se o espírito havia me dito algo, então eu respondi que sim, no momento da escadaria a Vítima havia me dito para ser forte, pois a noite seria longa. A velha curandeira me disse então que naquele momento era algum anjo me avisando que nossa família estava guardada, e que aquilo foi um teste de fé para nós todos, e que Deus estaria todo tempo ao nosso lado. Aquilo me trouxe uma paz que me dominou e fiquei confiante de que aquilo ia acabar.

Passaram-se uma hora e a ambulância chegou, perguntaram o que estava acontecendo, e a Salvadora inventou alguma história, pedindo para a fazerem dormir com alguma droga, os médicos a colocaram dentro da ambulância e ela me olhou nos olhos pela janela do veículo, encarei aqueles olhos de volta, e vi que o espírito estava enraivado, fecharam a ambulância e levaram a Vítima.

No dia seguinte, todos da minha família que presenciaram o acontecido, combinaram não falar mais sobre aquilo, e fingir que foi apenas um sonho. Na manhã de sábado, trouxeram a Vítima para a casa de uma outra parente minha, e ainda estava dormindo. Quando acordou, cumprimentou todos normalmente, e a Salvadora explicou que ela não se lembraria de nada. Mas eu nunca esquecerei daqueles momentos.




08. Foi caso de Possessão?
Enviado por Rafis Riuuzaki
Fonte

Olá a todos. Esse é meu primeiro relato, e que na verdade não aconteceu comigo, mas com meu primo, e tenho como provar com 100% de veracidade os fatos ocorridos, e até testemunhar. Só não tenho como comprovar se foi caso de possessão espiritual ou demoníaca, ou qualquer outra coisa. Peço que cada um tire suas próprias conclusões e comentem. Pois bem, vamos ao relato:

Obs: Todos no relato terão nomes fictícios para preservar a integridade dos envolvidos

Meu nome é Humberto moro em Goiânia – GO. O relato se inicia quando Jorge, um primo meu por parte de mãe, de um total de cinco irmãos, resolve se mudar do interior do estado para morar com a gente por uns tempos aqui na capital goiana. Aqui depois de algumas semanas, ele arranja um bom emprego e uma namorada, e logo resolve se mudar para a casa da mulher.

Como as coisas iam bem para meu primo Jorge, ele resolve convidar seus irmãos para virem para Goiânia também tentar a sorte. Nisso mais dois de seus irmãos vieram, o Felipe e o Marcos. Como deu para perceber, sou de uma família humilde e não tínhamos como acomodar mais duas pessoas na nossa casa por muito tempo, por isso, logo no segundo dia os rapazes sabendo de nossa situação, resolvem alugar um kit net no mesmo setor que o nosso para morarem. Minha mãe prometeu a minha tia ir sempre ir lá ver os dois e ver como as coisas estavam.

O meu primo Felipe conseguiu emprego fácil em uma confecção de roupa, já o outro e mais velho, Marcos, como não conseguira emprego era sustentado aqui pelo seu irmão mais novo. De manhã, o Felipe saia para trabalhar e só voltava à tarde, nisso o mais velho ficava a tarde inteira em casa fazendo não se sabe o que, pois não conhecia ninguém no setor, além de minha família e seu outro irmão que morava com a namorada. O meu primo Felipe começou a perceber um comportamento estranho de seu irmão, que sempre foi o mais acirrado dos cinco irmãos, pois agora ele dormia o dia inteiro, não tomava mais banho nem trocava de roupa, e urinava na cama.

