16 de janeiro de 2013

Pesquisa observa atividade cerebral de médiuns durante psicografia


Resultado mostra diminuição de fluxo sanguíneo em áreas inesperadas. Motivo é desconhecido, mas merece ser aprofundado, defende autor.

Cientistas da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e da Universidade Thomas Jefferson, nos EUA, mediram as atividades cerebrais de dez médiuns brasileiros enquanto faziam psicografia, ou seja, enquanto, segundo acreditam, um espírito supostamente escrevia um texto usando suas mãos.

Eles compararam os resultados da ação de psicografar com a atividade cerebral enquanto redigiam um texto fora do estado de transe, isto é, de “próprio punho”.

A equipe liderada por Julio Peres, do Instituto de Psiquiatria da USP, usou voluntários que têm entre 15 e 47 anos de experiência em psicografia. Eles foram divididos em dois grupos – mais e menos experientes.

Para verificar a atividade cerebral dos dez médiuns, os cientistas injetaram neles um marcador radioativo que permite checar a intensidade dos fluxos sanguíneos em diferentes áreas do cérebro por meio de tomografia.
Os autores afirmam que os médiuns experientes apresentaram níveis mais baixos de atividade durante a psicografia, em comparação à escrita normal, justamente em áreas frontais do cérebro associadas ao planejamento, raciocínio, geração de linguagem e solução de problemas. De acordo com os cientistas, isso pode refletir a ausência de consciência durante a psicografia.

Os psicógrafos menos experientes, por sua vez, tiveram atividade mais intensa nessas mesmas áreas enquanto psicografavam, ainda que também inferior à registrada durante a escrita fora de transe. Segundo os pesquisadores, este fato poderia estar relacionado com uma tentativa “mais esforçada” dos médiuns menos experientes de fazer a psicografia.

Textos

Os autores ainda analisaram os textos produzidos e concluíram que aqueles psicografados resultaram mais complexos que os produzidos em estado normal de vigília, especialmente entre os médiuns mais experientes. Seria de se esperar que isso exigisse mais atividade em áreas frontais e temporais do cérebro, mas não foi o que os cientistas observaram.

De acordo com Peres, não há ainda uma explicação exata para esses resultados, mas eles merecem um aprofundamento. Uma possibilidade é que, como a atividade nas partes frontais do cérebro diminui, outras zonas, relacionadas à criatividade, ficam mais desinibidas. O estudo foi publicado nesta sexta-feira (16) no periódico científico online "PLOS ONE".

Vi enquanto assombrava o G1


Sugestões da nossa loja oficial, a LojaSobrenatural.com.br
Comentários