12 de maio de 2013

Lendas Sinistras da 2ª Guerra Mundial

A Segunda Guerra Mundia, que durou de 1939 a 1945, foi o conflito mais sangrento e mortífero da história da humanidade. Não surpreende, portanto, que tenham surgido muitas lendas urbanas e fatos misteriosos relacionados a esse sombrio período. Aqui vão algumas...

O Relatório dos Mortos

Três pilotos dos aviões bombardeiros Douglas DB-7 Boston, após uma missão de bombardeio contra defesas alemãs, voltaram para a base com o terror impresso em suas faces. O oficial que os recebeu, mandou que eles fizessem logo seu relatório e depois os dispensou para que fossem tomar uma cerveja.
Minutos depois, o oficial recebeu a notícia de que os três pilotos haviam morrido em missão. Foi verificar e não os encontrou mais, porém os relatórios estavam lá, prontos... esse caso é muito interessante, pois deixou provas físicas da manifestação dessas três almas atormentadas, que mesmo depois de mortos redigiram o relatório que continha a forma como morreram em missão. O caso permanece um mistério até hoje.

A Almas do Pacífico Sul

Todas as batalhas da Segunda Guerra Mundial travadas no Pacífico Sul foram sangrentas e impiedosas. E talvez para alguns o pesadelo ainda não tenha terminado. No fim dos anos 50, um repórter da BBC de Londres noticiou que havia uma casa em Kuala Sengalor, na Malásia, outrora ocupada por oficiais japoneses, onde ainda se ouvia o ecoar de botas militares pesadas. Outras fontes informaram que pescadores da ilha filipina de Corregidor, ferozmente disputada, continuavam a ver batalhas espectrais durante anos após o término da Guerra.

É como  se esses soldados fantasmas estivessem perdidos num lapso temporal, repetindo eternamente o mesmo ato que ocorreu no momento de suas mortes.

Os Eternos Soldados do Canhão Anti Aéreo

Na primavera de 1944, o porto de Hollandia foi o palco de uma grande invasão aliada. A ilha, ocupada pelos japoneses, era um trampolim para as Filipinas e foi atacada pelas forças do General Douglas MacArthur. Pegos de surpresa e vencidos, os soldados japoneses fugiram para o leste e os aliados entraram na ilha. Os moradores disseram que alguns dos japoneses ficaram... pelo menos em espírito.
Em 1956, a Reuters noticiou que os moradores de Hollandia tinham pedido que fosse feito um exorcismo num canhão anti-aéreo abandonado na praia. Diariamente, à meia noite, segundo eles, alguns fantasmas de soldados japoneses esqueléticos com capacetes enferrujados apareciam para manejar o velho canhão, e ficavam de vigília à espera de um ataque aliado. E isso se repetia todas as noites!

Normandia Negra

Segundo relato de um oficial da marinha que não se identifica, no ano 2000 o navio em que trabalhava estava em Le Havre, na França.Então, por volta de 23:45 dessa noite, ele foi até a ponte trocar de turno com o companheiro. Essa troca de turno é conhecida como troca de túmulo, graveyard shift na marinha.
Havia previsão de ventos fortes para aquela noite, e devia-se esperar que o navio batesse em alguma carcaça da Segunda Guerra Mundial, já que existem muitas espalhadas naquele ponto. O mestre disse a ele que ficasse de vigia, pois falava um inglês fluente e seria a melhor pessoa para se comunicar com o porto e ouvir informações de lá, se fosse necessário.

Então começou o turno dele e a madrugada foi passando. Então ele afirma que cochilou, e começou a ter um sonho vívido, segundo descreveu, incomum, assim como era estranha sua lembrança nítida ao acordar. Em seu sonho ele viu um pelotão de cinco ou seis homens vestidos em uniformes americanos da Segunda Guerra, e jaquetas padrão de inverno.  Era uma tarde um pouco nebulosa, e estava tudo muito tranquilo. Não havia sinal de conflito em nenhum lugar. Era apenas uma estrada enlameada com árvores altas, em uma pacífica zona rural e este pequeno grupo de soldados marchando.

Eles estavam marchando de forma relaxada, tranquila. Um deles era um oficial, esse detalhe ficou claro por causa da faixa branca na parte frontal do capacete. Eram todos jovens, nenhum tinha mais de 25 anos. Todos estavam armados com exceção do oficial.

