17 de janeiro de 2013

Deus enviará guardiões celestiais para nos proteger


Por Srtª Mistério

O que vou relatar aqui, aconteceu comigo e com mais duas pessoas da minha família, Pedro, meu sobrinho e Ana Claudia, minha cunhada (nomes fictícios).

No ano de 1994, eu havia me convertido na igreja que minha mãe congrega até hoje, naquela época eu tinha 9 anos, e como eu era nova convertida, gostava de ir aos cultos todos os dias. Eu amava! Assim também era minha cunhada, que também aceitara a religião e como nova convertida, também gostava de frequentar a igreja sempre que podia.

Muito bem, só pra ressaltar, eu era evangélica e hoje não sigo nenhuma religião, mas vamos ao que interessa...


Onde eu moro é um lugar muito perigoso, hoje ta até mas pacificado, não é favela mas atrai muitos bandidos, principalmente quando fogem do presídio municipal... advinham para ondes eles vão? Pois é, para essa localidade que eles costumam se esconder. Odeio esse lugar! Mas voltando o assunto. Naquela noite resolvemos ir ao culto, como nenhum homem da minha família quis ir à igreja, resolvemos então ir só nós três, eu, meu sobrinho e minha cunhada.

Naquela noite eu sentia-me muito bem, estava muito alegre, nada demais até aí...

Quando retornávamos do culto, já era por volta das 9h30 da noite e aquela noite estava muito, mas muito escura, não se via nem a claridade da lua, minha casa fica muito longe da igreja e para poder chegar lá, temos que passar por uma longa estrada de terra, que é totalmente sem iluminação, aliás era, pois no ano de 2012 a energia chegou a essa estrada, que bom! Pelo menos isso nesse lugar desprezível.

Assim que chegamos na estrada de terra, bateu o medo, pois nunca saímos a noite sem que um homem nos fizesse companhia, pois como disse antes, o local é muito perigoso. Naquele momento começamos a apressar os passos, pois o caminho era longo e estávamos morrendo de medo. No caminho nós pedíamos proteção a Deus, e por impulso resolvemos olhar para trás e nos deparamos com quatro homens completamente vestidos de branco. Nossa! Aí que o medo aumentou, eles vinham rapidamente atrás de nós a uma distância mais ou menos de 100m, eu acho, e foi aí que resolvemos apressar mais ainda os passos, e de vez em quanto olhávamos para trás pra ver se eles ainda estavam nos seguindo... e não é que estavam!
Gente, o medo foi grande. Eles eram do mesmo tamanho, altos e umas vestes brancas muito intensas, caminhavam um do lado do outro, pareciam soldados, o jeito que eles caminhavam era igual, e praticamente tomavam toda a estrada. Eles nos seguiram durante todo o trajeto, até quando fizemos a primeira curva e já íamos subindo um alto, a distância de uns 100 metros eles também fizeram a curva... Nossa!

Eu achei que iria morrer naquele dia! Meu coração estava em tempo de sair pela boca! Minhas pernas pesavam. A curva fica já próximo a nossa casa, bastava agora fazer mais uma curva para podermos chegar na luz da rua, pois até aí a escuridão era total.

Quando chegamos na claridade da rua foi que minhas pernas, que até o momento estavam pesadas, voltaram a "funcionar", nem sei como eu conseguia andar, pois a vontade era de correr naquela escuridão, mas não conseguia, assim também era Pedro e Ana Claudia, que me relatou depois que também sentira suas pernas pesadas. Foi aí que corremos desesperadamente para minha casa quase quebrando a porta, pedindo socorro e que alguém abrisse logo a porta. Logo a porta se abriu e eu corri pra dentro sem olhar nem pra trás, assim fez também Pedro e Ana Claudia. Depois de tomar um copo d'água e passado um pouco o nervorsísmo, conseguimos contar o ocorrido.

Fomos todos para fora de casa com meu pai e irmãos armados, à espera desses homens aparecerem ali na esquina, pois como disse antes, eles também fizeram a curva e o caminho que nós fizemos só tem uma saída: fazer mais essa curva ou voltar pra trás. Passaram-se um bom tempo e nada desses homens aparecerem. Do jeito que nos seguiam, já dava tempo deles aparecerem na esquina. Isso levou mais de meia hora esperando os mesmos, e nada. Resolvemos entrar e tentar dormir.

No dia seguinte minha mãe relatou que aqueles homens eram anjos, e aí que a ficha caiu. Sabe por que? Como eu disse, a estrada de terra era totalmente escura e eu mais meu sobrinho e cunhada não enxergávamos nem a nós mesmos, imagine quatro homens? Pois nós virmos com nitidez os quatros homens, melhor dizendo, guardiões de Deus. Anjos que foram enviados para nos proteger. Eu vi o corpo completo até a cabeça! Foi aí que percebemos que os rostos deles também eram brancos. Eu não vi olhos nem boca e sim um rosto branco reluzente, assim também descreveu Pedro e Ana Claudia.

Agradeci a Deus pela proteção, pois naquela estrada sempre aconteciam coisas ruins como mortes, assaltos... sem contar os animais selvagens como cobras e raposas que as pessoas sempre viam por lá.

Só agradeço a Deus por cuidar tão bem de mim.

Obrigada Senhor!

Fonte: Sobrenatural.Org


Sugestões da nossa loja oficial, a LojaSobrenatural.com.br
Comentários