Meu primo mais novo logo entrou em contato com minha mãe, porque não sabia como deveria agir naquela situação. Felipe passou lá em casa durante uma manhã a caminho de seu serviço, e pediu para minha mãe ir dar uma olhada no rapaz que sempre teve muito vigor, e não gostava de ficar parado. Minha mãe chegando lá, ficou muito chocada com a situação que presenciou. Ele imundo, e sem mais nem menos meu primo começou a tipo zombar de mãe, com uma voz que não parecia a dele. Minha mãe, que é muito religiosa, percebeu na hora do que se tratava, mas não estava preparada para lidar com a situação com que se deparou. Disse para ele que precisava ir, depois de ter ficado menos de 3 minutos dentro da casa, e que voltaria mais tarde. Meu primo disse que ia com ela, e do jeito que ele estava, todo imundo e anormal, começou a segui-la. Minha mãe temendo a situação, andava depressa e meu primo atrás falando coisas do tipo:

“Este cavalo está sofrendo, sofrendo muito”, “Eu já mostrei para ele o seu futuro lar, lá é quente e ele chorou muito quando foi lá primeira vez”.

Minha mãe já estava muito nervosa nessa hora, quando meu primo sem motivo nenhum começa a xingar umas crianças que brincavam na rua. Ele as xingava dos piores palavrões e quase que bateu em um menino que  estava entre eles. Minha mãe conseguiu o conter e levá-lo para a porta de minha casa onde o mesmo começou a urinar no meio da rua, com várias pessoas passando pelo local. Ele ria, ria muito e bem alto, e sempre se referindo a ele mesmo na terceira pessoa.

Sendo católica, minha mãe sabia da burocracia da igreja para se chamar um padre para a situação, então vai até uma igreja evangélica e solicita a ajuda de um pastor, que chega e começa a orar, mas parecendo não ter controle nenhum diante da situação. Liga e chama mais pastores, enquanto os pastores chegavam meu primo começou a falar coisas a respeito do primeiro pastor que pareciam ser verdade, pois o pastor ficou muito irado, e já ia partindo para cima do meu primo no intuito de agredi-lo. Nisso Marcos só ria. Depois de uns 15 minutos, chegaram mais três pastores, dois homens e uma mulher, para tentar exorcizá-lo. Para a pastora que ali chegara, ele a xingava de tudo e ria quando ela começava a orar, ele virou para ela e disse que ela mesma sabia que não estava em condições de fazer aquilo pois estava em falta com Deus, aparentemente ela estava em pecado. Nessa hora, vieram os outros dois pastores, que com muita oração e sem tocar sequer uma mão dele, conseguiram deitá-lo no chão. Meu primo parecia que ia desmaiar, mas abria o olho de repente e ficava em pé novamente. Isso se deu por umas quatro vezes, a pastora ali presente disse para minha mãe que meu primo estava com uma legião de demônios, e quando os pastores conseguiam expulsar um, vinha um mais forte e tomava o controle de seu corpo. Isso se deu por mais ou menos uma meia hora, quando aconteceu a tragédia do relato.

Meu primo pareceu mais inquieto do que já estava, ele estava muito louco quando desceu correndo a rua, mais ou menos uns 30 metros e reparou que subia um pastor da Igreja Assembléia de Deus. Já idoso, não sei a idade, que nada sabia dos acontecimentos, ele estava distraído pela multidão na porta da minha casa, e não percebeu meu primo nas suas costas com um pedaço de viga de madeira de mais ou menos uns 25 quilos, que ele achara no entulho da construção de uma vizinha nossa de rua. Meu primo em um estado de fúria acertou um forte golpe na cabeça do pobre senhor e começou a rir desesperadamente que chegava a babar. Ele gritava: "Eu matei! Eu matei!", e cuspia no corpo do homem caído enquanto todos corriam para socorrer o pobre que já estava em seus últimos minutos. O homem conseguiu ainda ser atendido por uma ambulância do SUS, mas morreu a caminho do hospital.