Os soldados tinham expressões graves e sombrias. Pareciam ter os olhos fixos em algo à frente, na estrada. Pareciam não ver a testemunha e estavam marchando em sua direção. O pelotão chegou cada vez mais perto e parou. Então o oficial disse: " Normandia Negra."

Então o cenário mudou, e ele viu algo que parecia ser uma base americana, e ele sabia que estava em algum lugar da França. Ele viu cerca de 150 soldados, divididos em três colunas, totalmente alertas. E eles gritavam: " Glória! Glória! Glória! "

Após esse estranho sonho, a testemunha pensou que nada se encaixava. Primeiro, ele não era um nativo de língua inglesa.Como ele poderia ter sonhado em inglês? Segundo, ele nunca se lembrava de seus sonhos. A testemunha está convencida de que teve uma visão fantasmagórica do passado, quando os americanos invadiram a Normandia.

O Holandês Voador

Existem várias versões para a origem desse famoso navio fantasma. A mais popular é baseada num registro datado de 1680, sobre um navio real que arpou de Amsterdã e foi atingido por uma tormenta no Cabo da Boa Esperança. O capitão blasfemou contra Deus e por isso foi condenado a vagar pelos mares até o dia do Juízo Final, atraindo outros navios para a destruição. Segundo as testemunhas que avistaram o Holandês Voador, os marujos e o capital têm corpo de homem e cabeças de peixe, o navio veleja contra o vento e possui uma velocidade fora do comum, não dando chance para que as outras embarcações escapem. Além disso, avistá-lo sempre é sinal de má sorte.

Durante a Segunda Guerra, o contra- almirante nazista Karl Donitz, comandante general  da Alcatéia de Submarinos, informou a Hitler que uma de suas tripulações havia se rebelado, e não iriam participar de uma batalha de corso em Suez, local alvo nazista, pois tinham avistado o tal navio fantasma amaldiçoado, o Holandês Voador, e isso era um mal sinal, pois em mar que o Holandês Voador navega, carrega consigo a destruição. O que foi acatado com muita naturalidade, tanto pelo Almirante Donitz como por Adolf Hitler, que se interessava por ocultismo, e dizem que depois disso ele mandou uma equipe para caçar o tal navio fantasma.

Parece que não deu muita sorte, mesmo...

CLIQUE AQUI para ler "10 Histórias de Navios Fantasmas (Parte 01)"
O Caronista Fantasma

Essa estranha história foi narrada por um mecânico de aviões americano, que trabalhava na Inglaterra.Vejam só:

"Certa noite, eu estava voltando do trabalho por volta das 02:00hs da madrugada, e quando estava a meio caminho de casa, passando através dos pântanos, a neblina estava mais pesada que o normal e eu dirigia com uma visão reduzida da estrada, sendo que o campo visual devia ser de uns 300 metros, e além dessa distância não era possível ver mais nada.

Eu tinha acabado de sair de uma parte do nevoeiro, quando vi um homem parado à beira da estrada.
Ele estava usando um macacão cinza-azulado e tinha na cabeça um capacete. Sob o seu braço parecia haver um lençol rasgado branco-acinzentado que ele arrastava atrás de si.

Eu parei o carro, mas ele parecia não me ver, ou seja, me olhava como se estivesse perdido ou em estado de choque. Pensei comigo mesmo, que coisa estranha, era tarde da noite, eu deveria falar com ele ou seguir meu caminho?

Então ele se aproximou, com aquele olhar fixo e passos vacilantes, para o lado esquerdo do carro... os faróis de repente ficaram fracos, e o motor parou.

Saí para fora e examinei o veículo, procurando a causa do problema. Então, do nada, os faróis se reacenderam e o carro voltou a funcionar normalmente. Quanto ao estranho homem... nem sinal!

Desaparecera no pântano enevoado.

Peguei a lanterna e o procurei por algum tempo, em vão... então os cabelos da minha nuca começaram  a subir e eu fui tomado por um medo irracional... voltei para o carro, pensando que precisava sair dali imediatamente. Então dei partida e fui para casa o mais depressa que pude-se, mas assustado com tudo aquilo.

