10 de maio de 2013

Daniel Douglas Home

Home é considerado um dos mais famosos médiuns
de todos os tempos. Dizia-se filho ilegítimo de um
nobre escocês, mas foi criado modestamente
por uma tia, nos Estados Unidos
Daniel Douglas Home, "O rei dos médiuns", era capaz de coisas extraordinárias como sair levitando pela janela, dar a volta na esquina e entrar pela outra. Acabou louco.

Daniel Douglas Home, ou simplesmente D.D.Home, como é mais conhecido, foi um dos maiores "médiuns" que existiram, tal eram seus "poderes" que ele era chamado de "O rei dos médiuns". D.D.Home era de naturalidade irlandesa, nascido em Edimburgo no dia 20 de março de 1833.

Nascido na Escócia e criado nos Estados Unidos, Daniel era uma pessoa franzina. Aos treze anos, viu o espírito de um amigo, chamado Edwin. e anunciou a família o significado da visão. O rapaz deveria estar morto havia 3 dias, o que foi comprovado. Começou assim sua carreira mediúnica  Ele era dotado de inúmeras faculdades paranormais. Mas somente aos dezenove anos viria a desafiar a lei da gravidade.

A maioria dos levitadores segue algum credo religioso, que tanto pode ser o catolicismo quanto o misticismo hindu, ritos ligados aos antigos mistérios egípcios ou o espiritismo. Daniel Douglas Home pertencia a esta última categoria.


Ward Cheney, próspero fabricante americano de seda, organizou em agosto de 1852 uma sessão espírita em Connecticut. Home estava presente e todos aguardavam manifestações insólitas, tais como luzes misteriosas, objetos flutuantes etc. Mas algo inesperado aconteceu, tornando Home famoso da noite para o dia: ele flutuou no ar e sua cabeça tocou o teto. Entre os convidados estava um incrédulo repórter do Hartford Times, que descreveu o bizarro incidente: “Subitamente, sem que ninguém do grupo esperasse, Home subiu no ar. Eu estava segurando a mão dele e examinei seus pés – estavam 30 centímetros acima do chão. Todo o corpo de Home latejava, numa confusão de emoções que iam da alegria ao medo, sufocando suas palavras. Repetidas vezes ele levitou. Na terceira, subiu até o teta do apartamento, onde encostou as mãos e os pés”.

A carreira de Home progrediu; logo ele passou a ser tratado como celebridade tanto nas sessões espíritas quanto na sociedade mundana. Em todos os lugares onde ia ocorriam fenômenos – o vento uivava, flores frescas se materializavam e caíam do teto, portas se abriam e fechavam, bolas de fogo atravessavam a sala.

E Home levitava.

A célebre sessão de dezembro de 1868, em que saiu flutuando por uma janela e entrou por outra, continua sendo motivo de polêmica. O senhor de Lindsay (conde de Crawford, mais tarde) testemunhou o fenômeno e depôs: “Eu estava reunido com o sr. Home, lorde Adare e um primo dele [o capitão Wynne]. Durante a sessão, o sr. Home entrou em transe e nesse estado flutuou e foi levado para fora do apartamento, através da janela da sala contígua à nossa. Depois, sempre flutuando, voltou para o apartamento, passando por nossa janela. A distância entre ambas as janelas era de 2,30 metros e não havia nenhum beiral. A projeção de cada janela não passava de 30 centímetros e servia de floreira. Nós ouvimos a vidraça da sala ao lado subir, e logo em seguida vimos Home flutuando no ar do lado de fora de nossa janela. A lua cheia iluminava a sala; de costas para a luz, eu vi na parede a sombra do peitoril da janela, e os pés de Home uns 15 centímetros acima dela. Ele ficou nessa posição por alguns segundos, e então suspendeu a vidraça e entrou na sala com os pés na frente, sentando-se em seguida”.

Concepção de um artista sobre a levitação de D.D.Home.
Embora seus dotes psíquicos incluíssem
alongamento corporal e manifestações de aporte
(materializações de objetos), ele era famoso sobretudo
por desafiar a gravidade.
“Estou subindo, estou subindo”

Pesquisadores de fenômenos psi, como Frank Podmore ou John Sladeck, procuraram refutar esse acontecimento, embora nenhum deles estivesse entre as testemunhas. Sladeck tentou desacreditar as três pessoas que estiveram presentes, comparando detalhes de suas histórias – como, por exemplo, a altura dos balcões até a rua ou, ainda, se realmente havia balcões.

