19 de novembro de 2013

Kumari: As Deusas Vivas do Nepal

Kumari, ou Kumari Devi é o título concedido no Nepal às moças consideradas com aspectos vivos (Reencarnação) de Durga, conhecida localmente pelo nome de Taleju. Literalmente, Kumari significa virgem em nepalês. É venerada e idolatrada por alguns hinduístas do país e por budistas nepaleses, mas não por budistas tibetanos.

Tradicionalmente existem simultaneamente três Kumaris no Nepal, radicadas nas cidades de Patan, Bhaktapur e Katmandu.

Kumari Devi
Como são selecionadas as Kumari?
Uma Kumari é uma menina pré-púbere, selecionada no clã Shakya, portanto supostamente uma parente distante do Buda Shakyamuni, e pertencente à comunidade Nepalesa de Newari, cujo processo de seleção é especialmente rigoroso para as candidatas: Precisam ter todos os dentes, terem os cílios como os de uma vaca, ter o corpo parecido com a da "figueira sagrada", ou Ficus religiosa, uma espécie de árvore nativa do Nepal, além de pernas longas como as de uma cabra entre outras coisas.

Em anos recentes, a controvérsia sobre o papel de Kumari tem aumentado, e não é mais tão fácil para as autoridades nepalesas recrutar candidatas entre as famílias Shakya.

Para se torar uma Kumari, a criança precisa ter todos os dentes, terem os cílios como os de uma vaca, ter o corpo parecido com a da "figueira sagrada", ou Ficus religiosa, uma espécie de árvore nativa do Nepal, além de pernas longas como as de uma cabra, entre outras coisas.
 Quando deixam de ser Kumari?

O título de Kumari é temporário, quando menstrua pela primeira vez, ou perde sangue em um acidente ou adquire certas doenças , a Kumari precisa renunciar formalmente ao título mediante cerimônias próprias que abrem caminho para a escolha de sua sucessora.

A Kumari de Katmandu atual é Matani Shakya, escolhida em 2008, quando tinha três anos de idade. Assim como suas antecessoras, Matina Shakya é considerada a expressão viva de Taleju (Durga) até o momento de sua primeira menstruação, quando começa o processo de perder o título para que outra Kumari seja escolhida em seu lugar. As Kumaris de Katmandu vivem no templo conhecido como Kumari Ghar.
Kumaris não podem ser tocadas por ninguém e somente se alimentam por meio de comidas rituais.
Um caso insólito nos 700 anos de história das deusas Kumari

A ex-Kumari de Bhaktapur, Sajani Shakya de 9 anos na época, foi destituída de sua "divindade" pelo governo Nepalense, mais precisamente pelo Tribunal Supremo do Nepal, devido a uma viagem não-autorizada aos EUA em junho de 2007.

Sair sem permissão de seu templo de adoração é considerado no Nepal um ato sacrílego, pois as Kumaris não podem ser tocadas por ninguém e somente se alimentam por meio de comidas rituais.

Sua sucessora (desde o final de setembro de 2008) é Shreeya Bajracharya, na época com seis anos, escolhida com a aprovação do recente governo maoísta.

Sajani Shakya, na época em que era a Kumari de Bhaktapur
.
Tradução/Adaptação: rusmea.com & Mateus Fornazari

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Kumari
http://matome.naver.jp/

CLIQUE AQUI para ler "Os Violentos Kukukukus e suas Múmias"
CLIQUE AQUI para ler "Museu das Múmias de Guanajuato"
Comentários