Alguns dias se passaram e não contei a ninguém sobre o que vira, com receio de que ninguém acreditasse no meu relato.

Passados alguns dias, voltando novamente do trabalho,  e chegando aos pântanos, naquele mesmo trecho da estrada onde eu vira o estranho homem, a polícia havia montando um bloqueio. Saí do carro para ver o que estava acontecendo.

Então um policial me disse que um fazendeiro da região encontrara um velho bombardeiro alemão da Segunda Guerra Mundial, Heinkel 111, com os restos mortais da tripulação ainda a bordo.
Aproximei-me do local onde os destroços haviam sido encontrados, e notei que os membros da tripulação do bombardeiro, ou o que restava deles, vestiam um macacão cinza-azulado e usavam um capacete de vôo de couro que parecia com os de soldadores, igual ao do homem que eu vira naquela noite.
Também um dos membros da tripulação tinha um pára-quedas rasgado e desfiado perto dele, branco-acinzentado, uma ponta estava presa e esticada atrás dele, tudo indicando que aquela era a ossada do soldado, que me aparecera desnorteado no meio da neblina, que mesmo no além, ainda não entendia sua situação... isso ocorreu em 1992. "

O Submarino Nazista e o Monstro Marinho

Em 1943, no auge da Segunda Guerra Mundial, o capital do HMS Coreopsis, um navio de patrulha britânico, capturou alguns marinheiros alemães que estavam à deriva no Mar do Norte.

Ao serem rendidos pelos britânicos, os alemães não demonstraram resistência e logo se entregaram. Na verdade, pareciam aliviados em ver outras pessoas, mesmo que se tratassem de inimigos. A tripulação pertencia ao submarino U-28 e se resumia a 14 homens. Ao serem interrogados, os prisioneiros relataram uma história medonha e inacreditável.

Segundo um oficial do submarino, a missão consistia em torpedear navios mercantes que seguiam para o continente europeu e cortar as rotas de abastecimento. O submarino estava em perseguição a um comboio, mas havia perdido o contato com a presa. O capitão dera permissão para que o submarino subisse à tona para recarregar as baterias e para que os homens pudessem respirar um pouco de ar fresco ou fumar.  Enquanto estavam na superfície, o submarino foi cercado por uma densa neblina, e logo em seguida atacado por uma enorme criatura marinha parecida com um gigante coberto de escamas de peixes.

A tripulação, surpresa para dizer o mínimo, começou a atirar contra a criatura que danificou o lacre da escotilha principal do submarino. O  oficial contou ainda que o pânico ocasionou um incêndio a bordo. Os homens conseguiram afugentar o gigante que afundou no mar, mas o submarino fora danificado a ponto de não poder submergir.

O capitão ordenou que a embarcação seguisse para o norte a fim de tentar acenar para aviões de reconhecimento.  Mas, segundo o oficial alemão, isso não funcionou devido ao mau tempo. Então o capitão decidiu explodir o submarino para não permitir que ele caísse nas mãos dos aliados. A tripulação foi evacuada em botes de emergência enquanto o U-28 era destruído com cargas.

A parte mais sombria da narrativa dava conta que os três botes foram para o mar com 38 tripulantes. Mas apenas um desses botes foi resgatado pelos britânicos.  Os outros dois se perderam em meio a um denso nevoeiro , semelhante ao que cobriu o submarino antes de ser atacado pelo monstro.

Uma investigação formal foi conduzida para averiguar os fatos, mas nada mais se apurou desse estranho caso. A conclusão foi que o U-28 sofrera um acidente e afundara, e os marinheiros desaparecidos, considerados baixas de guerra... Mas não foi bem assim.

CLIQUE AQUI para ler "U-28: O Submarino que Matou um Monstro Marinho"
O Piloto Fantasma Nazista

Sophie Dack-Steiner está apavorada com o fantasma assustador que assombra a loja de sapatos que herdou.

Em novembro de 1940, um avião da Luftwaffe, Força Aérea Alemã, caiu na Sapataria Steiner em Dorset, Inglaterra, matando os três tripulantes a bordo.  Desde então, um piloto nazista chamado Heinz assombra a loja, assustando funcionários e clientes.

