30 de maio de 2013

O Mistério da Hóstia Incorruptível de Siena

Milagre que já dura mais de 280 anos. Hóstias feitas de água e farinha não se decompõem. Onze equipes de cientistas já a estudaram e não conseguiram explicar o mistério, que desafia as leis orgânicas.

Por Mr. Tlaloc

Foi em 14 de agosto de 1730, por volta das 18:00h, quando todos festejavam a Assunção de Maria na Catedral, que ocorreu numa igreja mais afastada do centro da cidade, o roubo do de um cibório de prata contendo Hóstias Consagradas. Para os católicos a Hóstia Consagrada representam o corpo de Cristo, por isso tal ato comoveu toda a população local.

Depois de 3 dias, o ladrão que não foi identificado, devolveu as hóstias depositando-as em um cofre de esmolas numa igreja próxima. Assim que Elas foram encontradas, a notícia se espalhou e uma romaria de católicos lotaram a igreja de Santa Maria (pequena abadia situada na cidade vizinha). O Arcebispo e algumas autoridades eclesiásticas confirmaram serem aquelas as 351 hóstias roubadas da Basílica de São Francisco em Siena. Tratou-se então de celebrar uma missa como forma de retratação do sacrilégio e adoração ao Santíssimo.

O retorno das Hóstias Consagradas por si só não poderia ser considerado um milagre, afinal o verdadeiro mistério ainda não havia ocorrido. Após algumas das hóstias terem sido tomadas em comunhão pelo arcebispo e alguns fiéis, as demais ficaram em exposição permanente na igreja. Meses se passaram até que o acontecimento não mais se resumiu em apenas em roubo. Seguiram-se anos, décadas até que algo MISTERIOSO foi exaltado como "milagre": "Aquelas hóstias feitas com água e farinha não sofria corrupção nem ao menos foram atacadas por mofo."
Hóstias incorruptíveis
desde 1730

Em 1780 a igreja resolveu fazer um estudo científico para tentar obter uma resposta para o que estava acontecendo. Desde então foram onze intervenções científicas. Sendo a última ocorrida em 1952. Uma explicação plausível não foi encontrada, com tudo, especialistas como, o Dr. Siro Grimaldi da Universidade de Viena, foram unânime em concluir: As Hóstias se encontram em perfeita conservação desde 1730, e constitui um fenômeno que contradiz as leis naturais da conservação orgânicas. É um fato único que desafia a ciência.

As Hóstias Sagradas encontram-se ainda hoje em exposição na Basílica de São Francisco em Siena. Elas não estão em recipiente hermeticamente fechado, o que significa que entram em contado com o ar. Apenas um selo do Arcebispo lacra o ostensório para garantir que são as mesmas de 1730. Não é utilizado nenhum conservante para protegê-las e elas nunca foram atacadas por fungos ou outro agente nocivo a este tipo de substância.

Já se passaram mais de 280 anos e o mistério (Milagre para os católicos) da Hóstia incorruptível continua até hoje.

Basílica de São Francisco de Siena, onde se encontram expostas as Hóstias Sagradas
Abaixo, um vídeo que mostra este e outros milagres eucarísticos:

Comentários