17 de janeiro de 2013

Dois Sóis – Sinais do Fim do Mundo

Por Mr. Tlaloc

O aparecimento de um segundo sol no céu tem sido registrado em varias partes do mundo.
Um estranho fenômeno tem sido observado e registrado em vários países. Seu surgimento está sendo associado a sinais de que o “Fim do Mundo” está próximo. Muitos dos apocalípticos acreditam que tais fotos provam a existência do Planeta X, também conhecidos como Hercolubus, Niribu... suposto planeta que fica a maior parte do tempo escondido do outro lado do sol. A trajetória de sua órbita irregular e instável cria a expectativa de um inevitável choque catastrófico com a terra, evento que poderia provocar o fim do mundo.





Apesar das imagens serem lindas, elas têm provocado muito pânico na naqueles que presenciaram o fenômeno, por não conhecerem sua verdadeira origem, criam inúmeras teorias associadas ao fim do mundo.

Cássia Eller já cantava, sobre tal fenômeno, confira a letra da música “O Segundo Sol”.

O Segundo Sol - Cássia Eller

Quando o segundo sol chegar
Para realinhar as órbitas dos planetas
Derrubando com assombro exemplar
O que os astrônomos diriam
Se tratar de um outro cometa

Não digo que não me surpreendi
Antes que eu visse você disse
E eu não pude acreditar
Mas você pode ter certeza

De que seu telefone irá tocar
Em sua nova casa
Que abriga agora a trilha
Incluída nessa minha conversão

Eu só queria te contar
Que eu fui lá fora
E vi dois sóis num dia
E a vida que ardia sem explicação

Explicação, não tem explicação
Explicação, não
Não tem explicação
Explicação, não tem
Não tem explicação
Explicação, não tem
Explicação, não tem
Não tem

Sim o fenômeno tem explicação:
Para começar a entender como se produz este fenômeno natural, devemos nos reportar ao arco-íris que é bem mais comum. O arco-íris é uma miragem produzida pela luz do sol que é decomposta ao atravessar partículas de água suspensa no ar.

Arco-íris em volta do Sol.
Este efeito ótico tem uma origem parecida. Mas desta fez sem chuvas, a imagem do arco-íris em volta do sol é feita ao atravessar partículas de cristais de gelo suspensa no ar. Este fenômeno é conhecido pelo nome Halo do Sol.

O halo solar é um fenômeno ótico que acontece quando a luz solar atravessa nuvens composta de microcistais de gelo

A luz da lua também pode produzir tal efeito ótico obedecendo ao mesmo princípio do halo do sol. 

Nesta foto de um Halo da Lua, podemos observar um arco-íris noturno envolta da Lua.

O SEGUNDO SOL
Agora para entendermos melhor a miragem do Segundo Sol, devemos nos reportar a um outro efeito ótico chamado de “refração”. A refração é um fenômeno produzido quando um raio de luz se desvia ao mudar de meio para outro, dando a impressão de que o objeto está em outra posição. Observe esta simples experiência de colocar um lápis num copo d’água.

Observe que na imagem ‘A’ , o lápis parece estar quebrado e a parte inferior é não é mostrada em sua posição real posição real. Na imagem ‘B’ as listras que estão atrás do copo, são mostradas distorcidas, quando são observadas através da água. Isso se chama refração. A luz atravessa a água e muda de direção, produzindo uma miragem, um efeito ótico.

A composto gasoso da atmosfera da terra também pode produzir este efeito de refração, quando o sol passa por ela. Veja a ilustração abaixo.

Veja o esquema:


O efeito ótico do “Segundo Sol”, conhecido pelo nome grego 'parélio' (parahélio), 'iridescência' e também por 'sundog',  é produzido seguindo os princípios da refração. Geralmente o sol se encontra próximo à linha do horizonte. Quando temos não só a refração da atmosfera, mas também a refração da luz solar atravessando uma nuvem de cristais de gelo. O fenômeno é muito mais raro do que o halo-solar por si só, e ocorre preferencialmente em locais mais frios, propícios a formação de nuvens carregadas de cristais. 

Na verdade num parahélio completo, é possível observarmos não dois, mas três sóis, dependendo da posição do observador.

Parahélio com três sóis

Três perfeitos sóis observados na China

Neste esquema, é possível observar a luz atravessando dois meios diferentes.  A luz refratada, produz uma falsa imagens duplicada ao lado da original.


No segundo esquema, é possível observar como a luz incidente ao atravessar o cristal de gelo é partida de modo a formar três imagens parecidas.


Como falamos antes, o efeito é raro, para que se produza é necessário primeiramente que o halo solar esteja no horizonte e a nuvem de cristais de gelo devem estar alta e paralela a superfície da terra em relação ao observador. Por este motivo também, somente uma pequena área a terra será atingida pelos raios refratados, o que produz um número limitado de possíveis observados. 


Hoje com a tecnologia digital e Internet, podemos observar fotos tirados deste raro fenômeno por toda à parte no mundo, mas antes não era assim. Apesar do parahelio ser raro, vasculhando livros antigos podemos encontrar gravuras já produzidas na idade média que ilustram pessoas observando o fenômeno.

Ilustração do parahélio, três sóis sendo observados por aldeões.

Para saber mais, existe um programa que simula as condições de formação do parahelio, três sóis.
Link http://tinyurl.com/bpcwbbt

SE COPIAR CITE A FONTE
Autor Mr.Tlaloc
Comentários