A loja, que tem 100 anos de existência, pertence a família Steiner a cinco gerações. Sophie, 21 anos, herdou a loja em 2012, e desde então, tem visto coisas muito estranhas... o fantasma é agressivo, pois congelou no tempo e julga ainda estar em pleno combate.

Passos misteriosos são ouvidos, latas de graxa de sapato são arremessadas, e os funcionários se sentem observados por olhos invisíveis.

O bunker antiaéreo da Segunda Guerra Mundial na parte de trás da loja, que é trancado com cadeado, costuma abrir sozinho  caixas de sapato são reviradas no estoque, e os funcionários têm visto até mesmo a sombria figura do fantasma. Um deles disse, ' é muito assustador, nós já tivemos clientes que viram Heinz e algumas pessoas tiveram objetos arremessados contra elas. "
Eu, hein?

O Desaparecimento do Voo 19

Conhecido como um dos incidentes mais misteriosos de todos os tempos, o desaparecimento do Voo 19 continua a intrigar os historiadores até hoje. Alguns meses após o fim da guerra, durante um treinamento n o Atlântico que envolveu cinco aviões torpedeiros TBF Avenger da Marinha dos EUA, todas as aeronaves, e 14 pilotos, desapareceram sem deixar vestígios.

O líder da operação, tenente Charles Taylor, comunicou por rádio que as bússolas não estavam funcionando, e outras coisas muito estranhas, como " o céu não está onde deveria estar, estou de cabeça para baixo, etc " até desaparecer definitivamente dos radares. Os destroços nunca foram encontrados, e a causa oficial do acidente foi dada como "Desconhecida. " Parece que, de fato, eles embarcaram rumo ao desconhecido... Nenhuma das aeronaves foi encontrada até hoje, e o desaparecimento da esquadrilha continua sendo um grande mistério.

CLIQUE AQUI para ler "Triângulo das Bermudas"
Aeronaves Fantasma

Mesmo nos dias atuais, quase 70 anos após o final da Segunda Guerra, ainda existem relatos sobre avistamentos de aviões daquela época, e até de esquadrilhas inteiras, que surgem do nada e desaparecem em seguida. Muitos desses relatos incluem detalhes sinistros, como pilotos com semblantes tristes que acenam para os vivos, aviões antigos que pousam sem ninguém em seu interior, para em seguida se desvanecerem como fumaça, e outros, mais macabros, tripulados por esqueletos.
Uma das lendas mais famosas é a de um avião norte-americano que surgiu na costa da Califórnia várias horas após o ataque a Pearl Harbor, visivelmente avariado e deixando atrás de si um rastro de fumaça. Testemunhas afirmam ter visto o piloto a bordo, mas depois que a aeronave caiu, nenhum corpo foi encontrado entre os destroços.

Invasão Alienígena em Plena Guerra

Depois do ataque a Pearl Harbor, que ocasionou a entrada dos EUA na Segunda Guerra, os norte-americanos ficaram extremamente apreensivos com a possibilidade de uma nova investida inimiga.  Assim, tanto o mar quanto o espaço aéreo - principalmente da costa oeste - eram constantemente vigiados, e a tensão popular era grande, beirando mesmo a histeria.

Em fevereiro de 1942, um objeto não identificado foi avistado sobre a cidade de Los Angeles, levando o exército a iluminar o céu com canhões de luz durante diversas noites, com o objetivo de rastrear e afugentar o possível inimigo. Entretanto, no meio da confusão, os raios luminosos foram confundidos com mais invasores, e uma bateria antiaérea foi disparada, em um enfrentamento que perdurou vários dias e ficou conhecido como "A Batalha de Los Angeles. '

A versão oficial é que o tal objeto era um simples balão meteorológico  que foi confundido com uma aeronave inimiga. Contudo, nenhuma aeronave japonesa jamais foi encontrada, e os militares nipônicos negaram ter invadido o espaço aéreo de Los Angeles naquela ocasião. Como resultado, o evento  acabou ficando conhecido como um dos mais famosos casos de avistamento de uma nave alienígena  Até hoje, nunca foi totalmente explicado o que aconteceu, mas passou a ser mais uma das lendas urbanas, que cercam a Segunda Guerra Mundial...

Compilação feita por Chiara

Sugestões da nossa loja oficial, a LojaSobrenatural.com.br
Comentários