3 de abril de 2013

Pressentir a Morte

Por Rosa Paula Simões

Três momentos muitos marcantes aconteceram comigo, estou passando nesse momento por um momento que me mostrou que sinto quando algo de ruim acontece.

A primeira vez aconteceu foi quando meu avô morreu, a uns 10 anos atras. Quando soube que ele estava entre a vida e a morte, fui para São Paulo vê-lo, passei dois dias ao lado dele e voltei para Goiânia  Na viagem de volta parei em um hotel em Uberaba para passar a noite, quando de madrugada o telefone tocou, atendi ao telefone e ninguém respondia, liguei para a recepção do hotel e eles me disseram que ninguém havia me ligado. De manhã continuei a viagem, cheguei em Goiânia por volta das 9 horas da manha, assim que cheguei o telefone tocou, era a minha mãe dizendo que meu avô havia falecido na madrugada a 1 hora da manhã.

A segunda vez foi a uns 5 anos atras, quando estava indo dormir. Era umas 21 horas, deitei e peguei no sono rapidamente. Acordei umas 23 horas de repente com muita dor no peito de angústia, coração muito apertado, sabendo que tinha acontecido alguma coisa com alguém muito próximo, meus filhos estavam dormindo tranquilos, então imaginei ter sido algo com meu pai, liguei para ele, mas felizmente estava em casa já dormindo. Voltei a dormir com aquele sentimento que havia acontecido algo de grave. No dia seguinte, de manhã, toca a campainha de minha casa e meu ex marido aparece em casa todo machucado com vários arranhões dizendo que queria ver os filhos, pois tinha sofrido um acidente de carro na noite anterior, e sentiu a morte perto.

A uma semana atrás começou uma dor de cabeça muito forte que não passava nem com analgésicos, uma dor na nuca muito grande, e o corpo sempre cansado. Disse ao meu marido que eu estava me sentindo muito estranha. Na quarta feira, senti uma vontade quase insuportável de pisar na grama, de sentir cheiro de mato, de estar perto de um rio ou cachoeira, tamanho era o desejo que pedi ao meu marido para descer comigo (moro no 11º andar) no jardim as 2 horas da manhã. Deitei na grama, passei a mão nas plantas, me senti melhor mas sabia que ainda não era isso que precisava, sentia como se alguém me pedisse para ir em algum lugar, e essa vontade não saía de minha cabeça. Na quinta-feira falei ao meu marido que eu estava me sentindo esquisita, que alguma coisa não estava bem comigo, precisava ir em algum lugar que houvesse um rio e plantas. Ele pegou o carro e no caminho foi rezando para Deus guiá-lo para algum lugar onde eu pudesse me sentir bem. Andamos uma meia hora , quando pensei já em voltar para casa, pois entramos numa rua que não tinha nada, vimos uma porteira aberta e entramos, já estava sentindo aquele cheiro de grama molhada, de água, rio. Tirei o cinto de segurança para sair do carro, quando meu celular toca...era minha mãe dizendo que minha avó estava no hospital e que não estava nada bem. Olhei para meu marido, e senti que era por isso que estava lá. Descemos até o córrego, senti a brisa, o barulho da água e alguém me dizendo: "Era aqui que eu queria que você viesse." Respirei fundo , fechei os olhos e rezei, fiquei lá uns 20 minutos sentindo e ouvindo o barulho da água.Voltei para casa sabendo que minha vó não vai mais voltar.

Três dias depois minha mãe me liga dizendo que minha avó ainda estava no hospital, e piorando cada vez mais, até que ela morreu.

Ouvindo tudo isso que eu acabei de lhe contar...o que você acha?

Responda alguma coisa para mim.

Fonte: Sobrenatural.Org
Sugestões da nossa loja oficial, a LojaSobrenatural.com.br
Comentários