Depois do acontecido, os pastores não quiseram mais chegar perto do meu primo. Ele se sentou no meio fio de uma praça que tinha a 50 metros da minha casa e ficou lá sentado, debaixo de uma árvore aparentemente falando sozinho, quando chega um conhecido desse senhor com uma faca na mão querendo fazer justiça, querendo se vingar e matar meu primo. Já estava escuro, era umas 7 horas da noite, minha mãe chorava muito, todos em estado de choque na minha família. Nós nunca presenciamos e tivemos envolvimento com crime algum, enquanto a polícia estava a caminho, o conhecido do senhor morto tentava acertar meu primo com a faca. Já disse estava escuro, a gente só via os vários reflexos da luz do poste na lamina da faca pensamos que meu primo sairia todo picotado, mas ele saiu sem nenhum arranhão e quando a policia chegou, ele mesmo se entregou e entrou no camburão. Marcos foi levado para o Delegacia de Homicídios de Goiânia, e só pode ser visitado no outro dia.

Na mesma noite tivemos que ser interrogados pelo delegado e fomos liberados. Já na manhã da sexta-feira, minha mãe e minha tia, que veio as pressas do interior, foram visitá-lo ele disse que não se lembra de absolutamente nada além de terríveis pesadelos que costumava ter com demônios que riam para ele.
Depois de preso, Marcos passou por uma série de exames tanto de sangue quanto psicológicos. Nos exames não foi constatada nenhuma substância ou entorpecente em seu organismo e nem problema mental algum. Meu primo Marcos foi condenado por assassinato doloso e ainda está preso. Os seus colegas de cela sempre comentam com minha tia os comportamentos estranhos dele, que de uma ora para outra ele parece ser outra pessoa e de como ele parece gostar de estar lá, e diz que ele vive vendo cruzes negras na cela.

Obs: Meu primo Marcos, anos antes do incidente, era batizado nas águas e em espírito pela igreja Assembléia de Deus no município onde morava, mas depois de se envolver com uma mulher, se afastou da Igreja e voltou a beber e fumar. Disseram-me que quando uma pessoa convertida se afasta da comunhão com Deus e volta para o mundo, o mal que estava sobre ele antes, volta sete vezes mais forte.

Agora conto com a ajuda de vocês, pois espero por ajuda. O que realmente acham que aconteceu com meu primo Marcos? Ataque de fúria? Stress? Possessão de seu corpo por espíritos ou demônios? Não sei, mas isso que eu quero descobrir. Desculpe o relato longo, mas tentei não faltar aos mínimos detalhes deste acontecimento que marcou minha vida em 2009.

Abraços e Fiquem com Deus.




07. Exorcismo no Hospital
Enviado por Julie Maria Ferreira da Silva
Fonte

Minha irmã trabalhava de médica na UTI de um hospital escola em Bragança Paulista, interior do Estado de São Paulo. Numa de suas noites de plantão, apareceu um rapaz de 27 anos em coma. Foi internado na UTI e foram feitos todos os exames rotineiros, mas como nada apresentou permaneceu em observação. A madrugada chegou, aumentando a desconfiança que o rapaz não tinha motivos explicáveis pela medicina para o seu estado de coma.

Tudo estava calmo até que ele sofreu uma parada respiratória, foi socorrido imediatamente, a enfermeira e minha irmã colocaram o respirador. Tudo normal a não ser pelo fato de que o aparelho não estava conectado na tomada de força, ou seja ele estava funcionando sozinho sem o fornecimento de energia !!! Passado o susto, atribuíram o fato a uma corrente elétrica que poderia ter ficado presa no aparelho. Ainda paradas próximas do paciente, o suporte do soro arrastou-se por um metro sozinho. Desta vez atribuíram o fato a algum tipo de trepidação do prédio.

O rapaz acordou, seu rosto desfigurou-se e com vários tons de voz gritava "eu vou matá-lo! Desta noite ele não passa", e em seguida o rapaz morreu. Intrigada minha irmã pediu ao legista todos os exames para detectar a causa da morte, nada foi apurado.

No dia seguinte encontrei com ela no cemitério onde me relatou que foi até lá para rezar pela alma de seu paciente pois acreditava que a causa da morte foi possessão demoníaca.




