28 de maio de 2013

História sobre o "Caipora", contada por minha avó...

Há muito tempo (não tanto assim vai), quando eu era criança com cerca de 6 ou 7 anos minha avó me contava várias histórias que ela dizia ser verdade. Coisas que aconteciam no sítio, onde morava.

Uma dessas histórias é sobre dois homens da região onde ela morava, dois compadres que entraram no mato à noite para caçar. Um dos homens era temente ao desconhecido, às lendas que contavam sobre seres da floresta, o outro porém, era totalmente descrente e debochava dessas lendas e das "supostas" criaturas.

Temendo entrar na mata de mãos vazias e desagradar o Caipora, o homem crédulo alertou o seu compadre que deveriam levar fumo ao caipora, caso ele aparecesse, do contrário, se eles não tivessem fumo o Caipora ficaria enfurecido. Porém o compadre descrente apenas riu da cara do homem e nada levou, já este, temeroso levou consigo um pouco de fumo e um terço como proteção.

Tarde da noite, já no meio da mata os dois avistaram ao longe uma fumaça que subia por cima das árvores, essa fumaça vinha se aproximando e as árvores farfalhavam suas copas, chegando cada vez mais perto... Então ouviu-se uma voz grossa e pesada dizendo: "CAIPOOOORA... CAIPOOOORA". O ser se aproximava dizendo seu nome. Ao chegar bem perto dos dois homens, que no momento já estavam petrificados, o Caipora cobrou dos dois o seu fumo, o compadre temeroso havia levado o fumo e o entregou ao Caipora, já o descrente estava boquiaberto e não sabia o que fazer diante daquele ser que parecia homem, mas tinha o corpo coberto por pelos, era da altura das árvores e fumava um cachimbo enorme!
O Caipora então pegou o fumo do compadre temeroso e logo se virou para cobrar o seu fumo do outro, como este não havia levado nada o Caipora se enfureceu tanto que pegou o homem, arrancou sua cabeça e fumou o seu corpo! O outro, ao ver tamanha barbaridade pegou seu terço nas mãos e rezando disparou correr em direção à sua casa. Porém a cabeça de seu compadre o acompanhava, rolando atrás dele e dizendo: "Me espera, compadre! Me espera!"... Então ele correu o máximo que pode, tentando deixar a bizarra cabeça rolante e falante de seu compadre para trás.

Ao chegar em casa ele trancou a porta e de sua boca não saia uma palavra. Conseguiu falar apenas no dia seguinte, quando contou tudo o que aconteceu na floresta.
_______________________________

Uma história até um pouco pesada para uma criança de 6 anos, mas eu adorava!!! Acho que por isso cultivo o interesse por coisas sobrenaturais desde sempre. Obrigada Vó Lena!

Minha avó dizia que era o Caipora, porém a descrição do ser não bate com a descrição do Caipora que conhecemos aqui, no folclore brasileiro. Ele é mais parecido com o Kapre, um ser do folclore filipino. Saiba mais AQUI. Será que teríamos Kapres de verdade em meio a florestas aqui no Brasil, no interior de São Paulo???
.
.
.

Comentários