19 de fevereiro de 2013

El Inexpresivo (O Inexpressível)

Por João Ricardo Belusso*

Em junho de 1972, uma mulher apareceu no Hospital Cedar Senai, Los Angeles, Califórnia, em nada mais que um vestido branco coberto de sangue. Mas isso não causou nenhuma agitação, pois era um episódio monótono, as pessoas sofriam acidentes e procuravam pelo hospital mais próximo para atendimento médico. Porém, haviam duas coisas naquela mulher que chamaram a atanção e provocaram terror nos funcionários. A primeira é que ela não era exatamente humana, era como um manequim, mas sua flexibilidade e fluidez era de um ser humano normal. Seu rosto era tão perfeito como de um manequim, sem sombrancelhas ou maquiagem. A segunda razão pela qual os funcionários se agitaram, é que ela estava com um gato apertado entre seus dentes. Sua mandíbula estava tão apertada ao gatinho a ponto de nenhum dente poder ser visto. O sangue do gato jorrava para fora de sua boca, por cima do vestido e no chão. Então, um certo momento ela puxou-o para fora de sua boca e deixou-o jogado no piso do hospital.


A partir do momento em que ela foi levada para uma sala hospitalar, antes de ser limpa e preparada para a sedação, ela parecia completamente calma, sem expressão e sem movimento. Os médicos acharam melhor conte-la até que as autoridades chegassem para avaliar a situação, e ela não protestou. Os funcionários não foram capazes de obter qualquer resposta ou explicação dela, pois a maioria se sentia muito desconfortável em olhar diretamente para ela durante mais do que alguns segundos.

Quando a equipe tentou dar-lhe o sedativo, ela se defendeu com força extrema. Dois membros da equipe dominaram e ergueram seu corpo em cima da cama para firmar-lhe. Sua expressão estava em branco. Ela revirou os olhos impassíveis para o médico com o sedativo e fez algo incomum. Ela riu. E enquanto ela ria, a enfermeira que estava logo ao lado gritou de terror e entrou em choque. Os dentes na boca da mulher não eram apenas dentes, eram pontos longos e afiados. Pelo que aparentava seus dentes estavam assim faz tempo, pois estavam sujos e entre eles, restos de comida. O médico olhou para ela por um momento e disse "Que diabos é você?". Ela se soltou dos doutores e mesmo assutada, continuava sorrindo. Houve uma longa pausa, um silêncio perturbador. A segurança foi alertada, sirenes e mais sirenes. Ao ouvir isso, ela se lançou para frente, afundando os dentes no pescoço do médico, rasgando sua jugular e deixando-o cair no chão, já morto. Ela se levantou, seus olhos eram perigosos e inseguros, afirmou a enfermeira. Ela se aproximou de outro doutor apavorado e disse "Eu... sou Deus". Os outros médicos olharam assustados para ela, enquanto ela ia cumprimentar os agentes de segurança.

Não se tem mais notícias do que aconteceu. Não se sabe ao certo se a história é mesma esta. Esse relato acima foi dado pela enfermeira, que ajudou e presenciou tudo. Depois do incidente, ela deu uma entrevista para um escritor e nunca mais foi vista. O mesmo aconteceu com os outros dois médicos e os agentes políciais, que não quiseram dar entrevista. O caso ficou em aberto bastante tempo, mas depois de um tempo foi para os não resolvidos.

Suposta foto da "mulher de branco manequim".
Fonte: Sobrenatural.Org

Sempre gostei do sobrenatural. Histórias, contos, lendas, sempre me fascinaram, e estou aqui para compartilhar um pouco do meu conhecimento com vocês.


Sugestões da nossa loja oficial, a LojaSobrenatural.com.br
Comentários