Podmore, por outro lado, mostrou-se mais sutil em seu ceticismo. Mencionou que poucos dias antes da levitação, e diante das mesmas testemunhas, Home abriu a janela e subiu na laje que servia de floreira, do lado de fora. Chamou a atenção de todos para o fato de estar sobre aquela laje estreita, a uma distância considerável do chão. Podmore observou que “dessa forma, o médium conseguiu formar um esboço do quadro que pretendia produzir”.

Mas, em outra ocasião, Home anunciou: “Estou subindo, estou subindo”, antes de começar a levitar diante de diversas testemunhas.

Podmore insinuou que as levitações de Home não passavam de alucinações produzidas por sugestão hipnótica, semelhante ao truque da corda indiana, que dizem ser alucinação em massa provocada pela arenga do mágico.

Mesmo diante de extrema hostilidade, Home continuou a fazer levitações com sucesso por mais de quarenta anos. Ele apresentava-se, inclusive, à luz do dia – e jamais se comprovou que fosse farsante. Apesar das acusações de Podmore, Home nunca procurou criar um clima de sugestionabilidade. Sempre evitou um “clima” especial – preferia luz clara nas sessões, e incentivava os presentes a conversarem normalmente, ao invés de darem-se as mãos e concentrarem-se.

Embora na idade madura o médium pudesse levitar sempre que desejasse, o fenômeno ocorria também à revelia de sua vontade. Numa ocasião, Home pareceu muito surpreso quando seu anfitrião lhe chamou a atenção para o fato de estar pairando sobre as almofadas da poltrona.

Home era alvo frequente dos caricaturistas.
Suas proezas espetaculares trouxeram-lhe
fama e riqueza. Os críticos acusavam-no
de fraude, mas nunca se provou nada contra ele.
Ilusionistas profissionais costumam orgulhar-se de seu número principal, quando colocam sua assistente em “transe”, equilibrando-a sobre duas espadas; depois, retiram as espadas de modo que ela paire no ar sem apoio aparente. Às vezes, ela está “hipnotizada” e sobe mais ainda no ar. Uma destas duas coisas deve acontecer: ela não sobe no ar (isto é, a platéia sofre alucinação coletiva) ou sobe ajudada por uma aparelhagem invisível para nós.

Home e outros espiritualistas atribuem suas proezas de materialização ou levitação a uma “aparelhagem invisível para nós” – só que, neste caso, a aparelhagem seria a atuação de espíritos. Até o fim de sua vida, Home sustentou que ele só podia voar porque era erguido pelos espíritos, que dessa forma demonstravam sua existência.

Eu não sinto mãos me segurando e nem na primeira vez tive medo”, disse. "Contudo, tivesse eu caído do teto de algumas salas em que fiquei no ar e sofreria ferimentos graves. Em geral, sou suspenso perpendicularmente; meus braços ficam rígidos e são puxados para cima de minha cabeça, como se eu estivesse me agarrando a uma força que me levantasse do chão.

Entre os que testemunharam os fenômenos de Home, destaca-se o cientista William Crookes, descobridor dos raios catódicos e precursor dos raios X. A respeito de Home, escreveu ele:

“Estes fenômenos são tão extraordinários, e opõem-se de modo tão direto às crenças científicas – entre outras, a ação da força da gravidade – que, até agora, ao lembrar-me dos detalhes daquilo que testemunhei, forma-se em minha mente um antagonismo entre a razão, que o consider:a cientificamente impossível, e a consciência de que meus sentidos do tato e da visão não são testemunhas mentirosas”.

D.D.Home nunca foi pego em fraude, e que as condições de controle, nas sessões que realizava foram frequentemente satisfatórias.

Em estado de transe, D.D.Home projetou
uma mesa contra o teto na presença de Napoleão III
Alguns de seus mais impressionantes fenômenos:

Os empregados do hotel Cox, na rua Jermyn, olhavam-se inquietos, aquela tarde de inverno de 1855. Desconfiavam de que algo estava ocorrendo num dos quartos do segundo andar, ocupado por um tal Mr. Home. O patrão estreitara sua amizade com aquele cavalheiro de gestos afeminados, cujo olhar penetrante continuava impressionando vivamente o pessoal do estabelecimento.