06. Possessão Demoníaca
Enviado por Davi Suéd Nunes
Fonte

Nós somos incrédulos por natureza, temos mania de duvidar do que não podemos ver ou sentir. O fato que vou relatar aqui aconteceu comigo em 2000...

Tudo começou com um pedido de uma vizinha solicitando que eu emprestasse meu carro para ela e seu filho irem buscar a sogra dele em uma fazenda na zona rural. Essa localidade é chamada de Nativo, pois as pessoas da localidade são descendentes de índios e escravos que habitavam a região antes da chegada do homem branco. História a parte, achei meio esquisito aquele pedido, ela sabia que eu não ia emprestar, mas mesmo assim me ofereci para fazer o transporte.

No caminho para a fazenda, ela ia me falando que não era para eu ficar assustado com o que ia ver, pois aquilo vinha acontecendo já há algum tempo com aquela senhora. Também disse que na propriedade muitas pessoas da família viam vultos, ouviam gritos, gemidos e pessoas conversando, como se estivessem fazendo algum tipo de culto. Eu, como sempre, fiquei rindo achando os dois malucos. Então, por volta da 19:00hs chegamos ao local...

A casa da fazenda ficava a 1 quilômetro da estrada, entramos na porteira e percorremos o caminho restante. Foi então que a coisa ficou feia... a aparência da casa não era nada bonita, era muito antiga e de aspecto horrível. De dentro da residência ouvia-se uma voz e uma gargalhada grotesca, como se houvesse algo monstruoso preso tentando fugir. A vizinha e seu filho entraram porta adentro, eu fiquei na porta do lado de fora esperando o desenrolar dos acontecimentos. No momento não sabia o que fazer...

Passaram-se uns 10 minutos, aí veio a surpresa: eles vinham tentando carregar uma senhora de idade, de uns 60 anos, tinha cerca de 1 metro e 20 centímetros de altura, magrinha, com aproximadamente uns 40 quilos. Mas estão pensando que era fácil mover esta senhora? Engano! Seus dois filhos, seu genro e a minha vizinha vinham fazendo o maior esforço, mas a mulher não se movia, a sua força era descomunal, sua voz era grossa e dizia: “Ela é minha e não vou deixar ela ir!” Sua gargalhada era de deboche, de desafio, devido a impotência de movê-la do lugar.

Depois de muita oração conseguiram colocar a mulher dentro do meu carro. Viagem longa... imagine você dirigindo à noite em uma estrada de terra, com uma pessoa possuída no banco de traz. O "demônio" ia dizendo com aquela voz horrível: "Vou matar todos vocês! Me deixa ir!!!". Meus cabelos da nuca chegavam a arrepiar.

Dirigi aproximadamente 50 km até a casa de sua filha na cidade. Na residência já havia um pastor esperando para tentar exorcizar e livrar a senhora daquele ser. Mas depois de muita tentativa o pastor desistiu, alegando que não tinha condições de fazer aquilo, mas ele tava era com medo, pois a voz do “Bicho” era aterradora e fazia muitas ameaças, tais como "vou acabar com sua família". A coisa era terrível! Então veio uma senhora que eu não conhecia, mas resolveu o problema. Passou a noite toda em oração, coisas voavam pra todo canto, nós segurávamos a mulher como podíamos, até que depois de muito custo ela desfaleceu, parecia dormir. De manhã ela não se lembrava de nada do que tinha acontecido.

Voltei para casa, cansado e pedindo a Deus que afastasse tudo aquilo de mim.

Para não ficar muito longo o post eu dividi em duas partes. 
Clique aqui para ver a parte 02!!!!


CLIQUE AQUI para ler "O Exorcista: As 13 Maldições e o Verdadeiro Caso do Filme"
CLIQUE AQUI para ler "5 Técnicas Diferentes de Exorcismos"
Comentários