29 de outubro de 2013

Gilles Garnier: O Lobisomem Queimado na Fogueira da Inquisição

Em Franche-Comté, no final do século XVI, existiu um homem chamado Gilles Garnier que foi condenado e morreu queimado na fogueira acusado de ser um lobisomem!

O Lobisomem de Dole, Gilles Garnier foi um eremita que vivia recluso fora da cidade de Dole na província Francesa de Franche-Comté. Ele havia se casado recentemente e havia se mudado junto com a sua esposa Apolline em uma casa isolada na floresta.

Naquele tempo, uma grande fome assolou aquela região e com dificuldade em obter alimentação além do que para si mesmo, Garnier achou difícil conseguir comida para a sua esposa causando descontentamento entre eles.

Durante o inverno daquele ano de 1573, várias crianças desapareceram e quatro foram encontradas mortas com os corpos devorados e mutilados, com idades entre 6 a 12 anos. A investigação na época concluiu que aquelas crianças, haviam sido atacadas por algo semelhante a um lobo.

As autoridades da província de Franche-Comté, emitiram um decreto permitindo e encorajando as pessoas a apreender e matar o responsável, que naquela altura dos acontecimentos, já era encarado como sendo um "loup-garou", um lobisomem.

Uma noite, um grupo de trabalhadores que estava em viagem, vindos de uma cidade vizinha, avistaram o que eles inicialmente pensaram ser um lobo sob a luz fraca da lua, mas em seguida reconheceram ser o eremita com o corpo de uma criança morta. Logo após, Gilles Garnier foi preso.


Reprodução do documento com
a ordem de prisão de Garnier 
De acordo com seu depoimento no julgamento, certa noite Garnier foi na floresta para tentar encontrar comida para si e para sua esposa, foi quando um fantasma lhe apareceu oferecendo aliviar seus problemas e lhe deu uma pomada que lhe permitiria mudar sua forma não só para a de um lobo, mas também podendo mudar para a forma de um leopardo ou leão, tornando mais fácil para ele caçar assim. No entanto, Garnier disse que optou por assumir a forma do lobo.

Ele foi descrito como totalmente consciente apesar de que pensava ser realmente um lobisomem e que tinha atacado na forma de besta.

Garnier confessou ter perseguido e assassinado pelo menos quatro crianças com idades entre 9 e 12 anos. Sua primeira vítima foi uma menina de 10 anos de idade, a quem ele arrastou para uma vinha fora da Dole em outubro de 1572.

Ele a estrangulou e a arrastou para dentro da floresta, onde ele tirou a sua roupa e comeu a carne de suas coxas e braços. Quando terminou, removeu um pouco de carne que levou para sua esposa em casa.
Semanas depois Garnier selvagemente atacou uma outra menina, mordendo e a arranhando, mas foi interrompido por agricultores e ele fugiu. A menina não resistindo aos ferimentos, morreu alguns dias depois.

Em novembro, Garnier matou um menino de 10 anos de idade, mais uma vez ele canibalizou o corpo da criança, comendo a carne dos seus braços, coxas e barriga, depois arrancou uma perna e guardou para mais tarde.

Finalmente, ele estrangulou e matou outro menino, mas foi interrompido pela segunda vez por um grupo de pessoas, abandonando a sua presa antes que ele pudesse comê-la.

Mais de cinquenta testemunhas depuseram que ele atacou e matou as crianças nos campos e vinhas, devorando sua carne crua.

Garnier foi considerado culpado de crimes de "licantropia" e bruxaria.

Garnier assassinado pelo menos quatro crianças com idades entre 9 e 12 anos.
Na França, a referida Lei para os lobisomens, condenava-os a serem queimados na fogueira, onde bruxas e hereges eram por vezes executados antes de serem queimados, mas os lobisomens deveriam agonizar vivos no fogo da inquisição. Gilles teve essa punição e morreu na fogueira como um lobisomem no dia 18 de janeiro de 1573.

Disponibilizo abaixo um episódios da série Verdade ou Pesadelo que conta a história de Gilles Garnier:

.
Tradução/Adaptação: rusmea.com & Mateus Fornazari

Fontes:
http://www.nicovideo.jp
http://en.wikipedia.org/
http://laporteouverte.me

CLIQUE AQUI para ler "Lobisomens: A Genética e a Origem do Mito"
CLIQUE AQUI para ver "Documentário Canibalismo: O Ritual Proibido"
Comentários