Enquanto a chuva repicava nas vidraças como marteladas, quatro pessoas reunidas à volta de uma pesada mesa: Lord Broughant, Sir David Brewster, Mr. Cox e Daniel Douglas Home. Brewster era professor de Física e ficou muito impressionado com o que aconteceu naquela tarde chuvosa. A mesa começou a vibrar de uma forma inquietante. A luz, filtrada através das úmidas vidraças, deixava ver, perfeitamente, tudo o que acontecia. Num momento dado, as trepidações quase insuportáveis do móvel transformaram-se em assustadores golpes, como se um punho invisível batesse furiosamente sobre o tabuleiro. No entanto, nenhum dos assistentes à sessão, tinha contato com aquele. Espontaneamente, a mesa levantou-se uns palmos do chão. Levitando no ar, oscilava de um modo estranho durante uns minutos e em seguida caía bruscamente.

Mr. Cox colocou um sininho sobre o tapete, Durante um tempo, este permaneceu imóvel, até que, finalmente, começou a tocar, agitando-se, violentamente, sem que ninguém tivesse estabelecido contato com o abeto de bronze. O indutor inconsciente daqueles fenômenos surpreendentes parecia ser Mr. Home.

Espírita convicto, não duvidava de que as entidades do «outro-mundo» manifestavam-se por meio da sua pessoa.

Em 1857, foi convidado às Tullerias, em Paris, e Napoleão III pôde comprovar as maravilhosas faculdades do jovem Daniel. Uma mesa de madeira maciça foi projetada contra o teto e um lápis, manejado misteriosamente, traçou a caligrafia de Napoleão Bonaparte. Dele, contou Lord Adare, que, no dia 16 de dezembro de 1868, estando em fase de transe, saiu para a rua, pela janela, flutuando no espaço, e do mesmo jeito tornou a entrar no cômodo, diante da angustiosa expectativa dos presentes.

Até William Crookes, o eminente físico a quem se deve as análises mas importantes sobre os raios catódicos – que tornam possível a televisão dos nossos dias –, descobridor do elemento químico tálio e inventor do radiômetro, mostrou-se interessado em estudar os fenômenos gerados por aquele singular britânico. Em 1869, iniciou seus trabalhos com Homes. Seus instrumentos de laboratório permitiram avaliar a intensidade das forças misteriosas que o médium exercia sobre a matéria.

Sir William Crookes,
eminente físico que estudou
 os raios catódicos,
estudou também o médium
 D.D.Home e com seu prestígio
 pode dar seu aval a
 realidade dos fatos.

Mais Fenômenos:

Um dos casos mais convincentes de fotogênese foi realizado por D.D. Home, veja:

D.D.Home fazia aparecer luzes em toda classe de formas. Umas vezes uma pequena bola luminosa flutuava no ar, outras vezes, apareciam pequenas luzinhas, como chuva de estrelas ou diminutos fogos de artifício. Numa ocasião, viram-se umas como línguas de fogo repousando ou saindo da cabeça de Home.

Inclusive alguma ou outra vez foi observada uma luz bem mais intensa, pois era visível na sala bem iluminada. Escreve, a propósito William Crookes: "Em plena luz, vi uma nuvem luminosa pairar sobre um helicóptero, colocado em cima de uma mesa, ao nosso lado ... e, em algumas ocasiões, percebi uma nuvem semelhante condensar-se sob nossos olhos."

Algumas vezes, luzes errantes, fosforescentes, tocaram os corpos dos assistentes, oferecendo a sensação de contato com um corpo sólido.

O caso acima foi estudado por William Crookes, que diz: "Tenho apenas a necessidade de lembrar aos meus leitores que... tomei todas as precauções convenientes para evitar que lançassem mão de óleo fosforado ou de outros meios. Ademais, muitas dessas luzes eram de natureza tal que não pude chegar a imita-las por meios artificiais; sob as mais rigorosas condições de exame..."

D.D.Home produzia também o fenômenos extra-normal chamado Tiptologia, como veremos abaixo, nas palavras de William Crookes:

"Por diversas vezes, durante as minhas experiências, ouvi pancadas delicadas como produzidas pela ponta de um alfinete, (outras vezes) como uma cascata de sons penetrantes: os de qualquer máquina de indução em plena atividade; detonações no ar, (ou ainda), leves ruídos metálicos, estalidos agudos, como os que se ouvem quando uma máquina trituradora esta em atividade; sons que pareciam arranhaduras, gorjeios como os de um pássaro, etc.".

Fontes: 

- Inexplicado - Rio Gráfica Vol 01 - 1985
- Mistérios do Desconhecido - Ed. Século Futuro - Vol 01





Sugestões da nossa loja oficial, a LojaSobrenatural.com.br
Comentários